VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


José Dirceu: “Não vejo como o país pode conviver com Bolsonaro até 2022”
Foto Lula Marques
Você escreve

José Dirceu: “Não vejo como o país pode conviver com Bolsonaro até 2022”


17/03/2021 - 12h09

O caminho para 2022

Por José Dirceu, no Poder 360

O cenário ainda é de muitas dúvidas. A questão central é se a centro-esquerda e a esquerda serão capazes de se reunir em torno de Lula e construir uma candidatura à Presidência da República para vencer o bolsonarismo.

Uma candidatura que seja uma alternativa ao nome que for colocado pela direita liberal.

Não vejo como o país pode conviver com Jair Bolsonaro e seu governo até 2022.

Se por acaso chegar lá, ele será derrotado nas eleições presidenciais, com certeza no 2º turno.

Ele não tem como reunir apoio para a continuidade de uma ação deliberada que levou já o nosso país a uma tragédia humanitária.

No exterior, não somos apenas párias, mas uma ameaça real a outros países fruto da política negacionista e criminosa do presidente da República.

Assistimos ao colapso do sistema de saúde público e privado, dos IMLs, dos cartórios de óbitos, das funerárias e cemitérios e a morte de dezenas de milhares de brasileiros e brasileiras que poderiam ser evitadas.

Nosso país tem um dos melhores e maiores sistemas de saúde –o SUS– e capacidade de vacinar toda sua população em alguns meses.

Tem instituições e cientistas para produzir sua vacina.

Só não o fizemos por irresponsabilidade e sabotagem do presidente da República.

A recente decisão do ministro Edson Fachin e a provável decisão da 2ª Turma do STF mudaram radicalmente o cenário político do país.

E mesmo o estado de espírito e ânimo da população, trazendo de volta a liderança de Lula e seu discurso de união, luta contra a pandemia, apoio e socorro à população desesperada que já passa fome, luta contra o desemprego.

HIPÓTESES EM JOGO

Há muitas questões em aberto.

Até quando haverá apoio implícito das Forças Armadas a Jair Bolsonaro?

Até quando o Congresso e o Judiciário aceitarão sua escalada negacionista, a constante mobilização contra a vacina e o isolamento, como vimos no final de semana que passou?

O capital financeiro, o empresariado e as classes médias conservadoras cosmopolitas vão seguir apoiando Bolsonaro?

Ou acompanharão setores da mídia e das classes médias que o abandonaram e buscam uma saída sem ele, mas que preserve sua política neoliberal e garanta seus interesses e privilégios?

Serão a esquerda e centro-esquerda capazes de se reunir em torno de Lula para vencer o bolsonarismo e eleger o presidente da República, construindo uma alternativa à direita liberal que busca um nome para retomar de Bolsonaro o eleitorado que abandonou a coalizão PSDB-DEM em 2018?

O centrão que, hoje, sustenta o governo Bolsonaro já aprovou a independência do BC, a liberalização do câmbio, a constitucionalização — via PEC 186 — do ajuste fiscal permanente, e continua privatizando setores estratégicos da economia.

Deverá apoiar sua reeleição se consolidando como o fiel da balança na Câmara dos Deputados, ou vai abandonar o barco quando começar a fazer água?

Haverá alguém com a experiência de Lula, sua liderança aqui e no exterior, sua capacidade de diálogo e negociação, sua determinação, seu apoio social, eleitoral e mesmo institucional para a travessia?

Uma transição que o Brasil exige e necessita após o trauma de um governo militar e de extrema direita.

Estaria o país disposto a uma nova aventura tipo Sergio Moro, que não escondeu seu autoritarismo e desprezo pela legalidade, ou Luciano Huck, ambos sem nenhuma experiência executiva?

DEM e o PSDB estariam dispostos a renunciar a uma candidatura viável para apoiar Huck, Henrique Mandetta ou mesmo Ciro Gomes, este de centro-esquerda acostando o alambrado da direita, como diria Brizola?

Dada a gravidade da crise social e sanitária, não está afastada a queda da popularidade de Bolsonaro e sua derrota no 1º turno ou mesmo o surgimento de candidaturas salvacionistas como a de Moro, que não devemos subestimar pelo que mostram as pesquisas.

Mesmo com desmascaramento da Lava Jato, suas flagrantes ilegalidades e objetivos políticos que a própria Suprema Corte expôs em duas decisões recentes.

PARA SUPERAR O BOLSONARISMO

Não creio que possamos superar o bolsonarismo e seu autoritarismo sem uma radical reforma econômica e política, sem atacar a desigualdade social e sem reformar nossas instituições.

A reforma tem que começar pelo Judiciário; passar pelo Legislativo com um novo sistema eleitoral e partidário; e chegar ao Ministério Público.

É preciso também devolver às Forças Armadas para os quartéis e afastar de vez o risco da tutela militar. Radicalizar nossa democracia é a única saída para evitar os golpes e ditaduras.

Sem dúvida, o candidato capaz de realizar esse programa é Lula e o partido capaz de formar uma coalizão mais ampla que a esquerda é o PT.

Mas é preciso que as esquerdas estejam à altura do desafio. Lula, em sua histórica entrevista após a extinção de suas condenações, provou que sim.

Mas vivemos um período de crise de hegemonia e política, efeito da aventura bolsonarista fruto do golpe de 2016, da Lava Jato, da proscrição ilegal de Lula.

Os atores e forças sociais e políticas terão que conquistar a maioria dos brasileiros e brasileiras para seus projetos e programas.

É preciso que tenhamos humildade e abertura para o diálogo para superarmos as divergências e promover um reencontro de nossas forças.

Da parte do PT e de Lula, o caminho está traçado para 2022. A caminhada começa imediatamente com ações objetivas para derrotar a política negacionista e criminosa do governo, com a mobilização do país para enfrentar e derrotar a pandemia, salvar vidas e evitar a fome e o desespero.

Para, enfim, dar esperança e segurança aos milhões de desamparados e abandonados à sua própria sorte pelo governo Bolsonaro, que deverá responder por seus atos e ser impedido de continuar atentando contra a democracia e a vida.

*José Dirceu de Oliveira e Silva, 74 anos, é advogado. Foi deputado estadual e federal pelo PT e ministro da Casa Civil (governo Lula).





Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding