VIOMUNDO

Diário da Resistência


Eliara Santana: Imprensa condenará Moro, mas não vai absolver Lula
Antônio Cruz/Agência Brasil e Ricardo Stuckert
Você escreve

Eliara Santana: Imprensa condenará Moro, mas não vai absolver Lula


07/07/2019 - 16h43

IMPRENSA CONDENARÁ MORO. MAS NÃO VAI ABSOLVER LULA

por Eliara Santana*, especial para o Viomundo

Na sexta-feira (05/07), a revista Veja trouxe a capa escancarando a parcialidade do ex-juiz e agora ministro Sergio Moro.

A reportagem bem completa mostrava mais conversas comprometedoras entre Moro e o “coordenador” da Lava Jata, o procurador Deltan Dallagnol.

Causou furor até na esquerda, que saiu em polvorosa para comprar a revista (já garanti a minha, mesmo de longe). E, na mesma edição, a matéria:

“Palocci: Lula desviou propina do PT para eleições no Peru e na Bolívia”.

Lembremos que a delação de Palocci está também sob suspeita e que ela é sempre requentada pela imprensa para atacar Lula.

E vamos observar também que a ideia de que o PT recebeu de fato propina já está confirmada pela chamada – não há versão em contrário.

E, então, no domingo (07/07), a Folha de S. Paulo  traz mais vazamentos, desta vez, mostrando articulações da dupla dinâmica para expor dados sigilosos sobre a Venezuela.

No entanto, a Folha de S. Paulo, na versão impressa, traz a seguinte manchete: “Maioria critica a conduta de Moro, mas considera justa prisão de Lula”

O velho “mas” modalizador da Folha, tantas vezes usados quando o assunto política econômica era positivo para os governos petistas, volta à cena.

Ele cumpre a função, entre outras, de tirar o impacto positivo do primeiro enunciado (Maioria critica a conduta de Moro), modalizando com outra informação de peso.

Desta vez, o “mas” é usado para reforçar a ideia de que a maioria da população acha “justa” a prisão de Lula.

E na capa, a chamada sobre os vazamento envolvendo a Venezuela ocupa um espaço pequeno na coluna à esquerda.

O que une a edição da Veja e a capa da Folha, além de estarem trabalhando em parceria com The Intercept Brasil?

O desejo não abertamente declarado pela não libertação de Lula.

Exatamente isso: a imprensa que criou o herói Moro e deu poder total à Lava Jato, mesmo expondo agora todas as articulações feitas pelo ex-juiz e seus colegas, NÃO QUER LULA LIVRE.

A voz a confirmar esse “desejo” é, de novo, da “a maioria da população brasileira”, segundo a Folha.

Caberia perguntar qual maioria, de que brasileiros estão falando.

O essencial é que os campos à esquerda não se deixem enganar novamente pelo canto da sereia: LULA LIVRE não é a pauta da mídia corporativa, apesar da importância da divulgação por ela.

Não sabemos o que virá em termos de vazamentos, e creio serem bastante comprometedores.

Mas o certo é que vão querer tirar “o bode” da sala para que se mantenham as estruturas já vigentes.

Lembremos sempre a máxima de Lampedusa: “É preciso que tudo mude, para que tudo continue como está” (O Leopardo).

Moro será rifado pela imprensa, mas isso não vai significar defender a liberdade de Lula, defender que ele foi preso injustamente, defender que toda a imprensa fechou os olhos e se calou enquanto Moro agia livremente.

Glenn e o The Intercept Brasil estão obrigando parte da imprensa corporativa brasileira (resta o JN…) a fazer jornalismo. Mas por enquanto.

Está no DNA dessa imprensa não gostar de Lula, dos movimentos de esquerda, e isso é mais do que visível.

E, novamente, para dar o ar de imparcialidade e credibilidade de sempre, recorrem a uma opinião publicizada (porque construída e induzida) para ser a voz de autoridade a dizer: Moro errou, mas a prisão de Lula é correta.

Isso não deveria nem mesmo ser cogitado pela manchete da Folha, pois as articulações de Moro provam que o processo de Lula foi totalmente viciado, ou seja, ele foi condenado sem provas.

A questão central a se considerar, apesar do momento “fofura” da mídia comercial é: Moro se tornou herói pelas manchetes, capas e chamadas nos jornais, revistas e TVs; a Lava Jato ganhou aura de intocável pelo mesmo caminho.

Nunca houve qualquer questionamento a Moro, mesmo quando ele, após condenar o principal candidato, se tornou ministro do outro candidato que venceu as eleições.

Talvez Veja e Folha estejam surfando na onda do The Intercept Brasil para conquistarem mais credibilidade, fingindo não ter lado. A saber pelos próximos capítulos.

Portanto, podemos comprar a Veja e voltar a ler a Folha sem culpa, mas sem nos esquecermos também de que a lógica que move os grupos empresariais de mídia – e é disso que se trata – é a disputa pelo poder.

*Eliara Santana é jornalista, doutoranda em Estudos Linguísticos pela PUC Minas/Capes.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

08 de julho de 2019 às 17h21

O Datafolha e a Globo até tentaram
dar um forcinha pro Mito imbecil,
mas tá difícil de levantar o índice
de Aprovação do Jair Bolsonaro.

Nos últimos dados divulgados,
a Folha diz que 60% dos que
disseram que votaram nele
estão satisfeitos (Ótimo/Bom).

Entretanto, mesmo se for desprezada
a margem de erro e desconsiderado
o número de consultados que ficaram
com vergonha de dizer que votaram
em Jair Bolsonaro pra Presidente,
ainda assim dá pra afirmar que,
em seis meses, o Mito Asno perdeu o
apoio de, no mínimo, 40% dos Eleitores dele.

Responder

    Zé Maria

    09 de julho de 2019 às 17h00

    Conclusão

    No 2º Turno, Jair Bolsonaro obteve 57,7 Milhões de Votos.
    Subtraindo 40% desse número, chegaria a 34,6 Milhões,
    insuficientes, portanto, para vencer a Eleição Presidencial.
    Fernando Haddad teve 47 Milhões de Votos, no 2º Turno.
    O Mito imbecil a cada dia mais Desmilingüído, como o Moro.

Ricardo

08 de julho de 2019 às 08h22

A sua análise parcial não é diferente da análise parcial de outros jornalistas de opinião. No entanto, a grande imprensa tem responsabilidade muito maior sobre o que publica.
A única diferença são os interesses de cada um. Você quer o lula livre, outros o querem preso. Quanto ao moro, os lulistas querem vingança.
O leitor já sabe disso, conhece os lados. Lula foi julgado, condenado preso pela justiça que também julgou os corruptores. O moro apenas será julgado pela opinião pública.

Responder

    Ulisses

    09 de julho de 2019 às 11h34

    Seu comentário é incoerente por que a condenação de Lula foi exatamente pela manipulação da Lava Jato falsificando, inventando e mentindo as provas! A condenação do Moro é exatamente a absolvição de Lula. Não dá para sugerir qualquer outra opção! A prisão de Lula é política e qualquer manutenção da sua prisão confirma o estado de exceção!

Joao Maria Máximo

08 de julho de 2019 às 07h00

Financiou partido político de outros países com dinheiro público fez falcatrua das piores espécies e não é corrupto tem que continuar preso

Responder

    Adilson R Sousa

    08 de julho de 2019 às 16h40

    Você tem provas a respeito das asneiras que diz ,ou é só mais um batedor de panela moralista ridículo e que descarrega no Lula ,a culpa por ser um ignorante útil ???
    É óbvio que o cenário atual em que o nosso país se encontra,e toda a sorte de acontecimentos que foram se sucedendo desde o impeachment,com todo um malabarismo jurídico,armações e jogadas das mais baixas ,sempre com o foco de atingir à um grupo político específico foram decisivos para a eleição do tal “mito” o Tiririca Militar ***
    E o juizinho semideus aquele que graças à ação escandalosa de boa parte da mídia ,tornou-se intocável,através de suas ações e postura antiética “parcial” sempre esteve em busca de status e poder e realização pessoal ,onde acabou por sua atuação recebendo o prêmio maior que era se tornar ministro “Super Ministro” … A maior verdade é que a massa de zumbis e papagaios adestrados nunca de fato quiseram o fim ou tampouco a redução da corrupção,mas pelo contrário ,o que buscavam mesmo era o massacre público e implacável de alguém que para eles é o alvo perfeito,o culpado de tudo de pior,até mesmo quando sequer ocupava a presidência da República.E enquanto isso no país da hipocrisia e dos patriotas de ocasião ,uma enorme leva de políticos citados em inúmeras delações ,pelos mais diversos personagens da nossa sociedade continuam numa boa “livres,leves e soltos” _ Aécio ,Serra e Temer que o digam …
    A lei para todos de um dos lados da balança ***

Ibs

07 de julho de 2019 às 20h02

Senhora doutoranda….leia O ópio dos intelectuais..Raymond Aron.

Responder

Zé Maria

07 de julho de 2019 às 18h42

Desde o princípio, os Donos da Folha
estão fazendo papel duplo, ambivalente.
Não negam a Verve Fascista Paulista.

Dizer que uma parcela majoritária de
consultados numa Pesquisa de Opinião
é contra ou a favor à prisão do Lula,
qualquer que seja o resultado da enquete
do Datafolha, não vai mudar a Lei Penal.

Um Juiz Parcial é um Julgador Suspeito
nos casos em que atua com Parcialidade.

Se o Juiz Moro atuou na ilegalidade, sob
Suspeição, nas Ações Penais em que Lula
– ou qualquer outro réu – foi acusado,
os Processos são absolutamente Nulos.

Publicar a opinião de pessoas leigas,
que não possuem conhecimento
do assunto, é só mais uma tentativa de
intimidação aos membros dos Tribunais
que julgarão os Recursos do ex-Presidente,
dando elementos para a Milícia de Patifes
e os bots do Moro atuarem na internet,
com as corriqueiras ameaças de morte.

Responder

    Zé Maria

    08 de julho de 2019 às 13h03

    Quando se cogita de “independência” [do Magistrado], essa deve ser havida como:
    “expressão da atitude do juiz em face de influências provenientes do sistema e do governo.
    Permite-lhe tomar não apenas decisões contrárias a interesses do governo – quando o exijam a Constituição e a lei – mas também impopulares, que a imprensa e a opinião pública não gostariam que fossem adotadas.
    A vinculação do juiz à ética da legalidade algumas vezes o coloca sob forte pressão dos que supõem que todos são culpados até prova em contrário”. (Ministro Eros Grau, HC 95.009).


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.