VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Malu Aires detona ataque de Bial a Petra Costa e a Democracia em Vertigem: Inveja!
Fotos: Rede social e trabalhada por Beto Mafra e Diego Bresani/divulgação
Você escreve

Malu Aires detona ataque de Bial a Petra Costa e a Democracia em Vertigem: Inveja!


04/02/2020 - 20h48

Da Redação

Em entrevista à rádio Gaúcha, o apresentador e jornalista Pedro Bial se referiu ao filme Democracia em Vertigem, de Petra Costa, como uma “ficção alucinante”  e disse que deu gargalhadas enquanto assistia:

“Eu dei muita risada. É um ‘non sequitur’ [expressão em latim para “não se segue”] atrás do outro. Tira conclusão de que algo leva a outro sem a menor relação causal. O filme vai contando as coisas num pé com bunda danado. Uma narração miada, insuportável, ela [Petra] fica chorando o filme inteiro”.

 “É um filme de uma menina dizendo para mamãe dela que fez tudo direitinho, que ela está ali cumprindo as ordens e a inspiração de mamãe, somos da esquerda, somos bons, não fizemos nada, não temos que fazer autocrítica”.

Em texto corrosivo, postado em rede social, a artista, compositora e intérprete Malu Aires detonou-o.

Beto Mafra sugeriu-o

Confira abaixo:

por  Malu Aires*

A inveja de Pedro Bial pelo sucesso de uma jovem mulher é compreensível.

Passou anos da sua medíocre carreira, vendendo bundas, peitos e coxas das mulheres brasileiras, no BBB.

Achou que, depois de década de esforço em prol do machismo e da misoginia, não sobraria uma mulher no Brasil capaz de fazer cinema, publicar livros, teses, descobertas científicas ou voltar a assumir cargo máximo de poder nesse país.

A pintocracia broxou com Dilma, está broxando com Petra e vai broxar sempre que vir uma mulher conquistando o que machos medíocres não conquistaram, em décadas de puxa-saquismo golpista-patriarcal.

Dinheiro compra muita coisa pra fazer subir o pinto, mas não compra prestígio e respeito.

Não entendem… Não aceitam… Fizeram tudo o que mandaram fazer e não ganharam mais que um “sucesso” cenográfico.

Com o dinheiro na conta, podem viajar a Europa inteira de havainas, andar de bermuda em Miami e não serão reconhecidos fora do mundo encantado do Projac.

Bial vai continuar broxado num sofá da Globo, muitos e muitos anos, entrevistando juiz ladrão analfabeto de escrita e fala.

Porque entrevistar medíocres é sua realidade, até o fim de carreira. Sua importância no jornalismo brasileiro, uma ficção da sua cabeça.

A Globo e a misoginia bolsonarista são amantes. Só não vê quem é historicamente cego.

O ataque de pelanca do Bial é medo de andar de chinelo em Miami e ser reconhecido como um vira-lata golpista.

Perdeu a oportunidade de continuar disfarçado de sofá, mas latiu.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

HERBERT GARCIA

06 de fevereiro de 2020 às 18h57

Não concordo com o Bial. Mas também não concordo com o comentário de Malu Aires. Ela apenas desqualifica o emissor sem tocar nos argumentos críticos do repórter. Parece que Bial viu outro documentário. Imparcialidade: não existe tal coisa, mas Petra na medida do possível fez um possível (e ao meu ver um bom relato) da (des)construção da democracia nestas terras com um distanciamento razoável. E neste documentário ví o primeiro e talvez derradeiro mea culpa do Partido dos Trabalhadores (“um pé cá um pé lá”: quem viu o documentário entenderá). Portanto, não sei a motivação do Bial, mas parece que não viu o mesmo documentário que eu vi e disputa ao Oscar (não pode ser à toa).

Responder

    Zeca

    10 de fevereiro de 2020 às 17h53

    Bom raciocínio o seu, mas não entendo o porquê de você desconhecer as motivações de Bial. Ele tem muitas, dentre as quais bajular os patrões dele e demonstrar o seu ódio pela esquerda.

Nelson

06 de fevereiro de 2020 às 11h46

Ainda não assisti ao filme. O que sei dele é o que alguns amigos me contaram. Mas, conhecendo o que se passa na cabeça da maioria da patota da Globo, posso adiantar que não é por ter sido dirigido por uma mulher que o Bial procura detonar o filme.

Mesmo porque, por interesses escusos, é claro, a Globo tem procurado se mostrar sintonizada com todas as lutas da chamada pauta identitária. Então, o Bial, que para burro não serve, não iria “afundar” em um tom machista em sua crítica ao filme.

A razão para a crítica é que o filme contesta muito, se não tudo, do que a mídia hegemônica e seus comentaristas – Globo e Bial incluídos – tentaram incutir nas cabeças de milhões de brasileiros, há já quase quatro anos, procurando naturalizar, normalizar o grande golpe que ajudaram a desferir na Constituição e na democracia brasileiras.

O filme, em suma, expõe a mentiralhada propagada por essa grande mídia e, portanto, contribui para degradar um pouco mais a sua credibilidade.

Antes da questão do machismo, que pode, sim, estar presente no sentimento de Bial, o filme tem que ser detonado por nossos “cidadãos acima de qualquer suspeita” da grande mídia para que faça o mínimo de estrago possível na “verdade” contada e repetida à exaustão por eles acerca do que ocorreu em 2016 em nosso país.

É crucial para os objetivos dos golpistas, que querem completar o quanto antes a demolição, desmantelamento, destruição do país, que o máximo possível de brasileiros se mantenha em letargia para que não se processe a reação à altura que o momento exige. Que os brasileiros só acordem dessa letargia quando o serviço sujo estiver consumado, pensam os golpistas.

Responder

Carlos Moreira Farinha

05 de fevereiro de 2020 às 10h51

Beleza de resposta. Esse cara é tão maléfico e sugador da nação que enoja a todos.

Responder

abelardo

05 de fevereiro de 2020 às 10h09

Tomou mais uma, não é Zé Mané? Puxa-saco, despeitado, brocado, medíocre, invejoso, robô de golpista, jornalista menor, recalcado, machista, misógino. racista, homofóbico, inimigo da cultura, apoiador de ditaduras, da tortura e da violência policial. Não vou relacionar tudo de que você está sendo chamado, não haverá espaço suficiente. Porém, em sua estúpida ânsia de se mostrar como um obediente escravo de gananciosos, rentista, mercenários, e impatriotas golpistas, o que ele conseguiu mostrar foi o lado covarde, egoísta, serviçal e traiçoeiro da sua existência.

Responder

LULIPE

05 de fevereiro de 2020 às 09h14

O que será que a Malu Mulher acha das declarações do José de Abreu sobre a Regina Duarte???

Responder

Zé Maria

05 de fevereiro de 2020 às 03h33

A única dúvida que fica desse episódio infame de maledicência injuriosa na TV é
quanto foi que esse Mercenário Covarde da Globo recebeu de Jabá para tentar desmoralizar a Talentosa Cineasta Brasileira Petra Costa, que dirigiu brilhantemente o Documentário de Longa Metragem “Democracia em Vertigem”
(The Edge of Democracy”) que foi indicado
ao Prêmio Óscar da Categoria
pela Academia de Hollywood,
em Los Angeles, nos EUA.

Responder

Celso Lasarin

05 de fevereiro de 2020 às 00h27

Texto Perfeito excelente. Diz o que muito brasileiro pensa do camelô dos Marinhos. Jornalista medíocre que pensou ser crítico de cinema mas descobriu que fazer biografia puxa saco do patrão garante o emprego com entrevistas fúteis ou apresentar BBB.

Responder

Cleanto Beltrão de Farias

04 de fevereiro de 2020 às 23h12

A revolta de Bial, Temer, Bolsonaro e das grandes empresas de comunicação contra o premiadíssimo “Democracia em Vertigem” revelou um fato inusitado: o documentário conseguiu furar, romper o cerco do monopólio midiático no Brasil, ao mostrar ao povo e ao mundo o outro lado da história, a versão autêntica, detalhada, dos fatos que culminaram com o golpe de 2016. Escancara, desmascara o assalto ao poder democrático através da trapaça, da violência e da mentira. Desvela, numa escala somente proporcionada pelo Oscar, a natureza criminosa das ações desses personagens. Por isso que não dormem. A História é implacável!

Responder

a.ali

04 de fevereiro de 2020 às 23h01

CORRETÍSSIMO, INVEJA SUFOCA E MATA, VISTE PEDRO BBB? O INÚTIL, QUE ESCREVEU A BIOGRAFIA(?), GRUDADO FEITO PERCEVEJO NO SACO, DO “DR.”MARINHO!

Responder

Morvan

04 de fevereiro de 2020 às 21h11

Misoginia no mais exacerbado grau, afinal é um desgoverno de mas ons, mas tem o componente pau mandado, mesmo com toda brochura; esse senhor atrabiliário já é conhecido. Nunca esqueci a entrevista | massacre dele sobre Rachel de Queiroz (— “Rachel, você sabe o que é internet?”). Preconceitos étnico, de gênero, ideológico, e muito mais, você vê na mídia alienista. Aquela da AGE comprada.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.