VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Maria das Neves: Lugar de agressor de mulher é na cadeia e não Presidência
Você escreve

Maria das Neves: Lugar de agressor de mulher é na cadeia e não Presidência


19/10/2014 - 18h49

Maria-das-Neves

Carta aberta de Maria das Neves ao candidato Aécio Neves; sugestão enviada por Luana Tolentino

Caro candidato, tamanha é minha indignação como jovem, mulher e feminista que não poderia deixar de escrever essas linhas.

Sua candidatura tem servido para estimular o ódio contra as mulheres e reforçar a cultura machista que tanto temos lutado para combater.

Muito tem me incomodado e a milhares de brasileiras a forma como você tem se referido as mulheres. Para você o Brasil ainda se divide entre “donas de casas” e “trabalhadores”. A velha divisão sexual do trabalho.  Parece que você não sabe, mas as donas de casa também são trabalhadoras. E, as mulheres tem ocupado entre tantas funções, aquelas que no passado eram apenas masculinas. Hoje, temos mais oportunidades, alto-estima e direitos conquistados. Somos o Brasil da seleção hexacampeã da Copa América de futebol feminino, golaço! As mulheres hoje são bandeirinhas, empresárias, engenheiras. Batem um bolão dentro e fora de campo. E, imagine só, chegamos até a Presidência da República.

Como se não bastasse o caso de agressão contra sua namorada, publicamente divulgado nas redes sociais e demais meios de comunicação, são frequentes os ataques de ódio e incitação à violência contra as mulheres através de seus correligionários e apoiadores. No último debate, seus assessores receberam a Presidenta da República aos gritos de: Vaca!  Enquanto isso o Pastor Malafaia, em seu twitter fazia piada com a violência doméstica e a Lei Maria da Penha, direito conquistado com muita luta pelas mulheres brasileiras.  Piadas sem graça, xingamentos machistas.  Ofendem não apenas a Presidenta Dilma. Mas, a todas as brasileiras que nos últimos anos escreveram uma nova página na história desse país. Quanto as propostas para as mulheres a resposta foi: nenhuma. Essa é a proposta de sua campanha para as mulheres? Mais violência, menos respeito?

Somos mais 52% da população e do eleitorado brasileiro, somos a maioria nas universidades, a maioria no PRONATEC. Somos as mais beneficiadas com o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida. Somos 67% da população economicamente ativa com carteira assinada. E, ao contrário do que o candidato disse no debate da Band não queremos um salário “mais próximo do que tem os homens”. Queremos um salário igual ao dos homens. Essa é uma luta histórica dos movimentos feministas e centrais sindicais: salário igual para trabalho igual!

É candidato, saiba que essa geração de mulheres, que nascem e crescem num país governado por mulher e as que lutaram para chegarmos até aqui, não toleram o “dedo em riste”, não são “levianas”, nem “mentirosas”, muito menos “ignorantes”! Enquanto você saía de Minas para passear. Dilma saiu de Minas Gerais perseguida por lutar por liberdade e democracia.

Dilma, representada todas nós, mulheres, jovens, idosas, brancas, negras, indígenas, quilombolas, ciganas, trabalhadoras do campo e da cidade, casadas, solteiras, héteros, lésbicas, bi e transexuais que lutam ainda hoje para nos libertar das correntes do patriarcado. Lutamos para ocupar mais espaços de poder e ajudar a decidir os rumos do país que ajudamos a construir. Por isso, lutamos por uma reforma política que aprofunde e consolide a democracia brasileira empoderando as mulheres.

Por muito tempo o machismo tentou nos calar e afastar da política. Dilma, representa a força e a voz das brasileiras que tem coração valente!  Há apenas 82 anos conquistamos o direito de votar e sermos votadas. Depois da conquista do voto feminismo a eleição de Dilma, é a principal conquista das mulheres brasileiras.

Lugar de mulher é na política, candidato. Não nascemos para ser apenas primeira- damas, mais para governar ao lado dos homens. Independente do peso, da cor da pele, do cabelo, do tamanho. Nossa beleza não tem padrão! E, não é critério para participação na política como afirmam as declarações machistas de seus apoiadores nas redes sociais que chegam à exaltá-lo como “herói” ao apresentar suas ex-namoradas como “troféu”.

Para você as mulheres ainda são “donas de casas”. No Brasil de Dilma as mulheres podem sonham em ser Presidentas da República. No Brasil que você defende violência contra a mulher é piada. No Brasil de Dilma, a violência doméstica é crime. O Governo da primeira mulher Presidenta da República fez pelas mulheres o que nenhum outro governo fez. Não vamos retroceder! Lugar de agressor de mulher é na cadeia, candidato. E não na Presidência da República!

No próximo dia 26 as mulheres votarão contra o desemprego, contra o neoliberalismo, contra o machismo, pelo fim da impunidade e da violência contra as mulheres.

Não voto em homem que bate em mulher!

* Maria das Neves, Diretora Nacional de Jovens Feministas da UJS

Leia também:





18 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

MAureli

21 de outubro de 2014 às 11h11

Aécio é REtrocesso = ARÉCIO

Responder

Marat

20 de outubro de 2014 às 23h14

Quero ver como certas dondocas dos Jardins-SP ficarão ao saber que ele bate em mulheres… E bem capaz de elas dizerem que isso está certo!!!

Responder

Assange

20 de outubro de 2014 às 17h25

O mais incrivel de tudo:

Os mineiros são conservadores como se sabe. Ficaram vivendo o drama da liderança de Aécio décadas, calados, na moita, sofrendo.

Quando os blogueiros sujos de S. Paulo franquearam a saída para a verdade, a boiada mineira desembestou. (boiada no sentido de Zé Ramalho pois boiada somos) Eles nunca, jamais, never votarão em Aécio…

E os de direita não votarão de vergonha….

Responder

Vicente

20 de outubro de 2014 às 17h23

De onde vocês tiraram essa história? Meu Deus…

Responder

Léo

20 de outubro de 2014 às 13h33

Eu assisti todos os debates no primeiro turno. Vi como Aécio só batia em mulheres ( Dilma, Marina e Luciana Genro). Ele poupara Everaldo, Fidelix, Eduardo Jorge e Ymaiel.

Eu pensava comigo, tem algo neste angu.

Agora no segundo turno que ficou somente a presidente Dilma, ele trata ela como “saco de pancada”.

É como o Lula disse, “eu queria ver se ele enfrentasse um homem no segundo turno, se teria coragem de fazer o que fez com Dila”. Não respeitou como mulher, não respeito como Presidenta, nem como pessoa.

Agora estou convicto que isso é da natureza do candidato machista.

Acesse:http://musica.com.br/artistas/xuxa/m/hey-machao/letra.html

Hey Machão com Xuxa, vai se tornar hit parade, esta semana

Responder

Romero

20 de outubro de 2014 às 09h33

Odeio esta conversa de “homem de verdade não bate em mulher” ou “não se bate em mulher”. As feministas deviam abandonar esse discurso porque ele é extremamente sexista, principalmente em um mundo (pelo menos o ocidental) onde a participação das mulheres na sociedade é cada vez comum. Obviamente não estou dizendo que deve-se bater em mulheres, mas acho que um discurso mais humanista seria mais útil. Não seria melhor trocar por “homem de verdade não agride” ou “não deve-se bater em ninguém”?

Responder

    Assange

    20 de outubro de 2014 às 17h21

    Eu entendi Romero, ocorre que a realidade é amarga. Por que usar palavras mais doces?

    renato

    20 de outubro de 2014 às 18h37

    Também entendi..
    Mas enquanto a coisa não melhora.
    Para se chegar lá, acho que teremos que passar por este caminho.
    Afinal, quando é que as mulheres tiveram voz???
    Agora é hora delas..
    Minha mãe, tinha voz…e aí de mim, se não a ouvisse..
    A orelha chegava a criptar..

Luiz

20 de outubro de 2014 às 09h30

Inadmissível um Presidente da República que bate em mulher!

Responder

FrancoAtirador

20 de outubro de 2014 às 03h17

.
.
18/10/2014
R7, em Belo Horizonte-MG

Lula pediu votos para Dilma Rousseff ao lado de Fernando Pimentel

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
e o governador eleito de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT),
se reuniram com lideranças petistas e representantes de entidades e sindicatos na manhã deste sábado (18), em Belo Horizonte (MG), durante um comício em apoio à candidata à reeleição, presidente Dilma Rousseff (PT).

O evento ocorreu na praça Duque de Caxias, no bairro Santa Tereza, região leste da cidade.

Em seu discurso, Lula chamou o candidato do PSDB ao Planalto, Aécio Neves,
de “vingativo” e “filhinho de papai”
e questionou a “falta de respeito” do tucano com Dilma.

— Eu disputei muitas eleições neste País e eu nunca vi um cidadão
faltar com o respeito como ele [Aécio] faltou com a Dilma.
Eu fico imaginando se ele trata a presidenta da República desse jeito,
como vai ser quando ele encontrar um catador de papel.
Eu não sei se ele teria tanta coragem de ser grosseiro
se o candidato fosse homem.

The Economist

Lula ainda argumentou contra a postura da revista The Economist, que publicou uma matéria a favor de Aécio Neves, ressaltando que os brasileiros deveriam escolher o candidato tucano para governar o País.

— Não vai ser uma revista estrangeira que dirá em quem temos que votar. Não somos gado, sabemos em quem votar.

O petista afirmou que Aécio é “o candidato dos banqueiros” e que os brasileiros devem votar em Dilma para “dar uma resposta” para a publicação.

— Qual a resposta a gente tem que dar para a The Economist
e para o mercado financeiro?
Elegendo Dilma.
Se a revista que defende os bancos quer o Aécio
e ele é o candidato dos banqueiros, ótimo.
Mas Dilma é a candidata do povo brasileiro.

“Minas não tem dono”

Já o governador eleito do Estado, Fernando Pimentel, agradeceu os votos que o levaram à vitória ainda no primeiro turno e pediu que os mineiros elejam Dilma.
Ele repetiu as palavras de seu discurso logo após a vitória nas eleições,
afirmando que “Minas não tem dono, não tem rei, não tem imperador”
e disse que a presidente “confia” nos eleitores de seu Estado natal.

— Eu disse para a Dilma que estávamos vindo fazer esse ato e ela deu o recado:
confio em Minas e é de lá que vai sair nossa vitória.
Temos que eleger Dilma para não retroceder,
para não entregar as conquistas da nossa gente.
É com humildade que pedimos aos mineiros para reeleger Dilma presidente.
Aquela que o presidente Lula tomou pela mão e escolheu,
porque era a melhor, a mais comprometida, a mais corajosa
para continuar o trabalho dele.

(http://noticias.r7.com/eleicoes-2014/minas-gerais/lula-chama-aecio-de-vingativo-e-filhinho-de-papai-em-comicio-em-mg-18102014)
.
.

Responder

FrancoAtirador

20 de outubro de 2014 às 00h19

.
.
Machão Aécio Neves Tem Aquilo Roxo.

Da Mesma Cor Ficou o Olho da Namorada

Na Festa VIP Carioca do Hotel Fasano.

(http://abre.ai/aecio_esmurra-mulher)
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    20 de outubro de 2014 às 18h20

    .
    .
    FALSIDADE POUCA É BOBAGEM…

    Folha de S.Paulo
    colunistas
    aecio neves

    O paradoxo feminino

    07/11/2011 – 03h30

    No país de Fernanda Montenegro,

    das saudosas Zilda Arns e Ruth Cardoso,

    das ministras Ellen Gracie e Carmem Lúcia,

    de Marina, Marta, Erundina, Benedita,

    da presidenta Dilma Rousseff

    e de tantas brasileiras

    que são referências na nossa sociedade,

    ainda é demasiadamente dura a vida das mulheres.

    Assinantes da Folha e do UOL podem acessar a íntegra da coluna aqui

    Aécio Neves é senador pelo PSDB-MG.
    Foi governador de Minas Gerais entre 2003 e 2010.
    É formado em economia pela PUC-MG.
    Escreve às segundas-feiras.

    (http://naofo.de/1oof)
    .
    .
    Folha de S.Paulo
    ex-colunistas
    aecio neves

    Emprego

    30/07/2012 05h30

    Criada na antevéspera do final do primeiro ciclo da Era Vargas,

    a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) cumpriu missão fundamental

    ao regular as relações entre trabalhadores e empregadores

    em um país que ensaiava os passos na construção

    de uma economia industrializada, moderna e diversificada.

    Sete décadas depois, as aceleradas transformações que ocorrem em nível global mostram que o mundo das relações trabalhistas cobra da sociedade um novo olhar, contemporâneo, compromissado com o futuro e sustentado por políticas públicas e empresariais objetivas, capazes de abrir oportunidades para um maior número de brasileiros.

    Penalizando a todos, permanece elevada a informalidade no emprego. A taxa de formalidade, embora tenha crescido, ainda era de 54,3% em 2009, deixando ao relento quase a metade dos trabalhadores brasileiros.

    No caso dos empregados domésticos, a situação é mais crítica, com a taxa girando em pouco mais de 6% em alguns Estados do nordeste –empregos ocupados principalmente por mulheres predominantemente negras. Nesta categoria, o mais alto índice de formalização chega a 38% apenas em São Paulo.

    Os 2.496 dispositivos pendurados na CLT ao longo dos últimos 70 anos

    –922 artigos, mais a legislação acessória e súmulas de tribunais–

    mostram-se inócuos para reverter esse cenário

    e comprovam que passou da hora de se instalar um debate

    para modernizar as relações trabalhistas no país.

    Lembro que esta é uma entre tantas reformas estruturais

    que o Brasil continua devendo aos cidadãos

    e que acabaram sublimadas ou pela falta de vontade política

    ou pela urgência de matérias que interessam de perto

    ao governismo e ao seu projeto de poder.

    Uma década depois, as antigas reformas constitucionais

    continuam sendo as novas reformas ainda por se fazer.

    AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna.

    Aécio Neves é senador pelo PSDB-MG e candidato à Presidência.
    Foi governador de Minas Gerais entre 2003 e 2010.
    É formado em economia pela PUC-MG.

    (http://naofo.de/1ooc)
    .
    .
    (http://abre.ai/-aecio-neves-psdb_colunista-do-jornal-folha-de-sao-paulo)
    .
    .

Eduardo

20 de outubro de 2014 às 00h06

Acredito que ele bateu na namorada porque não estava sóbrio! Talvez efeito de álcool ou de outros efeitos químicos! Um homem de verdade não bate em mulher !

Responder

Paulo

19 de outubro de 2014 às 22h14

Agora eu me pergunto porque não trouxeram isso a tona no primeiro turno, mirar em Marina e poupar Aécio foi um grande erro se temas como bafômetro e a agressão a mulher tivessem sido levantados antes ele não teria a votação que teve

Responder

Guilherme

19 de outubro de 2014 às 22h00

BOA PERGUNTA:

VOCÊ DEIXARIA O AÉCIO TOMAR CONTA DO SEU FILHO NUM FINAL DE SEMANA?

Responder

Fabio Passos

19 de outubro de 2014 às 21h36

As imagens nos debates são claras.
O “machão do Leblon” gosta de agredir mulher… mas fala fino com homem.

A Presidenta Dilma vai derrotar este covardão.

Responder

Julio Silveira

19 de outubro de 2014 às 21h18

Bater em mulher? a cada dia que passa e as informações antes represadas vindo a tona essa gravissimo falha de carater parece ser uma das menores.

Responder

Jonas Silva

19 de outubro de 2014 às 20h48

Quem define as eleições no Brasil são as mulheres. Não só as eleições, mas como tudo na vida. As mulheres são especiais, o amor incondicional é uma qualidade feminina. Por isso estou mais confiante na vitória de nossa presidente. Dilma 13 para seguirmos em frente.
http://www.platodocerrado.blogspot.com.br

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura