VIOMUNDO

Diário da Resistência


Eliara Santana: Pauta moral e fake news sustentam guerra cultural do governo Bolsonaro para “distrair” a população
Você escreve

Eliara Santana: Pauta moral e fake news sustentam guerra cultural do governo Bolsonaro para “distrair” a população


12/05/2019 - 19h42

por Eliara Santana, especial para o Viomundo

Nos últimos dias, a montagem acima e diversas outras na mesma linha têm circulado intensamente nas mídias sociais e nos grupos de whatsapp da família brasileira e ocupado o centro do debate nacional.

Todas elas, com muita repercussão, se propõem a “revelar” para a população uma suposta realidade que ocorre nas universidades públicas federais.

Essas novas mensagens, cujo alvo momentâneo é a educação pública brasileira, ilustram e sintetizam muito bem as estratégias do modo de governo Bolsonaro: usar distrações chamativas para deslocar o debate público das questões realmente essenciais ao bom funcionamento do país.

Em resumo, a estratégia da guerra cultural, conceito em voga que tem origem nos EUA em meados da década de 1960, é o modus operandi do atual governo.

Como não há propostas sérias e efetivas para tirar o país da enorme crise em que está, é preciso cultivar um ambiente bélico, polarizado, de disputa extrema constante, para distrair a sociedade e, sobretudo, minar as reações.

Na guerra cultural mantida pelo governo Bolsonaro, temas como saúde, educação, desemprego, crise econômica são mantidos longe do debate e/ou reconfigurados para a opinião pública, colocados em novos quadros pincelados com as cores do moralismo.

Por exemplo, a educação passa a ser discutida sob o viés da “depravação” e da “orgia” que ocorrem nas universidades. Ou da “doutrinação” dos professores.

E apesar dos temas aparentemente lunáticos que surgem e emolduram o debate, a guerra cultural do governo Bolsonaro tem estratégias bem desenvolvidas para enviesar o debate e distrair a população.

PAUTA MORAL E FAKE NEWS 

Nessa guerra cultural versão Bolsonaro, há dois substratos ou bases essenciais que fundamentam e sustentam as estratégias desenvolvidas .

O primeiro é a pauta moral, que se coloca como pano de fundo de todas as questões relativas ao país – seja educação, saúde ou ciência, Deus e a família estão acima de tudo.

Dessa forma, buscando eco no conservadorismo que existe em parte da sociedade brasileira, os temas urgentes são colocados nesse quadro ou simplesmente desaparecem.

A ministra da Família fala que Elsa, a princesa da animação Frozen, vive sozinha no castelo porque é lésbica.

Enquanto muitos riem de mais uma “loucura” de Damares, sua fala aciona a memória discursiva dos grupos conservadores em direção ao “perigo” que representa para a formação de meninas/mulheres.

Consequentemente, assuntos essenciais para o universo feminino, como feminicídio ou reprodução, não estarão em pauta.

Antes da fala da ministra, vale lembrar, o governo vetou o uso da expressão “violência obstétrica”.

Repito: interditou o uso da expressão, pois as palavras importam, têm peso e orientam as percepções.

A agenda moral, portanto, coloca em cena assuntos aparentemente deslocados, mas que operam, a partir das estratégias discursivas e de produção de sentido para induzirem as pessoas a acreditarem em situações improváveis (alunos de universidades federais que ficam todo o tempo apenas fumando maconha pelados, feministas que destroem a família, orgias gay nas escolas) e deixarem de lado problemas reais (a destruição da Previdência que o governo Bolsonaro quer implementar vai penalizar ferozmente todos os brasileiros, o desemprego ultrapassou a casa dos 13 milhões de pessoas).

E para que isso se efetive, o outro substrato da guerra é a proliferação de desinformação e informação falsa com a disseminação em série de fake news.

O ritmo e a estratégia de campanha continuam, e as notícias deliberadamente falsas continuam a ser disseminadas.

Engana-se muito quem ainda coloca as fake news no mesmo rol de boatos, que sempre existiram. Elas não são. No Brasil, sobretudo a partir das últimas eleições, as fake new são produções deliberadamente e profissionalmente estruturadas para disseminar desinformação da pior espécie.

OS FRONTS DA GUERRA CULTURAL DO GOVERNO 

Além dos substratos da base do modus operandi do governo Bolsonaro, a guerra cultural atua em três fronts principais:

1. PROPAGANDA: Entendida como um uso estratégico da comunicação e da informação no sentido moldar a opinião pública, a propaganda é essencial para buscar certo consenso em momentos de crise aguda.

Como a economia não deslancha (e não vai deslanchar), o desemprego é assustador e as pessoas sentem no bolso a falta de perspectivas reais, a propaganda alicerçada pela pauta moral é fundamental para “organizar as massas” e mantê-las excitadas e raivosas.

E os temas são levados de forma muito palatável, num discurso simples e direto, marcadamente simbólico.

Confusas e sem esperança real, as pessoas talvez não entendam a complexidade do debate em torno da Previdência – o que significa de fato uma “reforma” da Previdência, post que o debate é levado em termos de “mudar para garantir sua aposentadoria”.

Mas entendem muito claramente, posto que a propaganda é efetiva e se apoia em crenças, que “as universidades federais usam dinheiro público para deixar alunos pelados fumando maconha”, como bem ilustram as imagens do começo do artigo.

Alinhavada pela pauta moral e com detalhes arrematados de disseminação de ódio (estratégias discursivas costuradas pelo moralismo e enfeitadas pelo ódio na/à política), essa propaganda diz ao país que a “ideologia de gênero” e a “doutrinação ideológica” destroem jovens e famílias, começando pelo kit gay até chegar à “balbúrdia” das universidades.

Notem, como parte dessa estratégia, que apenas aparecem na mídia sistematicamente os ministros que falam asneiras, que falam em Jesus e goiabeira, fingem fazer conta errada, se mostram humildes e “humanos” (como Damares e Wientraub); os que realmente fazem “maldades”, como Guerra e Moro, com suas pautas de entrega da Petrobras e projetos anticrime, quase nunca se expõem.

Os outros bastam para nos divertirem. E, de fato, nos divertem. Enquanto o país é solapado do outro lado.

Em suma, a propaganda disseminada leva a população a crer, sem qualquer senso crítico, que o país é destruído pela derrocada moral imposta pelos esquerdistas, pelo marxismo cultural misturado com maconha e orgia gay.

A propaganda é alicerçada numa reconstrução deliberadamente mentirosa da realidade e na pauta moral, gerando uma rede de desinformação de enorme alcance.

2. ATAQUE AO CONHECIMENTO: A demonização do conhecimento é uma estratégia sempre utilizada pelos regimes totalitários – não explicitamente dizendo que as instituições de ensino são ruins, mas criando narrativas de que elas se prestam a papéis que não servem à sociedade.

Dessa forma, há ataques deliberados e sistematizados à figura do professor e às instituições federais de ensino.

A imagem que se projeta do professor brasileiro é a daquele que doutrina e que, com seus ensinamentos perniciosos, colocará em risco a família (lembrando que a palavra doutrina é muito cara e presente nas falas dos grupos neopentecostais, está bastante viva nos cultos; a doutrina é a palavra, e ela tem poder, para o bem e para o mal. Portanto, o termo em si já carrega um conjunto amplo de significações).

Em relação às universidades federais, dissemina-se a ideia de que elas são aqueles locais mantidos com dinheiro público que promovem “balbúrdia”, “depravação”, “uso de drogas”.

Como é necessário um contraponto, coloca-se a polarização: nos canais amigos e nas redes sociais, o governo fala que haverá investimento em educação básica e para a formação de profissionais realmente úteis para a sociedade como um todo.

A outra forma de atacar o conhecimento, empregada anteriormente pelas falas do presidente, é a negação da História. É preciso negá-la ou recontá-la de modo mais suave, “comemorando” a “revolução”, e não se falando em ditadura militar.

Negar a história é um movimento importante, pois destrói memória e raízes, mina a cultura nacional e fornece outras narrativas para a população, favorecendo que se ocultem os conflitos com as novas versões mais palatáveis vão sendo apresentadas.

3. DISTRAÇÃO: A todo o momento, assuntos e temas estapafúrdios são lançados por Bolsonaro, seus filhos e alguns de seus ministros especialmente nas redes sociais e mídias digitais, e é um forte combustível da propaganda.

Temas aparentemente periféricos e “malucos” ocupam o debate.

Tudo isso intencionalmente para esconder da população a destruição da Previdência, cortes absurdos nos recursos da educação, sucateamento da saúde (com falta de médicos e de remédios gratuitos), desemprego altíssimo, falta de perspectiva na economia, dilapidação do patrimônio público.

Discurso tem propósito, objetivos e intencionalidade, não é aleatório e opera numa base ideológica, gerando uma rede estável de informação para produzir sentidos.

Por fim, fundamental dizer que a guerra cultural e seus fronts não se sustentam sozinhos, é claro.

Eles se apoiam num elemento construído há mais tempo, o antipetismo, que condensa as formas de ataque à esquerda e às suas pautas correlacionadas.

No momento, o inimigo é a educação pública.

Mas outros virão, para manter o clima bélico, a polarização e escamotear a gravidade da situação em que o Brasil está.

Pois tudo isso se alinha num amplo projeto de poder — em que o grupo atual é apenas um vetor, um instrumento — que vem sendo gestado há bastante tempo e que tem propósitos bem claros de eliminação do projeto de um país independente, como vinha sendo construído.

*Eliara Santana é jornalista, doutoranda em Estudos Linguísticos pela PUC Minas/Capes.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

14 de maio de 2019 às 18h19

9 DE MAIO DE 2019 ÀS 12H10
Ministério Público Federal [MPF]
Procuradoria da República no Rio Grande do Sul
Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão

O Ministério Público Federal, por meio do procurador Regional dos Direitos do Cidadão Enrico Rodrigues de Freitas, em conjunto com o Nuances – Grupo Pela Livre Expressão Sexual, ajuizou Ação Civil Pública [ACP] para que a peça publicitária do Banco do Brasil denominada “Selfie”, que teve sua divulgação censurada pela Presidência da República, seja veiculada conforme original contratação de mídia.

A ACP pede, ainda, que seja pago, a título de dano moral coletivo, valor não inferior a três vezes o valor da campanha publicitária vetada, montante que deverá ser aplicado em campanha de conscientização de enfrentamento ao racismo e à LGBTQfobia e que os valores pagos recaiam na rubrica orçamentária destinada à Comunicação Social da Presidência da República.

Processo TRF4 nº 5027609-94.2019.4.04.7100

íntegra da ACP:
(http://www.mpf.mp.br/rs/atos-e-publicacoes/acp/porto-alegre/acp-5027609-94-2019-4-04.7100)

http://www.mpf.mp.br/rs/sala-de-imprensa/noticias-rs/mpf-ajuiza-acao-para-que-comercial-censurado-do-bb-seja-novamente-veiculado

Responder

Valdez

13 de maio de 2019 às 07h03

Todas citações no texto são fatos,uma pena que há viés ideológico.Ha alunos nas 3° e 4° séries que não sabem fazer conta básica, interpretação de texto,como este seu,nem pensar… sobre contingenciamento de 30% nas UF’s é sobre o excedente investido e que não foram contabilizados,não ficaram disponibilizados,e os responsáveis nas UF’s não explicam o destino dado a este excedente. Para terminar,qdo foi implantado Gramscionismo,método este de revolução cultural na raíz da educação para disseminar direcionamento dirigido e dissimular fatos como li em seu texto,percebo que dispensei meu tempo a toa,o mais do mesmo. O cidadão cansou-se da mesma entoada há anos.

Responder

    Philype

    13 de maio de 2019 às 13h59

    Rapaz, qnta besteira vc disse. Tem q parar de ouvir Olavo de Carvalho e tirar a cabeça do buraco. Acredite existe um mundo aqui fora. Ótimo texto o site esta de parabens!

    Leo F.

    13 de maio de 2019 às 18h08

    Valdez, não se trata de “excedentes investidos e que não foram contabilizamos”.

    Mas sim, de contingenciamento (bloqueio) da verba voltada para despesas discricionárias (não obrigatórias), tais como serviços terceirizados, contas com concessionárias públicas (luz, água, comunicação e etc) além dos investimentos (pesquisas e bolsas associadas).

    Não tem esse papo, de os “responsáveis nas UF’s terem que explicar o destino” de uma verba que sequer está sendo tratada.

    Ele acontece, tanto por expectativa baixa de receitas fiscais, que a União tem para o ano, quanto pela perseguição ideológica mesmo!

    Afinal, o próprio presidente afirmou de viva voz, para a apresentadora da Rede TV, que universidades “formadoras de militantes” teriam um corte severo.

    Pergunta: Que “militantes” estariam sendo formados, se toda faculdade tem alunos contra ou a favor de determinados políticos?

    E quem é Jair Bolsonaro, para determinar quem pode ou não receber verbas, de acordo com a afinidade ideológica que alguns estudantes tenham com o seu governo?

    Isso é ilegal, e como tal, deve ser tratado. Com ou sem “marxismo cultural”, que aliás, estou até hoje procurando esse “ser”, sem encontrá-lo, na universidade onde estudei e atualmente leciono.

Cláudio

13 de maio de 2019 às 04h13

#LulaLivre
#AssangeLivre
#FreeAssange
#Lula2019

Responder

Zé Maria

12 de maio de 2019 às 21h11

Alguns ministros do Jair Bolsonaro, tapados como a Damares,
não têm sequer a perspicácia de falar asneiras para distrair,
porque realmente creem na tolice do que estão falando.

Porém, é inegável a astúcia da Milícia do Guedes, cuja intenção
é mesmo cortar verbas destinadas aos Serviços Gratuitos – como
Saúde e Educação Públicas – e que se aproveita inclusive desses
discursos apocalípticos contra [email protected] que trabalham nesses
Setores Fundamentais à População de Baixa Renda, com quem
o (des)governo não tem a menor consideração.

Os movimentos dessas figuras ministeriais para demonização
de Jovens Estudantes e de Professores, sobretudo mulheres,
também evidenciam que a Pauta é a da desqualificação
do Ensino Gratuito com o intuito de promover Cortes no
Orçamento Público, para logo em seguida instituírem a
cobrança de mensalidades nas Escolas e Universidades,
além de incentivar o apoio ao chamado ‘homeschooling’,
isto é, ao Ensino Domiciliar ou Doméstico, sob exclusiva
responsabilidade dos pais, sem participação do Estado,
o que, se implementado, implicaria em ainda mais
elitização do ensino no Brasil e possível supressão de
conteúdos essenciais ao desenvolvimento humano
e sócio-econômico, que fatalmente destruiria qualquer
Sistema Nacional de Uniformização Pedagógica para
promover o necessário Avanço Científico do País.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.