VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Veja e Eike: “Não o fracasso mórbido de Garrincha”


02/07/2013 - 17h38

Eike “Xiaoping” Batista

da Veja, em 16/01/2012

Os repórteres de VEJA que foram ouvir os novos milionários brasileiros, categoria que aumenta à razão de dezenove pessoas por dia, relataram a Thaís Oyama, redatora-chefe encarregada de editar a reportagem, que, entre muitos traços comuns, um sobressaía: eles têm como ídolo o empresário Eike Batista, o brasileiro mais bem colocado na lista de bilionários da revista Forbes, em que ocupa o oitavo lugar.

“Exatamente o que eles admiram em Eike?”, perguntou-lhes Thaís. Com ligeiras variações, as respostas giraram em torno do mesmo ponto: “Eike não tem vergonha de ser rico”.

Ao elaborarem as respostas, os entrevistados enfatizaram que admiram a ambição de crescer junto com o próprio negócio e prezam o direito de acumular riqueza e propriedade adquiridas com trabalho honesto e talento.

Vem inevitavelmente à lembrança a guinada ideológica que Deng Xiaoping promoveu na China comunista a partir de 1976, quando lançou as palavras de ordem: “Enriquecer é glorioso”.

Deu no que deu. A China saiu da estagnação coletivista e agora emparelha como potência industrial com os Estados Unidos.

Em seu livro O X da Questão, Eike escreveu: “Muita gente não enxerga o que representa contar, no topo do ranking dos homens mais ricos do mundo, com um empreendedor brasileiro que ama o Brasil (…), concentra seus investimentos no mercado interno e gera emprego, riqueza e divisas para a nação”.

Os empreendedores que ilustram a reportagem de VEJA também se orgulham de ter chegado à prosperidade milionária pagando seus impostos, competindo em igualdade de condições e gerando empregos de qualidade. É de celebrar o triunfo desse espírito empreendedor.

O brasileiro já foi identificado com o derrotismo do Jeca Tatu ou, na metáfora futebolística popular, com a visão de mundo que chancela o fracasso mórbido de Garrincha, mas desconfia do saudável sucesso universal de Pelé.

A reportagem desta edição de VEJA captura esse momento especial de glorificação da riqueza produzida com trabalho, honestidade, investimento pessoal e coragem para correr riscos.

Ele é o símbolo de um tempo mais generoso para todos os brasileiros.

Leia também:

Tijolaço: Globo admite que sonegou, mas pagou

Jamil Chade: TV brasileira envolvida no suborno a Teixeira e Havelange

Globo reafirma que pagou dívida à Receita; MP aguarda informações

Barão pedirá que MP investigue sonegação da Globo

Miguel do Rosário: Globo cobrada em R$ 615 milhões por sonegação 

Altercom: Relatório da Secom comprova concentração de verbas

Pimenta cobra; Secom diz que faz mídia “técnica”; Globo recebeu R$ 5,86 bi

Renato Rovai: A chamada mídia técnica versus a qualidade democrática

Venício Lima: Por que o governo deve apoiar a mídia alternativa

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



24 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

francisco niterói

04 de julho de 2013 às 08h46

As manipulacoes da VEJA, grandes ou pequenas, cada vez se sustentam menos.
Vejam o divertido link abaixo:

http://ajusticeiradeesquerda.blogspot.com/2013/07/pra-variar-era-maracutaia-lider-que.html

Responder

Roberto Locatelli

04 de julho de 2013 às 06h56

A verdade é que a mídia golpista (Globo, Veja, etc) nutre um ódio doentio contra Eike, Abílio Diniz e qualquer empresário que ouse simpatizar com Lula e Dilma.

Responder

Clayton Augusto Benevides

03 de julho de 2013 às 18h38

Pagar imposto é dever cívico, obrigação para com o povo de uma nação. Porque celebrar o fato de Eike estar cumprindo com suas obrigações? Eu pago meus impostos mas a Veja não me entrevista! Acho um desrespeito a minha pessoa e a todos os brasileiros pagadores de impostos, a Veja teria que entrevistar a nós todos!

Responder

Milton conti

03 de julho de 2013 às 17h13

O pai dele foi ministro do FHC e presenteou o filho com um patrimônio da nação.
Eike gosta de brincar de empresário, é um péssimo administrador, mas como a fortuna veio de graça, não tem problema, papai da outra.

Quero ver ele “levantar” uma fabriqueta quase quebrada.

