VIOMUNDO

Diário da Resistência


Rafael Duarte: Kast, o “Bolsonaro chileno”, é ainda mais cruel que o original; ele se vê como imagem e semelhança de Pinochet
Na última semana de campanha, o ultradireitista afirmou não ter dúvidas de que se Pinochet estivesse vivo, votaria nele, Kast
Você escreve

Rafael Duarte: Kast, o “Bolsonaro chileno”, é ainda mais cruel que o original; ele se vê como imagem e semelhança de Pinochet


26/11/2021 - 14h43

DEMOCRACIA

Quem é José Antônio Kast, o “Bolsonaro chileno” ainda mais cruel que o original

Por Rafael Duarte*, Agência Saiba Mais/Coletivo ComunicaSul

O ultradireitista José Antônio Kast terminou o 1º turno das eleições do Chile neste domingo (21) à frente de todos os seis concorrentes, com 28,9% dos votos, e vai disputar o 2º turno com Gabriel Boric, um dos líderes dos levantes populares de 2019, votado por 25,8% dos chilenos.

A diferença entre os dois foi de apenas 2,1%, ou 146.313 votos, o que deixa indefinido o nome do sucessor de Sebástian Piñera que sairá das urnas em 19 de dezembro.

O resultado surpreendeu especialistas e a esquerda, especialmente porque as eleições de 2021 são as primeiras após as manifestações que obrigaram o atual presidente Sebástian Piñera a demitir todo o Ministério, revogar o reajuste no preço do transporte e a convocar um plebiscito para mudar a Constituição.

A participação dos chilenos no 1º turno foi a maior desde 2012, quando o Congresso aprovou o fim do voto obrigatório. Ao todo, 7,1 milhões de eleitores foram às urnas para escolher o presidente, senadores, deputados e membros dos conselhos regionais. Proporcionalmente, a participação foi de 47,3%.

Essa é a segunda vez que Kast disputa a presidência do Chile. Em 2017, ficou em 4º lugar com 7,9% dos votos. No 2º turno, apoiou o atual presidente Sebástian Piñera, de quem espera reciprocidade agora.

Nas eleições deste ano, o candidato governista Sebástian Sichel foi o 4º mais votado, com 12,8%, mesmo percentual de Franco Parisi Fernandez, outro concorrente que teve resultado surpreendente. Surfando na antipolítica, Parisi fez a campanha pelas redes sociais morando dos Estados Unidos.

No Chile, ele é alvo de ações milhonárias que lhe cobram pagamento de pensão alimentícia para dois filhos, além de acusado em outras ações por supostos crimes de fraude e lavagem de dinheiro.

Quem é José Antônio Kast

Advogado e defensor da ditadura de Augusto Pinochet, o candidato pelo Partido Republicano do Chile José Antônio Kast nasceu em Santiago e tem 55 anos de idade. Ultradireitista, é considerado uma espécie de “Bolsonaro chileno” pela visão ideológica estreita, o forte discurso nacionalista e a disseminação de ódio contra minorias sociais como estratégia política.

Um dos principais alvos do ultradireitista é o povo Mapuche, etinia indígena que mais resiste à escalada de violência do Estado chileno que avança há várias décadas sobre os limites do território do grupo.

O anticomunismo, a situação de Cuba e da Venezuela estão sempre na ponta da língua do extremista:

– Existe uma situação que faz diferença com o que ocorre em Cuba, Venezuela e Nicarágua. Acredito que o que aconteceu na Nicarágua reflete plenamente o que não aconteceu no Chile (com Pinochet): foram realizadas eleições democráticas e não foram travados adversários políticos. Isso faz a diferença fundamental”, disse já na reta final de campanha.

Kast também foi uma das vozes que mais criminalizou os manifestantes dos protestos que sacudiram o Chile há dois anos e fez campanha contra o plebiscito no qual 78,2% dos chilenos que foram às urnas decidiu mudar a Constituição do país, atualmente em processo de elaboração.

O texto atual, que define os limites de direitos e deveres dos chilenos, foi aprovada em 1980, ainda sob o regime de Pinochet, que permaneceu no poder entre 1973 e 1990.

Sobre o discurso de ódio, o professor de jornalismo da PUC de Valparaíso Pedro Santander destaca que há um exército organizado por ultradireitistas nas redes sociais para atacar a elaboração da nova Constituinte e especialmente a acadêmica mapuche Elisa Loncon, que lidera o processo. Santander criou um grupo com linguistas, estrangeiros e jornalistas para monitorar as redes sociais:

– Detectamos que 8.048 contas de usuários únicos que, só em agosto, participaram dos ataques, são de ultradireita e participaram do rechaço ao plebiscito. E isso não é pouco porque participam de forma constante, incisiva. São contas que já estavam operando desde o plebiscito, em julho deste ano. São militantes, ativistas atacando. São ligados à ultradireita, hoje apoiando a candidato do José Antonio Kast. O objetivo dos ataques contra Elisa Loncón é sua condição de mapuche e de mulher. A convenção representa os 9 povos orginários, mas só atacam os mapuches, não atacam os demais. É um discurso de ódio com caráter misógino e racista”, ressaltou.

Programa de governo de Kast é mais excludente que o de Bolsonaro

O candidato da Frente Ampla Gabriel Boric mostrou no último debate entre os candidatos as propostas do ultradireitista. Foto: reprodução

Além do discurso de ódio e da promessa de reduzir o tamanho do Estado e garantir mais poder para as polícias e para as Forças Armadas, outros pontos aproximam Kast e Jair Bolsonaro, especialmente na área social, o que reforçam o apelido de “Bolsonaro chileno”.

No programa de governo do ultradireitista, há promessas que nem o presidente do Brasil foi capaz de fazer antes de executá-las, a exemplo como o fechamento do Instituto Nacional dos Direitos Humanos (pág.26), a extinção do Ministério da Mulher (pág. 170), a revogação da lei que permite o aborto (pág. 171) e o fechamento da Faculdade Latinoamericana de Ciências Sociais (FLACSO).

Kast também propõe incentivos para cursos de preparação de matrimônios e subsídios para planos de saúde somente para casais formados por um homem e uma mulher (pág. 172).

No campo previdenciário, Kast diz, com todas as letras no programa de governo que “a melhor forma de melhorar as pensões é aumentar a idade da aposentadoria” (pág.71). E mais: “Subir a idade de aposentadoria das mulheres” (pág.97).

Origem na Alemanha nazista e devoção a Pinochet

Kast se vê como imagem e semelhança de Pinochet. Tanto que, na última semana de campanha, o ultradireitista afirmou não ter dúvidas de que se estivesse vivo, o ditador votaria nele.

A ligação entre as duas famílias também é política. Um dos nove irmãos do presidenciável, Miguel Kast, foi nomeado para a presidência do Banco Central do governo Pinochet em 1982, mas renunciou ao cargo poucos meses depois.

De acordo com reportagem publicada pelo portal chileno Interferência, a família Kast-Rist veio para o Chile após a derrota da Alemanha na Segunda Guerra Mundial e teve grande influência na transformação ideológica da direita a partir dos anos 70.

O patriarca do clã, Michael Kast Shindele, foi ex-tenente do Exército da Alemanha nazista e lutou na França, no front russo, na península da Criméia, e depois – a partir de 1944- na Itália, até a invasão do aliados e o armistício que o surpreendeu em Trento.

Na política chilena, os Kasts ainda contam com Felipe Kast, sobrinho do atual candidato à presidente, ocupando uma cadeira no Senado até 2026.

Mais fascismo

Recentemente, Kast voltou a criar polêmica ao afirmar não ter havido prisão política durante a ditadura pinochetista.

No entanto, relatórios das comissões da Verdade instaladas no Chile em 1991, 2001, 2004 e 2011 provam o contrário.

