VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

Maria Inês Nassif: O avanço de Dilma no reduto tucano


09/09/2010 - 11h46

Um partido de quadros que perdeu quadros

por Maria Inês Nassif, no Valor Econômico

O avanço de Dilma Rousseff, a candidata do PT à Presidência, no reduto tucano paulista, é um dado muito delicado para o grupo de José Serra dentro do PSDB. O partido nacional não se sairá bem das eleições de outubro, mas o tucanato paulista estará em maus lençóis mesmo que ganhe as eleições para o governo do estado.

Em São Paulo, a candidata do PT já tem votos para suplantar seu adversário tucano. Isso significa que Dilma conseguiu furar o bloqueio de uma forte rejeição petista no estado, que tem garantido eleições sucessivas de candidatos do PSDB ou apoiados pelos tucanos, no momento em que as lideranças nacionais do PSDB paulista declinam. Para o PT, este é um acontecimento.

Mário Covas, que foi o grande articulador da criação do partido e o único elemento agregador desse núcleo original do PSDB, faleceu em 2001. Fernando Henrique Cardoso foi eleito presidente duas vezes na onda do Plano Real e de uma ideia genérica de “Brasil moderno” trazido pela hegemonia liberal, do qual acabou se tornando o grande artífice no país, com a inestimável ajuda do eleitorado conservador paulista, dos votos conservadores da região Sul e dos grotões sob a influência do PFL no Nordeste e no Norte. Saiu do governo desgastado por sucessivas crises econômicas e não assumiu qualquer papel de liderança interna. Se as pesquisas se confirmarem, José Serra perderá, já no primeiro turno, para Dilma Rousseff.

Sem líderes, PSDB ficará muito parecido com PMDB

O grupo serrista tinha forte influência sobre o partido nacional e assumiu as rédeas do PSDB estadual, até então sob a órbita de influência do herdeiro de Covas, Geraldo Alckmin, um político de prestígio regional, mas afeito à política tradicional de alianças com chefes políticos locais. A máquina tucana no estado foi montada por Alckmin; o chefe da Casa Civil de Serra, Aloysio Nunes, trabalhou muito para cooptá-la. O fato, no entanto, é que Alckmin ainda tem mais votos no estado do que Serra.

Houve, portanto, um movimento claro do governador José Serra para assumir a liderança regional do partido, ao mesmo tempo em que mantinha forte influência sobre o partido nacional, apesar de emersões episódicas do governador de Minas, Aécio Neves.

Enquanto tinha o governo estadual e era tido como o preferido nas eleições presidenciais, o candidato tucano a presidente se manteve no controle das duas máquinas partidárias — a paulista e a nacional.

Se perder a eleição, Serra acumulará duas derrotas nas eleições presidenciais — foi candidato em 2002 e perdeu para Lula; é candidato em 2010 e pode perder para a candidata de Lula, num partido que depende desesperadamente de uma vitória para manter o nariz para fora da água. Está sendo cristianizado pelos candidatos tucanos ao governo e ao Senado quase no país inteiro. Dificilmente conseguirá se manter como liderança nacional sem cargo político e sem aliados internos de peso.

Além disso, apesar das aparências, manteve-se em rota de colisão constante com o DEM. Uma estratégia de articulação oposicionista, no caso de vitória de Dilma Rousseff, tem poucas chances de ter o ex-governador como elemento de coesão — interna ou com aliados.

Por força do seu estilo, e das disputas locais, o candidato a governador tucano no estado, Geraldo Alckmin, jamais alçou voos nacionais. Não se pode dizer que os grupos de Serra e de FHC tenham facilitado a vida de Alckmin, mesmo quando ele foi candidato à Presidência, em 2006. Alckmin entra pela porta da sala na política estadual; tem acesso apenas à porta da cozinha na política nacional. Se vencer a eleição, ele deterá o controle da maior parcela de um PSDB em crise. É duvidoso que consiga, no entanto, ser convidado para entrar na sala de visitas da cúpula nacional.

O PSDB, que sempre sobreviveu como partido de quadros, está com severos problemas — de quadros. Ao longo de sua existência, o partido se manteve em torno de personalidades que se desgastaram politicamente com o passar dos anos, ou estão velhas, ou morreram. A exceção é o governador Aécio Neves, uma geração abaixo da do grupo original e que, por manobras de Serra ou por esperteza, guardou-se do desgaste que o embate com um governo altamente popular traria e retirou a sua pré-candidatura a presidente da República.

São Paulo deve ainda contribuir fortemente para a bancada federal do PSDB, mas, sem líderes que sustentem essa hegemonia, o partido deve ficar muito parecido com o PMDB: cada um cuida de seus interesses eleitorais e todos brigam pelo controle regional porque isso facilita o trânsito de suas necessidades imediatas. Se Aécio não assumir o papel de líder nacional, já que chegará ao Senado com uma votação avassaladora, o PSDB estará condenado a ser uma federação de partidos regionais, a exemplo da legenda de Michel Temer.

Para o diretor da Sensus, Ricardo Guedes, a eleição foi definida, em favor de Dilma, no momento em que Serra alcançou 40% de rejeição. Do penúltimo CNT/Sensus, coletado de 31 de junho a 2 de agosto, para o último, feito de 20 a 22 de agosto, Serra passou de cerca de 30% de rejeição para 40%. Isso torna qualquer candidatura inviável, segundo Guedes.

Para Marcos Coimbra, do Instituto Vox Populi, Dilma tem grandes chances de vencer no primeiro turno porque o período de propaganda eleitoral gratuita tem sido absolutamente eficiente no trabalho de associação entre ela e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A campanha no rádio e na televisão tem servido mais como informação a um eleitor pré-disposto a votar na continuidade do que propriamente como instrumento de captação de votos.

Conforme se torna conhecida como a candidata de Lula, Dilma consolida posição. A rejeição a Serra, na opinião de Coimbra, é grande, mas decorrência da definição de voto por Dilma. Por essa razão, Coimbra duvida da eficiência da campanha negativa de Serra.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



35 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Ruy

10 de setembro de 2010 às 12h49

Tucano é feito Cuco, não faz ninho, põe ovos no ninho dos outros.

Responder

william porto

09 de setembro de 2010 às 19h22

Voto em Dilma, acho que Lula foi o melhor presidente que já tivemos, mas não estou satisfeito com o fato da campanha esar sendo decidida prela tevê e pelas pesquisas. Não vejo nass ruas clima de campanha. Alguém precisa explicar essa ausência de povo nas campanhas. Ando diariamente pelas ruas do Recife e apemnas as equipees dos candidatos e as militâncias remuneradas estão empenhadas na campanha. Não sei explicar essa apatia. Para mim não é normal. Acho até algo perigoso para a democracia.

Responder

Antonio

09 de setembro de 2010 às 18h21

O PSDB não tem tamanho para ser comparado ao PMDB.

Responder

IV Avatar

09 de setembro de 2010 às 18h21

Sobre a tracking de hoje

Fiquem atentos, pois o guru(pseudo) indiano mandou seus capangas postar comentários pessimistas nos blogs, não vem que não tem para estes larápios e cyberlarápios, refiro-me à tracking de hoje, ótima para Dilma, pois demonstra que foi estancada a sangria provocvada pela velha mídia
Vamos em frente com nossa campanha com muita alegria, eles querem atingir nosso moral, querem nos envenenar mas não conseguirão, ainda mais agora que chegou o Gabriel, nada mal como a chegada de uma criança para afastar as energias negativas disparadas pelo guru charlatão
Que foto linda demais da conta
Bjs todos

IV Avatar

Responder

    Baixada Carioca

    09 de setembro de 2010 às 23h19

    Mas eles estão comemorando isso como se fosse a própria eleição.

Helcid

09 de setembro de 2010 às 18h16

… lembram do esquema que os "trolls afinados com o psdb" fazia com os emails? Email descendo o pau. Quase que obrigando os eleitores a não votarem na Dilma. Se votar, você será um "pobre", um "segunda classe".

Mas é uma gente tão desqualificada em termos formais, que pelo jeito não progrediu mesmo nas escolas tucanas onde não se reprova e a pessoa chega ao segundo grau sem saber escrever o próprio nome. Só pode ser essa a explicação para alguém escrever você com um imenso e reluzente "Ç". Dói nos olhos a mera visão do assunto da mensagem que eu vi !!

De toda forma, não podemos dizer que não estejam fazendo sua parte. A militância que cabe numa Kombi é realmente aguerrida. E conta claro, com bons aliados, como é o caso da imprensa brasileira, que esconde o fato de que Dilma, mesmo levando porrada todos os dias, continua crescendo e daqui a pouco estará colada nos 60% de intenção de votos. Um baile.

Baile ignorado pela chamada "grande imprensa", que continua martelando a quebra de sigilo da Receita Federal da filha do Serra, aquela que é sócia da família de Daniel Dantas em alguns empreendimentos. É a tal história de te dizer com quem andas, pra te dizer quem você é.

A imprensa veiculou cheia de razão que o PT fez uma pesquisa interna e ficou horrificado ao saber que Dilma estava caindo. A suposta pesquisa interna deve contar com dados da Folha e seu instituto de pesquisas, que são altamente confiáveis, claro ! (kkkkkkk!) Nas outras pesquisas, Dilma só sobe.

Responder

Helcid

09 de setembro de 2010 às 18h11

Montenegro do Ibope afirma que eleição está definida

por Hildegard Angel: http://hildegardangel.wordpress.com/2010/09/07/di

Meu diálogo com Carlos Augusto Montenegro, que acabo de encontrar, no almoço do Margutta:

– Você acha que ainda há a possibilidade de um fato novo mudar o atual quadro eleitoral?

– Não, não acho.

– Nem mesmo no sentido de provocar um segundo turno?

– Nem assim.

– Mas a grande mídia continua insistindo…

– Não adianta. Se fato novo for esse que está aí, violação de sigilo, não tem jeito. A não ser que houvesse um fato novo assim extraordinário, tipo….

(pausa longa, Montenegro pensando)

– Tipo… (ele prossegue)… um fato novo, uma coisa bem louca, como ser flagrado maltratando criança em praça pública.

– Quer dizer que sem esperança para os tucanos?

– Sem esperança. O povo está muito feliz, não dá pra mudar isso. O Nordeste está feliz. E também tem o lance de São Paulo, o povo está cansado de São Paulo, Fernando Henrique, aquela coisa…

Eu me despedi de Montenegro, depois de, repórter bisbilhoteira, ter interrompido seu almoço com uma jovem e linda mulher, de cabelos longos louro mel, que ele me apresentou: “Conhece a Ana Luiza?”. Os dois, de mãos dadas sobre a mesa desde que chegaram…

O Margutta está tendo um almoço animado Neste 7 de Setembro. Numa mesa, Amelinha Falk com amigas. Na outra, o Fernando Sterea bem acompanhado. E quando eu saía chegava o Tadeu Schmidt, da Globo, acompanhado de mulher e duas meninas.

Responder

    Baixada Carioca

    09 de setembro de 2010 às 23h18

    O Nassif publica um post onde mostra o Sergio Guerra em pé de guerra com João Francisco do Vox Populi. Estratégia é não deixar o Vox Populi falar. Aqui.

oswaldo j. baldo

09 de setembro de 2010 às 18h03

O PSDB/DEM tem em São Paulo votos da maioria dos professores, policiais militares e civis e demais funcionalismo publico do estado, não é por acaso que estão há quase 30 anos no comando do estado, ou seja desde Franco Montoro sob a legenda do PMDB que se transformou em PSDB nos 16 anos.

Responder

    Sérgio Troncoso

    09 de setembro de 2010 às 18h31

    Êpa Oswaldo, tenho a impressão que é justamente dessas categorias que voce citou, que o PSDB não tem a maioria dos votos. A fôrça dos votos tucanos vêm da classe rica e boa parte da média que são extensas na cidade de São Paulo, e do interior onde eles têm votos em todas as classes.

EDGAR APRIGIO

09 de setembro de 2010 às 17h33

O PSDB, tornou um partido sem identificação, querem simplesmente ser Governo. Até agora não mostrou A+B, sobre plano de Governo. O PSBD, quer voltar ao Governo para fazer um novo balcão de vendas, ou seja, privatizar o que não deu tempo pela resistência dos Sindicatos forte , tais como, nossas geradoras hidroeletrica. O eleitor brasileiro, hoje, mais esclarecidos não toleram este tipo de irresponsabilidade. Infelizmente o eleitor paulista, ainda não se libertou desses artistas políticos. Olha, conheci esse SITE hoje, fiquei maravilhado. Vamos pra frente. Um grande abraço.

Responder

    Baixada Carioca

    09 de setembro de 2010 às 23h14

    Rapaz, não fala sobre A+B que esse negócio de somar, subtrair, diminuir, multiplicar, dividir é um problema para os tucanos.

    [youtube UiRNvK95438 http://www.youtube.com/watch?v=UiRNvK95438 youtube]

Jarmil

09 de setembro de 2010 às 17h17

Acaba de sair o novo tracking Vox Populi IG/Band:
Dilma 53%, Serra 21%, Marina 9%. Indecisos passam de 4 para 5%.

Responder

malu

09 de setembro de 2010 às 16h05

Infelizmente, é isso mesmo, o PMDB é um partido repartido. O vice da Dilma é o Michel Temer, que é do PMDB, mas o Marcio Papa, que administra minha cidade (Santos) é do mesmo repartido e apoia o Serra, na eleição passada apoiou o Alckimin. O PSDB vai virar isso, um amontoado de gente sem nenhuma identificação entre si.

Responder

Fátima Sousa

09 de setembro de 2010 às 15h45

Agora, o próximo passo é varrer essa tucanalha de SP, que tanto mal já fez ao Estado e principalmente ao funcionalismo público. Devemos lembrar que o funcionário público, embora mal visto pela sociedade (alguns até dão razão pra isso), mas não devemos esquecer que esses trabalhadores ajudam a todos: é aquele PM do 190 que você chama quando está no aperto (e nas suas horas de folga vai morrer literalmente no bico), é aquele professor que se ferra nessas escolas sem nenhuma infra, ou aquele agente de saúde que se desbobra em 2, 3 empregos pra ganhar um pouquinho a mais. Fora tucanhalha de SP !

Responder

Emília

09 de setembro de 2010 às 14h41

A Dilma vai ganhar não é por causa do Presidente Lula, mas principalmente, pelo melhor governo que a maioria da população já teve, os dados do IBGE estão aí para comprovar. O Presidente Lula é muito querido por que foi no governo dele essa melhoria de vida e o povo quer a continuidade, mas vocês não substimem o povo brasileiro, pois se a Dilma vencer e não fizer um bom governo, ela sai no proximo pleito mesmo o Lula trabalhando pra ela. E quanto ao PSDB, ele só está vivo em SP, no resto do país ele está na UTI faz tempo.

Responder

    HENRIQUE

    09 de setembro de 2010 às 17h40

    O PSDB QUE ESTÁ VIVO É O DE MINAS, VAI ELEGER OS SENADORES (apesar de detestar o ItAMAR FRANCO, UM INCOMPETENTE QUE TEVE UM GOVERNO MAIS OU MENOS PELO APOIO DE FHC, COMO GOVERNADOR DE MIN AS FOI LASTIMÁVEL) E O GOVERNADOR DO ESTADO. A ADMINISTRAÇÃO DO AÉCIO FOI MUITO BEM FEITA E O ANASTASIA É MUITO COMPETENTE, JÁ EM SÃO PAULO ALCKIMIM PODE GANHAR MAS NÃO TEM NENHUMA EXPRESSÃO NACIONAL. É UM PEQUENO LÍDER EM UM GRANDE ESTADO

lilana lima

09 de setembro de 2010 às 14h40

De fato, a questão não é o comunismo mas uma política que priorize o social. Se políticos realizarem essa proeza, já está de bom tamanho nesse país desigual e de tanta injustiça perpetuada por interesses desses que estão lutando pra voltar ao poder.

Responder

Marcio Leandro

09 de setembro de 2010 às 13h45

Aqui no PR também tem uma liderança jovem que pode projetar-se nacionalmente, o Beto Richa, que possivelmente também ganhará a eleição em primeiro turno (infelizmente). Falo infelizmente porque não voto na direita e mesmo sendo um político fazendo uma campanha limpa e apresentando boas propostas, ainda traz junto a si um grupo de políticos que causaram muitos danos ao estado enquanto estiveram no poder antes do Governo Requião.

Responder

Leonardo

09 de setembro de 2010 às 13h09

O Fidel já desistiu do comunismo. Falou isso com todas as letras numa entrevista.

Nao sei como ainda tem gente que se ilude com isso…

Responder

    ratusnatus

    09 de setembro de 2010 às 13h32

    Os EUA foram a lua mas o primeiro homem no espaço foi soviético.
    Camembert é um queijo delicioso.
    A Carla perez…
    Agora, mais importante do que isso é que o Mengão é hexa.

    Estávamos falando sobre o que mesmo?

    Marat

    09 de setembro de 2010 às 14h17

    Rsrsrs, nós falávamos da influência da lua no ciclo menstrual da borboleta

    André Diniz

    09 de setembro de 2010 às 15h28

    Alguem aí quer jogar cartas?

    ana

    09 de setembro de 2010 às 13h57

    e quem está falando em comunismo, rapaz? estamos falando de eleição, partidos políticos, vencedores e vencidos. entendeu?

    Leonardo

    09 de setembro de 2010 às 15h53

    Ficaram zangadinhos quando toquei no assunto de estourou ontem, a entrevista do Fidel onde ele admite que o modelo politico de cuba é um fracasso e de lambuja deu uma carraspana no louco do irã por causa dos judeus.

    Aliás, nao vejo repercussão alguma dessa entrevista do Fidel em sites como vermelho,org, horadopovo, este blog, carta capital etc.

    Por que será?

    Ainda nao assimilaram o golpe?

    rs

    José Feitosa

    09 de setembro de 2010 às 17h45

    Meia palavra para bom entendedor basta. Ele não falou que foi um fracasso: Falou que esta ultrapassado. Outra o comunismo não deu certa a muito tempo, se não estaríamos com esse modelo. Basta estudar história, mas como vc. não tem o que falar, levantou essa lebre.
    Cara se socialista ou de esquerda e prezar pelo social, pelo povo, necessariamente, não precisa ser comunista. Outra coisa o povo que conforto, bem-está social, que educação, saúde e segurança. O povo não está preocupado com as ideologias. E isso o povo está conquistando no governo Lula.

    Desculpe! Procura outro argumento

    Baixada Carioca

    09 de setembro de 2010 às 23h06

    Feitosa, não fica bravo com o Leonardo não porque ele não consegue entender mesmo; não é porque não quer.

francisco p neto

09 de setembro de 2010 às 13h02

Continuo afirmando.
Em janeiro de 2011 Dilma toma posse, e começa o processo de implosão do PSDB.
Agora, se o começo dessa implosão será via "pmdbezação", eu não sei.
Mas, já é um começo, segundo Maria Ines Nassif.

Responder

Filipe Rodrigues

09 de setembro de 2010 às 12h59

Aécio caiu nas últimas pesquisas para o Senado em Minas, Pimentel tem chance de derrotar Itamar Franco, mesmo que Anastasia ganhe, será uma vitória apertada. Caso Aloísio Nunes Ferreira consiga ocupar uma das duas vagas de senador em SP, o que não é impossível de acontecer, por ser o braço direito de Serra, Aécio terá dificuldades em se impor como liderança nacional e de oposição ao governo. Há uma pressão para o PSDB torne-se um partido menos paulista, com as reeleições de Arthur Virgílio e Tarso Jereissati ameaçadas, o senador Alvaro Dias do Paraná poderia ocupar esse posto, ele também é conciliador, crítico da direção paulista na legenda, más diferente de Aécio, faz uma oposição mais consistente ao PT.

Responder

    Carlos

    09 de setembro de 2010 às 14h49

    Álvaro Dias como exemplo de "oposição mais consistente ao PT"?

    Filipe Rodrigues

    09 de setembro de 2010 às 18h25

    Fiz uma análise política, não ideológica.

Baixada Carioca

09 de setembro de 2010 às 12h51

[…] Valor Online a jornalista Maria Inês Nassif (via Vi o Mundo) questiona o futuro do PSDB e aponta como destino ficar “parecido com o PMDB” São […]

Responder

Jairo_Beraldo

09 de setembro de 2010 às 12h31

Muito feliz uma colocação da Sra Nassif. O PMDB não tem um líder. Como pode o partido com maior número de filiados, vereadores, prefeitos, deputados estaduais e federais, além de senadores, não ter uma liderança de expressão, ou mesmo, não ter um líder nato.

Responder

    Baixada Carioca

    09 de setembro de 2010 às 23h05

    Porque o conceito que essa turma tem de liderança é aquela que não pode ser questionada e tudo orbita ao seu redor. Garotinho achava que podia mandar e desmandar até que veio Cabral e tirou essa arrogância dele. Saiu do PMDB. Cabral ainda não se colocou como tal e Simon não sabe exatamente o que é no RS.

    Jairo_Beraldo

    10 de setembro de 2010 às 06h58

    Acho que Simon nunca soube o que foi. Foi uma decepção daquelas que desanima até o mais crédulo dos homens.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!