VIOMUNDO

Diário da Resistência


Estadão destaca Putin no escândalo das offshore, mas só cita Paulo Guedes para ministro se defender, no último parágrafo
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Você escreve

Estadão destaca Putin no escândalo das offshore, mas só cita Paulo Guedes para ministro se defender, no último parágrafo


04/10/2021 - 10h15

Da Redação

O diário conservador paulistano Estadão escondeu o ministro da Economia Paulo Guedes e o presidente do Banco Central Roberto Campos Neto no escândalo dos Pandora Papers.

Guedes teve um aumento equivalente a R$ 16 milhões de reais no dinheiro depositado em dólar em uma empresa de fachada em refúgio fiscal, por conta da valorização do dólar desde que assumiu o cargo de ministro da Economia.

Ele e o presidente do Banco Central tomam diariamente decisões que afetam o câmbio.

O Estadão escondeu o envolvimento de ambos no último parágrafo de página inteira dedicada ao assunto, traduzida a partir de texto do diário norte-americano Washington Post.

“No Brasil, foram citados o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Guedes respondeu que sua participação em uma offshore foi declarada antes de entrar no governo e que ele se desvinculou de qualquer atuação privada. Campos Neto afirmou que “não participa da gestão ou faz qualquer investimento com recursos dessas empresas”, diz o parágrafo acrescentado pelo Estadão, que serviu basicamente à defesa dos dois integrantes do governo Bolsonaro.

O Estadão ilustrou as reportagens com fotos do presidente do Quênia, do rei da Jordânia e de Vladimir Putin, apesar do presidente russo não ter envolvimento direto com o escândalo.

Uma casa luxuosa em Mônaco aparece associada a uma mulher russa que teve um filho com Putin.

O Estadão não menciona os empresários brasileiros, muitos deles bolsonaristas, que aparecem na lista dos donos de empresas em refúgios fiscais.

Com exceção do presidente do Chile, Sebastián Piñera, o diário conservador não menciona outros líderes da América Latina, de direita, que aparecem associados a contas em refúgios fiscais.

São citados na investigação o presidente do Equador, Guilherme Lasso, o da República Dominicana, Luis Abinader e ex-presidentes como César Gaviria e Andrés Pastrana, da Colômbia; Pedro Pablo Kuczynki, do Peru; Horacio Cartes, do Paraguai e Juan Carlos Varela e Ricardo Martinelli, do Panamá.

“O sistema offshore pode desviar dinheiro dos tesouros do governo, piorar as disparidades econômicas e proteger criminosos, ao mesmo tempo em que priva suas vítimas de um recurso. Há na lista acusados de roubo de dinheiro ou exploração de recursos naturais. Outros enfrentam sanções internacionais por seus laços com autocratas e corrupção política”, traduziu o Estadão de um texto do Washington Post.





10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

06 de outubro de 2021 às 16h03

Crescimento em ‘M’ do Varejo

Vendas no Varejo caem mais de 3%
em agosto, em relação ao mês anterior.
Desempenho do Varejo retrocede
ao mês de julho de 2020.

É o pior resultado para o mês
na série histórica do IBGE.

Responder

Zé Maria

06 de outubro de 2021 às 13h26

Rapidinha

No início da tarde da segunda-feira (4), três dias após a publicação da reportagem que revelou a influência de Michelle Bolsonaro sobre diretores da Caixa Econômica Federal, a primeira-dama se encontrou com o ministro da Economia, Paulo Guedes.
A primeira-dama foi recebida por Guedes no hall do elevador do Bloco P do Ministério da Economia.

O encontro durou cerca de 10 minutos.

https://indicesbovespa.com.br/o-encontro-de-michelle-com-paulo-guedes/

Responder

    Zé Maria

    06 de outubro de 2021 às 13h41

    Deputada Federal Gleisi Hoffmann (PT-PR) cobra Paulo Guedes por tráfico de influência de Michele Bolsonaro na Caixa

    Presidenta do PT enviou requerimento ao Ministério da Economia e à Direção da CEF para esclarecer liberação de empréstimos para amigos bolsonaristas da primeira-dama.

    A suspeita de tráfico de influência, prática comum na família Bolsonaro [e na do Guedes], foi revelada pela revista Crusoé na edição do último final de semana.

    https://pt.org.br/gleisi-cobra-guedes-por-trafico-de-influencia-de-michele-bolsonaro

Zé Maria

06 de outubro de 2021 às 09h48

Reprisando

Não é só o Clã Bolsonaro que enriquece ilicitamente com Dinheiro Público.
Além da FamiGlia Guedes, há FamiGlias de Donos de Veículos de Imprensa
com Offshores e Overseas com Muito Dólar Escondido dentro e fora do País.

Responder

Nelson

05 de outubro de 2021 às 17h00

Em se tratando de mídia hegemônica, nenhuma surpresa. Manipulação, escamoteação, quando não a mentira, pura e simples, é a prática habitual daqueles que se dizem ardorosos e imbatíveis defensores do que chamam de livre imprensa.

Uma imprensa livre que é, na verdade, uma escrava eterna do dinheiro. Então, os órgãos da mídia hegemônica repetem ad eternum a arenga da liberdade de imprensa para que o público não se dê conta de que, na prática, ela não existe.

Responder

marcio gaúcho

04 de outubro de 2021 às 14h55

E ainda não apareceu nos paraísos fiscais o dinheiro que, dizem, Lula roubou do Tesouro Nacional. Que coisa! Talvez, tenha algum apartamento em São Paulo servindo de cofre para guardar a propalada grana bilionária… As fazendas e os bois no pasto a direitona já localizou. Ficando bem pertinho da fazendo do FHC.

Responder

Zé Maria

04 de outubro de 2021 às 13h42

Mídia Bandida é Mídia Bandida e sempre será Bandida.
Os Grupos Empresariais de Comunicação do braZil
historicamente se associam com o que há de Pior.

Responder

    Jose Carlos

    04 de outubro de 2021 às 19h09

    Comentário bem objetivo, Zé Maria. E essa Mídia Bandida que faz parte da elite podre brasileira, fará o impossível e o inimaginável para impedir a candidatura de Lula em 2022. A Mídia Bandida( o PIG) vai manipular, distorcer e mentir para derrubar Lula. Será uma guerra sem tréguas. Não duvido que apoiem até mesmo a reeleição do Bozo, quando perceberem que Lula ganha já no primeiro turno.

    Zé Maria

    05 de outubro de 2021 às 03h11

    É bem isto, caro José Carlos.. Na Guerra Ideológica contra a Esquerda
    os Meios Empresariais de Comunicação estão na linha de frente em
    defesa do Interesse da Elite Capitalista (Burguesia), mesmo que seja
    um Bandido Neoliberal que deveria estar na Cadeia, não no Ministério.
    Os Donos dos Veículos de Imprensa são Capitalistas Reacionários,
    combaterão qualquer Avanço Social que signifique Desenvolvimento.

    LULA (PT) precisamente sempre retratou esse Desenvolvimento Social representativo da Proteção da População Economicamente Vulnerável
    que é a Base da Pirâmide da Renda do Trabalho que inclui a Maioria.

Benedito Alísio Pereira

04 de outubro de 2021 às 12h37

A imprensa tradicional brasileira é criminosa e já passa dos limites quase todos dias. Só o povo, se se organizar, poderá enquadrá-la.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding