VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Luciana Santos: O futebol é maior que o desgoverno atual

16 de junho de 2018 às 12h18

Foto Wikipedia

Copa 2018: “Pessimistas de todo o Brasil, Uni-vos!”*

por Luciana Santos

É de surpreender que o “país do futebol” esteja mergulhado em tamanha apatia.

Na Copa, que junto com o Carnaval e o São João é um dos períodos de maior festa e celebração da inata alegria dos brasileiros, nos vemos imersos numa epidemia de desânimo.

Ao contrário de anos anteriores, não se vê massivamente nas ruas o tradicional verde e amarelo, ancorado em bandeirinhas, pinturas, fitilhos.

Pior, não se vê no rosto da nossa gente o sorriso esperançoso, a ansiedade da torcida, a fé na conquista de mais um campeonato.

Observando esse panorama lembrei-me de uma carta de Henfil de 1980.

“O atual sistema, para governar, nos fez pessimistas. E pessimista não dorme, não faz amor, não faz partidos, não incomoda, não reclama, não briga. Que diabo de país é este?”.

Creio que se aplica, não?

Apesar da conjuntura pós-golpe e do Governo Temer que está tentando nos massacrar: retirando direitos, desrespeitando a constituição, se desfazendo do nosso patrimônio a preço de banana e, com isso, minando uma das maiores conquistas do povo brasileiro dos últimos anos: a nossa autoestima; não devemos confundir com a afirmação da brasilidade que esses momentos representam.

A esperança é o que nos mantém mobilizados na construção de um país melhor.

Por isso mesmo não podemos abrir mão desse traço tão rico da nossa identidade enquanto Nação: a alegria!

Ora, se a negação da política não muda a política — é a participação que produz a transformação — não seria a negação do que nos faz uno enquanto povo que seria capaz de superar as condições de divergência e de bipolaridades.

Ninguém deve nos convencer de que não torcer é o caminho para superar a crise.

Parafraseando Henfil, diria que o futebol é do povo, assim como a greve é do trabalhador.

O futebol é maior que o desgoverno atual, que as diferenças com a seleção ou suas estruturas.

O futebol é de meninos e meninas das cidades deste país, é meu, é seu, é nosso.

Gritemos GOL! Gritemos Golpe!

Vamos mudar esse estado de coisas, com o nosso jeito, com alegria e com verde e amarelo, que é a cor dos que amam o Brasil e dos que lutam por ele.

De mais ninguém!

*Frase de Henfil em carta à sua mãe

Luciana Santos é deputada federal por PE e presidente nacional do PCdoB

PS do Viomundo: O artigo foi escrito antes da abertura da Copa e atualizado por nós para refletir isso.

Leia também:

Maister da Silva: No mundo do jogador-mercadoria, o futebol resiste

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

2 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Ibsen

16/06/2018 - 19h34

O futebol, ele próprio é uma instituição falida. A autora faz uma confusão. Ou os brasileiros estão aparições ou atendendo a um pedido de ignorar o futebol como protesto.
Eu não faço nem um nem outro. Não acompanho o futebol porque foi mercantilizado. Os jogadores ganham fortunas indecentes. Jogam pela vitrine que é uma seleção. O monopólio da transmissões é a prova de que o que deveria atender ao povo atende apenas às negociatas que vêm envolvendo o futebol há já longos anos. Vá lá deputada, ganhar menos que um salário mínimo, isso se estiver empregada e veja se não por o ânimo. Há um Brasil da população sofrida e outro que a tenta organizar como manada. Infelizmente a esquerda também se insere nesse contexto.

Responder

    Lukas

    17/06/2018 - 22h41

    Ibsen, se te fosse oferecido o salário milionário de um jogador de futebol você faria o quê?

Deixe uma resposta