VIOMUNDO

Diário da Resistência


“Novo”, Alcolumbre é mais do mesmo: votou a favor do golpe, da reforma trabalhista e em defesa do mandato de Aécio Neves no Senado
Geraldo Magela/Agência Senado
Você escreve

“Novo”, Alcolumbre é mais do mesmo: votou a favor do golpe, da reforma trabalhista e em defesa do mandato de Aécio Neves no Senado


03/02/2019 - 12h27

Saiba quem é Davi Alcolumbre, o novo presidente do Senado

Aos 41 anos, senador do DEM foi eleito neste sábado (2) para comandar a Casa pelos próximos dois anos. Ele começou como vereador de Macapá e foi deputado federal três vezes.

Por Gustavo Garcia, G1 — Brasília

O novo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), 41anos, eleito neste sábado (2) para comandar a Casa pelos próximos dois anos, está no primeiro mandato como senador.

O novo presidente do Senado é aliado do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), que, nos bastidores, articulava apoio a ele. A mulher de Lorenzoni, Denise Verbeling, trabalha no gabinete do Alcolumbre.

Embora seja de um partido posicionado mais à direita no espectro político, Alcolumbre tem entre seus principais conselheiros o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que é de esquerda.

Os dois apoiaram a candidatura de Clécio Luis (Rede), atual prefeito de Macapá, em 2016. Em 2018, Randolfe apoiou a candidatura de Alcolumbre ao governo do Amapá.

Casado e pai de dois filhos, Alcolumbre nasceu em Macapá (AP) em 19 de junho de 1977. É o quarto filho do mecânico José Tobelem e da empresária Julia Alcolumbre.

Começou a trabalhar no comércio da família. Iniciou o curso de ciências econômicas no Centro de Ensino Superior do Amapá (Ceap), mas não concluiu e resolveu seguir o caminho da política.

Trajetória política

A trajetória política se iniciou como vereador na cidade de Macapá. Exerceu o mandato por dois anos (de 2001 a 2002), quando deixou o cargo na metade para assumir o primeiro mandato como deputado federal.

Reelegeu-se duas vezes para a Câmara dos Deputados, totalizando três mandatos consecutivos.

Nas eleições de 2014, foi eleito senador para um mandato de oito anos. Em 2018, concorreu ao governo de Amapá, mas ficou em terceiro lugar.

Na ocasião, declarou à Justiça Eleitoral ter R$ 770 mil em bens. Com a derrota, retomou o mandato de senador.

Conseguiu chegar à Presidência do Senado ao vencer, com 42 votos,uma eleição marcada por polêmicas.

Atuação legislativa

Desde 2015 no Senado, Alcolumbre participou de votações importantes e polêmicas na Casa. O parlamentar do Amapá votou, por exemplo, a favor da reforma trabalhista em 2017.

No mesmo ano, ajudou o Senado a derrubar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que afastou o então senador Aécio Neves (PSDB-MG), hoje deputado federal.

O tucano foi afastado pelo Supremo após ser denunciado pela Procuradoria Geral da República, com base nas delações da JBS, pelos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa. Com os votos de 44 senadores, Aécio pôde retomar as atividades parlamentares.

No ano passado, Alcolumbre votou a favor do reajuste para ministros do STF. Por 41 votos, o Senado aprovou reajuste de 16% nos salários dos magistrados. O vencimento passou de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil.

Em 2016, votou a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, que perdeu o mandato e deu lugar a Michel Temer no Palácio do Planalto.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Otto

05 de fevereiro de 2019 às 14h59

Interessante. Nenhuma palavra sobre a grosseria que o nefasto coronel Renan Calheiros tuitou sobre a jornalista Dora Kramer. E olha que esse é um site com várias colaboradoras feministas. Quanto ao medíocre Alcolumbre, ainda é uma caixa de surpresas. Pode fazer algo útil ou cair na mesmidade. O bom foi mesmo nos livrarmos da ameaça Renan, pelo menos, nos próximos dois anos. É triste que existam petistas que o apoiaram em nome da tal governabilidade e por ser da tropa de choque pela impunidade dos corruptos. Já que a tumultuada votação de sábado foi secreta, quantos petistas, pcdobistas e psolistas não votaram no famigerado? Que tristeza.

Responder

Zé Maria

03 de fevereiro de 2019 às 23h05

Depois da Eleição de Jair Bolsonaro, o DD tá impossível!

https://jornalggn.com.br/sites/default/files/imagens/sem_titulo_5_6.png

Procuradores da República de Curitiba Cada Vez Mais Partidarizados

Dallagnol celebra derrota de Renan
e Carlos Fernando Lima Detona o Dias

Desafeto de Renan, coordenador da Lava Jato
exaltou ‘sensibilidade’ dos senadores
e Carlos Lima disse que ministro do STF
“perdeu noite de sono a troco de nada”

Deltan Dallagnol compartilhou a mensagem de Carlos Fernando, como se os dois ainda fizessem dobradinha na Lava Jato — o Pink e o Cérebro.

Por Joaquim de Carvalho, no DCM

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/esfuziantes-depois-da-eleicao-de-alcolumbre-dallagnol-e-carlos-fernando-nao-poupam-nem-o-presidente-do-stf/

Responder

Zé Maria

03 de fevereiro de 2019 às 22h06

Xadrez do Eixo Bolsonaro-Lava Jato

A eleição do inacreditável Davi Alcolumbre (DEM-AP)
para presidente do Senado, expôs duas hipocrisias
que, por força das redes sociais, se tornaram verdades.

Por Luis Nassif, no GGN: https://t.co/Zedm9MWHDk

https://twitter.com/luisnassif/status/1092116688861052928
https://jornalggn.com.br/noticia/xadrez-do-eixo-bolsonaro-lava-jato-por-luis-nassif

Responder

Zé Maria

03 de fevereiro de 2019 às 21h46

NA ELEIÇÃO PARA ESCOLHA DO PRESIDENTE DO SENADO,
CABE ANULAÇÃO DA VOTAÇÃO NO SUPREMO:

Renan desistiu da Candidatura com a Votação em andamento.
Ao menos, os 5 Senadores que votaram em Renan Calheiros
têm legitimidade para ajuizar no Supremo Tribunal Federal (STF),
pois não tiveram oportunidade de escolher outro Candidato,
após a Renúncia extemporânea do Candidato deles à Presidente.

Responder

Zé Maria

03 de fevereiro de 2019 às 21h16

Daqui a uns dias, o Randolfe se filia ao DEM…
.
“A Demagogia tem Limites!
O sujeito fortalece o governo
que ameaça os direitos sociais,
a Amazônia e agora empina
as bandeiras ameaçadas”

Jornalista Luis Nassif

https://twitter.com/luisnassif/status/1092146501818765313

Responder

lulipe

03 de fevereiro de 2019 às 14h24

Bom mesmo seria o Renan, apoiado pelo PT, não? O choro é livre, lula não.

Responder

    Julio Silveira

    04 de fevereiro de 2019 às 21h55

    Vc com sua sanha anti petista se tornou uma aberração. Tudo que não presta que faz parte do atual momento politico que vc ajudou a instituir, junto com seu Mico,, vc justifica no seu anti petismo.. e discaradamente esquece que esse elemento daz parte do partido com mais indiciados por corrupção no Brasil, inclusive na Leva o golpe a jato.
    Vc está ficando discarado de tão sem vergonha,


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.