VIOMUNDO

Diário da Resistência


“Eu era um paciente que valia mais morto do que vivo”, diz advogado que denunciou Prevent por tentativa de eutanásia
Reprodução
Você escreve

“Eu era um paciente que valia mais morto do que vivo”, diz advogado que denunciou Prevent por tentativa de eutanásia


27/09/2021 - 18h56

Da Redação

Para o senador Otto Alencar (PSD-BA), trata-se de um caso de “eutanásia disfarçada”.

A denúncia, encaminhada à CPI da Pandemia, foi publicada pelo G1.

O advogado Tadeu Frederico de Andrade, de 65 anos, sobreviveu para corroborar a denúncia de familiares.

Em 30 de janeiro de 2021, um mês depois da internação de Tadeu, a família foi procurada por uma médica da Prevent Senior para informar que teriam início os “cuidados paliativos”.

Disse também que o óbito era questão de dias.

A filha do advogado discordou, a família ameaçou com denúncias na imprensa e ações na Justiça e a Prevent voltou atrás.

Em 30 de abril último, Tadeu recebeu alta, depois de 120 dias internado.

“Calculo que meu custo para o plano de saúde passou da casa de centenas de milhares de reais. Eu era um paciente que valia mais morto do que vivo”, disse ao G1 o advogado.

Em nota, a Prevent negou considerar questões financeiras em suas decisões médicas.

Se a família tivesse concordado com a Prevent, ficariam suspensas as medicações intravenosas e a hemodiálise do advogado, além de qualquer manobra de reanimação cardiorrespiratória (ver print abaixo, do G1).

Tadeu fez denúncia de seu caso ao Ministério Público de São Paulo.

Ele confirmou ao G1 que a primeira medida da Prevent foi despachar o kit covid com drogas ineficazes para a casa dele, quando teve os primeiros sintomas mas antes de testar positivo para a covid.

Na Assembleia Legislativa de São Paulo, foram obtidas 33 assinaturas — uma a mais que o necessário — para abrir a CPI da Prevent.





7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Gilson de Moura Modesto

29 de setembro de 2021 às 08h49

Mengele ficaria horrorizado!

Responder

João de Paiva Andrade

28 de setembro de 2021 às 09h55

Qualquer pretendente a cargo majoritário em nível nacional (seja o de senador, seja o de presidente da república) que ousar propor e/ou tentar implementar alguma das absolutamente necessárias ações abaixo listadas será perseguido, sumariamente excluído da disputa eleitoral (seja por lawfare, seja por quaisquer picuinhas ou filigranas jurídicas) ou, se eleito, arranjarão um “atentado” para ceifar-lhe a vida.

1 – Baixar MP e/ou apresentar PL estatizando completamente os setores de Educação, Saúde e Financeiro;
2 – Estatizar todas as empresas que exploram os setores energético, de telecomunicações/telemática e mineral;
3 – Revogar os artigos, incisos e alíneas da CF que versam sobre sobre o conceito de empresa nacional e estrangeira, considerando nacionais somente as empresas com sede e centros de pesquisa desenvolvimento no Brasil, cujos acionistas controladores sejam brasileiros natos, impedindo quaisquer remessas de lucros ao exterior, sob qualquer pretexto;
4 – proibir a exportação de bens primários, sem beneficiamento e agregação de valor, tais como grãos, café, madeiras e minerais.
5 – proibir a aquisição de terras por estrangeiros não residentes ou por estrangeiros que aqui residam, em extensão superior à que permita classificá-la como pequena empresa/propriedade familiar.

Com as medidas acima listadas, se houver/houvesse FFAA com algum resquício de nacionalismo, podem-se/poder-se-iam retomar as bases para um desenvolvimento soberano e inclusivo. O busílis é que com as FFFAA reduzidas a esse antro de golpistas, vira-latas e entreguistas, sabujos dos EEUU e aceitando ordens e treinamentos do Souhcom estadunidense, isso se torna praticamente impossível.

Responder

Zé Maria

28 de setembro de 2021 às 02h53

Nessa Fase Neoliberal Extremista do Capitalismo,
toda política econômica governamental em vigor,
– tal como no Mercado da Doença – é voltada a
fazer o Mal fingindo fazer o Bem à População.
Assim será também a Extinção do Bolsa-Família
substituída pelo tal Auxílio-braZil, que vai acabar
em dois ou três meses., transformando os pobres
em miseráveis, como atualmente está sendo feito
com a dolarização dos preços dos combustíveis e,
portanto, dos alimentos necessários à sobrevivência.
O Genocídio se dá pela Doença e pela Fome.

Responder

    Zé Maria

    28 de setembro de 2021 às 03h33

    Quantas vezes o Povo Brasileiro escolherá os
    Agentes Capitalistas da Desgraça Neoliberal
    – “Candidatos de Proveta” de uma Mídia Venal –
    como Falsos Salvadores de uma Nação ilusória?

    “a desagregação da figura estatal – consequência do neoliberalismo –
    é problema político que afeta e provoca inúmeras interrogações em
    torno da palavra ‘Nação’.
    A desestruturação do Estado e a dificuldade crescente de regular o
    poder social têm provocado uma lesão na eficácia política do termo
    ‘Nação’ para a consecução dos fins comunitários” …
    “por meio da Nação, é possível a conciliação do corpo social, a existência
    de um comunitarismo, que é regido pelo jogo institucional estatal.
    O sensação coletiva da Nação consegue desfazer hostilidades
    porque ela expressa um pacto [social]. Porém, quando esse pacto se corta
    com a ruptura dos laços comunitários, com a desarticulação da sociedade civil,
    difícil se torna a existência do mito como forma de justificar o poder soberano” …

    “Desfaçamos o mito e reconstruamos, na realidade, o sentido de Nação.
    É necessário que o povo redescubra sua historicidade – único meio para
    o resgate de sua cultura. Mas, para tanto, precisamos pensar a Nação
    ‘desde dentro’, buscando interagir com aqueles que fazem parte de
    nossa identidade [cultural] tão multiforme e facetada.
    É necessário reconstruir o conceito de Nação – inclusivo, revolucionário, justo,
    que desmistifique os mitos, quebre os estereótipos e transponha paradigmas
    jurídicos pensados para uma realidade já passada e que são mais adequadas
    à urgência de se buscar a nacionalidade como expressão da dignidade humana. A nacionalidade que liberta deve romper com as diferenças que oprimem.”
    Daniella S. Dias
    [Senado. Revista de Informação Legislativa. Brasília a. 49 n. 196 out./dez. 2012]

Zé Maria

28 de setembro de 2021 às 02h15

Eutanásia Passiva (por Negligência Médica), não consentida, é Homicídio Doloso.

Responder

Christian Fernandes

27 de setembro de 2021 às 22h06

Puxa vida, mas quem diria que saúde privada daria numa tentativa de assassinato do paciente uau mas que surpresa.

Responder

    Morvan

    28 de setembro de 2021 às 10h57

    Puxa vida, mas quem diria que saúde privada daria numa tentativa de assassinato do paciente uau mas que surpresa.

    Estupefato, também. Mas creio se tratar de caso isolado. A medi sina privada é toda feita por cristãos tenente adeus, não é mesmo? Outrossim, o melhor do Brasil é o brasileiro. 🤣

Sérgio

27 de setembro de 2021 às 21h08

Bando de Josef Mengele tupiniquins!

Gente Canalha.🤮🤮🤮🤮🤮🤮

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding