VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

Leandro Fortes: O dossiê do dossiê do dossiê…


05/06/2010 - 20h27

O dossiê do dossiê do dossiê…

04/06/2010 13:03:26

Leandro Fortes, na Carta Capital

No modorrento feriado de Corpus Christi, os leitores dos jornais foram inundados com informações sobre uma trama que envolveria a fabricação de dossiês contra o candidato tucano à Presidência, José Serra, produzidos por gente ligada ao comitê da adversária Dilma Rousseff. O time de espiões teria sido montado pelo jornalista Luiz Lanzetta, dono da agência Lanza, responsável pela contratação de funcionários para a área de comunicação da campanha petista. O primeiro desses documentos seria um relatório sobre as ligações de Verônica Serra, filha do candidato do PSDB, com Verônica Dantas, irmã do banqueiro Daniel Dantas, do Opportunity. Uma história tão antiga quanto os dinossauros e já relatada inúmeras vezes na última década, inclusive por CartaCapital.

A notícia sobre o suposto dossiê, que ninguém sabe dizer se existe de fato, veio a público em uma reportagem confusa da revista Veja e ganhou lentamente as páginas dos jornais durante a semana até ser brindada com uma forte rea-ção do PSDB e de Serra. Na quarta-feira 2, o pré-candidato tucano acusou Dilma Rousseff de estar por trás da “baixaria” e cobrou explicações. A petista disse que a acusação era uma “falsidade” e o presidente do partido, José Eduardo Dutra, informou que a cúpula da legenda havia decidido interpelar Serra na Justiça por conta das declarações.

Os boatos sobre a fábrica de dossiês parecem ser fruto de uma disputa interna entre dois grupos petistas interessados em comandar a estrutura de comunicação da campanha de Dilma Rousseff, um ligado a Lanzetta, outro ao deputado estadual Rui Falcão. A origem dessa confusão era, porém, desconhecida do público, até agora. CartaCapital teve acesso a parte do tal “dossiê” que gerou toda essa especulação. Trata-se, na verdade, de um livro ainda não publicado com 14 capítulos intitulado Os Porões da Privataria, do jornalista Amaury Ribeiro Jr.

O livro descreve com minúcias o que seria a participação de Serra e aliados tucanos nos bastidores das privatizações durante os dois mandatos de Fernando Henrique Cardoso. É um arrazoado cujo conteúdo seria particularmente constrangedor para o pré-candidato e outros tantos tucanos poderosos dos anos FHC. Entre os investigados por Ribeiro Jr. estão também três parentes de Serra: a filha Verônica, o genro Alexandre Bourgeois e o primo Gregório Marin Preciado. Está sendo produzido há cerca de dois anos e nada tem a ver com a suposta intenção petista de fabricar acusações contra o adversário.

É essa a origem das informações sobre a existência do tal “dossiê” contra a filha de Serra. E a razão de os tucanos terem lançado um ataque preventivo às informações que constam do livro. De fato, Ribeiro Jr. dedicou-se a apurar os negócios de Verônica. Repórter experiente com passagens em várias redações da imprensa brasileira, Ribeiro Jr. iniciou as apurações a pedido do seu último empregador, o Grupo Diá-rios Associados, que congrega, entre outros, os jornais Correio Braziliense e O Estado de Minas. O livro narra, por exemplo, supostos benefícios obtidos por Marin Preciado em instituições financeiras públicas, entre elas o Banco do Brasil, na época em que outro ex-tesoureiro de Serra, Ricardo Sérgio de Oliveira, trabalhava lá. Para quem não se lembra, Oliveira ficou famoso após a divulgação de sua famosa frase “no limite da irresponsabilidade” no conjunto dos grampos do BNDES.

Em uma entrevista que será usada como peça de divulgação do livro e à qual CartaCapital teve acesso, Ribeiro Jr. afirma que a investigação que desaguou no livro começou há dois anos. À época, explica, havia uma movimentação, atribuída ao deputado Marcelo Itagiba (PSDB-RJ), visceralmente ligado a Serra, para usar arapongas e investigar a vida do governador tucano Aécio Neves, de Minas Gerais. Justamente quando Aécio disputava a indicação como candidato à Presidência pelos tucanos. “O interesse suposto seria o de flagrar o adversário de Serra em situações escabrosas ou escândalos para tirá-lo do páreo”, diz o jornalista. “Entrei em campo, pelo outro lado, para averiguar o lado mais sombrio das privatizações, propinas, lavagem de dinheiro e sumiço de dinheiro público.”

A ligação feita entre o nome de Ribeiro Jr. e o anunciado esquema de espionagem do comitê de Dilma deveu-se a um encontro entre ele e Lanzetta, em Brasília, no qual se especulou sobre sua contratação para a equipe de comunicação da campanha petista. Vencedor de três prêmios Esso e quatro prêmios Vladimir Herzog, entre muitos outros, Ribeiro Jr., 47 anos, é conhecido por desencavar boas histórias. Herdeiro de uma pizzaria e uma fazenda em Campo Grande (MS) e ocupado com a finalização do livro, o jornalista recusou o convite.

Na entrevista de divulgação do livro, Ribeiro Jr. afirma que a obra estabelece a ligação de diversos tucanos com as privatizações e desnuda inúmeras ações com empresas offshore para fazer entrar no Brasil dinheiro oriundo de paraísos fiscais. “São operações complicadas e necessitam ser explicadas com cuidado para os brasileiros perceberem o quanto foram lesados e em quanto mais poderão ser.”

A aproximação entre Ribeiro Jr. e Lanzetta, contudo, teria sido suficiente para que grupos interessados em ganhar espaço na campanha petista desencadeassem uma onda de boatos sobre a formação de um time de contraespionagem para produzir dossiês contra os tucanos. Diante do precedente dos “aloprados” do PT, a mídia embarcou com entusiasmo na versão depois assumida com tanto vigor pelos próceres tucanos. É mais um não fato da campanha.

O mesmo fenômeno envolveu o ex–delegado federal Onésimo de Souza, especialista em contraespionagem que chegou a oferecer serviços ao PT de vigilância e rastreamento de escutas telefônicas. Como cobrou caro demais, acabou descartado, mas foi apontado como futuro integrante da tal equipe de arapongas de Dilma Rousseff.

Por ordem da pré-candidata, qualquer assunto relativo a dossiê e afins está proibido no comitê de campanha instalado numa casa do Lago Sul de Brasília. Dilma se diz “estarrecida” com as acusações veiculadas, primeiro, na revista Veja e, em seguida, por diversos outros veículos – sempre com foco na suposta espionagem, nunca no conteúdo do suposto dossiê. Aos auxiliares, a petista mandou avisar que não aceitará, “em hipótese alguma”, a confecção de dossiês durante a campanha e demitirá sumariamente quem se envolver com tal expediente. 

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



56 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

A verdadeira história do dossiê – Serra X Aécio Neves « Dilma para Presidente

09 de setembro de 2010 às 10h38

[…] No mesmo mês, Leandro Fortes publicou na “CartaCapital” reportagem reveladora, com todos os detalhes sobre o […]

Responder

PT traz o livro de Amaury para o debate; Serra se encolhe e agora prefere silêncio « Dilma para Presidente

08 de setembro de 2010 às 16h53

[…] No mesmo mês, Leandro Fortes publicou na “CartaCapital” reportagem reveladora, com todos os detalhes sobre o […]

Responder

Escrevinhador

08 de setembro de 2010 às 11h59

[…] No mesmo mês, Leandro Fortes publicou na “CartaCapital” reportagem reveladora, com todos os detalhes sobre o […]

Responder

O silêncio obsequioso de “O Estado de Minas” | Viomundo - O que você não vê na mídia

07 de setembro de 2010 às 17h20

[…] O texto completo do Leandro está aqui. […]

Responder

Caso da Receita: PF e mídia vão agir de forma republicana? | Viomundo - O que você não vê na mídia

02 de setembro de 2010 às 17h56

[…] respeito foi escrito pelo Leandro Fortes, da CartaCapital. Foi reproduzido no Viomundo, na época: O dossiê do dossiê do dossiê. Leiam. Serve para refrescar a memória de […]

Responder

Sonia S

06 de junho de 2010 às 22h55

Serra é muito pequeno para o Brasil .Dissimulado,como o povo poderia confiar nele como governante? Não é crivel,Não é santo,só não conhecemos ,por blindagem, o tamanho dos seus pecados.Não tenho duvida que os "pecados"vão condena-lo ao inferno,com certeza…
O desespero está tomando conta da campanha e as baixarias vão continuar.Vão usar "vacina" aos montes ,para eles o ataque é a melhor defesa ,é só ficar atento,eles só dão tiro nágua…
É sorte ter tanta gente competente escrevendo nos blogs !

Responder

william porto

06 de junho de 2010 às 22h32

Trata-se evidentemente de um factoide, mas esses aloprados do PT precisam ser alijados da campanha de Dilma. Urgentes, alem de burros sao truculentos. Xo, aloprados.

Responder

Jairo_Beraldo

06 de junho de 2010 às 19h34

José Serra parou no tempo. Vive, para dizer o menos, nos anos 80 e não percebeu que o mundo mudou de século. Que o Brasil mudou de norte. Que a vida se faz com alegria e entrega, com solidariedade, e não com acusações e cara amarrada. Com respeito e não com inveja. Serra representa um retrocesso perigoso para um país que, a duras penas, vai tentando organizar sua economia e aplicar melhor seus recursos em programas sociais. Quem insiste em não enxergar esse quadro, como Serra, está no limite do suicídio político, pois não distingue a realidade dos seus desejos interiores.

Responder

Milton Hayek

06 de junho de 2010 às 16h13

http://www.istoe.com.br/reportagens/26508_NINHO+D

BRASIL | N° Edição: 1710 | 10.Jul – 10:00 | Atualizado em 09.Dez.09 – 22:03
Ninho de espiões
A PF e a Abin são acusadas de espionar adversários de tucanos

O microempresário tucano Fernando Tenório Cavalcanti foi procurado em junho de 2001, em São Paulo, por um suposto funcionário da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que se identificou com a discrição habitual: “Meu nome é César.” O araponga convidou Tenório para um encontro pessoal no 12º andar de um prédio da avenida Prestes Maia, no centro da capital paulista, que abriga também o Ministério da Fazenda. O convite serviria para detalhar as supostas denúncias que o empresário teria feito contra o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, na Polícia Federal. Tenório foi, o araponga não, mas a história pode revelar a estreita relação entre a PF e a Abin. O enredo dessa tentativa de conversa, contado a ISTOÉ na terça-feira 2, em Brasília, pelo líder do PT na Câmara, João Paulo Cunha (SP), terminou desembocando numa das maiores encrencas do governo Fernando Henrique Cardoso: a suspeita de que a PF estaria se transformando num braço político da candidatura José Serra, sob o amparo do general Alberto Cardoso, chefe da Abin. Na quinta-feira 4, a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) fez um protesto diante do edifício-sede da PF, na capital, criticando a manipulação da instituição. “A polícia está sendo usada politicamente contra o Lula, como foi usada no caso Roseana. O Ciro que se cuide. Hoje quem manda na PF é o general Cardoso”, acusa o presidente da Fenapef, Francisco Garisto.

Responder

    Ubaldo

    06 de junho de 2010 às 20h03

    Esses comunistas como é o Milton Hayek sempre recorrem a fatos e boatos de muitos anos atrás. Assim é mais fácil de distorcer. São rótulos e mais rótulos que comunistas aplicam como aquele que FHC foi entreguista ao privatizar empresas estatais deficitárias. E os comunistas acreditam. A apelação, a tentativa vã de pressionar através da tentativa de denegrir a imagem é uma constante naqueles que faltam argumentos. No fundo, no íntimo ele sabe que essa alienação comunista não passa de um rompante de um juvenil de ontem que ainda persiste em uma praga que não deu certo e que tenta tomar novas formas para sobreviver as custas da ignorância.

Fabio_Passos

06 de junho de 2010 às 16h03

O PIG não vai conseguir esconder a roubalheira privata do esquema zé serra – daniel dantas – fhc.

A direita ladra está desesperada…

"Desespero da campanha de Serra desce ao esgoto e Reinaldo Azevedo se sente em casa" http://blogdomello.blogspot.com/2010/06/desespero

"
Com a derrota iminente, a campanha de Serra inventa de tudo. Partiram para a história do falso dossiê, que na verdade não é dossiê e muito menos é falso.

As informações sobre a filha de Serra, sua parceria com Daniel Dantas, e o envolvimento de Serra com as privatizações de FHC (FHC garante que Serra foi defensor da privatização da Light e da Vale) são absolutamente verdadeiras.

A grita dos tucanos é só uma vacina. Mas só que o povo está vacinado contra eles – Globo, Veja, Folha e Estadão, que tocam como os músicos do Titanic, enquanto o navio afunda.
"

Responder

Milton Hayek

06 de junho de 2010 às 15h52

domingo, 6 de junho de 2010

FHC e Serra tentaram fazer dossiê contra Lula em 2001

Assim como hoje, em 2001, José Serra (PSDB/SP) era pré-candidato a presidente. O rival que seria enfrentado nas urnas em 2002 era Lula.

FHC era o presidente. A PF e ABIN foram acionadas para espionar e fazer dossiês contra adversários da candidatura José Serra. O caso Lunus é o que ficou mais famoso. Mas até contra Lula tentaram fazer.

Em junho de 2001, em São Paulo, um agente da ABIN que se apresentou como César, convidou o microempresário tucano Fernando Tenório Cavalcanti para uma conversa em um escritório no prédio do Ministério da Fazenda em São Paulo.

Era para detalhar as supostas denúncias que o empresário teria feito contra o então candidato Lula, na Polícia Federal.

Tenório foi confundido com um ex-prefeito de São Bernardo do Campo (SP), que acusava Lula de comprar imóveis em nome de laranjas, mas com um documento falso que levava o timbre da CPI do Narcotráfico, onde o delegado Alberto Lasserre, prestava assessoria. O ex-relator da CPI, deputado Moroni Torgan (PFL-CE), desmentiu: “Nunca ouvi falar de nenhuma denúncia contra Lula. Não poderia andar sem a CPI aprovar”.

Tenório Cavalcanti disse que nunca acusou Lula e nunca foi prefeito. O caso chegou a líder do PT na câmara, e provocou protestos. Com isso, a o dossiê subiu no telhado, e foi cancelado. (As informações são da Revista IstoÉ edição 1710)
http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2010

Responder

Jairo_Beraldo

06 de junho de 2010 às 15h49

Não é um " dossie", e sim um livro: "Nos Porões da Privataria" nos mostra quem pagou e quem recebeu propina, quem enriqueceu as custas da coisa publica. O Zé está metido nisso até a tampa, por isso tem medo.

Responder

Julio Silveira

06 de junho de 2010 às 15h32

Chega a ser rizivel essa história de dossie. A alta Tunganagem está tão desesperada que para criar um fato novo, um factoide, desnudam suas próprias mutretas atribuindo-as aos adversários essa exposição publica. Certamente fazem isso pela certeza em poder contar com o meios de comunicação para dar suporte ä sua versão delirante, e ainda por cima tendo a chance de exorcizar um demônio incrustado em sua história. É a velha história de tentar matar 'dois coelhos com uma só cajadada.
É a velha tentativa do crime perfeito, que poderia até pegar incautos se o assunto não fosse de amplo conhecimento da opinião publica mais informada, que lê Carta Capital, Conversa Afiada, Vi o mundo, dentre outros blogs que já trataram do tema. E não soubessemos que a Dilma vai ganhar no primeiro turno.

Responder

ODEMAR LEOTTI

06 de junho de 2010 às 15h11

Desculpem mas gostaria de indicar o link na google videos para ver o documentário Orwell in his Grave legendado em português. http://video.google.com/videoplay?docid=188381684… É uma forma de entender a podridão do poder midiático nos E.U.A e como faz suas marionetes na imprensa brasileira golpista.

Responder

    Bonifa

    06 de junho de 2010 às 20h31

    É por coisas como as que estão narradas neste vídeo, que devemos ser intransigentes na luta pelo financiamento público de campanhas. É talvez o ítem mais importante da reforma eleitoral e não podemos aceitar que nenhum legislador progressista queira "relativizar" ou "flexibilizar" esta questão. Antes que seja tarde e não tenhamos mais nosso próprio país.

Ubaldo

06 de junho de 2010 às 14h18

O repórter Amaury Ribeiro Jr., que preparou o dossiê e Benedito de Oliveira, responsável pela parte financeira também estavam presentes na reunião do dia 20 de abril no restaurante em Brasília.
O acordo com o Onézimo de Souza para fazer as escutas em Serra ficou em segundo plano quando souberam do preço e logo que o Amaury de falou que seu dossiê ficaria mais em conta. E partiram para o dossiê.
Assim, já foi passado um release do resumo para a imprensa, inclusive para este sítio.
Podem ter certeza que vai ficar na sinopse.
É um assunto de 2001, requentado e qualquer que tenha sido o valor pago ao Amaury, foi caro.

Responder

    Jairo_Beraldo

    06 de junho de 2010 às 15h56

    Lá vem o Ubaldo com suas variantes…

    Leider_Lincoln

    06 de junho de 2010 às 16h14

    Ubaldo, Ubaldo, você não desiste, não é mesmo? Aliás Ubaldo, ao invés de propagar mentiras, por que não tenta ser útil e ajuda o Serra a achar um coitado para ser vice dele.

    Scan

    06 de junho de 2010 às 13h16

    Seia que essa recusa do Ubaldo em tomar seus remédios já está incomodando muito a todos voces…
    Peço, como parente, que tenham um pouco mais de paciência com ele.
    Ubaldo, meu sobrinho, chega de sandices. Voce não precisa fazer a gente passar vergonha toda vez que participa de uma discussão. Será possível que voce não poderia, pelo menos para agradar a Isaura, sua mãe, prestar mais atenção no horário dos remédios e tomá-los efetivamente?
    Outro dia ela me disse que encontrou 8 cápsulas daquele amarelinho e verde, que voce sabe para que serve, dentro do bolso da da sua blusa marrom.
    Será possível, Ubaldo?
    Voce sabe que precisa deles pra sarar, meu querido!

    Seu tio Clodoaldo que só quer o seu bem.

mRCOS liMA

06 de junho de 2010 às 13h49

Realmente é inadimissível, o PT tentar um dossiê contra um candidato que deslumbradamente acha que vai ganhar, mas não consegue um Vice.
Ao contrário da candidata do PT.

PORQUE SERÁ? NEM NO PSDB NIGUÈM QER SER VICE DO PRESIDENTE "ELEITO"?

Responder

    Jairo_Beraldo

    06 de junho de 2010 às 15h58

    Presidente de nascença, Lima…é mais "xiqui"…"nu urtimu"…

CARLOS AUGUSTO

06 de junho de 2010 às 13h44

O FERNANDO SERRA LADEIRA realmente esta perdido .Sobre economia nada tem a dizer porque ainda não tem diploma.Sobre engenharia a situação é a mesma ..Como professor foi aquele vexame que todos viram.Como Ministro da saude não tem coragem de falar nos genericoS e no coquetel da AIDS, SE FALAR NAS AMBULANCIAS AHI SIM TÁ FÚ.Como candidato, qual realização dele que o governo LULA NÃO FEZ MELHOR?É digno de dó: se não passar o trator vai LADEIRA ABAIXO MESMO.

Responder

A PATÉTICA IMPRENSA BRASILEIRA « Martins Andrade e você…

06 de junho de 2010 às 10h16

[…] jornalista Luis Carlos Azenha, em seu BLOG VIOMUNDO, destaca o livro de Amaury Jr. e a matéria sobre o tal dossiê, que a grande imprensa brasileira […]

Responder

ODEMAR LEOTTI

06 de junho de 2010 às 12h23

O realizador Robert Kane Pappas investiga o que a mídia não gosta de falar: Sobre si. Reconstituindo meticulosamente o processo pelo qual a imprensa têm distorcido e frequentemente negado acontecimentos noticiosos reais, Pappas apresenta uma eloqüente e fascinante mistura de profissionais da mídia e de orientadoras vozes intelectuais na imprensa.ORWELL ROLLS IN HIS GRAVE fornece um fórum para idéias que nunca irão ser ouvidas na imprensa. Danny Schecter da Globalvision:

Responder

ODEMAR LEOTTI

06 de junho de 2010 às 12h20

Pappas apresenta uma eloqüente e fascinante mistura de profissionais da mídia e de orientadoras vozes intelectuais na imprensaGEORWELL ROLLS IN HIS GRAVE fornece um fórum para idéias que nunca irão ser ouvidas na imprensa. O professor de jornalismo da Universidade de Nova York diz: “Estas entidades comerciais rivalizam atualmente com o governo pelo controle sobre as nossas vidas. Não são um contrapeso saudável para o governo. Goebbels afirmou que o que se deseja num sistema de mídia – estamos a falar no sistema nazi de mídia – é apresentar uma ostensiva diversidade que oculta uma real uniformidade.” Legenda em português

Responder

ODEMAR LEOTTI

06 de junho de 2010 às 12h18

Olha aí amigos é só abrir no Google videos e ver é super atual nao pode deixar de ser divulgado nesse momento. http://video.google.com/videoplay?docid=188381684

Orwell Se Revira No Seu Túmulo – Orwell Rolls In His Grave52:28 –
O realizador Robert Kane Pappas investiga o que a mídia não gosta de falar: Sobre si. Reconstituindo meticulosamente o processo pelo qual a imprensa têm distorcido e frequentemente negado acontecimentos noticiosos reais,

Responder

Fernando Marques

06 de junho de 2010 às 12h15

Querem, com o escândalo do Dossiê, desacreditar o conteúdo do livro feito por pessoa plena de méritos e crédito.
.
Batem na porta errada! Se autores de dossiê existem, seria a ala mineira do PSDB (eita mineirada dissimulada e vingativa – mais fácil seria desembarcar da canoa furada do PSDB ladrão paulista – ou todo o PSDB seria composto por falsários, entreguistas e ladrões?) e não o PT.
.
Pó pará, minha gentiii!

Responder

Melinho

06 de junho de 2010 às 12h10

PESQUISAS x DOSSIÊS

Inexplicável os números da ultima pesquisa do Ibope: Dilma e Serra empatados na preferência do eleitorado, na induzida.

As útimas pesquisas em alguns Estados da Federação, feitas entre a penúltima e última pesquisa do Ibope (e algumas delas feitas pelo próprio), mostram Dilma em ascenção no Piauí, no Rio, em Minas e em Pernambuco (se não me esqueço de mais alguns Estado). Como então a Dilma continua empatada com o Serra no Brasil inteiro?

A organização de dossiês, ou a invenção deles, é coisa típica do PSDB e do DEM. Não importa a fonte: se um livro, o folheto veja, folha de são paulo ou qualquer outro órgão ligado ao PIG: saiu (a palavra é saiu mesmo) na rede é peixe e motivo de escândalo. Mas, perguntem ao povão, beneficiado pelo governo Lula, se eles está interessado nesse tal de dossiê ou se eles acreditam nele.

Agora, o que me choca é essa desavença entre os chefões da campanha da Dilma Rousseff, Lanzetta e Rui Falcão. Querendo mostrar serviço com base em informações de um livro ainda não publicado, mesmo que tudo comentado no livro possa ser comprovado, esse comportamento gera esse tipo de confusão que estamos acompanhando.

Para que essa pressa, senhores assessores e marqueteiros da campanha da candidata Dilma Rousseff? Todo mundo está sabendo que a Dilma continua subindo na preferência do eleitorado, já ultrapassou em muito o Serra, exceto nas pesquisas data-folha e ibope, institutos que não merecem a menor credibilidade e repeito.

Logo, se acalmem. Vai ter emprego para todos vocês no governo Dilma. Parem de querer demonstrar competência. O livro do Amaury Ribeiro Jr. estará na praça por esses dias e antes da eleição. Vamos divulgá-lo de maneira mais inteligente.

Agora, esse livro deve ter muitas informações interessantes sobre o processo de privataria levado a curso do governo FHC com o apoio do Serra e do PIG. Logo, ele é leitura obrigatória para todos os brasileiros que não gostam de ser enganados, inclusive para a candidata Dilma Rousseff. Já comecei a juntar um dinheirinho para comprá-lo.

Responder

ODEMAR LEOTTI

06 de junho de 2010 às 12h05

Assistam Orwell Rolls in his Graves. "Orwell se revira na cova" de Robert Kanes Pappas, sobre o poder da "midiacracia". Abre com esse afirmação de George Orwell: "Eles podiam ser levados a aceitarem as mais flagrantes profanações da realidade e não estavam suficientementes interessados nos acontecimentos públicos para repararem no que estava para acontecer." Inicia o documentário com Danny Schechgter, falando sobre a realidade da mídia nos E.U.A, que serve para o Brasil, vejam: "A imprensa que Pensamos falsamente em nosso país como uma democracia, quando esta evoluiu para uma 'midiacracia', onde a imprensa que supostamente deveria cuidar dos abusos políticos fazem parte do abuso político."

Responder

Melinho

06 de junho de 2010 às 11h25

O globope não precisa mais gastar dinheiro fazendo pesquisa. É só reperir o que diz o data-folha ajustando alguns números.

Responder

V

06 de junho de 2010 às 11h23

O Onézimo é um contra-aloprado que não achou aloprados.
E o PIG define-se como PARAaloprado.

Agora vem o Fruet, já tava combinado, pedindo CPI.
CPI de diz-que-me-disse?
O Brasil precisa de congressistas mais sérios.

Responder

    Bonifa

    06 de junho de 2010 às 13h22

    O Fruet é um cepeista profissional. Não sabe fazer outra coisa.

    Werner_Piana

    06 de junho de 2010 às 15h16

    De repente seria até bom este gago Fruet (como ele gaguejou nos segundos em que falou na Record!) pedir e fazer uma CPI. E que nela o Ribeiro Jr abrisse o jogo do livro, mostrando TODAS as ligações do candidato demotucano… e seu trabalho em prol do Brasil… vai ser lindo. Tudo às claras, todo o "bem" que os demotucanos fizeram e fazem ao nosso país. É maravilhoso…

Domitilla Duarte

06 de junho de 2010 às 10h54

E o melhor disso tudo é que o povão não tá nem aí para o que sai na Veja, Globo, Folha,,, Dossiê, só aquele que vende na padaria da esquina, O que importa é o que Lula anda a fazer pelo Brasil a fora, dando dignidade a essa gente sofrida, vítima dessa elitezinha paulista, preocupada apenas em como se desfazer do Patrimonio Público.

Responder

Gerson Carneiro

06 de junho de 2010 às 10h17

Toda essa ladainha faz parte da mudança de estratégia dos coordenadores da campanha do Serra. Estão mudando a estratégia "Serrinha paz e amor", que não colou, e adotando uma "nova" estratégia que consiste em jogar a isca pra ver se a Dilma morde para então acusá-la de promover a baixaria. E é claro, contam com o integral apoio do PIG.

Responder

Marcelo Fraga

06 de junho de 2010 às 00h20

Quando a coisa fala a verdade sobre tucanos o que importa é a forma, não o conteúdo.
Digno do porco… digo PIG.

Responder

Tweets that mention Leandro Fortes: O dossiê do dossiê do dossiê… | Viomundo - O que você não vê na mídia -- Topsy.com

06 de junho de 2010 às 00h10

[…] This post was mentioned on Twitter by eduardo pinotti , Luiz Alberto Andrade. Luiz Alberto Andrade said: Leandro Fortes: O dossiê do dossiê do dossiê… – http://tinyurl.com/2893xth (via @viomundo) […]

Responder

Urbano

05 de junho de 2010 às 23h44

Dossiê pra quê, se a fruta em questão vai cair por si só e não vai ser de madura, mas sim de passada. Ô zé contra-rampa, dossiê pra ti é até covardia, seria como empurrar bêbado de ladeira abaixo.

Responder

Rodrigo moura

05 de junho de 2010 às 22h27

Quando a denuncia é contra o PT é denuncia, quando é contra o Serra é "dossiê" para manchar a reputação do santinho, ah, vai pra p…………

Responder

    Jairo_Beraldo

    06 de junho de 2010 às 15h54

    Olha os modos, Moura!

Werner_Piana

05 de junho de 2010 às 22h14

Acabei de assistir ao Jornal da Record. Desapontamento.
Pauta digna do PIG. Nenhuma linha sobre o LIVRO. Nenhuma cobrança a Serra do que trata o mesmo.
Só a preocupação com o "dossiê".
Trairinha verde também condenou – só imagens dela, sem audio…
Decepção. O campo da democracia aberto, escancarado pedindo jornalismo e… frustração.
Pena.

Responder

    Antonio Silva

    05 de junho de 2010 às 23h59

    Realmente, você tem razão, a cobertura da Record também estava muito fraquinha .
    Mas decepcionante mesmo foi o Zé Eduardo Dutra, que teria que sair das cordas e denunciar o envolvimento do X9 Onézio com a arapongagem tucana liderada pelo Marcelo Itagiba .
    Por que o Zé Eduardo não indagou sobre este misterioso silencio da imprensa sobre o livro do jornalista Amaury Ribeiro ? .
    Aliás, como anda aquele processo criminal que o PT abriria contra crimes de injúrias feitas pela revista lixo e pelo jornal Estadão ? .

    Bonifa

    06 de junho de 2010 às 13h26

    Demissão sumária para petistas que querem bagunçar o coreto!

    Jairo_Beraldo

    06 de junho de 2010 às 15h53

    Mas o Amaury Jr. não é petista! É jornalista!

    Leider_Lincoln

    06 de junho de 2010 às 16h17

    E mais que isso: politicamente, ele é aecista, e não petista.

    Bonifa

    06 de junho de 2010 às 18h40

    Estou me referindo aos petistas em disputa por espaço na campanha.

    Werner_Piana

    06 de junho de 2010 às 15h12

    Antonio, às vezes temos a impressão de que esse pessoal da política simplesmente não se informa adequadamente. Parece que eles não conseguem ler o Azenha, o Nassif, o PHA, o EduGuim, o Brizola Neto…

    Também os acho extremamente passivos, ainda mais para quem está sob perseguição e fogo cerrado escancarado da imprensalona desde que chegaram ao governo…

    Muito mansos e desinformados, pro meu gosto.

Hélio Jacinto

05 de junho de 2010 às 21h48

A cupula Tucana, esta dando um tiro no pé. Quanto mais falar em dossiê, mais vai chamar a atenção para o livro.

Responder

    Jairo_Beraldo

    06 de junho de 2010 às 15h53

    Deixem que falem….PIG e tucanos, não sabem mais o que fazer.

Guanabara

06 de junho de 2010 às 00h42

Olha gente, eu fiquei horrorizado com o nível de distorção na cobertura da TV agora. Não vou mencionar o canal, mas me surpreendeu. A questão de o Serra ter que provar as acusações que fez simplesmente sumiu! Colocaram tudo "demonizando" o PT. Se o nível de desespero tá assim agora, imagina o que vai surgir às 20:00 do 2 de Outubro…

Responder

VanderResende

06 de junho de 2010 às 00h35

As ações de contra-informação tem realmente funcionado. E como no caso daqueles que acusam membros do PIG, invertisse o jogo e acaba-se questionando aqueles que conseguem informações que poderiam prejudicar Serra. Enquanto os verdadeiros "criminosos" ficam impunes. Como diz Fortes, "sempre com foco na suposta espionagem, nunca no conteúdo do suposto dossiê".

Que o livro de Ribeiro Jr. saia o mais rápido possivel para as prateleiras das livrarias e até bancas de jornais.
Ou melhor ainda, que os serristas e dantistas processem o jornalista, pois assim haverá mais divulgação das estratégias da privataria tucana.
Claro que a dificuldade será que as acusaçoes cheguem ao grande público, pois a grande midia fara, como sempre, seu papel, ao inverter as acusaçoes e acusar os investigadores

Responder

voxetopinio

06 de junho de 2010 às 00h31

Eu só lembro do Azenha falando da expressão "dar pernas". Engraçado que a 1 ano atrás eu sentia isso acontecer, mas não conseguia perceber o fenômeno com tanta clareza como hoje. Digno do PIG.

Responder

    nona fernandes

    06 de junho de 2010 às 10h33

    Serra está ficando famoso por inventar histórias de criação de dossiês contra ele. Citar os conteúdos dos dossiês, nem pensar. Acho que não somente Serra, mas toda a oposição e mídia, vão ficar completamente desmoralizados com esses "dossiês". Eu já fico com a pele coçando quando leio a palavra dossiê

    Bonifa

    06 de junho de 2010 às 13h30

    Dossiê é Serra, Serra é dossiê. Serra é dossiê e dossiê é Serra. São duas coisas inseparáveis: Serra e dossiê.

    Jairo_Beraldo

    06 de junho de 2010 às 15h51

    Sempre tive comigo, que nós nos acusamos, quando damos ao proximo o feito de alguma coisa. O Zé é um "expert" criador de dossiês…então para ele, fatos comprovados, são sempre dossiês.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.