VIOMUNDO

Diário da Resistência


Dilma, sobre prisão de Lula aos 73 anos: “Mais alguns dias representam mais sofrimento”
DCM/Reprodução de vídeo
Você escreve

Dilma, sobre prisão de Lula aos 73 anos: “Mais alguns dias representam mais sofrimento”


25/06/2019 - 14h51

HC PARA LULA É QUESTÃO DE HUMANIDADE

STF precisa decidir já, para que a injustiça contra Lula não seja prorrogada, como uma inominável brutalidade

por Dilma Rousseff

O Supremo Tribunal Federal tem uma oportunidade de afirmar-se como garantidor da justiça, do judiciário e do Estado Democrático de Direito.

A mais alta corte do país dispõe de todas as informações necessárias para julgar, com presteza e sem protelações, um habeas corpus por meio do qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pleiteia sua liberdade.

O STF dispõe, sobretudo, de informações segundo as quais o juiz que condenou Lula agiu em cumplicidade com os seus acusadores do ministério público.

Orientou-os, exerceu sobre eles indevida ascendência e autoridade, foi acatado em disciplinada obediência, e agindo assim, tornou-se acusador e revelou-se parcial, injusto, ferindo o Código de Processo Penal e o Código de Ética da Magistratura.

Além disso, as reportagens do Intercept indicam que o juiz que condenou Lula atuou deliberadamente para driblar o STF, orientando os procuradores a esconder do tribunal alguns acusados que não poderiam ser julgados em Curitiba, por terem foro privilegiado.

Da mesma forma como escondera do STF, anteriormente, o grampo do telefonema que tinha como um dos interlocutores a presidenta da República e, do outro lado, o ex-Presidente Lula, desprezando o próprio prazo legal autorizado para a gravação de Lula.

Sempre soubemos que o ex-Presidente era inocente, sempre afirmamos que se tratava do mais implacável “lawfare”, praticado em Curitiba pelo Juiz Moro e seus acusadores, por isso, sempre lutamos por #LuLaLivre.

O ex-Presidente foi condenado e preso em um ambiente de conluio entre o juiz e os acusadores.

Uma sentença prolatada dessa maneira é uma afronta à justiça do País e está contaminada pela parcialidade do juiz.

Deixar as relações promíscuas entre juiz e acusadores sem as consequências que a justiça impõe e que a inocência do réu exige afrontará a credibilidade do Poder Judiciário.

Por isso, o STF precisa decidir. É sobre isto que nós esperamos que o Supremo delibere.

E precisa decidir com a urgência necessária para evitar que a injustiça cometida contra um réu seja uma injustiça continuada, repetida a cada dia, agravada pela consciência do sofrimento cotidiano.

O STF não deve permitir que o réu continue sendo castigado indefinidamente, mantido preso, isolado, apartado de seus entes queridos, de seus amigos e companheiros, por uma condenação na qual há eloquentes evidências de que foi ilegal e passível de revisão.

O julgamento do habeas corpus de Lula, que está preso há 445 dias, é uma questão de justiça. É uma questão de humanidade.

E é um imperativo de urgência. Mais alguns dias representam mais sofrimento.

Mais alguns dias na prisão representam uma brutalidade e uma injustiça inominável para quem está preso e já teria direito a regressão da pena, para quem tem 73 anos de idade, e para quem vê o juiz que o condenou flagrado em atos de parcialidade.

O ex-presidente Lula não fugiu, não desrespeitou a justiça, agiu sempre com serenidade, seus recursos foram todos legais e democráticos, sua condenação não transitou em julgado.

Mantê-lo preso é uma decisão que afronta a justiça, viola a cidadania e desrespeita os valores básicos da nossa civilização.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Manoel

11 de julho de 2019 às 16h17

O Lula foi o melhor presidente que o Brasil e seu povão teve é por o Lula ter levado o filho do pobre a cursar faculdade que o Lula está sendo vítima desse escárnio praticado por moro e dallagnol e estendido aos aliados do moro em instâncias superiores do judiciário.
O Glenn vem divulgando através através do site Intercept Brasil a mais pura verdade que possa existir na face da terra.

Responder

Zé Maria

25 de junho de 2019 às 18h18

A Carminha manipulou a Pauta da 2ª Turma, de novo.
para lavar as mãos sobre a Suspeição do Juiz Moro.

Foram relacionados, para julgamento hoje (25/6),
dois HCs da Defesa de Lula: o primeiro contra uma
Decisão Monocrática do Ministro Félix Fischer do STJ,
que terminou 4×1 contra a Ordem.

O outro HC, que está por último na Pauta de hoje,
é o que precisamente se refere à Imparcialidade
do Sergio Moro. Está 2×0 Contra.
Gilmar está votando (voto-vista), mencionando as
mensagens trocadas pelo juiz Sergio Moro com
o Procurador do MPF do Paraná Deltan Dallagnol,
publicadas pelo “The Intercept”.

A Carminha disse que não ultrapassará as 19 horas…
Assim, possivelmente será adiado para o 2º semestre.
É Golpe!

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/06/25/politica/1561486216_484958.html

Responder

Zé Maria

25 de junho de 2019 às 17h37

https://pbs.twimg.com/card_img/1143493536278618112/LPO8gT8y?format=jpg&name=600×314

Ditadura Militar Reloaded: “É Muita Tarja Preta pra um Governo só!”

Villas Bôas volta a estacionar os tanques na porta do STF

[Silvio] Frota e Pires Gonçalves estão de volta com o gal. Heleno!

O general Villas Bôas, como se sabe, estacionou os tanques de guerra na porta do Supremo Tribunal Federal para conseguir a condenação do presidente Lula.

É um militar, portanto, que respeita a Lei e a Ordem!

O general Villas Bôas é quem abastece os militares que sentam praça
no gabinete do Presidente Dias Gaspari Toffoli.

Aí quem respeita e Lei e a Ordem é o Dias Gaspari…

Agora, o Intercept revelou de forma insofismável a existência
de uma organização criminosa na República Nostra de Curitiba.

Ontem, estava previsto que o Supremo, esse coveiro do Joaquim Xavier,
julgaria hoje o HC que daria liberdade a Lula.

Foi quando o general Villas Bôas, um democrata da linhagem “Sílvio Frota”
(agora recuperado pelo também democrata Heleno) lançou esse manifesto:

“Muito preocupante o que estamos vivendo, porque dá margem a que a insensatez e o oportunismo tentem esvaziar a Operação Lava Jato, que é a esperança para que a dinâmica das relações institucionais em nosso país venha a transcorrer no ambiente marcado pela ética e pelo respeito ao interesse público. Expresso o respeito e a confiança ao ministro Sergio Moro”.

General Villas Bôas, segundo Ataulpho Merval, na colona do Globo Overseas,
que, como jn, é responsável pelas hordas fanáticas bolsonaristas.

Em tempo: o general Sílvio Frota tentou emparedar a abertura gradual e restrita (com direito a mandar matar) do general Geisel, o “Sacerdote” do historialista Elio
Em recente entrevista, o general Heleno recuperou a memória de Sílvio Frota,
de quem foi oficial de gabinete.
Ele exerceu a mesma função no gabinete do general Pires Gonçalves,
comandante do Golpe que levou José Sarney à Presidência da República (leia
no best seller “O Quarto Poder, uma outra história”).
Pires Gonçalves é aquele que, durante toda a carreira de militar
e ministro da Guerra, jamais ouviu falar em tortura!
– Trata-se de uma “formação” exemplar…

PHA

https://t.co/ZD6iPul2FU
https://twitter.com/ConversaAfiada/status/1143493535443968000
https://www.conversaafiada.com.br/politica/villas-boas-volta-a-estacionar-os-tanques-na-porta-do-stf

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.