VIOMUNDO

Diário da Resistência


Leonardo Corrêa: Plano de governo de Haddad trata da alimentação saudável, com menos veneno
MST
Você escreve

Leonardo Corrêa: Plano de governo de Haddad trata da alimentação saudável, com menos veneno


24/09/2018 - 01h36

MST

Por que votar em Haddad é garantir a afirmação do direito humano à alimentação e da soberania alimentar? 

por Leonardo Corrêa, especial para o Viomundo

As candidaturas de Fernando Haddad e Manuela D’Ávila representam a garantia institucional da afirmação da soberania alimentar em razão de dois motivos principais:

a) o histórico de Haddad na Prefeitura de São Paulo;

b) os fundamentos do Programa “Povo Feliz de Novo”.

Como prefeito da maior cidade da América Latina, a gestão Haddad é marcada pela inovação institucional e participação popular.

No âmbito da segurança alimentar e nutricional, a gestão Haddad representou uma verdadeira ruptura com os modelos anteriores.

São exemplos de políticas de segurança alimentar e nutricional na gestão do ex-prefeito:

*Orgânicos na Alimentação Escolar — Na gestão Haddad, a alimentação saudável — de base orgânica ou agroecologia — não era um privilégio de castas, mas um direito universal.

Haddad sancionou a Lei 16.140/15 que regulamentou o Plano de Introdução Progressiva de Alimentos Orgânicos ou de Base Agroecológica na Alimentação Escolar.

* Participação Popular — Diferentemente da gestão Doria que criou a “ração humana” sem qualquer lastro de legitimidade, Haddad reconheceu a centralidade do Sistema Municipal de Segurança Alimentar.

Em sua gestão foi realizada VI Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de São Paulo com ampla participação popular.

* Agricultura Familiar e democracia econômica — Na gestão Haddad, os agricultores familiares se tornaram sujeitos de direitos econômicos, na medida em foi reconhecida a preferência da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural ou suas organizações na aquisição de alimentos orgânicos pelo Município.

* Planejamento — Na gestão Haddad, o planejamento estatal democrático é reconhecido como um instrumento de superação da fome e do subdesenvolvimento.

Em sua gestão foi aprovado o 1º Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional da cidade de São Paulo.

O Plano estabelece um conjunto de metas ousadas, tais como:

a) propiciar a redução imediata da pobreza com acesso a serviços básicos como educação, saúde e assistência social;

b) implementar feiras da agricultura familiar em cada subprefeitura;

c) construir o Plano de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário, bem como consolidar a política de desenvolvimento rural do município

Por outro lado, o Plano da Coligação o Povo Feliz representa a afirmação e consolidação da soberania alimentar e concretização do direito humano à alimentação:

* Fim da mercantilização da terra — Não há soberania alimentar no contexto de um Estado servil aos interesses do grande capital estrangeiro.

O Plano Povo Feliz de Novo é enfático em denunciar o risco da desregulamentação da venda de terras para estrangeiros.

Segundo o Plano, o Imposto Territorial Rural ITR será totalmente reformulado na nova gestão com o objetivo de frear o processo especulativo.

*A pobreza e a fome — A questão da fome é de natureza essencialmente política.

Atualmente, a literatura especializada e os fóruns internacionais reconhecem que a erradicação da fome depende da criação de instrumentos (físicos e econômicos) de acesso ao alimento.

A recuperação de um projeto inclusivo de desenvolvimento nacional soberano combinado com políticas setoriais de distribuição de renda é a receita para a superação da extrema pobreza e concretização do direito humano à alimentação.

* Agroecologia e Agricultura Familiar — Em um eventual governo, as políticas públicas de desenvolvimento rural serão implementadas por meio da consolidação de uma nova matriz produtiva no campo com a valorização da agricultura familiar, em bases agroecológicas, sem o uso de agrotóxicos.

* Mais comida de verdade, menos veneno — O Plano afirma o compromisso com a aplicação do programa de redução de agrotóxicos.

Trata-se de uma demanda histórica dos movimentos sociais e organizações que militam no âmbito do direito humano à alimentação.

*Compromisso com a saúde pública — O Programa assume o comprometimento com a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB), políticas regulatórias e tributárias (referentes ao tabaco, sal, gorduras, açucares, agrotóxico) e o retorno de uma ampla rede de proteção social: Programa Mais Médicos e a Estratégia de Saúde da Família, o SAMU, o Farmácia Popular, Brasil Sorridente, a Rede de Atenção Psicossocial

*Reconhecimento das minorias — As injustiças do sistema alimentar (isto é, iniquidades geradas pela produção, distribuição e consumo de alimentos) afetam desproporcionalmente grupos historicamente excluídos.

O Programa da Coligação o Povo Feliz assume o compromisso de uma ampla plataforma de reconhecimento de direitos das minorias.

A presença Manuela D’Ávila em um futuro governo é a garantia que o direito humano à alimentação será concretizado a partir do reconhecimento do papel central das mulheres no campo e na cidade.

Em contexto da suspensão da ordem constitucional vigente em razão da aprovação da PEC dos Gastos, torna-se fundamental a conscientização sobre a responsabilidade histórica de cada cidadão.

Apenas em governo de Fernando Haddad e Manuela D’Ávila, a erradicação da fome, a democratização da comida de verdade e a soberania alimentar serão concebidos como políticas de Estado.

*Leonardo Corrêa é coordenador do Projeto REAJA – Rede de estudos e ações de Justiça Alimentar da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Leia também:

Brasileiras organizam ações contra candidato neofascista em todo o mundo

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.