VIOMUNDO

Diário da Resistência


Molica: Flávio Bolsonaro fez negócios imobiliários de R$ 9 milhões e pode ter simulado “ganhos fictícios”
Reprodução das redes sociais
Você escreve

Molica: Flávio Bolsonaro fez negócios imobiliários de R$ 9 milhões e pode ter simulado “ganhos fictícios”


15/05/2019 - 20h26

EXCLUSIVO: Flávio Bolsonaro comprou 19 imóveis por R$ 9 milhões, diz MP

De acordo com procuradores, as operações contêm sérios indícios de lavagem de dinheiro; lucratividade dos bens foi maior que seus rendimentos como deputado

Por Fernando Molica, na Veja

Ao pedir à Justiça a quebra do sigilo bancário e fiscal de 95 pessoas e empresas relacionadas ao senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), o Ministério Público do Rio de Janeiro apontou indícios de que o parlamentar tenha utilizado a compra e venda de imóveis para lavar dinheiro.

Segundo os promotores, entre 2010 e 2017, o então deputado estadual lucrou 3,089 milhões de reais em transações imobiliárias em que há “suspeitas de subfaturamento nas compras e superfaturamento nas vendas”.

No período, ele investiu 9,425 milhões de reais na compra de 19 imóveis, entre salas e apartamentos.

No documento sigiloso, obtido por VEJA, o MP afirma que a suposta fraude pode ter ocorrido para “simular ganhos de capital fictícios” que encobririam “o enriquecimento ilícito decorrente dos desvios de recursos” da Assembleia Legislativa do Rio.

A quebra de sigilo foi concedida pelo juiz da 27º Vara Criminal do Rio, Flávio Itabaiana Nicolau.

Os promotores citam no documento casos em que teria havido uma valorização excessiva de imóveis comprados por Flávio.

Em 27 de novembro de 2012, ele comprou, por 140 mil reais, um apartamento na Avenida Prado Junior, em Copacabana – 15 meses depois, em fevereiro de 2014, vendeu o imóvel por 550 mil reais, o que representa um lucro de 292%.

O MP aponta que, de acordo com o índice Fipezap, utilizado no mercado imobiliário, a valorização de imóveis no bairro ficou, no período, em 11%.

Também em novembro de 2012, Flávio comprou, por 170 mil reais, um apartamento na Rua Barata Ribeiro, também em Copacabana, que, um ano depois, seria vendido por 573 mil reais, lucro de 237%.

No período, o índice de valorização ficou em 9%. Na medida cautelar, os promotores apontam que os valores declarados para a compra foram inferiores aos do mercado; e, os da venda, superiores.

Citam também que os dois imóveis foram intermediados por um americano, Glenn Howard Dillard. Proprietário do apartamento na Prado Junior, o também americano Charles Eldering, acusou Dillard de não ter lhe repassado o valor da venda.

O MP também levantou dúvidas sobre os negócios relacionados à compra e venda, por Flávio, de apartamento em Laranjeiras.

Apontam valorização excessiva do imóvel em apenas oito meses e questionam também a afirmação do senador de que parte da negociação teria sido feita em dinheiro vivo – o que explicaria os depósitos parcelados, em espécie, que fez em sua conta corrente e que somavam 96 mil reais.

PS do Viomundo: No tweeter, o senador respondeu que os dados são mentirosos e que o MP está tentando condená-lo na imprensa.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

15 de maio de 2019 às 22h50

A Lavanderia do Laranjal tem 3 Ductos:

1) Dinheiro Público (do Poder Legislativo) obtido ilegalmente
com as Nomeações de Assessores e Funcionários Apadrinhados
que não exerciam as funções a que foram designados.

2) Negociatas de imóveis geralmente em áreas valorizadas no RJ,
decorrendo daí Sonegação e desvio para a Prática de Outros Crimes.

3) Contratação de Milicianos Mercenários para Execuções Sumárias.

Responder

    Zé Maria

    17 de maio de 2019 às 16h53

    Adendo

    Póde ter havido também Contrabando e Distribuição
    de Armas Clandestinas para Milícias formadas por PMs


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.