VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

Elio Gaspari transformou Dulce Maia em Dilma Rousseff


18/06/2010 - 14h12

18 de Junho de 2010 – 11h50

Como Elio Gaspari mentiu e fez Dulce Maia virar Dilma Rousseff

por Dulce Maia, do Observatório da Imprensa, via Vermelho

Houve um tempo em que mentira tinha pernas curtas. Agora, a internet faz exercícios diários de alongamento da mendacidade. Nos últimos meses, uma torrencial campanha caluniosa circula pela rede mundial de computadores tomando por base artigo do jornalista Elio Gaspari, publicado originalmente nos jornais Folha de S.Paulo e O Globo em suas edições de 12 de março de 2008.

Quem tiver curiosidade de buscar na internet o número de vezes em que aparecem variantes da infame sentença “Agora a surpresa: adivinhem quem é Dulce Maia? Sim, ela mesma: Dilminha paz e amor! Esse é só mais um codinome da terrorista Estela/Dilma” – colada ao final do artigo de Gaspari – verá que estão hospedadas em mais de 500 páginas da rede (marca muito próxima à moda nazista de cunhar a verdade repetindo-se mil vezes uma mentira para torná-la veraz).

Ao contrário do que afirmam, Dulce Maia existe e resiste. Quem é Dulce Maia? Sou eu. Antes de mais nada, quero deixar claro que não me arrependo de nenhuma das opções políticas que fiz na vida, inclusive de ter participado da luta armada e da resistência à ditadura militar implantada em 1964. Eu me orgulho de ter sido companheira de luta de brasileiros dignos como Carlos Lamarca, Onofre Pinto, Diógenes de Oliveira e Aloysio Nunes Ferreira.

Sinal de descaso

Não pretendo polemizar com meus detratores, que ousaram decretar minha morte civil. Estes irão responder em juízo por seus atos. Não admito que queiram impor novos sofrimentos a quem já foi presa, torturada e banida do Brasil durante a ditadura. Lutarei com todas as minhas forças para garantir respeito à minha honra e à minha dignidade.

Gostaria apenas de fazer algumas reflexões sobre essa insidiosa campanha, alicerçada nos erros cometidos pelo jornalista Elio Gaspari ao tratar da ação contra o consulado norte-americano de São Paulo, em 1968. O articulista teve 40 anos para apurar a história. Falsamente me colocou como participante do episódio, sem nunca ter me procurado para checar a veracidade das informações de que dispunha. Tomou pelo valor de face peças do inquérito policial relativo ao atentado, como declaração extraída sob tortura do arquiteto e artista plástico Sérgio Ferro.

Se o articulista tivesse compulsado os arquivos do próprio jornal Folha de S.Paulo, facilmente encontraria entrevista de Sérgio Ferro (de quem também me orgulho de ser amiga há quase meio século). Conforme se lê no texto do repórter Mario Cesar Carvalho, publicado a 18 de maio de 1992, “Ferro assumiu pela primeira vez, em entrevista à Folha que ele, o arquiteto Rodrigo Lefrèvre (1938-1984) e uma terceira pessoa que ele prefere não identificar colocaram a bomba que explodiu à 1h15 do dia 19 de março de 1968 no consulado de São Paulo. Um estudante ficou ferido”.

A matéria de 1992 trazia ilustração com um imenso dedo indicador em riste (o famoso “dedo-duro” apontado sobre a cabeça de um homem e acompanhado do texto “terror e cultura”).

Gaspari tinha o dever ético de me procurar para verificar se seria eu essa terceira pessoa. Além de não fazê-lo, publicou que o atentado fora cometido por cinco pessoas ( entre as quais fui falsamente incluída). O mesmo cuidado deveriam ter tido os responsáveis pela matéria da Folha de S.Paulo de 14 de março de 2008, que repercutiu o artigo de Gaspari reafirmando as falsas acusações.

A esses erros elementares de apuração, deve se somar a relutância da Folha de S.Paulo em restabelecer a verdade. Em nenhum momento, o ombudsman do jornal veio a público para tratar do assunto. O pedido de desculpas de Gaspari foi mera formalidade, sem delicadeza alguma. Sinal mais evidente do descaso do jornal foi a demora na publicação de carta de Sérgio Ferro, onde refutava categoricamente que eu tivesse participado daquela ação armada. A carta só foi publicada dois dias depois de ser divulgada no blog do jornalista Luis Nassif.

Luz do sol

Processado, o jornal foi condenado em primeira instância à reparação por danos morais [ver sentença abaixo]. Imaginava que a ação judicial foss e um freio eficaz às aleivosias, particularmente depois da exemplar observação do juiz de Direito Fausto José Martins Seabra de que o jornal “não só extrapolou o direito de crítica, como olvidou o compromisso legal e ético com a verdade”.

No entanto, o artigo de Gaspari voltou a circular com o espantoso adendo de que Dulce Maia não existe e que este seria apenas um codinome de Dilma Rousseff. A utilização do artigo em plena campanha eleitoral mostra que setores da sociedade não têm qualquer apreço pela verdade como arma política. São pessoas que, muito provavelmente, apoiaram o golpe militar de 1964 e não apreciam o debate franco e aberto de ideias.

Chama atenção, também, o silêncio de Elio Gaspari sobre o uso indevido de seu texto. Nunca li qualquer manifestação do articulista refutando o uso de seu nome em páginas que emporcalham a internet com mentiras sobre minha pessoa.

O desrespeito é de dupl o grau. Primeiro, pela reiterada circulação de informações falsas sobre o atentado ao consulado norte-americano (prática já condenada pela Justiça na sentença de primeira instância do juiz Martins Seabra). Em segundo lugar, e não menos importante, com a tentativa de me despersonalizar, como se Dulce Maia fosse apenas um codinome.

Depois dos desaparecimentos forçados praticados pela ditadura, que impôs a aniquilação física de adversários políticos, sequazes do regime militar querem impor a aniquilação moral em plena democracia. E o fazem da forma mais vil, espalhando mentiras pela internet.

Como estratégia política, não é novidade. Documentos do governo norte-americano revelam que a CIA apoiava o uso de boatos para desestabilizar o governo democrático de Salvador Allende. Vivi em Santiago e presenciei a onda de boatos que não atingiu seus objetivos eleitorais (Allende foi deposto pelo sangrento golpe militar de s etembro de 1973).

Trazer à luz do sol aqueles que usam a mentira como ferramenta política é uma tarefa urgente. Farei a minha parte, acionando judicialmente todos aqueles que atacam minha honra ao tentar tirar proveito político de grotescas caricaturas para atingir a imagem de seus adversários.

A sentença de primeira instância

583.00.2008.245007-8/000000-000 – nº ordem 146/2009 – Indenização (Ordinária) – DULCE MAIA X EMPRESA FOLHA DA MANHÃ S/A – Autos nº 583.00.2008.245007-8 21ª Vara Cível Central da Capital DULCE MAIA move AÇÃO INDENIZATÓRIA contra EMPRESA FOLHA DA MANHÃ S.A. Em 12 de março de 2008 o jornal Folha de São Paulo, editado pela ré, publicou artigo de Elio Gaspari sobre as indenizações pagas às vítimas do regime instaurado em 31 de março de 1964. No decorrer do texto, mencionou de modo inverídico que a autora participara de atentado a bomba no consulado norte-americano nesta Capital. Dois dias depois, outro artigo foi escrito pelo mesmo jornalista com a mesma notícia falsa, a qual lhe causou danos morais. Entende que a ré abusou de seu direito de informar, atingindo a honra e a imagem da requerente ao lhe atribuir a prática de um crime. Requer, po rtanto, o ressarcimento dos danos morais sofridos. A ré apresentou contestação a fls. 327/343. Negou ter cometido ato ilícito, pois exercera o direito de informar e criticar, assegurado constitucionalmente. Refutou a ocorrência de danos morais, pois a informação inexata foi corrigida e teceu considerações sobre eventual fixação da indenização. Réplica a fls. 351/359. É o relatório. Fundamento e decido. O feito comporta julgamento no estado (art. 330, I, do Código de Processo Civil), registrando-se que as provas pleiteadas pelos litigantes são absolutamente desnecessárias ao deslinde dos pontos controvertidos. Incontroverso nos autos que a autora pertenceu à Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), grupo que tinha o objetivo de derrubar o regime instaurado em 31 de março de 1964 e implantar no Brasil, por meio da luta armada, uma democracia operária nos moldes marxistas e leninistas. É notório, ainda, que a ele e a outros grupos denominad os terroristas foram atribuídas ações violentas consistentes em roubos a bancos, seqüestros de autoridades e explosões em imóveis públicos e privados. A autora negou ter participado do atentado de 19 de março de 1968 ao consulado norte-americano nesta Capital e a ré reconheceu na contestação, em consonância com o pedido de desculpas de seu articulista Elio Gaspari, publicado posteriormente, que de fato essa informação não era verdadeira. O equívoco aconteceu e foi expressamente admitido por quem o cometeu, de modo que inexiste pertinência em apurar neste feito como a informação errada foi obtida. O que importa é saber se a ré apenas exerceu o seu direito de crítica e se a correção do erro tem o condão de elidir a responsabilidade civil pelos danos morais causados à autora, que são evidentes e dispensam prova, pois ocorreram in re ipsa. Ter o nome associado à prática de um crime do qual não participou é suficiente para sofrer sensações negativas de reprovação social, angústia, aflição e tantas outras que consubstanciam danos morais relevantes sob o aspecto jurídico e, portanto, indenizáveis. A ré sustenta que exerceu o direito de crítica assegurado pelo art. 27, VIII, da Lei de Imprensa. De fato, assim agiu ao tecer considerações e até mesmo juízos de valor sobre a discrepância entre as diversas indenizações pagas às vítimas do regime militar. Sucede, contudo, que a partir do momento em que afirmou a participação da autora no episódio relatado nos autos, não só extrapolou o direito de crítica, como olvidou o compromisso legal e ético com a verdade. Pouco importa que a autora tenha de fato pertencido a grupo ao qual foram atribuídas ações violentas nas décadas de 60 e 70. A notícia de que participou do atentado ao consulado norte-americano não era verdadeira e, assim, não pode prevalecer diante do direito à honra. Lembra Antonio Jeová Santos que “existe um consenso de que a imprensa assume o compromisso de informar não só o fato veridicamente, como também de explicá-lo em seu contexto, em sua verdadeira significação – a verdade acerca do fato – como recomendava a Comissão sobre a Liberdade de Imprensa dos EUA” (Dano moral indenizável. 2ª ed. São Paulo: Lejus, 1999, p. 325). A ré ainda argumenta que corrigiu o erro e, assim, não tem o dever de indenizar os danos morais sofridos pela autora. Sem a necessidade de digressões acerca da forma e do lapso temporal consumido até que a retificação da informação inexata fosse veiculada, o fato é que a correção da notícia, ainda que se desse no modo, no tempo e no lugar adequados e com o mesmo destaque da informação falsa, não afastaria o ressarcimento almejado. Impossível supor que todos os leitores da notícia inexata tenham também lido as erratas e os pedidos de desculpas do articulista. Além disso, “a publicação equivocada, por si só, dá margem à indenização. Eventual retificação a posteriori não faz desaparecer o ato ilícito praticado” (Enéas Costa Garcia. Responsabilidade civil dos meios de comunicação. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2002, p. 294). Resta, pois, fixar o valor da indenização. No arbitramento da indenização oriunda dos danos morais leva-se em consideração a natureza, a extensão e a repercussão da lesão, bem como a capacidade econômica dos envolvidos, de modo a compensar os prejuízos experimentados pela vítima sem que haja locupletamento e, de modo concomitante, punir o ofensor de modo adequado a fim de não transgrida novamente. No caso em foco não se pode esquecer que a notícia inexata foi produzida por jornalista bastante respeitado por substancial obra em quatro volumes sobre a história recente do país, o que lhe impunha maior responsabilidade na divulgação de informações sobre aquele período. Por outro lado, a ré não adotou a postura ar rogante de ignorar ou de tentar mascarar o seu erro, de modo que o valor indenizatório mínimo proposto com a petição inicial se mostra razoável e compatível com as peculiaridades vistas nestes autos e com os parâmetros acima apontados. Ante o exposto, JULGO PROCEDENTE a demanda para condenar a ré ao pagamento de R$ 18.000,00 à autora, com correção monetária desde esta data e juros de mora de 1% ao mês contados de maio de 2008, bem como a publicar no mesmo jornal em que a notícia inexata foi divulgada, o inteiro teor desta sentença. Pagará ainda a vencida as custas processuais e os honorários advocatícios da parte contrária, fixados em 10% sobre o valor da condenação. P.R.I. São Paulo, 17 de abril de 2009. Fausto José Martins Seabra Juiz de Direito FLS. 370: Custas atualizadas de preparo para eventual recurso no valor de R$ 364,16. ORD – RP – ADV MAURO ROSNER OAB/SP 107633 – ADV LUIS CARLOS MORO OAB/ SP 109315 – ADV TAIS BORJA GASPA RIAN OAB/SP 74182 – ADV MONICA FILGUEIRAS DA SILVA GALVAO OAB/SP 16537



121 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Ricardo chaves

29 de março de 2012 às 21h54

Dulce voce não é a Duca de Tremembe Rua Bias (1945) eu sou o Ricardo teu vizinho voce tem o meu mail,

Responder

EL Louco

10 de outubro de 2010 às 21h53

Senhores discordo de todos,pois acho dilma uma pessoa sem carater!
Não sou do psdb nem sou de direita mas acho que vocês vem em dilma algo que ela não é e nunca será.
Lamento mas irão se decepcionar.
Não acreditem em falsos lideres pois eles irão lhes trair!

Responder

    Leroy

    18 de outubro de 2010 às 11h25

    É muito bom ver a manifestação técnica e embasada de videntes dispostos a salvar o Brasil e advertir as pessoas de eventuais erros a serem cometidos na escolha do candidato.

    IVANISE

    18 de outubro de 2010 às 15h24

    Vc faz juz ao seu login..Vc acusa Dilma de não ter caráter mais não argumenta por que.. quem vai acreditar em el louco?

    Mariac

    18 de abril de 2012 às 09h42

    El louco….

    [email protected]

    31 de outubro de 2012 às 14h00

    A tua opiniao nao e diferente dos torturadores da ditadura.Muda o apelido.caguete torturaddor te senta melhor,e diz pra os teus filhos,se os tiver

    helcio dias de sa

    27 de janeiro de 2013 às 12h29

    Faltam mais dois anos de sucesso do governo Dilma,com juizo,mais 4 anos para efetivar a “traiçao” do El Loco.

    Christiano Almeida

    07 de julho de 2013 às 13h08

    Com esse codinome, nada justifica tão bem suas palavras! Coerência com o que fala e escreve, esta é a sua marca… EL Louco!

TJC

12 de setembro de 2010 às 02h18

Tudo colocado aqui são falácias. A honra já não existe mais no Brasil. Basta determinada pessoa dizer que sofre injustiça em determinado ponto em que o resultado lhe traga vantagem, forma um grupo de oportunistas dizendo que compõem um "movimento social" e está feito: uma parcela grande da população deve submeter-se. E o que falar do mérito então? Este já não existe mais (também). Não repete-se mais nas escolas, então para que estudar? (estamos formando milhões de aspirantes a Presidente da República). Basta informar a cor da pele que você passa na frente de muitos que estão mais bem preparados. Mas o que esperar de um governo onde o seu chefe maior teve o primeiro diploma recebido em uma eleição, onde este "mérito" não depende exclusivamente dele. Isso depois de 3 fracassos. Sejamos francos, o brasileiro não tem síndrome de viralatas, o brasileiro tem ALMA de viralatas. Falácias… Falácias. "PAGAMOS A DÍVIDA EXTERNA" (para o povão "assistidor de televisão" ver), dívida esta que era cobrada com uma taxa de juros bem menor que o da outra dívida, a interna que corroe as entranhas do País como um câncer. Mas não tem problema, ano que vem tem uma toneladas e toneladas de porcarias na televisão que vão manter o povo feliz(?). Pão e circo: o Brasil já está na Roma "Depois de Cristo", mais 2000 anos e chegaremos lá. (sabe Deus onde)

Responder

    Mariac

    18 de abril de 2012 às 09h42

    El louco não é só…

    Francisco Diniz

    26 de julho de 2012 às 09h48

    De fato o terrorismo no Brasil ainda não terminou. São artigos deste tipo que fazem nos crer e crer que a falta de escrúpulo é o terrorismo que impera nesta nação. São mentiras levianas,são falsas acusações, articulações montadas que forjam o crime de cidadões e por afora vai.
    Vergonha ? – Coisa esta que não exite mais, civismo ? deixou de existir desde a época da ditadura militar, judiciário – a maior gosação que neste pais se implantou.
    Se perguntarmos hoje para os candidatos que postergam uma vaga pública qual o objetivo, estatuto, regras do partido filiado, seguer conseguirá o postulante saber dizer o nome da legenda. Está claro que todos querem participar da farra do boi.
    É de envergonhar, mas a realidade seja dita, nenhuma empresa produtiva paga salários absurdamentre altos como o governo a seus diretores, chefes de áres ou outros cargos como se vê no governo federal ou estadual. Tomemos como base o judiciário, acham mesmo que os postulantes a cargos de promotor, juiz ou desembargador estão preucupados com a justiça ? Se o estivesem já havia sido feito um levante contra o emaranhado de leis que se atropelam e as formas que elas são constituidas. É claro que para estes senhores é comodo ficarem em suas alcovas posicionados como autoridades que fazem cumprir o escrito, com salários de reis, palacetes e terras repletas de gado, etc.
    De fato torno a dizer que o terrorismo nesta nação não acabou. Existem assassinos sim: assassinos do ensino público de maneira a produzirem burros de carteirinha, assassinos da saúde pública que sequer médicos desejam nela trabalhar, assassinos das universidades de ciência e tecnologia por má formação de profissionais, assassinos da indústria de desenvolvimento tecnológico por falta de incentivos.
    E por infelicidade ainda, a existência destes pseudos jornalistas e escritores que incentivam a anarquia nacional.
    É necessário repassar estre país a limpo, pois já estou até sentindo falta dos militares no poder.

Dulce Maia convida apaixonados por futebol e Educação para um leilão de solidariedade | Maria Frô

10 de setembro de 2010 às 08h09

[…] Dulce Maia, aquela que Helio Gaspari transformou em Dilma Rousseff tem hoje 72 anos. É uma dessas mulheres de fibra que dá um orgulho danado de a gente saber que […]

Responder

isaias

08 de setembro de 2010 às 13h38

não vou votar em politico porque não sou palhaço!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! voto sim no pegeeni 69.

Responder

jairo santos

29 de agosto de 2010 às 11h10

Ao Giiacomo
Como defensor da democracia, porque não defendes o governo legalmente eleito que foi apeado do poder por um
golpe militar. Criticas a consequencia e defendes a causa.

Responder

Falhou, Falhou, o retorno: A campanha de Serra na rede | Maria Frô

28 de agosto de 2010 às 13h39

[…] tem o artigo de Elio Gaspari sobre Dulce Maia que ignorou a história. Mas nenhuma linha sobre a resposta de Dulce Maia publicada no Observatório da Imprensa e replicada em diferentes blogs. Não se vê na longa e […]

Responder

Giacomo

02 de agosto de 2010 às 14h27

Estou farto da beatificação em vida destes destrambelhados, que praticaram atos descabelados a serviço de uma utopia totalitária, contribuindo generosamente na oferta de justificativas para a edição do AI-5 pelos gorilas da ditadura.Os democratas, os defensores do estado de direito e da liberdade eram outros. Vamos parar com esta mistificação.

Eu era menino na década de 70 e fui simpatizante de esquerda como muitos, mas era aplicado e estudioso como poucos, e lia muito, me esforçava mesmo.Sei sobejamente o que está escrito no" Que Fazer?" e em todos aquele lixo golpista de Vladimir Ulianov "Lenin". Li os borrões mimeografados onde os grupelhos de ultra esquerda alucinavam "estratégias" e o que escreveram Marighella e Guevara em seus ordinários manuais de terrorismo, e por contraste, isto fortaleceu demais minha crença na democracia, no estado de direito, e na liberdade. E não era isto que esta mescla de totalitários e cabeças-de-vento estavam buscando, em atos quase tão covardes e bisonhos quanto os praticados pelos torturadores do Doi Codi.

Diferença de idéias são necessárias, essenciais à democracia. Mas vamos chamar as coisas pelo nome. Combater a ditadura militar utilizando meios deliberados para seu recrudescimento, delirando que assim se estava criando meios para implantar a ditadura do proletariado, em um enfrentamento pelas armas NÃO é lutar pela democracia. Cometer atentados em embaixadas, assassinar e mutilar NÃO são meios legítimos de luta política.

Responder

Márcio Ap Silva.

01 de julho de 2010 às 22h30

Verdade ou mentira a politica no Brasil ta ficando intolerável, este ano tomei uma decisão em não votar em mais ninguém!!!! Se todos tivessem coragem de fazer o mesmo, eles iriam senti que o povo brasileiro estaria ficando inteligente.

Responder

Andelmo Zarzur

20 de junho de 2010 às 23h31

Caro Azenha, se não fosse este blog e conversa afiada e luis nassif, creio que dificilmente toaria conhecimento de tamanha barbarie, ocorre, que ja recebi mensagem com a materia desse psundo jornalista, pergunto, deve haver alguma maneira de acionar a justiça, principalmente este promotor ou juiz, que tirou ou vai tirar o blog amigos do presidente do ar; Deve haver alguma maneira de acionar na justiça aquele que lançou na web bem como aqueles que divulgam, creio ser impossivel acionar todos os envolvidos, mas aqueles que forem identificados irão servir de exemplos aos demais nazistas que fazem uso dessas barbaries.

Responder

Ariston Cardoso

20 de junho de 2010 às 19h54

Não posso nem devo condenar, tampouco elogiar a quem quer que seja com relação ao assunto, mas venho acompanhando o que tem dito o PHA cujo teor jamais foi contestado à não ser uma desculpa indevida que ele pediu à um seu desafeto jornalista que nos afrontou com matérias defecadas pela mente e que depois desse pedido de desculpa, a opinião pública condenou o PHA pelo inpensado ato. Credibilidade profissional não se adquire através do poder de exercício da atividade e sim através da moral e da dignidade que vem de berço

Responder

PLACIDO FIGUEIRA

20 de junho de 2010 às 19h07

Perdão Xabier, este jornal não deve ser usado no WC. Você pode ficar altamente contaminado. Melhor nem chegar perto.

Responder

ricardo silveira

20 de junho de 2010 às 19h00

Quem desses velhos jornalistas que fazem a Folha de São Paulo, hoje, não é mau caráter? Pode ser que tenha algum, mas quem? Nenhum jornal é feito pelo dono do Jornal.

Responder

Xabier

20 de junho de 2010 às 18h48

Já sabem onde encontrar a Folha de S. Paulo. No WC Não dá para não usar…!

Responder

    Farabundo

    20 de junho de 2010 às 19h21

    Eu não contaminaria minhas fezes com aquele papel imundo da Folha.

Mateus de Campos

20 de junho de 2010 às 16h44

Concordo com os comentarista o jornalista Elio, esta no lugar correto, jornal folha de SP, um dos membros do PIG,

Responder

Valdete Lima

20 de junho de 2010 às 15h37

Caríssimo Azenha, você é 10+
Excelente jornalista que é, nos abastece do melhor que está acontecendo neste momento histórico do Brasil. O coronelato, a direita fascista, com certeza será banida do Brasil através de blogs como o seu.
A única coisa que tenho a dizer no momento, é que o Pig dá uma sorte enorme: o Lula não é o Chavez!

Responder

Jairo_Beraldo

20 de junho de 2010 às 14h57

De um tempo pra cá, acompanhar a política passou a ser um exercício de rotina e mesmísse interminável, onde quase tudo é uma repetição do que já vimos ou lemos, ou um amontoado absurdo de mentira e descaramento.Sem entrar no mérito de quem mente mais ou menos, ao dar uma espiada no site dos DEMos, é quase impossível não rir.Aquele riso amarelo de quem pensa "quem eles acham que convencem?".A primeira coisa é o slogan do partido. "A força das novas idéias".Que novas idéias? Aquelas que os pioneiros do partido, que já teve muitos outros nomes, mas sempre a mesma ideologia usaram quando apoiavam descaradamente a ditadura?

Responder

Elio Gaspari transformou Dulce Maia em Dilma Rousseff | Conversa Afiada

20 de junho de 2010 às 11h28

[…] dignos como Carlos Lamarca, Onofre Pinto, Diógenes de Oliveira e Aloysio Nunes Ferreira. (Clique aqui para ler a […]

Responder

Hélio Jacinto

20 de junho de 2010 às 11h58

Elio Gaspari, só poderia ser Jornalista ligado a Folha e ao Globo, do contrário já teria sido demitido por falsear a verdade.

Responder

    Jairo_Beraldo

    20 de junho de 2010 às 14h44

    Mas é exatamente isso que o faz "grande jornalista".

mac

20 de junho de 2010 às 09h01

O quintal de Tio Sam
México é o pior país da América Latina para jornalistas
Em dez anos, 61 profissionais foram assassinados e 10 estão desaparecidos no país; ONG denuncia impunidade http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/mexico+e+o+p

Responder

    José Pedro

    21 de junho de 2010 às 01h41

    OOOooohhh…… mac,
    Será que lá no México, não estão fazendo a justiça na informação ???.
    Não seria ruim se aqui, alguém tomasse alguma atitude para restabelecer as verdades na informação.
    Brincadeirinha….. pessoal……. Foi só uma ideia.

    Juliana

    29 de agosto de 2010 às 11h32

    Mac: O México não faz parte da América Latina. E sim, da América do Norte.

    Conceição Lemes

    29 de agosto de 2010 às 12h55

    Juliana, o continente americano é dividido em três Américas: do Norte, Central e do Sul. Canadá, Estados Unidos e México fazem parte da América do Norte. É uma divisão geográfica. Porém, o México é considerado, sim, um país da América Latina em função da língua,origem, cultura. abs

Nelson

20 de junho de 2010 às 04h28

Houve um tempo em que eu até lia com certa freqüência o Sr Elio Gaspari; ele escreveu muitas coisas conseqüentes. Porém, acabei desistindo, pois acabou degringolando de uma forma inexorável, parece. Mas, uma característica marcante, e irritante, no Gaspari, que ele nunca conseguiu esconder, é a sua admiração basbaque, quase cega, a tudo que venha do grande país do norte, os EUA.

Responder

luis

20 de junho de 2010 às 02h26

Ah, cabos anselmos…

Responder

Malu

20 de junho de 2010 às 00h46

Gente, vamos no raso; de onde menos se espera, daí é que não vem! mesmo!!

Responder

Conceição

19 de junho de 2010 às 20h29

Acredito que o elio gaspari sabia perfeitamente que não se tratava de DILMA ROUSSEFF. Como sempre eles precisam prestar serviço. Li em um blog que alguem criticava e desmentia boa parte das histórias que o gaspari colocou nos seus livros. Intuição é uma boa proteção, não gastei um tostão com as obras dele.
Outra criatura realmente revoltante é o tal de augusto nunes, está merecendo um processo por danos morais e difamação. Ele escreve coisas absurdas e ofensivas sobre a DILMA. E é seguido por alguns zumbis que reforçam o que ele escreve. Creio que a maioria dos comentários são escritos por ele mesmo. Espero que ele seja processado. E a veja também.

Responder

    LUIZ

    20 de junho de 2010 às 12h26

    O QUE ELE FEZ FOI UM CRIME.
    LUGAR DE BANDIDO É NA CADEIA.
    CADEIA!
    CADEIA!
    CADEIA!

isaac

19 de junho de 2010 às 23h21

Não quero nem conversa com um cara que tem linha direta com as coisas do outro "lado" . Vai que ele manda um email pro "coisa" mandando eu mudar de lado.

Responder

    Jairo_Beraldo

    20 de junho de 2010 às 14h45

    Reza o Credo, Isaac!

Bonifa

19 de junho de 2010 às 23h15

"Chama atenção, também, o silêncio de Elio Gaspari sobre o uso indevido de seu texto. Nunca li qualquer manifestação do articulista refutando o uso de seu nome em páginas que emporcalham a internet com mentiras sobre minha pessoa." Existe um adjetivo apropriado para o Gaspari e seu conveniente silêncio. Tem sete letras e começa com CAN…

Responder

    Jairo_Beraldo

    20 de junho de 2010 às 14h46

    …e termina com alha…

Maria Helena

19 de junho de 2010 às 22h57

Parabéns a todos, à Dulce, ao blog Azenha, etc por desmascarar mais uma mentira dessa direita nojenta. A Dilma também deveria processar esse canalha e a folha mentirosa.

Responder

    Jairo_Beraldo

    20 de junho de 2010 às 14h47

    Acho que Dilma vai fazer coisa mais apropriada, quando estiver presidenta!

Pedro Cruz

19 de junho de 2010 às 22h11

Como todo direitista é covarde, mentiroso. Aja estômago para aguentar tamanho veneno. Só agem no escuro, escondidos. São vermes. Será que no SINDICATO DOS JORNALISTA só tem gente deste calibre???Por que não fazem nada contra ESSES PULHAS QUE SE DIZEM JORNALISTAS???

Responder

Isnard

19 de junho de 2010 às 22h06

Que coisa mais lamentável.Que tristeza absoluta!!! Dulce, meu abraço fraterno nesse momento ….
É só o que consigo manifestar.

Responder

A. S. Braga

19 de junho de 2010 às 20h42

Chamar o elinho gasparinho de jornalista é me ofender e ofender os VERDADEIROS JORNALISTAS. elio gáspari é filhote da ditadura e escrevinhador medíocre. A.S.BRAGA.

Responder

    Caio Higa

    20 de junho de 2010 às 03h56

    Escrevinhador não! Escrevinhador é o site do Rodrigo Vianna! O Gaspari é um digitador! Digita o que mandam!

Nelson Menezes

19 de junho de 2010 às 20h03

Tenho três dos livros de Elio Gaspari, sobre o perildo da ditadura, só lamento ter perdido meu tempo, depois do autor ter caluniado de forma grotesca a ex Ministra Dilma,isto fez com que eu perdesse toda a credibilidade no que ele escreveu ou por ventura virá a escrever,já retirei estes livro da minha estante e vou incinera-lo.

Responder

    Feliciano

    20 de junho de 2010 às 00h21

    Sugestão: use os livros do sujeito para iniciar uma bela fogueira de São João…

    Ricardo Lima Vieira

    20 de junho de 2010 às 01h05

    Poxa… Eu tenho quatro (o "kit" ditadura"). Li todos, e está para ser lançado o quinto… Bem, não sei se chegarei ao ponto de retirá-los de minha estante e incinerá-los, porém, o "quinto", este vai para os…

isaac

19 de junho de 2010 às 19h01

O mal do Gaspari é achar que sabe mais do que sabe!!!!!

Responder

    Jairo_Beraldo

    20 de junho de 2010 às 14h48

    Na verdade, é um moleque de recados!

Dario S. Vaz

19 de junho de 2010 às 18h22

Agora que o STF acabou com a exigência do curso de jornalismo para exercer a profissão, parece que o requisito para se trabalhar na Folha de São Paulo é ser mau caráter.

Responder

geniberto campos

19 de junho de 2010 às 18h21

companheira Dulce Maia,
belo texto, com indignação e decência na exata medida.
fraterno abraço,
geniberto

Responder

dalva godoy coelho

19 de junho de 2010 às 18h02

Quem esteve ao lado da ditadura e trabalhando paras os militares, não merece nenhum respeito de nenhum de nós brasileiros, é so ver para quem ele trabalha para ao inves de sentir raiva ou nojo dele, devemos ter piedade e muita pena de pessoas como esse helio gaspari, com certeza ele é uma pessoa que não pode ser feliz, então vamos ter pena e dó dessa coisa que so faz peso na terra.

Responder

O Brasileiro

19 de junho de 2010 às 18h01

Chegará o dia em que será esmagada a memória dos torturadores e assassinos da ditadura brasileira.
A "vingança" não será física, será moral.
E não sobrará Folha sobre Folha, nem Globo sobre Globo, nem Estado sobre Estado, nem Veja sobre Veja!
Haverá novos golpistas (Ig, Uol, Terra), mas os antigos serão lembrados por seus crimes de acobertamento!

Responder

    Marat

    19 de junho de 2010 às 21h44

    Não haverá folha sobre folha… muito bom… apenas gastos inúteis de papel e tinta, para servir apenas para recolher fezes de cãezinhos… para alguma coisa, ao menos, a Folha serve…

Remindo Sauim

19 de junho de 2010 às 17h43

Ele é da turminha da Veja, ela já fazia estas barbaridades no tempo dele, só que a gente não não tinha a web para o contraponto.

Responder

    Marat

    19 de junho de 2010 às 21h45

    O Gaspari até que escreve bem, mas, de uns anos para cá, deu uma guinada vergonhosa para a direita… por que $$erá?

Carlos.

19 de junho de 2010 às 17h22

Estamos sempre às voltas com o PIG e tanto já gritaram "Lobo! Lobo!" que a gente já não leva mais a sério. Mas o que me preocupa é que imprensa é uma coisa importante para a sociedade e a sociedade está num verdadeiro mato sem cachorro com a imprensa que temos. O tal de "quarto poder" está sob ditadura porque o que temos fazendo as vezes de "quarto poder" é um grupelho de gente desclassificada que utiliza a imprensa para fazer futrica em proveito próprio; esta gente não tem pudor em deturpar, em distorcer, omitir ou até mesmo em mentir em páginas impressas.

A imprensa é importante numa sociedade, mas isso, este lixo que temos hoje é um verdadeiro desserviço ao Brasil.

Responder

marcelopudim

19 de junho de 2010 às 17h13

Nova Obra so Sr. Gaspari sobre sua experiencia na Ditaduta:
Vol .4- A Ditadura Imaculada ou senao a Ditadura apaixonada.

Responder

@faltorpan

19 de junho de 2010 às 16h31

O difícil de se manter na esquerda é a inevitabilidade de conviver com a direita, sob pena de, negando o direito de manifestação à direita, passar a ser direita também. É o ponto fraco e o ponto forte da esquerda. Comprei e li os livros do Gaspari sobre a ditadura. Até aí, morreu Neves. Li todos os volumes com a mesma postura crítica que todos devemos ter, eu acredito, em relação a qualquer texto. Ler Gaspari, Marx ou Hitler não é problema. Lê-los com crítica diferente é outro problema. Depois de lê-los com honestidade intelectual, cada um de nós pode assumir a posição que quiser. Mas ler um lado só da história, ou ler os dois lados com "parti pris", é criticar a Folha agindo igual a ela. A rede de fortes interesses envolvida nestas próximas eleições presidenciais exige de todos, também segundo minha opinião pessoal, o máximo de liberdade de espírito e o máximo de rigor crítico. Não quero contribuir para perpetuar os graves erros que pavimentaram nosso passado colonial. Não me alinho com o velho modelo de pequenos interesses de classe subjugando o interesse da coletividade. A propósito, depois de ler os dois lados, acho um puta absurdo a acusação sem provas feita pelo Gaspari. E acho também um absurdo de igual porte achar a resistência francesa ótima, mas a resistência brasileira criminosa.

Responder

    dukrai

    19 de junho de 2010 às 20h53

    não dá pra ler os dois lados, se um dos lados mente, omite, denigre, difama, calunia e tripudia, senão daqui a pouco vou ter que ler Mein Kampf.
    Ainda sou assinante da Falha de sp/UrinOL até 3 de outubro pra saber dos factóides do inimigo. só.

    Marat

    19 de junho de 2010 às 21h47

    Esqueceu-se de citar Adam Smith… afinal de contas, Marx e Hitler são diametralmente opostos… melhor de se comparar a Hitler seria o Bush, mas, ia me esquecendo, ignorantes, estúpidos e burros ao extremo não têm capacidade para escreverlivros, apenas para fazer guerras…

Antonio

19 de junho de 2010 às 16h22

Sra Dulce, essa é mais uma face da tentativa de Golpe dos Desesperados. Faça-os pagar até o último centavo. Eles não valem o que defecam. Dilma também pode processar essa pérola viva daquilo que aqui no Brasil chamam de Imprensa – explico: esses cadernos que aqui no Brasil chamam de imprensa, nada mais são do que peças publicitárias grotescas da direita brasileira.

Responder

duar te

19 de junho de 2010 às 12h54

Deste jeito vai faltar circo para tanto palhaço….

Responder

    Jairo_Beraldo

    19 de junho de 2010 às 17h12

    No judiciario, não tem palhaço…tem risíveis!

    Marat

    19 de junho de 2010 às 21h48

    Falta circo mas sobram concessões públicas… esse é o cancro a ser extirpado!

Jésus Araújo

19 de junho de 2010 às 11h44

O sr. Élio Gaspari tem história, integrou o Governo Geisel. Daí…

Responder

    Jairo_Beraldo

    19 de junho de 2010 às 12h42

    Daí é golpista!

    Nelson Menezes

    20 de junho de 2010 às 21h32

    Este Jairo é um barato!

américo

19 de junho de 2010 às 11h01

O senhor gaspari, autor de volumosa obra sobre a ditadura, escreveu um novo volume,
o quinto, ou poderemos dizer a sua quinta… coluna, cometeu "aberratio ictus' .
Mesmo assim, podemos dizer que "acta simulata substantiam veritatis mutare non possunt",
ele élio cometeu calunia, pois, "calumniare est falsa crimina intendere".
E o folhão???
O folhão continua o mesmo, ou a mesma, pois "ex nihilo nihil".
Perdão leitores pelo pedantismo, mas mesmo não sendo
do ramo do direito me obriguei a usar expressões jurídicas latinas
para melhor situar a questão.
Parabéns Dulce Maia somos solidários a sua luta contra os sacripantas.

Abaixo tradução das expressões usadas:

Aberratio ictus:
Erro de alvo, erro do golpe, desvio do alvo. Ocorre quando o agente não atinge a pessoa visada, mas, acidentalmente, uma terceira. É o erro de alvo. ato que, dirigido a alguém, atinge indiretamente a terceiro.

Acta simulata substantiam veritatis mutare non possunt:
Os atos simulados não podem mudar a substância da verdade.

Calumniare est falsa crimina intendere:
Caluniar é imputar crimes falsos.

"ex nihilo nihil"
Do nada, nada. Nada pode vir do nada

Responder

Emilia

19 de junho de 2010 às 09h42

Lula e Dilma são pânico para os viúvos da ditadura, que estão mais vivos que nunca.

Responder

Lee Santos

19 de junho de 2010 às 12h33

Como costuma dizer o PHA sobre o Gaspari…ele usa muitos chapéus.

Responder

Marat

19 de junho de 2010 às 09h02

O mais estranho é que um jornal morto ataca a uma mulher viva como se ela não existisse. Aquela imagem postada na página do PHA é perfeita: Folha: não deu para ler… Perfeeita!
FSP se transformou num sórdido e asqueroso panfleto da caquética direita reacionária e fascista de SP. Pena que os penas-pagas se rebaixam ao nível de digitadores do patrão!

Responder

    Jairo_Beraldo

    19 de junho de 2010 às 10h33

    E como diz PHA, no "PIG é o único lugar do mundo que empregado chama patrão de colega!"

Beto Crispim - BH

19 de junho de 2010 às 08h59

Até tú Gaspari?

Responder

@rldigital

19 de junho de 2010 às 06h58

A principal tarefa da esquerda no mundo é derrotar a velha mídia, que está a serviço do capital financeiro internacional.

Responder

nancy lima

19 de junho de 2010 às 06h30

não duvidem nada de gente da direita,golpes rasteiros é especialidades deles massss agora temos a nossa arma e olha só como ela é poderosa!viva o azenha e o vi o mundo!

Responder

Rezende

19 de junho de 2010 às 02h34

Gente, não vamos crucificar o rapaz. Afinal, como lembra a própria Dulce, ele teve só 40 anos pra apurar a história…

Responder

    Marat

    19 de junho de 2010 às 21h50

    Rsrsrsrsrsrsrsrsrs – espetacular… afinal de contas, para um Gasparzinho, 40 anos não são nada, se comparados à eternidade – rsrsrsrsrs

    Marat

    19 de junho de 2010 às 21h50

    Rezende, vc pegou pesado… me faz pensar, será que Gasparzinho está senil??????????????????

V

19 de junho de 2010 às 01h34

Elio Gaspari tem duas fontes importantes: seus botões e seu umbigo.

Responder

A.L.Mirri

19 de junho de 2010 às 00h49

Élio Gáspari é uma grande farsa.

Responder

SérgioFerraz

19 de junho de 2010 às 00h08

Concordo com um comentário postado:

O PIG e seus colunistas já não são um grupo jornalístico, são um grupo de criminosos.

Responder

Sergio

18 de junho de 2010 às 22h58

Fui um dos que adquiriram os livros de Gaspari sobre a ditadura. Se arrependimento matasse…

Responder

    druida

    19 de junho de 2010 às 05h45

    Sergio tem razão — sabe-se lá quantos outros erros grotescos como esse podem existir nesses livros…

    Jairo_Beraldo

    19 de junho de 2010 às 10h35

    Se voce vender ele por quilo é caro!

    Marat

    19 de junho de 2010 às 21h52

    É bom saber das idéias dos direitistas, até para termos munição para rebatermos seusi "ideais"…

antonio matarazzo

18 de junho de 2010 às 22h44

Parabéns, Dulce Maia!

A Extrema-Direita, agora representada pelo DEM e Psdb são como era a Catilina. Ou Catilina estaria mais para Serra, sei lá… Ou talvez os dois sejam uma só pessoa, Serra e o PIG…

Por via das dúvidas, uma mantra para a Dilma rezar, assim que voltar da Europa onde já se porta como nossa orgulhosa futura Presidenta do Brasil…

ORAÇÃO I DE CÍCERO CONTRA L. CATILINA
Esta oração foi pronunciada no dia 8 de novembro do ano 63 A.C.

ATÉ QUANDO, CATILINA,
abusarás de nossa paciência?
Quanto zombará de nós ainda esse teu atrevimento?
Onde vai dar tua desenfreada insolência?
É possível que nenhum abalo te façam nem as sentinelas noturnas do Palatino, nem as vigias da cidade, nem o temor do povo…
Julgas que algum de nós ignora o que obraste na noite próxima e na antecedente, onde estiveste, a quem convocaste, que resolução tomaste?

e nós devemos sofrer a Catilina, que com mortes e incêndios quer assolar o mundo?
Passo em silêncio aqueles antiquíssimos exemplos, de quando C. Servílio Ahala matou com sua própria mão a Spúrio Melo, que procurava introduzir novidade.
Houve antigamente na República esta fortaleza de reprimirem homens de valor com os mais severos castigos seja ao cidadão pernicioso que ao cruelíssimo inimigo.

E Catilina tentou matar Cícero.
Recorda-te enfim comigo desta última noite, e conhecerás que com maior cuidado velo eu para o bem da República do que tu para a sua destruição.
Digo, pois, que foste na primeira noite pelos Falcários para casa de Marco Leca (hei-de falar claro) onde concorreram muitos sócios da mesma loucura e perversidade;
atrever-te-ás porventura a negá-lo?
porque te calas?
se ò negares convencer-te-ei;
pois aqui estou vendo no Senado alguns que estiveram contigo.
Deuses imortais!
onde estamos?
que República temos?
em que cidade vivemos?
Aqui, aqui, Padres Conscritos, entre nós, neste gravíssimo e santíssimo Conselho do Mundo, estão os que meditam a minha ruína, a de todos nós, a desta cidade [DO BRASIL] e do universo.

Responder

Carlos Marques

19 de junho de 2010 às 01h07

Já fui assinante da Veja e da FSP, depois passei a lê-los esporadicamente, e agora nem isso faço, porque esses órgãos de imprensa decaíram completamente para mim em matéria de credibilidade. Do mesmo modo, tenho sido leitor habitual de Elio Gaspari no jornal Correio do Povo, de Porto Alegre. Melancolicamente, constato que o jornalista também está com sua credibilidade em pleno processo de erosão, o que leva inevitavelmente à perda de leitores.

Responder

    Marat

    19 de junho de 2010 às 21h53

    Carlos, não compro FSP. Quando alguém compra ou me oferece, tapo o nariz e dou uma lidinha, para ver a quantas anda o "pensamento" da direita e da extrema direita… além do mais, há um cara lúcido na Folha: José Simão…

Sylvia Tigre

18 de junho de 2010 às 19h42

Parabéns,Dulce,por ontem e por hoje.Também sou pré-64;não fui militante muito ativa,pois à época tinha uma filha com
três meses de vida.Mas participei no que pude,como ajudar companheiros a fugirem ou se esconderem,por exemplo,dis-
tribuir panfletos,etc.

Responder

    Marat

    19 de junho de 2010 às 21h54

    Sylvia, parabéns a todos vcs que combateram a ditadura e tentaram evitar a tragédia que nos afeta até hoje!

mário chimanovitch

18 de junho de 2010 às 19h35

Não morro de amores pela esquerda e muito menos ainda pela ultra-esquerda. Se pudesse teria pegado em armas para combater o terrorismo e a tal "luta armada". Todavia não posso compactuar com uma mentira publicada por jornalista do calibre do senhor Hélio Gaspari, sujeito extremamente arrogante de um ponto de vista intelectual. Pior ainda ó próprio jornal, A Folha, em que escreve, tentar mascarar a verdade. Justa portanto a sentença do honorável magistrado que julgou a causa .

Responder

    Marat

    19 de junho de 2010 às 21h57

    Mário, admiro pessoas como você. Podemos divergir no campo das idéias em alguns aspectos, mas ser honesto é muito importante no embate político…

    Marat

    19 de junho de 2010 às 21h58

    Destaco que, pegaríamos em armas em lados opostos, porém, o combate seria leal…

laura

18 de junho de 2010 às 19h16

Grande Dulce Maia. Que belo e digno texto!

Responder

carmen silvia

18 de junho de 2010 às 19h03

.Se a mentira já tinha pernas curtas antes da blogosfera agora está com as pernas amputadas,só não entendo uma coisa, será que essa gente dos jornalões padecem de algum tipo de bloquei que não lhes permite ver o quanto suas táticas estão em desacordo com a realidade?Seria isso algum tipo de esquizofrenia ou canalhisse em níveis patológicas?

Responder

Marcius Cortez

18 de junho de 2010 às 18h53

O sr.Elio Gaspari é leviano. Porém, mais leviano é o veículo que publica o que ele escreve. Estou me referindo a Folha de S.Paulo, o jornal que emprestava os seus carros para a tortura.Fui um dos presos políticos a pegar uma dessas infames caronas.De lá para cá, muito tempo já se passou,contudo, há um componente que permanece imutável, como se fosse algo de nascença no caráter dos Frias e do Gaspari, o seu monstruoso cinismo.

Responder

    Marat

    19 de junho de 2010 às 22h01

    Marcius, o que é deles está guardado!

Jairo_Beraldo

18 de junho de 2010 às 17h43

Quem vai colocar um freio nas manipulações canalhas do PIG e seus colonistas?

Responder

    Marat

    19 de junho de 2010 às 22h01

    Eu já fiz pessoas deixarem de assinar veja e fsp… se cada um de nós fizer um pouco… no longo prazo nós minamos essa macacada…

    Marat

    19 de junho de 2010 às 22h03

    Uma vez estava num café e vi que um direitista escreveu a caneta sua opinião contra um cara progressista, no jornal, pasme, folha de São Paulo… a partir daí, toda vez que tomo um café e ali tem um jornal, escrevo minha opinião logo abaixo da opinião daqueles ditadores da pena paga…

Christie Temporim

18 de junho de 2010 às 17h36

Salsi, fufu, como diria o Sérgio Mallandro. A Folha anda metendo os pés pelas mãos, aposto que quado é acionada judicialmente assim tem gente que fica achando que é coisa de Chavistas contra a liberdade de imprensa. Sou a favor da liberdade de expressão, para dizer a verdade e sem subterfúgios nenhuns. Isso de falar que é imparcial e ser PSDBista, ou DEMocrata é coisa de quem não tem nenhum vestígio de ética.Salsi, fufu, como diria o Sérgio Mallandro. A Folha anda metendo os pés pelas mãos, aposto que quado é acionada judicialmente assim tem gente que fica achando que é coisa de Chavistas contra a liberdade de imprensa. Sou a favor da liberdade de expressão, para dizer a verdade e sem subterfúgios nenhuns. Isso de falar que é imparcial e ser PSDBista, ou DEMocrata é coisa de quem não tem nenhum vestígio de ética.

Responder

Leider_Lincoln

18 de junho de 2010 às 16h09

O nível de mentira, manipulação e safadeza a que chegou a Folha ultrapassou o do bom senso mais elementar e chegou ao crime. Não é mais um grupo jornalístico:é agora, grupo criminoso. E muitos dos funcionários deixaram de ser jornalistas para se verem convertidos em capangas. Nojentos.

Responder

    Jairo_Beraldo

    18 de junho de 2010 às 17h45

    O PIG sempre foi uma quadrilha organizada. Agora, que temos blogs que fazem jornalismo, temos a noção do quanto eu e minha geração fomos enganados.

    ana cruz

    19 de junho de 2010 às 08h56

    São os corvos a lá carlosLacerda.
    Getulio Vargas por causa da PETROBRAS, Leis trabalhistas, CSN, etc foi levado ao suicidio.

    Marat

    19 de junho de 2010 às 22h05

    Beraldo, minhas cartas só eram publicadas pela Folha da Tarde… na rádio CBN, nunca comentavam minhas opiniões. Apenas as dos extremistas da direita!

dukrai

18 de junho de 2010 às 16h08

A minha admiração por você, Dulce Maia, pela sua coragem em defesa da nação conspurcada pela ditadura e, ainda hoje, lutando com garra contra os detratores criminosos.

Responder

Leirton Leite

18 de junho de 2010 às 15h58

E eu que pensava que o tal jornalista era(era?) sério. Pelo visto não escapa quase ninguem.
Parabéns a Dulce Maia e Azenha.

Responder

Ed.

18 de junho de 2010 às 15h02

Azenha, vc que é do meio, gostaria de sugerir que campanha do horário eleitoral de Dilma tenha inserções sobre todos os factóides montados pelo PIG e seu desmascaramento: Ex: estes artigos de Gaspari e outros, versus o depoimento pessoal da própria Dulce Maia, além dos eventuais resultados judiciais.
As pessoas precisam tomar conhecimento claro destas campanhas, (muito bem definidas por alguém) que usam a tática de "ROUBAR A CARTEIRA E GRITAR PEGA LADRÃO!", já comuns no PIG e campanha demotucana.

Responder

    Antonio Silva

    19 de junho de 2010 às 01h35

    O Azenha deveria procurar um sócio estrangeiro e produzir a partir de 2011 um documentário relatando todas as tucanagens destes tenebrosos tempos .(SERIA SUCESSO MUNDIAL)
    Este documentário poderia ter depoimentos do Brizola Neto relatando sobre a fraude Proconsult , o Amaury Ribeiro denunciando tucanagens nas privatarias, e fechando com chave de ouro, um bombástico depoimento do ex Presidente e líder político mundial Luiz Inácio Lula da Silva relatando sobre a degenerada cobertura jornalística do seu governo .

    Marat

    19 de junho de 2010 às 22h06

    ótima idéia…, mas, cuidado – os malacos do PSDB/PFL poderão dizer, desde já que se trata de um dossiê – rsrsrs

graciliano

18 de junho de 2010 às 14h56

A única coisa é repetir: a direita brasileira (a midiática à frente) não é nada mais "civilizada" que a de Honduras, da Bolívia ou da Venezuela. Mentir é seu instrumento de ação mais usual. Não há escrúpulos e, na maioria dos casos, o crime compensa, pois a direita (especialmente a midiática, o PIG, o Partido da Dona Judith) é inimputável. Conta com a tolerância, quando não conivência de parte do Judiciário.
A sra. Dulce Maia presta grande serviço ao país e à Democracia, ao denunciar à Justiça e trazer a público o atentado do quel tem sido vítima, um verdadeiro ato de terrorismo midiático.

Responder

    Marat

    19 de junho de 2010 às 22h07

    Assino embaixo…

william porto

18 de junho de 2010 às 14h48

Olha, Dulce, sem duvida Eremildo, o idiota, esta assessorando Gaspari e a midia fascista. Mentem, caluniam, difamam… E querem aparecer como paladinos da imprensa livre, Dulce Maia voce e uma referencia de dinidade, essa cambada de mentirosos vai para o lixo da historia, Vai dar Dilma ba cabeca. E priu.

Responder

Milton Hayek

18 de junho de 2010 às 14h41

Cada vez admiro mais sua integridade,Azenha.Precisamos combater,sempre,as mentiras.

Responder

Carlos

18 de junho de 2010 às 17h33

"A esses erros elementares de apuração, deve se somar a relutância da Folha de S.Paulo em restabelecer a verdade. Em nenhum momento, o ombudsman do jornal veio a público para tratar do assunto. O pedido de desculpas de Gaspari foi mera formalidade, sem delicadeza alguma. Sinal mais evidente do descaso do jornal foi a demora na publicação de carta de Sérgio Ferro, onde refutava categoricamente que eu tivesse participado daquela ação armada. A carta só foi publicada dois dias depois de ser divulgada no blog do jornalista Luis Nassif."

"Chama atenção, também, o silêncio de Elio Gaspari sobre o uso indevido de seu texto. Nunca li qualquer manifestação do articulista refutando o uso de seu nome em páginas que emporcalham a internet com mentiras sobre minha pessoa."

E o Janio de Freitas também é só silêncio…

Responder

    kodaly

    18 de junho de 2010 às 22h21

    Sempre desconfiei desses dois articulistas, embora gostasse de lê-los, porém achava os bem informados demais, é intimidade de demais com os porões.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!