VIOMUNDO

Diário da Resistência


Rui Martins: Exibição do filme Marighella no Festival de Berlim vira ato político de resistência ao governo Bolsonaro
Wagner Moura, diretor: Brasil vive pior momento de sua história, depois do golpe de 64; exibição não está garantida nos cinemas normais. Divulgação
Você escreve

Rui Martins: Exibição do filme Marighella no Festival de Berlim vira ato político de resistência ao governo Bolsonaro


15/02/2019 - 21h26

Berlim – filme Marighella se transforma em ato político de resistência

A coletiva com a crítica internacional, após a exibição do filme Marighella, no Festival Internacional de Cinema de Berlim, acabou se transformando tacitamente num primeiro ato internacional de resistência ao governo de extrema direita instaurado no Brasil.

Por Rui Martins, de Berlim, convidado pelo Festival Internacional de Cinema

Não há a menor dúvida, a imprensa internacional está muito bem informada e acompanha atentamente o que se passa no Brasil, com o retrocesso social programado e a intenção de se refazer a história brasileira.

A nova geração de jornalistas, que nasceu depois do Golpe Militar de 64 não parece disposta a aceitar as intenções do governo Bolsonaro de anular os avanços obtidos, depois do retorno à democracia, em termos de direitos humanos, proteção à população pobre e negra e respeito ao direito dos indígenas de viverem em suas terras.

Reafirmando sua vocação de ambições políticas, o Festival de Berlim, deu espaço ao ator e agora realizador cinematográfico Wagner Moura, para mostrar como convidado especial seu primeiro filme, dedicado ao resistente guerrilheiro Carlos Marighella.

Assassinado em novembro de 1969, nos arredores da avenida Paulista, o primeiro líder e herói da resistência armada ao Golpe de 64, é pouco conhecido pelas jovens gerações.

O filme Marighella, com Seu Jorge, no papel principal, tem por objetivo preencher essa lacuna, embora não esteja garantida sua exibição nas redes normais de cinema.

Wagner Moura, o conhecido ator no filme Tropa de  Elite, do realizador José Padilha, não tem papas na língua e considera seu filme Marighella como o primeiro produto cultural da cena brasileira, sobre a luta contra o Golpe de 64, e ao mesmo tempo um instrumento da resistência necessária em favor dos negros das favelas e dos indígenas, no Brasil de hoje.

Seu Jorge não escondia sua satisfação por estar em Berlim representando o cinema brasileiro e por ter trabalhado com Wagner Moura, tendo consagrado toda sua paixão por esse projeto, tendo se dedicado inteiramente ao conhecimento da vida do líder Marighella, seja por leituras, entrevistas e depoimentos de pessoas que com ele conviveram.

Wagner Moura explica a utilização da violência dentro do filme, que se poderia também considerar como um action film, pela influência exercida sobre ele pelos realizadores belgas Irmãos Dardenne.

Como seria um filme feito pelos Irmãos Dardenne sobre Marighella? se pergunta Wagner Moura.

¨A minha geração é muito alienada, mas os jovens da geração de Marighella deram sua vida por algo no qual acreditavam. Na resistência à ditadura, as pessoas se sacrificavam umas pelas outras. Marighella não só sacrificava sua vida na resistência como sacrificava o tempo que poderia passar com seu filho Carlinhos, diz Wagner Moura.

¨Fala-se nas escolas brasileiras na Revolução Francesa, mas não se fala na necessária revolução dos negros no Brasil”, acentua Wagner Moura.

”No momento, o governo está refazendo a história brasileira, enquanto os professores já começam a ser vigiados. Já não querem mais que se diga Golpe de 64 e sim Movimento de 64. Ao mesmo tempo, procuram criminalizar a arte”.

¨Os produtores estão com medo de programar meu filme nos cinemas. Queríamos distribuir o filme ao retornar de Berlim, porém isso parece não ser possível¨, diz Moura.

Explicando o porquê da falta de apoio da população aos resistentes, Wagner Moura lembra que logo após a revolução cubana, os norte-americanos sentiram a possibilidade da esquerda chegar ao poder.

Havia, então, muita propaganda junto ao povo para convencer a população de que os comunistas eram a pior coisa possível. Em Cuba, Fidel Castro logo teve apoio da população, porque ninguém mais acreditava no Batista.

¨Marighella não foi um super-herói, era um ser humano com suas falhas, uma delas foi a de não ter se preocupado suficientemente com sua segurança, embora tivesse sido autor de um mini-manual do guerrilheiro urbano¨, comenta Wagner Moura.

¨A situação brasileira atual é horrível. É o pior momento para a população negra nas favelas e para a população indígena. O presidente é homofóbico e racista. Nós ficamos no foco ao fazermos esse filme e vir aqui apresentá-lo. Nos deparamos com muita merda e vamos enfrentar muita merda, mas não temos medo. Se for mal para nós do filme, será muito pior para os setores da população ameaçados. O assassinato dos negros tem uma explicação, como disse um policial dentro do filme – se eu mato um negro é porque não posso matar um vermelho¨, acrescenta Moura.

Se houver dificuldade para distribuir e mostrar o filme Marighella, o que será por si só um ato de censura indireta, a equipe de Wagner Moura fará exibições independentes no interior e dentro dos movimento sociais.

¨Seria um absurdo não se levar o filme para aqueles aos quais ele se destina¨, argumenta Wagner Moura.

Rui Martins, de Berlim, convidado pelo Festival Internacional de Berlim.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

17 de fevereiro de 2019 às 23h15

https://twitter.com/i/status/1096504163486392322

Deutsche Welle (DW):

“Nosso filme é maior que Bolsonaro”, diz Wagner Moura.
Na estreia de “Marighella” em Berlim, diretor fala sobre a atual
situação política do país, passando por temas como racismo,
violência policial, censura na educação e o assassinato de Marielle Franco.

https://twitter.com/dw_brasil/status/1096504163486392322

Responder

lulipe

16 de fevereiro de 2019 às 14h07

A fonte secou. A mamata da Rouanet acabou. O choro é livre, lula não.

Responder

    Nelson

    18 de fevereiro de 2019 às 10h00

    “A mamata da Rouanet acabou”, mas a ignorância da coxinhada, trouxaiada, pataiada, bolsominions em geral, prossegue e, incrivelmente, apesar de já extrema, ainda cresce. Não é mesmo Lulipe?

    Quando fui digitar Lulipe, o corretor, tirando sarro da tua cara, queria puxar…..Lulinha.
    RáRáRáRáRá.

Zé Maria

15 de fevereiro de 2019 às 23h59

A CARNE
(Seu Jorge, Marcelo Yuka, Ulisses Cappelletti)

Por Seu Jorge

https://youtu.be/B1Binn6oupA

Responder

    Zé Maria

    16 de fevereiro de 2019 às 21h14

    A carne mais barata do mercado é a carne negra [5x]

    Que vai de graça pro presídio
    E para debaixo de plástico
    Que vai de graça pro subemprego
    E pro hospital psiquiátrico

    A carne mais barata do mercado é a carne negra [5x]

    Que fez e faz história
    Segurando esse país no braço
    O cabra aqui não se sente revoltado
    Porque o revólver já está engatilhado
    E o vingador é lento
    Mas muito bem intencionado
    E esse país
    Vai deixando todo mundo preto
    E o cabelo esticado

    Mas mesmo assim
    Ainda guardo o direito
    De algum antepassado da cor
    Brigar por Justiça e por Respeito
    De algum antepassado da cor
    Brigar bravamente por Respeito
    De algum antepassado da cor
    Brigar por Justiça e por Respeito
    De algum antepassado da cor
    Brigar, brigar, brigar…

    Rui Martins

    17 de fevereiro de 2019 às 13h06

    Obrigado Zé Maria,
    estou chegando do Festival de Berlim e tenho o prazer, graça a você, de ouvir A Carne. Se eu posso dizer alguma coisa, é que não devemos esmorecer, mesmo porque a luta vai ser difícil e longa. Grande abraço. PS. vou colocar no meu Facebook outros comentários de filmes, convido você a lê-los. Meu perfil é no meu nome. Até lá!

Zé Maria

15 de fevereiro de 2019 às 22h50

Apesar das Milícias, dos Esquadrões da Morte
e dos Comandos de Caça aos Comunistas,
Capitão Lamarca, Marighella, Francisco Julião,
Bacuri, Stuart Edgart e Zuzu Angel insistem
em sobreviver na História Real do Brasil BraSileiro.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!