Responder

"Identificado com o Progressismo... e não com uma CIA de 'anonymous'."

03 de julho de 2013 às 16h55

o que ninguém percebeu ainda é que o Filhinho do papai ministro da ditadura Batista (nascido em berço – digo, “mapa da mina” – de ouro) está para o Brasil de 2013 como a “bolha imobiliária” para os EEUU em 2008.. Quando EIKE quebrar devido ao ataque em curso ao Brasil… a mídia golpista dará sua “cobertura” enfática de como nossa economia vai mal, as bolsas despencarão (especulação) o dollar estará na estratosfera, pulverizando nossas reservas de dollars e em seguida estaremos abrindo os portões para entrada do FMI “recuperar” nossa economia. lá se vão Petrobras/Pré-sal/BB/CEF e níveis baixos de desemprego! aguardem e verão! acordem, a CIA está com o golpe “in progress”.

Responder

Hélio Pereira

03 de julho de 2013 às 11h39

Quem acreditou na Reportagem da Veja e investiu o “suado dinheirinho” em ações,deveria entrar com uma ação por perdas e danos contra esta Revista.

Responder

Lenine Braga

03 de julho de 2013 às 11h22

Vencemos essa batalha contra a burguesia. Conseguimos quebrar o Eike. Agora faltam os Marinho, os Mesquita e outros reacionários.
À luta companheiros!

Responder

    Samir

    03 de julho de 2013 às 18h58

    Cumpanhêru, na revolução francesa aconteceu algo semelhante ao que você propõe: os magníficos revoltosos da igualdade, fraternidade e da liberdade gulhotinaram praticamente toda a nobreza francesa. Além dessa expropriação de vidas inúteis (sic), grande parte da burguesia foi passada à fio (de espada). Após isso, a França decaiu, continuou decaindo e foi seguindo ladeira abaixo – Napoleão I teve que saquear os reinos vizinhos para por comida na mesa do povo, e na 2a. grande guerra a França foi salva pelozamericânu imperalizta. Hoje, a grande Frnaça dos luízes é quase, ou está em vias de se tornar, uma colônia muçulmana. Viva la revolución, cumpanhêruszl.
    O mesmo pode acontecer com o Brasil, cumpanhêruszl. Vocês que têm ódio dazelite, não serão capazes de administrar o país. Sabem porquê? Vocês não foram preparados para tal. Se tivessem sido preparados, seriam dazelite e, se fossem dazelite, já estariam com seus pescoços no cadafalso. Hehe. Que dilema!
    Ser comunista da Nomenklatura é mais do que muito bom, é ótimo. Mas, somente enquanto existe dinheiro, dinheiro esse que não foi ganho por vocês que só sabem gastar o que não ganharam.
    Arriba Cuba! Viva Fidel, Chavez, Evo! Hahahaha.

    Biru-biru

    03 de julho de 2013 às 19h09

    Amigo, o dinheiro Eike passou para outras mãos, só isso. Muita gente ficou bilionária de repente. Não sacou não ou você acredita em papai noel, loteria esportiva, mega-sena etc.?

augusto2

03 de julho de 2013 às 09h27

Darwin e a ideia da sobrevivencia do mais forte sobreviveriam bem a EIke e a propria editora abril TALVEZ …
Agora, Lamarck, o teórico da ‘Evoluçao’ acho que se suicidava ao ver concretamente esta involuçao aqui, dois pontos:
ELIEZER BATISTA>Eike Batista>THOR batista!
cacilda,hein.

Responder

LEANDRO

03 de julho de 2013 às 08h57

Se preocupa não Eike. O governo te socorre como socorreu o Silvio Santos. Só quem quebra nesse país é o pequeno empresário, os grandes nunca.

Responder

    Julio Silveira

    03 de julho de 2013 às 11h06

    Verdade. Mas isso em todos os tempos e governos, para sermos justos. É cultura dominante na politica.
    Quer um exemplo mais antigo? Um governante Gaucho de uns anos atrás foi saudado como herói pela mídia local(e por muita gente desmiolada que desconhece o sentido de cidadania) pelo alto investimento feito com recursos públicos, além de isenções fiscais, para trazer a GM para o estado. Só esqueceram, que no mesmo período toda uma região de pequenos e médios empresários, o Vale dos Sinos, ia quebrando pela instabilidade econômica na época, sem receber qualquer solidariedade nos mesmo termos.
    Passado o tempo, a GM do estado praticamente salvou a GM mundial, trouxe benefícios a Gravataí é verdade, mas nem tanto assim, e deixou um passivo de violência e criminalidade para a sociedade da Região do Vale dos Sinos. Moral da historia Vestiram um Santo Rico despindo outro mais necessitado.

FrancoAtirador

03 de julho de 2013 às 08h02

.
.
Eike Batista Oficial ‏@eikebatista 13 abr

Vamos apurar e exigir retratacoes da Revista Veja no mesmo espaco e tamanho! Mandamos para a Revista oNr real,que ela nao publicou! Porque?

Eike Batista Oficial ‏@eikebatista 13 abr

Mentira da Veja de hoje! Exposicao de risco de 10Bi de Reais com o BNDES! Numero Real= 109milhoes de Reais de Exposicao com Grupo EBX!

Eike Batista Oficial ‏@eikebatista 13 abr
Mentiras da Veja! Semana passada diz que Superporto do Acu estaria afundando!3f jornalista do Valor visita Acu desmentindo versao da Veja!

(https://twitter.com/eikebatista)

Responder

João

03 de julho de 2013 às 06h12

Não vê quem não quer. O que os psicopatas nazistas da veja estão questionando, ou melhor, indignados, é com o fato de o estádio mais bonito do Brasil ter recebido o nome de Mané Garrincha. Não sei quem teve a ideia de batizá-lo com este nome, mas será que foi o Lula? Ou terá sido o governador do Distrito Federal? Mas com toda certeza não foi ninguém da “oposição”.

A revista veja continua sendo uma bosta, mesmo quando elogia os empresários pagadores de impostos. Todos eles (os empresários pagadores de impostos) cabem num micro-ônibus.

Responder

Scan

03 de julho de 2013 às 00h03

Irretocável o post do José Carlos sobre o “fracasso” de Garrincha.
Irretocável!

Responder

jaime

02 de julho de 2013 às 23h41

“produzida com trabalho, honestidade, investimento pessoal e coragem para correr riscos.”
Fala sério!

Responder

Fabio Passos

02 de julho de 2013 às 22h50

rsrs

“A reportagem desta edição de VEJA captura esse momento especial de glorificação da riqueza produzida com trabalho, honestidade, investimento pessoal e coragem para correr riscos.”

Na verdade a reporcagem da veja produziu um momento especial de glorificação da riqueza capturada do trabalho, honestidade e investimento pessoal de milhares de cidadãos… por um espertalhão.

A indigência ética intelectual de veja e seus leitores é impressionante.

Responder

von Narr

02 de julho de 2013 às 22h44

Bem, se é isso mesmo, 19 novos milionários por dia, então beleza, minha vez vai chegar no máximo em uns 28.000 anos! É só ter paciência e nunca mais votar no PT… Ih, esqueci que a população deve aumentar por um tempo. Ah, esses esquecimentos, deve ser por isso que ainda não sou milionário, falta de talento para fazer contas. Preciso ler mais revista Veja.

Responder

abolicionista

02 de julho de 2013 às 20h07

A China enriqueceu porque esmagou sua classe trabalhadora. Acumulação primitiva com músculos, nervos e cérebro dos pobres. Algo que não pode ser repetido em tempos como os nossos, em que o trabalho, em parte por conta da própria China, está completamente desvalorizado. Chega de modernização, o negócio é parar o trem antes de cair no abismo, ou talvez já estejamos caindo…

Responder

João-PR

02 de julho de 2013 às 19h36

E agora, o detrito da maré baixa (como diria PHA) vai se retratar???

Responder

mineirim

02 de julho de 2013 às 18h08

Também admiro muito o Eike, embora não seja rico. Tem muito, mas muito talento. Agora… ter um pai que foi ministro das minas e energia e presidente da Vale, POR MUITOS ANOS, não deve ser difícil de chegar ao “mapa das minas”, né?

Responder

    Fábio

    02 de julho de 2013 às 21h16

    Na mosca! Só um mineirinho messsm pra fazer uma observação tão pertinente. Sô!

    Mardones

    03 de julho de 2013 às 10h02

    Recordar é viver! k k k k.

    Sem desmerecer o empreendedorismo do Eike, mas vc está certíssimo sobre o pai dele e tudo que isso deu de vantagens para ele. Foi muito mais fácil chegar onde chegou com a ajuda do Sr Eliezer Batista, sim.

Rodrigo

02 de julho de 2013 às 18h05

Ainda bem que tá na sessão humor rs.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.