VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Motoboys, frentistas, vigilantes vão perder parte do salário se MP do Bolsonaro passar. E, agora? vídeo
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Você escreve

Motoboys, frentistas, vigilantes vão perder parte do salário se MP do Bolsonaro passar. E, agora? vídeo


23/11/2019 - 07h06

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Lúcio Antonio de Souza

04 de dezembro de 2019 às 14h22

Tá reclamando do preço da carne ?!
Vou relembrar a época do governo do PT em que chegamos a pagar 15 reais num kilo de feijão !!! E quando o preço da carne disparou na era Dilma e ela mandou que todo mundo comesse ovo ? Memória curtinha tem esses esquerdopatas !! Ahhh mais Lindo mesmo era o governo petista

Responder

Rebelada

26 de novembro de 2019 às 00h59

Traz o baldinho de pipoca!!!!

Responder

cidadão

25 de novembro de 2019 às 14h40

Caro Jonathas, para resolver o problema do desemprego é preciso fazer o País crescer e, não retirar direitos dos trabalhadores.
Retirando direitos do trabalhador e fazendo o povo ganhar cada vez menos, o Brasil só vai andar para trás.
Não se resolve desemprego retirando direitos! Vide o Chile.
O governo do Lula foi exitoso porque distribuiu renda. Vocês não vão aprender isso nunca?

Responder

Gilberto Levi

25 de novembro de 2019 às 10h24

Sem noção mulher e negro votar nesse pitbull de milicia. Tá aí o resultado. O bico vai ficar pior e muito mais perigoso. É uma medica que enfraquece a segurança, pois os seguranças nao vao querer levar um balaço por só 5% a mais no salario. Irao migrar para onde.
E outra essa medida nao é isonomica pois fere o direito de igualdade e tratamento igual aos trabalhadores de modo geral. Vê se o bozo mexeu no adicional de pericosidade da PF, PRF, náo né. Pq será ! O que é perigoso no serviço publico tb é perigoso no serviço privado.
Chupa que cana é doce. Pobre de direita acha que é amigo do patrao.
Acham que um delegado vai pra rua por 5% a mais no salario.
Pior que ser gado é SER BOI DE PIRANHA.

Responder

Jardel

25 de novembro de 2019 às 09h44

Ai que saudades da Dilma, né? Cambada de idiotas!
Com o contrato de trabalho verde e amarelo a coisa vai “melhorar” mais ainda.
A carteira azul dos comunistas vermelhos era “uma merda”, né?
hehehehe…

Responder

    a.ali

    25 de novembro de 2019 às 18h14

    bem isso…agora querem “justiça”…tem mais é que ralar, mesmo!

a.ali

24 de novembro de 2019 às 22h46

FODAM-SE!
Mas meu conselho: FAZ ARMINHA QUE PASSA, SEUS TOLOS!

Responder

Zé Maria

23 de novembro de 2019 às 20h30

Pior.
Retira do Trabalhador o valor correspondente
ao Adicional de Periculosidade e o transfere
para as Corretoras de Seguros Privados,
ou seja, para Bradesco, Itau, Santander …

Medida Provisória nº 905, de 11.11.2019

Art. 15. O empregador poderá contratar, nos termos do disposto em ato
do Poder Executivo federal, e mediante acordo individual escrito com o
trabalhador, seguro privado de acidentes pessoais para empregados
que vierem a sofrer o infortúnio, no exercício de suas atividades,
em face da exposição ao perigo previsto em lei.
[…]
§ 3º Caso o empregador opte pela contratação do seguro de que trata o caput,
permanecerá obrigado ao pagamento de adicional de periculosidade de cinco
por cento sobre o salário-base do trabalhador.
[…]
Brasília, 11 de novembro 2019; 198º da Independência e 131º da República.

JAIR MESSIAS BOLSONARO
Paulo Guedes

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Mpv/mpv905.htm#art15
https://spbancarios.com.br/08/2019/quatro-maiores-bancos-lucraram-r-43-bi-no-1o-semestre-de-2019

Responder

    Jonathas

    25 de novembro de 2019 às 11h50

    retira o que criatura? que nem sequer existia essa opção de emprego verde amarelo. Tem uma porrada de jovens e adultos formados e desempregados dos 18 ao 30 anos necessitando de emprego com urgência. Essa medida afeta apenas os emprego verde amarelo com opção de escolha do trabalhador.

    Jonathas

    25 de novembro de 2019 às 11h52

    Retira o que Criatura? Que nem existia emprego verde amarelo. Isso dai já é uma opção a mais que ele está criando para o jovens se empregarem mais rápido. Tem uma porrada de jovens formados e desempregados dos 18 aos 30 anos; Essa mp afeta apenas os contratos verde amarelo.

    Zé Maria

    25 de novembro de 2019 às 13h21

    Detalhe:

    Na realidade, o desgoverno de Jair Bolsonaro está,
    através da MP 905 redigida pelo Banqueiro Guéds,
    desviando para o setor financeiro, improdutivo,
    parte do dinheiro dos salários que hoje saem da
    produção para o consumo das famílias e, portanto,
    para o comércio varejista, ativando a Economia.

    Por conseguinte é uma medida anti-capitalista,
    além de proporcionar negócios irregulares, entre
    os Empresários/Patrões e as Seguradoras/Bancos
    que buscarão a preferência na contratação, tal
    como os Laboratórios de Medicamentos fazem
    com os Médicos, dando ‘amostras grátis’ para
    depois aparecer na receita o nome do remédio
    comercializado por aquele fabricante.

    Zé Maria

    25 de novembro de 2019 às 19h25

    Para esclarecer:

    Tribunal Superior do Trabalho – TST

    Súmula nº 364

    ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. EXPOSIÇÃO EVENTUAL, PERMANENTE E
    INTERMITENTE (inserido o item II) – Res. 209/2016, DEJT divulgado em 01, 02 e 03.06.2016

    I – Tem direito ao adicional de periculosidade o empregado exposto
    permanentemente ou que, de forma intermitente, sujeita-se a condições
    de risco. Indevido, apenas, quando o contato dá-se de forma eventual,
    assim considerado o fortuito, ou o que, sendo habitual, dá-se por tempo
    extremamente reduzido.
    (ex-Ojs da SBDI-1 nºs 05 – inserida em 14.03.1994 – e 280 – DJ 11.08.2003)

    II – Não é válida a cláusula de acordo ou convenção coletiva de trabalho
    fixando o adicional de periculosidade em percentual inferior ao estabelecido
    em lei e proporcional ao tempo de exposição ao risco, pois tal parcela constitui
    medida de higiene, saúde e segurança do trabalho, garantida por norma de ordem pública (arts. 7º, XXII e XXIII, da CF e 193, §1º, da CLT). [!!!]

    http://www3.tst.jus.br/jurisprudencia/Sumulas_com_indice/Sumulas_Ind_351_400.html
    .
    .
    Constituição Federal de 1988
    Título II
    Dos Direitos e Garantias Fundamentais
    Capítulo II
    Dos Direitos Sociais

    Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de
    outros que visem à melhoria de sua condição social:
    […]
    XXII – redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança;
    XXIII – adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei;
    […]
    XXVIII – seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir
    a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa;

    https://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/con1988_15.12.2016/art_7_.asp
    .
    .
    Consolidação das Leis do Trabalho – CLT (Decreto-Lei nº 5452/43)
    […]
    Art. 193. São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma
    da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho e Emprego,
    aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem risco
    acentuado em virtude de exposição permanente do trabalhador a (*):

    I – inflamáveis, explosivos ou energia elétrica; (**)

    II – roubos ou outras espécies de violência física nas atividades profissionais de segurança pessoal ou patrimonial. (**)

    § 1º – O trabalho em condições de periculosidade assegura ao empregado um
    adicional de 30% (trinta por cento) sobre o salário sem os acréscimos resultantes
    de gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa. (***)

    *(Redação dada pela Lei nº 12.740, de 2012)
    **(Incluído pela Lei nº 12.740, de 2012)
    ***(Incluído pela Lei nº 6.514, de 22.12.1977)

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452compilado.htm
    .
    .
    Ministério do Trabalho – MTb
    Norma Regulamentadora nº 16 (NR 16)
    NR 16 – Atividades e Operações Perigosas
    http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/NR16.pdf
    .
    .
    Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)
    Comissão Nacional de Direitos Sociais da OAB produz Nota Técnica (*)
    que aponta inconstitucionalidades na Medida Provisória 905
    *(http://s.oab.org.br/arquivos/2019/11/368c2edc-00d0-496f-a15c-33406b297a3b.pdf)
    https://www.oab.org.br/noticia/57756/comissao-produz-nota-tecnica-que-aponta-inconstitucionalidades-na-medida-provisoria-905
    .
    .

Vitor Sorenzi

23 de novembro de 2019 às 17h40

Que se f…..!
Escolheram, agora aguentem as consequencias.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.