VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Daniel Brazil: Líder oculto dos latifundiários e das elites, Borba Gato vive! Infelizmente
Fotos: Reprodução
Você escreve

Daniel Brazil: Líder oculto dos latifundiários e das elites, Borba Gato vive! Infelizmente


28/07/2021 - 00h25

Borba Gato vive!

Borba Gato é o ídolo oculto de pastores fundamentalistas, dos latifundiários, das elites que acham conveniente elogiar capangas e capachos cumpridores de seu dever

Por Daniel Brazil*, em A Terra é Redonda

Borba Gato, símbolo paulista mais que quatrocentão, bandeirante de vasta folha corrida, foi um dos primeiros genocidas de nossa história.

Além de matar centenas de brasileiros originários, estuprava jovens e crianças indígenas, conforme registros.

Serviu aos interesses colonialistas com denodo até se envolver numa treta com o ourives real, Rodrigo de Castelo Branco, que foi encontrado morto numa pirambeira.

Borba Gato passou anos escondido no mato, depois desse evento.

Brasil, século XXI. Aldeias indígenas são queimadas de forma criminosa, e um representante da Funai é pego numa gravação dizendo que tem que “mandar bala” nos povos isolados.

Favelas encravadas na cidade, em regiões de alto interesse imobiliário, são incendiadas de forma “misteriosa”.

Mendigos são queimados com gasolina em via pública.

Terreiros de umbanda e candomblé são carbonizados por mãos supostamente cristãs, brancas e defensoras de valores evangélicos.

Florestas, campos e cerrados são destruídos por incêndios criminosos, para que novos bandeirantes ocupem aqueles territórios.

Borba Gato está vivo. No espírito do dirigente da Funai, no discurso do Ministro do Meio Ambiente, do Presidente da República, dos dirigentes da Fiesp. Borba Gato é o ídolo oculto de pastores fundamentalistas, dos latifundiários, das elites que acham conveniente elogiar capangas e capachos cumpridores de seu dever.

Incendiar uma estátua de Borba Gato não vai reparar nenhum crime que ele cometeu.

Não vai restituir a vida dos milhares de brasileiros que morreram queimados em aldeias, favelas, pontos de ônibus e florestas desde 1718, ano da morte do facínora.

Mas certamente vai indignar todos aqueles que se beneficiaram, mesmo sem saber, de sua atuação premonitória e seminal.

Não importa se era uma estátua horrorosa, um bonecão de pastilha, uma homenagem ingênua de Julio Guerra aos bonecos de barro nordestinos, ou um símbolo do bairro de Santo Amaro, erigido em 1963.

Não importa o irrelevante valor histórico da obra, que materializa o discurso estético de certa elite paulista decadente.

O que importa é que o espírito de Borba Gato continua vivo. Infelizmente.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.





4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Valdeci Elias

29 de julho de 2021 às 13h43

Errar é humano, repetir no erro , não. Para não se repetir o mesmo erro, a pessoa tem que saber que o erro ocorreu . Por isso apagar o erro, por mais ruim que for, só vai permitir que outras pessoas o repitam . Fingir que Hitler e Borba Gato , não existiram ou apaga-los da história, no final vai dar as novas gerações a chance de apoiar ou exaltar novos Hitlers ou Borbas . Eu quero que meu filho veja a estatua de Borba , pra ele perguntar quem foi, e eu poder dizer oque ele fez.

Responder

José Espare

29 de julho de 2021 às 12h22

Por isso, entendo como tendo sido equivocada a postura de alguns comunicadores do campo popular ao tachar de inoportuna a ação contra este símbolo da opressão genocida. Claro que sempre existe o risco da guerra cultural com o imperialismo e forças da reação, mas será que eles acreditam que vão ganhar pontos também com a figura de Borba Gato. Não devemos subestimar a capacidade de compreensão de nosso povo sofrido. Quando levantam questões morais de família, costumes ou religião, tudo bem, eles têm condições de manipular nossa gente humilde. Porém, com o genocida da estátua já é impossível. Toda nossa solidariedade a Galo e sua esposa!

Responder

Zé Maria

28 de julho de 2021 às 21h24

https://pbs.twimg.com/media/E7ZRSZeX0AUHI-D?format=jpg

Os Adoradores de Estátuas de Assassinos
fazem ‘homenagem’ aos ‘agricultores’:

“A foto utilizada pela SECOM do desgoverno em homenagem ao Dia do Agricultor foi
comprada do arquivo da Getty Imagens
e reproduz um caçador na África do Sul.”
https://twitter.com/afonsoborges/status/1420412122886979586

https://twitter.com/torturra/status/1420383324145651713
https://capitaldigital.com.br/fabio-faria-gastou-r-3-mil-para-estimular-guerra-no-campo-no-dia-do-agricultor/

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding