VIOMUNDO

Diário da Resistência


Gilmar dispara olhares e dardos em direção a Vera Magalhães, lavajatista militante; assista
Reprodução
Você escreve

Gilmar dispara olhares e dardos em direção a Vera Magalhães, lavajatista militante; assista


08/10/2019 - 14h13

Da Redação

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, disparou olhares e dardos em direção à jornalista Vera Magalhães, defensora da Operação Lava Jato e servidora do diário conservador O Estado de S. Paulo e da rádio neofascista Jovem Pan, ambos baseados na locomotiva do atraso, São Paulo.

Sobre o ex-presidente Lula, Gilmar não quis dizer se voltaria a impedí-lo de assumir cargo no ministério de Dilma Rousseff, como fez em março de 2016,  decisão que precipitou o impeachment da presidenta.

Desde então, soube-se através dos vazamentos promovidos pelo Intercept Brasil que a Lava Jato divulgou seletivamente grampos telefônicos com o objetivo de derrubar Dilma.

O ministro também afirmou que o ex-presidente não tem escolha quanto à progressão de pena: se a Justiça determinar, Lula terá de deixar a sede da Polícia Federal em Curitiba e cumprir pena no semiaberto.

Gilmar Mendes e o presidente do STF, Dias Toffoli, são fiadores de um acordão que garantiria estabilidade ao governo Bolsonaro em troca do enterro da CPI da Lava Toga e de freio nas arbitrariedades cometidas pela Operação Lava Jato.

O acertão, previsto em gravação do senador Romero Jucá, “com o Supremo, com tudo”, estaria esbarrando agora na decisão de Lula de não aceitar qualquer tipo de barganha em relação às duas condenações que recebeu.

Trechos da fala de Gilmar:

Senti pena enorme das instituições brasileiras. Em relação à pessoa só posso recomendar, como falei na nota, um tratamento psiquiátrico. Sobre Rodrigo Janot, ex-procurador geral da República, que escreveu em livro que foi armado ao STF para matar seu desafeto Gilmar.

A Lava Jato tem melhores publicitários do que juristas.  Vocês assumiram o lavajatismo militante. Quando a Lava Jato acerta, tem que ser dito que ela acerta. Quando erra, tem que ser dito que erra. Vocês criaram falsos heróis. Sobre o papel da mídia na promoção da Lava Jato.

Essa mistura entre juiz e promotor que foi revelada não tem nada a ver com o nosso sistema. Sobre a Vaza Jato e a ideia de criar um juiz de instrução, que evitaria o duplo papel de juiz e promotor desempenhado por Sergio Moro nos casos da Lava Jato.

Você já ouviu algum resultado de alguma investigação em relação aos membros do MP? O CNMP até esses dias não fazia nada com os membros do MP, tanto que Dallagnol faz o que faz. Sobre falta de ação do Conselho Nacional do Ministério Público em relação a Dallagnol, que tentou investigar Gilmar e a esposa Guiomar, advogada, supostamente por tráfico de influência.

Virou uma indústria e isso não é bom para o sistema. Quem é que fiscaliza a corte constitucional alemã, americana? Sobre os pedidos de impeachment de ministros do STF, que seriam lenientes com corruptores e corruptos. Os principais alvos são Toffoli e Gilmar.

O que eu disse: até que haja decisão, o que deve ocorrer em novembro, devemos suspender esse processo. Sobre suspender investigações relativas a Flávio Bolsonaro, suspeito de enriquecimento ilícito e envolvimento com milicianos.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé do rolo

09 de outubro de 2019 às 21h12

O olhar inteligente do Gilmar Mendes calou a boca burra da Vera Magalhães.

Responder

Paulo

09 de outubro de 2019 às 09h25

Li o artigo, na procura de alguma lucidez isenta. Esbarrei na canalhice do viés genocida que arvora solução, usando do verbo, mesmo tendo em seu bojo quase 100 milhões de vidas ceifadas. Nada de novo na esquerda sem escrúpulos. A vossa hipocrisia é chocante! Falta – lhes o elementar : senso do ridículo e uma pequena dose de fraternidade. LIXO!

Responder

Tiago

09 de outubro de 2019 às 08h39

Absurdo este texto.

Responder

Henrique

09 de outubro de 2019 às 05h45

Que lixo de texto pensei que fosse algo sério mais eh militância da esquerda exaltando o lixo do Gilmar Mendes pra tentar livrar a cara de bandidos corruptos

Responder

Ale Olifran

08 de outubro de 2019 às 21h31

Putz, pensei que fosse matéria séria.
Que lixo!
Só podia ser dos aceclas do Lula!

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    08 de outubro de 2019 às 21h42

    Aprenda a escrever, por favor. Aceclas dá dor.

Zé Maria

08 de outubro de 2019 às 18h56

Prisão em 2ª instância é para antecipar a Tortura:

Na segunda-feira, Sergio Moro visitou presídios de Ananindeua, no Pará,não viu problema na situação [email protected] [email protected]

Para ele, a “disciplina em presídios” que vem sendo aplicada
pelos seus subordinados é “imprescindível e inegociável”.

As Presas, que relatam terem sido obrigadas a sentar
em um Formigueiro apenas de Calcinha, discordam.

Coordenador da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária
foi afastado pela justiça devido a uma denúncia do MPF
acusando os agentes penitenciários de torturar detentos.

Moro, responsável pela força-tarefa, disse que a situação
não passava de um “mal-entendido”.

As 700 detentas do Centro de Reeducação Feminino
de Ananindeua, município paraense vizinho a Belém,
discordam. Elas relatam terem sido espancadas e obrigadas
a sentarem apenas de calcinha em cima de um formigueiro,
como mostram vídeos com relatos das presas à OAB do Pará
obtidos com exclusividade pelo Intercept.

https://theintercept.com/2019/10/08/presas-forca-tarefa-moro-tortura/

Responder

    Zé Maria

    09 de outubro de 2019 às 11h52

    https://ipiracity.com/wp-content/uploads/2019/10/Tortura.jpg

    O escândalo de tortura no Pará que Bolsonaro e Moro
    consideram “besteira” e “mal-entendido”

    Procuradores federais denunciam quadro generalizado de
    abusos contra presos sob o comando de agentes federais.

    Juiz Federal do Pará afasta chefe de missão
    enviada por Ministério da Justiça

    https://brasil.elpais.com/brasil/2019/10/08/politica/1570570500_263393.html

    Zé Maria

    09 de outubro de 2019 às 12h11

    Tortura Pouca é Bobagem

    “Parece que fizeram uma seleção de psicopatas,
    e deram o direito a eles se regozijarem nos presos
    — o que a gente vê é a banalização do mal.
    Antes [da intervenção do Moro], havia tortura?
    Havia sim, mas era pontual, isolado.
    Depois da intervenção federal, é
    contou um servidor estadual ouvido em
    condição de anonimato pelos procuradores.

    Os procuradores também se basearam nos relatos de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH) e do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura — organismo vinculado ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos — que visitaram as unidades prisionais.

    Uma advogada representante da OAB que visitou uma das unidades diz que a “situação é a mais deplorável possível”, similar a um “campo nazista” …

    O deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ), líder da oposição na Câmara, afirmou que solicitará a presença de Moro na Comissão de Constituição e Justiça para prestar esclarecimentos sobre a ação do MPF.

    “É muito grave que o ministro da Justiça
    confunda disciplina com tortura!
    Ele trata a ação do Ministério Público Federal com desdém.
    Queremos que o ministro preste esclarecimentos à Câmara
    sobre os casos de TORTURA denunciados em presídios do Pará.”

    https://twitter.com/alessandromolon/status/1181647914332020737

Zé Maria

08 de outubro de 2019 às 18h16

O Gilmar chamou a atenção ao fato de que o
STF admitiu a “Possibilidade” de Prisão antes
do trânsito em julgado, não a ‘Obrigatoriedade’,
mencionando que a Súmula (122) do TRF4 passou
a ser aplicada no Brasil Inteiro, caracterizando uma
forma de “Totalitarismo Penal”.
https://youtu.be/-X-rECWSNJw?t=3656

A inconstitucionalidade da Súmula 122* do TRF4,
que tornou obrigatória, não alternativa, a Prisão
imediata, após a condenação em 2ª Instância,
encontra-se em discussão no HC 156.583** (STF),
aguardando inclusão em Pauta de Julgamento
no Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF).

*SÚMULA 122 do TRF4:
Encerrada a jurisdição criminal de segundo grau,
deve ter início a execução da pena imposta ao réu,
independentemente da eventual interposição de
recurso especial ou extraordinário.
D.E. (Judicial) de 14-12-2016

**HC 156.583: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=5454059

https://www.conjur.com.br/2019-jun-11/leia-voto-lewandowski-execucao-antecipada-pena

Voto do Ministro Lewandowski na 2ª Turma:
https://www.conjur.com.br/dl/leia-voto-ministro-lewandowski-sumula.pdf

Responder

Jorge

08 de outubro de 2019 às 18h08

Nossa só falam besteira nesse jornaleco de quinta categoria jornal Estado de São Paulo conservador pingos nos is neo fascista agora o bandido vagabundo pilantra chefe de uns dos maiores esquemas de corrupção do planeta esse sim e o perseguido tomem vergonha na cara de vcs

Responder

Zé Maria

08 de outubro de 2019 às 16h31

O Papel dos Vazamentos da Lava Jato para a imprensa tem
o mesmo Peso dos hackeamentos vazados para o Intercept.
A Ética – e a Lei – é uma só. Foi isso que o Gilmar ressaltou.

Responder

Diego

08 de outubro de 2019 às 16h15

Que matéria nojenta! Militância política travestida de jornalismo não dá. Nunca mais voltou aqui.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.