Pedro dos Anjos: Fanzocas de traidor sequestram o 21 de abril e matam Tiradentes pela 2ª vez

Tempo de leitura: < 1 min

21 de Abril. O Dia em que Mataram Tiradentes novamente

Samba do branquelo celerado

Por Pedro dos Anjos

Hoje, uma vez mais, o bolsonarismo conspurcou as calçadas da praia de Copacabana.

O bairro, onde nasci e me criei e no qual o inominável perdeu as eleições de 2022, lhe serviu de palco escabroso.

Despudorados, os fanzocas de Joaquim Silvério dos Reis, nostálgicos da coroa portuguesa escravagista, sequestraram o 21 de abril, matando pela segunda vez Tiradentes.

Contradição é um elástico que os fascismos esticam até o ponto de arrebentar – e dane-se.

Logo eles, os patriotas entreguistas que cederam a base de Alcântara, a exploração do petróleo e de grandes áreas de mineração, o controle das redes sociais a potências estrangeiras.

Logo eles, adeptos do nacional-entreguismo, que foram aos EUA fazer agitprop desinformadora sobre a situação brasileira, e se articular com o lado mais sombrio do espectro político ianque.

Logo eles, que idolatram o caricato empresário catarinense, que, constituiu seu império comercial erguendo cópias grotescas da Estátua da Liberdade em frente às suas lojas.

Hoje, os paralelepípedos da velha Copacabana murcharam de vergonha alheia.

E, contemplando o mal escancarado em domingo ensolarado de céu azul, os setores que convergiram para evitá-lo em 2022 permanecem longe do povo, em absurda hibernação.

Até quando❓

PS: para consolar um pouco a indignação, segue música que enaltece a linda Copacabana, que encantou Olga Benário, entre outras tantas pessoas.

Leia também

Marcelo Zero: O escorpião bolsonarista e o “relatório” da extrema direita dos EUA

Luiz Marques: O labirinto da extrema direita e a tal liberdade defendida para ludibriar

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Leia também