A ditadura matou pelo menos 3.216 pessoas, torturou 38.254 chilenos, roubou pelo menos 7 milhões de hectares de camponeses e indígenas, demitiu 230 mil trabalhadores e exilou aproximadamente 200 mil compatriotas.

As declarações negacionistas foram rebatidas pelo diretor-executivo do Museu da Memória e dos Direitos Humanos Francisco Estéban. À agência Saiba Mais/ComunicaSul, ele comparou Kast com Bolsonaro:

– É preciso ver que o vínculo entre Kast e Bolsonaro é um vínculo que existe, não necessariamente porque se querem muito bem, mas porque os dois têm a mesma visão ideológica, o que aqui chamamos de fascismo. E que se manifesta através de um forte nacionalismo em nome do que se cometeram inúmeras violações contra os Direitos Humanos no Chile. Ao mesmo tempo, Kast e Bolsonaro se apresentam como uma alternativa de liberdade, mesmo sendo o contrário, já que tanto um como o outro representam alternativas atentatórias contra a liberdade”, afirmou.

“Mais polido, menos tosco”, destaca cientista política

Neida Colmenares Mejías pontua que Kast está ocupando um vácuo deixado pelos políticos tradicionais. Foto: Alana Souza

A cientista política venezuelana e professora da faculdade de Economia, Governo e Comunicação da Universidade Central do Chile Neida Colmenares Mejías também vê uma relação muito estreita entre Kast e o presidente brasileiro. Mas pontua diferenças, especialmente sobre a forma do discurso.

Para ela, “Kast é um Bolsonaro mais polido, menos tosco”, o que o ajuda a avançar sobre setores da direita após a derrocada de políticos tradicionais nas manifestações de 2019:

– Em seu discurso, uma diferença entre Kast e Bolsonaro é que o Kast não se apresenta como antipolítico, assim como outros candidatos. Ele se mostra como alguém capaz de suprir a necessidade cotidiana, é dono de um discurso muito simples, pragmático. Capaz de resolver a vilolência que Piñera não conseguiu controlar, ataca imigrantes pobres, foca na questão da previdência, que afeta muita gente. E Kast também ocupa um espaço vazio no setor da direita porque os politicos tradicionais saíram muito golpeados das manifestações de 2019”, diz.

Na comunicação de Kast com o publico estão presentes os valores da família, da religião e ataques à diversidade sexual e às questão de gênero que, na visão da cientista política, vai precisar se adaptar para atrair mais eleitores no 2º turno:

– Há setores da direita no Chile mais liberais, que defendem a liberdade sexual e de gênero. Pensando numa segunda volta, Kast vai precisar se mostrar disponível para abrir o discurso e sentar com outros setores da direita”, opina.

* Esta reportagem foi elaborada pela Agência Saiba Mais/Coletivo ComunicaSul, com o patrocínio do Barão de Itararé, Agência Carta Maior, jornal Hora do Povo, Diálogos do Sul, Apeoesp Sudoeste Centro, Intersindical, Sintrajufe-RS, Sinjusc, Sindicato dos Bancários do RN, Sicoob, Agência Sindical e 152 contribuições individuais.





3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Riaj Otim

27 de novembro de 2021 às 18h15

Vamos ver se por lá se o povo chileno eleger o mito dele, portanto, restabelecer a Gloriosa de lá e em menos de uma semana no poder supere todas as marcações pinochotesta. Por que o daqui esqueceu de tudo e sou lembrou de criar orçamnto secreto para gastar bilhões sem prestar conta, quando na nossa Gloriosa nunca houve prova de corrupção

Responder

Zé Maria

27 de novembro de 2021 às 17h43

O Neoliberalismo precisa do Fascismo para se impor à Força

e daí consolidar um Sistema Unipolar protagonizado pelos EUA.

Responder

Zé Maria

27 de novembro de 2021 às 01h57

Desde os Primórdios, no início do Século 20, o Fascismo tem
Intrínsecos o Racismo, a Mentira e a Falta de Escrúpulos.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding