VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Cunca Bocayuva: Na hora em que o fascismo reaparece no mundo grande e terrível, Gramsci é fonte de inspiração
Fotos: Peter Ilicciev/Fiocruz e reprodução
Você escreve

Cunca Bocayuva: Na hora em que o fascismo reaparece no mundo grande e terrível, Gramsci é fonte de inspiração


21/11/2019 - 07h41

Hegemonia e resistência democrática no mundo grande e terrível

por Pedro Cláudio Cunca Bocayuva*, especial para o Viomundo

“No mundo grande e terrível” a leitura da obra do italiano Antonio Gramsci (1891-1937) é uma ferramenta e guia para a resistência política.

A frase de Gramsci, que abre este parágrafo, está em suas Cartas do Cárcere, que intitulam filme e livro recém- lançados na Itália, marcando sua obra inseparável das circunstâncias da sua vida.

Militante, jornalista e pensador político, Gramsci se tornou a mais importante referência para a construção de uma teoria marxista da política.

A sua obra de intelectual da periferia italiana, da Sardenha, de jornalista de cultura e política, de educador e dirigente político na Turim dos Conselhos de fábrica e das greves de ocupação do biênio vermelho (1919-1920) se fizeram acompanhar de seus escritos políticos, de crítica cultural e literária.

Estudioso de linguística e literatura, editor de periódicos e dirigente socialista, ele acompanhou o processo de lutas desencadeado pela Revolução Russa que levou à visão que formou o Partido Comunista Italiano como parte da Terceira Internacional Comunista.

Como parte da experiência do período revolucionário (1917-1922), ele se tornou quadro da Terceira Internacional, já ligado na posição da frente única (principalmente a partir de 1924) e, ainda, conheceu sua esposa e se casou na Rússia.

Feito dirigente máximo do partido, ele foi eleito deputado. Até mesmo Mussolini fez questão de ouvi-lo discursar.

Preso e condenado em 1927, até a sua morte, em 1937, esteve no cárcere fascista.

Apoiado, disputado e atacado desde o cárcere, ele foi prisioneiro afetado pela sua posição emblemática de herói, pelo peso de sua inteligência que, segundo os fascistas, precisava ser detida.

Objeto de disputa para e pelo partido, envolvido nas relações entre URSS e Itália, teve a vida marcada pela debilidade física desde a infância. Várias doenças afetaram suas condições de sobrevivência e o levaram à morte numa clínica do sistema penal.

A luta pelo direito de ler e escrever acabou resultando numa estratégia de sobrevivência, numa necessidade para o Partido e numa forma de controle por parte de seus carcereiros.

Limitado e censurado marcou a sua resistência, dialogando com o “mundo grande e terrível” através das cartas,  da vivência no cotidiano prisional e do estímulo de um trio: Tatiana Shucht, sua cunhada; Piero Sraffa, economista e admirador;  e Palmiro Togliatti, seu companheiro, sucessor no comando do Partido e dirigente da Internacional.

Além de escrever centenas de artigos antes da prisão, escreveu as cartas que são premiadas como obra literária.

As Cartas são textos de enorme grandeza, humanidade, sensibilidade e cuja qualidade da escrita o consagraram.

Gramsci  não escreveu nem editou livros durante a vida, que se tornou um exemplo de resistência ao fascismo, de criação e potência intelectual na adversidade.

As Cartas servem de referência para relacionarmos suas condições de espírito e a produção de uma obra que teve de ser repensada, já que se esgotavam as possibilidades de liberdade através de indulto ou de negociação entre estados.

Mas é nos seus cadernos de cárcere que se abrem os caminhos para que o seu pensamento se transforme em referência.

Controlados, disputados e protegidos são a fonte de inspiração e a abertura de muitos impulsos para pensar o Partido Político (intelectual coletivo e moderno príncipe), o Estado (ampliado e a hegemonia), a Revolução (na força jacobina, nas formas passivas e na dimensão estratégica de formação de um novo Estado e de uma nova base material, dentro dos marcos das possibilidades históricas).

Gramsci tratou dos intelectuais, da formação do Estado Nacional na Itália, do Renascimento ao Risorgimento.

A filosofia, a cultura, os intelectuais, o fascismo, o americanismo, o cesarismo, o jacobinismo, o liberalismo e as correntes socialistas.

Devorou e estudou sistematicamente tudo o que pode e como pode.

Enfrentou com maior ou menor profundidade seus planos de estudo. Chegou a vislumbrar dimensões de mutações no regime soviético, na natureza do Estado capitalista, no estudo das conjunturas e na análise de situação.

A ruptura de Gramsci com o esquerdismo, o economicismo e a estadolatria fizeram dele um precursor das reflexões sobre democracia e socialismo, que foram objeto de ampla disputa no que se chamou de marxismo ocidental.

Articulando um fio de leitura desde Maquiavel até Marx, colocou o pensamento leninista e a experiência das alianças e da frente única para pensar a Revolução no Ocidente como “guerra de posição”.

Avançou na elaboração de categorias que influenciaram a teoria e a práxis das esquerdas, que serviram de referência para uma nova estratégia socialista e alcançaram o pensamento, a filosofia e a ciência política através do impacto de sua visão do Estado Ampliado.

A obra de Gramsci atravessa continentes e barreiras disciplinares, suas categorias ganham vida própria e são instrumentalizadas, como é o caso da noção de hegemonia, com impacto extraordinário nas definições de política, poder (em especial ante os processos de mudança), crise, transição, catarse e ruptura, que marcam os conflitos e a formação de novas relações de força, de novos regimes e Estados e das distintas articulações entre economia, política e sociedade, através da formação do que chamou “bloco histórico”.

Na Itália, uma terceira “edição nacional” da obra de Antonio Gramsci vem reabrindo novas vias para o estudo de sua obra, pensamento e leitura crítica dos cadernos. .

O alcance de sua obra se coloca em contraponto em várias áreas acadêmicas, reconhecido por adversários e inimigos, leitura obrigatória para quem precisa pensar em chave inteligente e crítica sobre o agir estratégico, os movimentos da história e a complexidade do Estado, dos aparelhos de hegemonia e da função intelectual.

Seu humanismo e abertura para a filosofia pela noção de práxis coloca o processo de conhecimento, a pedagogia e a cultura no centro da necessidade e da produção humana para pensar os desafios da modernidade e do processo civilizatório, levando em conta o filão do cristianismo, a história da Europa, as obras de Benedetto Croce e Antonio Labriola, que lhe fazem escapar do economicismo e do materialismo vulgar.

Traduzido para o português na chave clássica do dispositivo Togliatti, o livro de Gramsci recebeu novo tratamento, que aproveitou os avanços da edição de Valentino Gerratana, da edição temática para a edição por ordem dos cadernos.

No Brasil, esse processo vem sendo acompanhado pela vertente brasileira da International Gramsci Society (IGS-Brasil) e pelos inúmeros grupos e coletivos que estudam Gramsci dentro e fora das Universidades.

Em vez de perder força, Gramsci ganha-a, já que a vitória do capitalismo sobre o socialismo real só lança o mundo na direção de quadros de crise de hegemonia e de catástrofe, com regressão política e morbidez, apesar da dimensão e alcance da revolução tecnológica e do capitalismo globalizado.

A atualidade de Gramsci ganhou consistência na ferramenta extraordinária da elaboração do Dicionário Gramsciano, de Guido Liguori e Pasquale Voza, editado em português pela Boitempo.

Nele reverbera a força os conceitos de Gramsci frente aos limites para copiar a URSS, do alcance heurístico da noção de revolução passiva nas suas mais diversas formas e da preocupação em situar um pensamento que articulava a radicalidade democrática na relação com o conhecimento com o agir histórico do homem coletivo.

Na leitura de Gramsci, podemos destacar a capacidade de desvendar as relações de poder, de analisar as situações e de pensar os grandes e pequenos aparelhos que atravessam e organizam a disputa da organização, da direção intelectual e moral na vida social e dos rumos das distintas formações nacionais no quadro de relações internacionais relacionadas com os grandes poderes.

Escalas, formas, processos na relação com o poder, a política, a guerra e o Estado permitiram que Gramsci nos legasse uma importante percepção da relação entre crise orgânica e pequena política, decisiva para entendermos nosso processo político atual e os movimentos de luta que marcam a crise de hegemonia na América Latina diante do colapso do fordismo e do americanismo na chave Ocidental.

Gramsci, como um autor clássico, nos deixou uma obra aberta, inacabada, marcada pela luta, pela disputa e que tem servido de dispositivo intelectual, científico e, principalmente, de referência para a construção de novas vias de ação e organização para se navegar com mais consistência nos mares revoltos do mundo grande e terrível.

Na hora em que o fascismo reaparece no horizonte histórico do mundo grande e terrível, a leitura da obra de Gramsci é inspiradora como fonte biográfica, literária, histórica, filosófica e ética.

Através da leitura e pesquisa dos Cadernos de Cárcere, podemos buscar uma relação mais intensa de elaboração crítica do pensamento sobre a política e a imanência das subjetividades coletivas num quadro de hegemonia às avessas.

Neste novo ciclo da globalização neoliberal, a destruição da política exige um trabalho desafiante para a inteligência coletiva, a juventude, as forças que assumem a responsabilidade ética ante ao colapso da modernidade na forma política de regimes de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), como o de Bolsonaro.

Vivemos em uma situação em que [email protected] e [email protected] que trabalham para traduzir lutas, culturas, línguas, experiências, relacionando vozes e movimentos, acabam esbarrando na questão da busca da hegemonia.

Ou seja, na necessidade de trabalhar esta categoria como categoria chave ou guia para pensar a grande política através de uma verdadeira reforma intelectual e moral que se relaciona com as pistas lançadas por Gramsci.

A batalha pela sociedade autorregulada, pela autonomia intelectual e crítica, pela construção da intelectualidade coletiva e dos instrumentos e formas de organização que podem contribuir para a superação do quadro de crise orgânica — global, nacional e local — na direção da democracia e da emancipação humana neste mundo grande e terrível.

*Pedro Cláudio Cunca Bocayuva é professor do  Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (NEPP-DH/UFRJ) e membro  do Grupo Gramsci e a Modernidade).

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

24 de novembro de 2019 às 17h25

Governador Genocida do Rio de Janeiro se ajoelha aos pés de Gabriel,
Atacante do Flamengo, implorando por uma foto com o Goleador.
https://twitter.com/i/status/1198587488052404233

https://pbs.twimg.com/media/EKJdBLnXsAAoxsU.jpg
Depois que, numa nítida forçação de barra, conseguiu uma foto ridícula,
a PM Genocida baixou o cacete na torcida rubro-negra e atirou bombas
no meio da multidão de torcedores, acabando com a festa do bi da
Libertadores da América.
Evidente que isto aconteceria, pois eram rubros e negros comemorando.
https://pbs.twimg.com/media/EKKVjB0X0AAXkTm.jpg

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.