MST denuncia agronegócio e manda recado a Kátia Abreu: Seja bem-vinda!

Tempo de leitura: 2 min

MSP ocupação no RS

MST manda recado com ocupação no RS: Kátia Abreu, seja bem-vinda!

Da Página do MST

Na manhã deste sábado (22), cerca de 2 mil jovens dos movimentos sociais do campo ocuparam a Fazenda Pompilho, com 2 mil hectares de cultivo de milho transgênico na cidade de Palmeira das Missões, no Rio Grande do Sul, à beira da BR 158, que liga a região ao oeste de Santa Catarina.

Essa é a primeira manifestação depois que foi divulgado que a ruralista Katia Abreu, senadora pelo PMDB e presidente da CNA (Confederação Nacional da Agricultura),  será a nova ministra da Agricultura no novo governo Dilma.

Para Raul Amorim, da coordenação do coletivo de juventude do MST, com esta ocupação a juventude denuncia Katia Abreu pelo vínculo com o agronegócio, que é um modelo explorador que não serve para o campo brasileiro. “Katia Abreu é símbolo do agronegócio, que tem como lógica a terra para produção de mercadorias, com uso intensivo de agrotóxicos e sementes transgênicas destruindo os recursos naturais e a saúde dos trabalhadores e de toda a população. Além disso, empresas estrangeiras passam a controlar o território brasileiro, por meio da associação com os latifúndios improdutivos, e se apropriando de terras que deveriam ser destinadas à Reforma Agrária. Não produzem alimentos para o povo brasileiro. Deterioram o ambiente com o uso da monocultura, como de soja, eucalipto, cana-de-açúcar e pecuária intensiva”, afirmou Amorim.

O objetivo da ocupação é denunciar o agronegócio que envenena a terra e contamina a produção dos alimentos e a água (dos rios, lagos, chuvas e os lençóis freáticos) que a população brasileira consome. O veneno está na mesa do brasileiro. O consumo de alimentos transgênicos causam inúmeras doenças como o câncer, depressão, doenças de pele, contaminação do leite materno, e etc.

Além disso o agronegócio é um dos grandes responsáveis por retirar violentamente camponeses, indígenas e povos originários do meio rural para garantir seu plantio em larga escala para a exportação.

O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo desde 2009. Mais de um bilhão de litros de venenos foram jogados nas lavouras, de acordo com dados oficiais. Por isso a ocupação tem o caráter de denuncia, mas também de luta por um novo modelo de agricultura.

Segundo Catiane Cinelli, da direção nacional do Movimento de Mulheres Camponesas, “ao ocupar esta área a juventude do campo e da cidade diz para a sociedade que é preciso repensarmos o modelo de produção que está hegemonicamente colocado pra nós hoje. O que nós propomos é uma agricultura que tenha como base a agroecologia, a produção de alimentos saudáveis, onde a natureza e os seres humanos sejam respeitados e valorizados.”

Organizada pela juventude da Via Campesina e demais organizações ligados ao campo e agricultura familiar, a movimentação para o ato se iniciou antes do raiar do sol com o soar da batucada e a concentração dos jovens que saíram em Marcha rumo ao local.

A ação faz parte do 14º Acampamento Latino-Americano da Juventude da CLOC-Via Campesina, que pela primeira vez está sendo realizado no Brasil e reúne jovens de 18 países.

Leia também:

Altamiro Borges: As mentiras da Folha sobre o MST

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Lucas

E trabalhar que é bom…??

Carlos Solrac

Depois de Levy e Abreu, gostaria de dar algumas sugestões para o ministério conservador neo-castelobranco da Presidente?
Banco Central: Armínio Fraga
Casa Cívil: Arnaldo Jabour
Tecnologia: José Goldemberg
Cultura: Reinaldo Azevedo
Defesa: Jair Bolsanaro ou o filho, tanto faz.
Educação: Arthur Virgilio
Justiça: Joaquim Barbosa
Saúde: José Serra
Cidades: Paulo Maluf
Comunicações: Diogo Maynard
Relações Exteriores: Alexandre Garcia
Desenvolvimento Agrário: Ronaldo Caiado
Meio Ambiente: Walter Feldmam
Trabalho e Emprego: FHC

abolicionista

Agora podemos escolher entre a água podre do PSDB ou a comida envenenada do PT. Estamos realmente avançando… mais um pouquinho e caímos do penhasco.

bira

não dá pra achar que o MST só tem santinhos. neste fim de semana tentaram invadir, com ameaças, trator(!) , foices e martelos, um pequeno terreno que servia como parque público e campo de futebol de uma comunidade próxima a goiana, pernambuco. o detalhe é que chegaram com trator, carros, caminhonetes… é mesmo esse o movimento que quer distribuir terras ? ou queria fincar pé no meio da comunidade, composta por trabalhadores honestos que tinha naquela praça a única opção de lazer ? cansei de encontrar, nas estradas de pernambuco, barreiras onde os militantes do MST ameaçavam quem não desse dinheiro, com foices. isso é certo ?

temos vários casos de militantes do mst presos por roubo, puro e simples.

estamos numa grande encruzilhada : Dilma, de um lado, nomeia kátia abreu para a agricultura – péssimo, considerando a origem latifundiária e excludente. do outro lado, arruaceiros e meliantes travestidos de sem-terra.

e aí, como ficamos ?

bira

    abolicionista

    Que tal se ela fizesse a reforma agrária, pra variar? O PT teve 12 anos e nada.

    Sobre santinhos, o MST é um movimento social, não o Novo Testamento…

Gerson

Dá o ministério da agricultura FAMILIAR para o Stedelli, pra conta balancear.
É o mínimo; pra começar a conversar.

    sonia

    Tambem defendo o Stedilie no Ministerio do Desenvolvimento Agrario… Seria um cobra ponto importante.

Jorge

Tá fogo…..vamos ver o que vai dar…so falta privatizar a petrobras…
ainda tenho esperança de que as coisas melhorem neste próximo governo…

Fernando

Votamos na Dilma e elegemos o Aécio.

Essa é a sensação que tenho.

    andre

    Pode até ser, mas antes isso do que se eleger o Aécio e ter a sensação de que se elegeu o Bolsonaro.

    sonia

    Dilma vai enfrentar um congresso de dar medo..Precisa de bossa apoio.Já tem inimigos suficientes la..

    abolicionista

    Precisa é criar brios e honrar o seu eleitorado.

    Rossi

    Pô cara, vc foi fundo. Mas a Kátia é duro mesmo de engolir.. Daí pro Bolsonaro, Caiado, Fraga….é um pulo!

luis

Viva o MST !!!! E que triste figura de outro blogueiro querer justificar de alguma forma a nomeação de katia abreu, não foi pra isso que votei na dilma.

    Mário SF Alves

    Dúvidas:

    E será que o MST e a Kátia Abreu no Ministério da Agricultura são entidades mutuamente excludentes no tempo e no espaço?

    Talvez, não, heim, Luis?

    O Brasil é grande demais, são 8.5 Milhões de Km². Dá pra desenvolver um modelo contra-hegemônico de produção agrícola, não dá não?

    Imagine o valor comercial e/ou a demanda por importação de produtos livres de venenos e transgênicos?

    Essa nova matriz tecnológica, a agroecológica, precisa ser melhor desenvolvida e testada em grande escala. Nesses termos nada melhor do que essa fantástica diversidade de biomas existente o Brasil.

    abolicionista

    Mário, sinto desapontá-lo, mas matrizes totalmente excludentes. Os transgênicos funcionam de modo combinado com os agrotóxicos. Eles se adequam melhor ao veneno. Por isso, inclusive, a semente e o agrotóxico que funciona com ela possuem o mesmo nome.

    Contudo, o problema do agrotóxico é que ele não sai da natureza. Pelo contrário, ele tem um efeito acumulativo. O agrotóxico usado nas plantações se infiltra no solo e atinge os lençóis freáticos.

    O aquífero guarani, por exemplo, já está contaminado.

    Em Lucas do Rio Verde (MT), cidade modelo do agronegócio, o leite materno está contaminado por agrotóxicos, o que aumenta exponencialmente os casos de câncer infantil.

    Além de produzir riqueza para poucos, o par agrotóxico-transgênicos, a longo prazo, vai fazer com que o produto agrícola brasileiro se torne indesejável num futuro não muito distante. E aí teremos um elefante branco pra cuidar.

    Leia essa matéria, vinculada pelo MST e vais compreender: http://www.mst.org.br/node/15738

    Quanto á Kátia Abreu, vale lembrar:
    – Foi rotulada pelos ativistas ambientalistas como “Miss Desmatamento”.
    – Recebe críticas por atuar de forma contrária à política atual de reforma agrária no Brasil.
    – Como presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, Kátia Abreu contratou a organização Contas Abertas para descobrir quanto custou e quem produziu a Campanha de TV e rádio “Carne Legal” (a campanha se constitui de três peças intituladas “Churrasco de desmatamento”, “Picadinho de trabalho escravo” e “Filé de lavagem de dinheiro”), encomendada pelo Ministério Público Federal.
    – Defende a política de uso de sementes alteradas em laboratório patenteadas por grandes corporações de biotecnologia como a Monsanto. (aquela, que criou o DDT e o agente laranja…)
    – No dia 26 de junho de 2013, em uma palestra no Congresso Internacional de Carnes sediado em Goiânia, Kátia defendeu a PEC 37,6 em seu discurso e manifestou repudio a todos aqueles que rejeitam a Emenda. De acordo com as palavras da Senadora Kátia Abreu, os políticos devem ser livres e a atuação do Ministério Público dificulta a governabilidade.
    – Foi denunciada recentemente por trabalho escravo, crime ambiental e grilagem de terras.
    – A senadora se refere ao MST como “milícia” e “movimento dos sem lei”
    – Kátia Abreu possui uma quantidade enorme de hectares de terras e coloca seus bens em nomes de “laranjas”.
    – Em suas terras, registradas no nome de familiares, Kátia Abreu também mantém trabalhadores em condições de escravo.
    – A senadora foi uma das principais pessoas que comandou junto com Aldo Rabelo (PCdoB) e outros senadores a aprovação do novo Código Florestal que vai garantir anistia aos desmatadores e retirar as áreas de preservação permanente da proteção do governo.
    – Kátia Abreu teve propriedades embargadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) justamente por desmatamento de área de preservação permanente.
    – Outra atuação de destaque da senadora foi a tentativa de barrar a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Trabalho Escravo, que prevê a desapropriação de imóveis rurais que tenham trabalhadores escravos.
    – No ano passado, 56 trabalhadores escravos foram descobertos na Fazenda Água Amarela, em Araguatins (TO), registrada no nome do irmão de Abreu, André Luis de Castro Abreu.
    Enfim…

Deixe seu comentário

Leia também