VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Luana Tolentino: Tchau, Marielle; sua voz permanecerá viva em nós

18 de março de 2018 às 11h02

por Luana Tolentino, via e-mail

Há alguns dias li uma entrevista concedida por Jurema Werneck, médica, feminista negra e diretora-executiva da Anistia Internacional no Brasil.

Ao ser perguntada sobre qual o maior desafio enfrentado pelas mulheres afro-brasileiras, Jurema foi categórica: Ficar viva.

Na noite de quarta-feira, Marielle Franco se juntou a uma triste estatística: segundo o Mapa da Violência, em 10 anos, o número de homicídios entre as mulheres negras aumentou 54%.

Nove tiros, sendo quatro na cabeça, ceifaram a vida de Marielle: vereadora, cientista social, filha da favela da Maré.

Não houve pudor. Somente covardia. Tanto o(s) mandante(s) quanto o(s) executor(es) não fizeram qualquer esforço para esconder as motivações do crime.

Executar, ceifar, silenciar Marielle e sua carreira política promissora. Nada além disso.

Marielle Franco morreu por lutar em favor daqueles que historicamente têm o direito à vida negado.

Marielle Franco morreu por denunciar com coragem e bravura o genocídio que está em curso nesse país.

A cada 23 minutos um jovem negro é assassinado com os mesmos requintes de crueldade a que Marielle foi submetida.

Mariella Franco morreu por denunciar sem medo policiais militares que torturam, violentam, estupram e matam.

Policiais que invadem a casa dos moradores e amedrontam, roubam o direito à cidadania.

Alguns deles roubam até a comida que os moradores têm na geladeira.

Marielle Franco morreu por exigir o meu direito de falar e de ser ouvida.

Morreu por lutar para que nenhuma mulher fosse humilhada, silenciada, violentada.

Até o momento não se sabe quem foi o autor dos disparos, mas uma coisa é certa: o sangue de Marielle está nas mãos do Temer, que tal qual um ditador determinou a intervenção militar no Rio, medida populista utilizada para garantir o apreço e o apoio dos setores mais conservadores da sociedade.

Marielle Franco era responsável pela Comissão da Intervenção Militar na Câmara Municipal, que tem como função acompanhar as denúncias de abusos cometidos pelo Exército contra os moradores.

O sangue de Marielle está nas mãos do prefeito Marcello Crivella, que com sua política autoritária e conservadora nada faz para a diminuição das desigualdades na cidade do Rio de Janeiro, a grande responsável pelo crescimento desenfreado da violência.

O sangue de Marielle está nas mãos do governador Luiz Fernando Pezão, responsável pelo aparato policial e grande apoiador da intervenção militar.

O sangue de Marielle está nas mãos dos Datenas espalhados pelos programas policialescos da tv e do rádio, que destilam ódio e vociferam contra os movimentos sociais e os direitos humanos, uma das bandeiras de luta da vereadora carioca.

O sangue de Marielle também está nas mãos daqueles e daquelas que defendem uma sociedade alicerçada na manutenção de privilégios, e não na concessão de direitos.

Aqui em Minas, entre as famílias pobres, quando um velório se aproxima do fim as mulheres mais velhas costumam entoar cânticos.

Enquanto elas cantam, o que se ouve são soluços e gritos desesperados. É possível ouvir também um silêncio que dói na alma.

Nesse momento, temos a certeza de que nada mais pode ser feito. Sabemos que a presença física daqueles que amamos não será mais possível.

A letra de uma das músicas diz assim: “Não tema. Segue adiante. Não olhe para trás…”

Que essas palavras nos fortaleçam. Que a luta e o exemplo de Marielle Franco nos deem forças e coragem. Alimentem a nossa sede de justiça.

Tchau, Marielle.

Sua voz permanecerá viva em nós.

Até um dia.

Leia também:

Carone: Quem e como estão roubando o nióbio brasileiro 

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

Nenhum Comentário escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Deixe uma resposta