VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Organizações evangélicas a Kássio Marques: Em tempos de pandemia, amar a Deus é não se expor a grave risco de contaminação
Você escreve

Organizações evangélicas a Kássio Marques: Em tempos de pandemia, amar a Deus é não se expor a grave risco de contaminação


07/04/2021 - 15h30

NOTA DE REPÚDIO DE ORGANIZAÇÕES EVANGÉLICAS SOBRE A DECISÃO DO MINISTRO KÁSSIO NUNES MARQUES

Nós, membros de organizações evangélicas e congregados nas mais diversas denominações, unidos no entendimento de nossa colaboração cidadã nesse momento de pandemia por Covid-19, manifestamos nossa perplexidade frente à decisão do Excelentíssimo Senhor Kássio Nunes Marques, Ministro do Supremo Tribunal Federal, em caráter liminar (provisório) que abre a possibilidade de favorecer a disseminação viral em contextos religiosos e outros.

Nosso entendimento é que reabrir os templos e espaços físicos eclesiásticos para a realização de cultos presenciais em um momento em que morrem quase 4 mil pessoas por dia é absolutamente equivocado.

É conhecido que há mais desvantagens do que vantagens em permanecer em um ambiente fechado sem circulação de ar.

Desejamos retornar aos cultos presenciais e defendemos essa condição após o amplo processo de vacinação da população brasileira, ainda assim, mantendo todas as demais regras de controle, como uso de máscaras, higienizações criteriosas dos espaços físicos etc.

Segundo o Excelentíssimo Senhor Ministro do STF Kássio Nunes Marques, sua decisão diz defender a não eliminação dos cultos religiosos e a supressão da Religião.

Compreendemos que a restrição para celebrações presenciais não viola o artigo 5º, VI da Constituição Federal, que garante a inviolabilidade da liberdade de consciência e de crença, assegurando o livre exercício dos cultos religiosos e garantindo, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e as suas liturgias.

Obviamente que, diante do momento pandêmico e de restrições sanitárias necessárias em favor da vida, a não realização de atividades religiosas presenciais não impede a realização de celebrações nos diversos espaços virtuais que as novas tecnologias atuais proporcionam e que configuram a nova realidade global.

Observamos que os decretos estaduais e municipais com medidas de restrição são de caráter temporário e não permanente, e visam mitigar a crise sanitária amplificada com as novas variantes do Coronavírus em todo o país.

Esses decretos não incidem na liberdade de culto, que é um Direito Constitucional fundamental caríssimo ao Estado Democrático de Direito, eles não privam a nossa liberdade de culto que pode ser exercida em ambientes domésticos e virtuais, resguardando a segurança física e a dignidade da pessoa humana.

Os referidos decretos estaduais e municipais incidem no direito fundamental à Saúde da população brasileira, como salientou S. Exa., o Ministro Lewandowski, o “Federalismo Cooperativo exige que seus integrantes (governo federal, governo estadual e governo municipal) se apoiem mutuamente, deixando de lado as divergências ideológicas e partidárias dos governantes”.

Lembramos ao magistrado que a centralidade da prática religiosa “… pura e imaculada para com Deus e Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se incontaminado do mundo” (Tg 1: 27).

Em tempos de pandemia, amar a Deus é não expor a si e aos outros irmãos e irmãs a um possível e grave risco de contaminação.

Igualmente, reforçamos que a sabedoria bíblica indica que não se pode adorar a Deus no sepulcro (Sl 6:5).
Enquanto membros de comunidades de fé, desejamos ardentemente nos encontrar em nossas celebrações coletivas.

Contudo, é falacioso que igrejas estão sendo “fechadas”.

Precisamos lembrar que os espaços religiosos são meios da vivência religiosa e não sua finalidade.

A Igreja não é o templo, mas seres humanos criados à imagem e semelhança do Criador e ela é composta por pessoas vivas e que lutam pela preservação da vida.

Proteger cada uma destas pessoas que formam a Igreja de todo e qualquer mal que ameace sua existência é o que assegura a liberdade de nosso culto a Deus.

As ações das igrejas são ainda mais limitadas e ameaçadas com a morte de seus membros, como se vê aumentando a cada dia em virtude da Covid-19.

Promover o ajuntamento de pessoas no momento em que enfrentamos uma pandemia mortífera é uma espécie de sacrifício programado que ameaça a existência da vida.

O uso do argumento de que igrejas estão sendo “fechadas” nos parece de compreensão inadequada e perigosa.

O fechamento dos templos também deve ser orientado pelas recomendações dos cientistas frente às atuais necessidades do Sistema Único de Saúde e do Sistema Privado de Saúde no país, com superlotação nas UTIs e CTIs relacionados aos casos graves de COVID-19.

Os especialistas nos alertam que o cenário epidemiológico atual requer medidas mais restritivas de isolamento social para diminuir a circulação do Sars-CoV-2 e suas variantes, sendo inconcebível a promoção de ajuntamentos de qualquer natureza, incluindo de fiéis no espaço do templo de suas comunidades de fé.

Entendemos que as igrejas evangélicas devem ser responsáveis pelas boas práticas cidadãs em tempos de pandemia com graves consequências para a saúde pública. Não deveria sequer ser uma questão abrir e realizar ajuntamentos religiosos.

Na pandemia da “gripe espanhola” as igrejas, espontaneamente, fecharam os templos e serviram aos mais necessitados. E, como já salientamos, a Igreja não é um templo; mas o corpo de seres humanos que depositam sua fé em Jesus Cristo.

Apenas uma visão distorcida da espiritualidade cristã é que considera que Deus esteja confinado em quatro paredes de templos feitos por mãos humanas.

Não há culto melhor que a responsabilidade amorosa, solidária e cidadã, que, ao cuidar do próximo e da manutenção da vida no mundo, honra a Deus.

Assinam:

AIPRAL – Aliança de Igrejas Presbiterianas e Reformadas da América Latina;
Coletivo Ame a Verdade;
Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil – CONIC
Comunidade Caverna, São Paulo-SP;
Comunidade Confraria – Campinas-SP;
Comunidade de Jesus em São Bernardo do Campo – SP;
Comunidade Cristã Espaço Vida, Belo Horizonte- MG;
Comunidade Cristã na Zona Leste – São Paulo – SP ;
Diaconia;
Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito;
Fórum Evangelho e Justiça
Galo Verde (IECLB);
Grupo Fé e Política: Reflexões;
Igreja Sinal do Reino, Recife- Pernambuco;
Igreja Presbiteriana Vida e Luz – Sousa/PB
Igreja Anglicana Jesus de Nazaré em Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco;
Igreja Anglicana da Santíssima Trindade, Recife- Pernambuco;
Igreja Batista em Coqueiral, Recife- Pernambuco;
Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, Recife/PE;
Igreja Indígena Pataxó, Carmesia/MG;
Miqueias Brasil;
Memória Indígena;
Núcleo de Estudos Interdisciplinares em HIstória das Religiões – NEIHR;
OIKOS Escola para a vida, São Paulo/SP;
Plataforma Intersecções;
Rede Fale;
Rede Cristã de Advocacia Popular;
Renovar Nosso Mundo Brasil;
Rede Latinoamericana de Estudos Pentecostais – RELEP- Núcleo Brasil;
Saber Criativo;
The Norwegian Mission Alliance (Missão Aliança – Brasil);
Tearfund Brasil;
Visão Mundial;
Caio Marçal – Teólogo, sociólogo – Rede Fale
Daniel Antonio dos Santos – Comunidade Cristã na Zona Leste – São Paulo – SP;
Elisabeth Sherrill, membro do Grupo de Trabalho sobre Justiça Ambiental da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – IEAB, Rio de Janeiro/RJ;
Pr John Philip Medcraft, pastor presidente da Igreja Ação Evangélica (ACEV);
Pr. Jorge Santos, Associação Resgate de Sergipe (OSCIP)-SE;
Pr Ricardo Gondim, Igreja Betesda Brasil;
Pr José Carlos de Souza, pastor da Igreja Metodista e professor na Universidade Metodista de São Paulo ;
Pra Débora Blunck Silveira, pastora metodista, Marataízes-ES;
João Edgar Chaves Filho, Presbítero da Igreja Presbiteriana Zona Leste, Manaus/AM;
Maria do Perpétuo Socorro Rodrigues Chaves, Manaus/AM;
Yara Amorim – Comunidade Carisma – Osasco – SP





1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

07 de abril de 2021 às 21h49

.
As Bestas do Apocalipse (Anajure, CNPB, AGU, PGR)
não têm amparo nem na Constituição nem na Bíblia:

“Assim diz o SENHOR:
‘O céu é o meu trono, e a terra o escabelo dos meus pés;
que casa me edificaríeis vós?
E qual seria o lugar do meu descanso?
Porque a minha mão fez todas estas coisas,
e assim todas elas foram feitas’, diz o Senhor;
‘mas para esse olharei, para o pobre e abatido
de espírito, e que treme da minha palavra’.”

Profeta Isaías 66:1-2
(https://www.bibliaonline.com.br/acf/is/66/1,2)
.
“Mas o Altíssimo não habita em templos
feitos por mãos de homens, como diz o profeta:
‘O céu é o meu trono,e a terra o estrado dos meus pés.
Que casa me edificareis?’ diz o Senhor,
Ou ‘qual é o lugar do meu repouso?
Porventura não fez a minha mão todas estas coisas?’
Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido,
vós sempre resistis ao Espírito Santo” …

Estêvão, perante o Sinédrio,
antes de ser Condenado
à Morte por Apedrejamento.
Atos 7:48-51
(https://www.bibliaonline.com.br/acf/atos/7/48-51)
.
.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura