VIOMUNDO

Diário da Resistência


Márcio Tenenbaum: Como na Alemanha nazista, os assassinos aqui não sairão impunes
Você escreve

Márcio Tenenbaum: Como na Alemanha nazista, os assassinos aqui não sairão impunes


11/05/2019 - 23h18

A Morte Banalizada

por Márcio Tenenbaum*

Com a expressão “a banalidade do mal”, Hannah Arendt estabelece uma nova visão sobre o tema.

O mal não é retratado como algo maligno, visível a olho nu, nascido, crescido e voltado para um fim determinado ou contra um objeto determinado.

O mal pode tomar uma pessoa como a que está ao seu lado, sem nenhum sinal exterior aparente.

Arendt interpreta o mal a partir do julgamento de Eichmann em Jerusalém, depois de ele ter sido sequestrado pelo Mossad, serviço secreto israelense, quando vivia tranquilamente em um subúrbio de Buenos Aires.

Durante o julgamento de Eichmann, Arendt percebe que ele não é nada senão um burocrata como qualquer outro, que, na realidade, ao organizar o transporte dos trens que levavam os judeus aos fornos crematórios, fazia apenas um trabalho burocrático no intuito de satisfazer seus superiores, com o singelo objetivo de subir na carreira militar.

O que Hannah Arendt investiga ainda é como uma sociedade permite que se desenvolva um mal de tal magnitude sem que haja qualquer vislumbre de humanidade em seu ator, na total ausência da percepção de que os transportados nos trens de gado eram seres humanos.

Como pode haver um ausência absoluta de humanidade?

Por que Eichmann tapou seus ouvidos para os avisos do crime que estava perpetrando, sejam avisos externos ou avisos vindos da sua própria consciência?

Hannah Arendt percebe que, na sociedade alemã nazista, Eichmann não precisava tapar seus ouvidos para não escutar avisos do crime que estava perpetrando, porque não havia quem pudesse dar esses avisos, simplesmente porque na sociedade nazista alemã a instância “moral” estava comprometida com a ideologia nazista.

Na sociedade alemã nazista, o mandamento “Não Matarás”, que existe em qualquer sociedade que tenha caminhado para a construção do processo civilizatório que culminou no Estado de Direito moderno, foi transformado em “você pode e deve matar”.

Nas últimas semanas vimos o governador do Rio de Janeiro em um helicóptero atirando em comunidades sob o pretexto de combater a criminalidade.

Vimos o presidente da república estendendo o direito de portar armas a diversos setores da sociedade sob o pretexto de autodefesa.

Desde o impeachment de Dilma Rousseff e, recentemente, na campanha eleitoral para presidente, o candidato vitorioso anuncia sua intenção de matar setores da esquerda e declama louvores a antigos torturadores e assassinos, agora transformados em heróis na luta contra um comunismo que só ele enxerga.

O mandamento “não matarás” também em nosso país, nos dias atuais, passou a ser “podem matar” e “podem destruir o patrimônio nacional”.

Evidente que, à semelhança da Alemanha nazista, a liberação e a apologia de assassinatos contra os indesejáveis também acabarão em algum tipo de tragédia.

Como lá na Alemanha nazista aqui também não há nenhuma voz moral no interior das elites que diga: não se pode matar seres humanos.

E, finalmente, à semelhança da Alemanha nazista, os autores dos crimes perpetrados, seja contra cidadãos, seja contra o patrimônio nacional, não sairão impunes, porque o recado de Hannah Arendt é que o mal, apesar de parecer banal, jamais poderá assumir uma dimensão de normalidade ou ser tolerado por qualquer sociedade que se pretenda civilizada.

Márcio Tenenbaum é advogado e associado da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD-RJ)

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

14 de maio de 2019 às 20h20

Um anti-republicano dentro do Poder Legislativo da República Federativa do Brasil,
teve a ousadia de dizer que ‘a Escravidão é um aspecto da natureza humana’.
Palavras vindas de um absolutista Herdeiro (só no sobrenome) da Princesa Izabel.

Que pena que nós não tivemos a nossa Revolução Francesa (ou, quiçá, Russa) …

https://twitter.com/Ava_Araujo/status/1128430488182513666

Responder

Darcy Brasil Rodrigues da Silva

12 de maio de 2019 às 19h53

TALVEZ ESSE COMENTÁRIO SEJA REPETIDO

Lembro ao Viomundo que ( ainda que atabalhoadamente, porque tinha que priorizar a defesa de minha própria vida, não tendo tempo para desenvolver teorias a respeito do que estava enfrentando na prática concreta, vindo a contar só recentemente com apoio de meus irmãos), talvez, tenha sido o primeiro a chamar a atenção para essa ameaça, que é, na verdade, um projeto de poder. Percebi imediatamente também a verdadeira finalidade da liberação da venda de armas, porque tinha consciência desta ameaça. Nassif, não porque leu meus pobres twittes que tentavam alertar para o significado político dos decretos de Bolsonaro liberando a venda de armas, o percebeu também e deu a essa percepção um formato analítico jornalístico impecável. Todo mundo da esquerda deveria ler essa matéria e deixar-se convencer por seus argumentos. Bolsonaro e os bolsonaristas perseguem um projeto de poder fundado em uma poderosa e numerosa milícia, armada legalmente pelos efeitos de seus decretos monocráticos.

Responder

Pedro dos Anjos

12 de maio de 2019 às 16h57

Acontece que nesta travessia, até a sociedade despertar, o mal terá aprontado as suas: sangue derramado, dores sem fim, sofrimento do povo oprimido estão em sua agenda apocalíptica.
Em que extensão? Vai depender da resposta popular à maldade daqueles que tem cara, rabo e cheiro de neonazis. (o bolsonanismo pode até não ser exatamente neonazista, mas mostrar-se igual ou até pior)

Responder

cunha e Silva

12 de maio de 2019 às 10h50

Márcio , vc está no Brasil , dificilmente esta turma pagará pelo que fez e pelo que está fazendo , se fosse assim 98% do PSDB estaria na cadeia .

Responder

Cláudio

12 de maio de 2019 às 05h13

Lula Livre

Responder

Policarpo

12 de maio de 2019 às 00h28

“….por qualquer sociedade que se pretenda civilizada”.

O problema e o perigo real é justamente este, que nossa “sociedade” nunca teve essa pretensão e sempre preferiu guardar uma distância segura de uma sociedade desse tipo, não digo nem civilizada, mas minimamente civilizada.
Vamos precisar mais do que uma boa literatura e mais que palavras contra o mal, vamos precisar de luta.

Responder

Zé Maria

12 de maio de 2019 às 00h01

E as ‘Ex-tituições’ funcionando normalmente
pra que tenhamos o maior número de vítimas.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.