VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Coronavírus: Experiência em cidade italiana mostra que buscar assintomáticos é melhor que promover “imunidade de rebanho”
Foto Wikipedia
Você escreve

Coronavírus: Experiência em cidade italiana mostra que buscar assintomáticos é melhor que promover “imunidade de rebanho”


18/03/2020 - 12h09

Estratégia agressiva de testes ajuda cidade italiana a zerar novos casos de coronavírus

A experiência em Vò ressalta a mensagem da OMS de ‘testar, testar, testar’. Todos os 3.300 habitantes da cidade de Vo foram testados e testados novamente para coronavírus

do Financial Times

Com uma experiência de controle de infecção em uma pequena comunidade italiana, no início da crise do coronavírus na Europa, todas as novas infecções foram interrompidas na cidade, que estava no centro do surto do país.

Através de testes e testes de todos os 3.300 habitantes da cidade de Vò, perto de Veneza — independentemente de apresentarem sintomas — e quarentena rigorosa de seus contatos quando a infecção foi confirmada, as autoridades de saúde foram capazes de parar completamente a propagação da doença.

Andrea Crisanti, especialista em infecções do Imperial College de Londres, que participa do projeto Vò durante um período sabático na Universidade de Pádua, instou os países que estão limitando os testes, inclusive o Reino Unido e os EUA, a aprenderem lições e acelerar o processo e aumentar o número de pessoas rastreadas.

“No Reino Unido, existem muitas infecções completamente ignoradas”, disse Crisanti ao Financial Times.

“Conseguimos conter o surto aqui porque identificamos e eliminamos as infecções submersas “e as isolamos”, disse ele sobre a abordagem em Vò.

“É isso que faz a diferença.”

O sucesso ressalta a importância de testar e isolar portadores saudáveis, uma abordagem que foi fortemente endossada pela Organização Mundial da Saúde.

A OMS nesta semana pediu a todos os países que testem agressivamente, observando que a Coréia do Sul e Taiwan estavam tendo sucesso em limitar infecções ao fazê-lo.

“Nossa mensagem principal é: teste, teste, teste”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da OMS, na segunda-feira.

O professor Crisanti disse que o experimento incomum — e de certa forma acidental — em Vò permitiu que os pesquisadores obtivessem um “quadro epidemiológico” completo da doença.

Os testes começaram como uma medida de contingência após a primeira morte relacionada à vírus na Itália, em 22 de fevereiro.

Não está claro por que o norte da Itália sofreu um aumento nos casos à frente de outras partes da Europa, embora o professor Crisanti e outros tenham sugerido que isso possa ter ocorrido por causa de estreitos laços comerciais com a China.

A primeira rodada de testes, realizada em toda a população da cidade no final de fevereiro, encontrou 3% da população infectada, embora metade dos portadores não apresentasse sintomas.

Depois de isolar todos os infectados, a segunda rodada de testes, cerca de 10 dias depois, mostrou que a taxa de infecção havia caído para 0,3%.

É importante ressaltar, porém, que nesta segunda rodada foram identificados pelo menos seis indivíduos que tinham o vírus, mas sem sintomas, o que significa que eles poderiam ficar em quarentena.

“Se não tivessem sido identificados, a infecção teria retomado”, explicou o professor Crisanti.

Em vez de testes extensivos, países como o Reino Unido e a Holanda estavam adotando uma estratégia de “imunidade de rebanho”, que envolvia permitir que mais pessoas pegassem o vírus e desenvolvessem imunidade a ele, como forma de construir resistência na comunidade — embora essas políticas estejam mudando à medida que a crise se intensifica.

Um médico da OMS disse na terça-feira que visar a imunidade do rebanho pode não ser o caminho certo para conter o vírus.

Dorit Nitzan, coordenador de emergências da OMS na Europa, disse que, como pouco se sabia sobre o coronavírus, “não era o momento certo para recomendar” uma abordagem de imunidade de rebanho.

“É um novo vírus e temos que aprender”, disse ela.

A Grã-Bretanha não está testando pessoas com sintomas leves, mas está se concentrando em pacientes com doenças respiratórias graves.

No entanto, uma abrupta reversão da política do governo de Boris Johnson nesta semana fará com que o Reino Unido aumente os testes como parte de seus esforços para interromper novas infecções e “achatar a curva”, a fim de não sobrecarregar os serviços de saúde e reduzir as mortes.

No Veneto, as autoridades planejam expandir o regime agressivo de testes em toda a região e procuram colher pelo menos 11.000 amostras por dia.

“Se alguém ligar para a linha direta [de vírus] e disser que está doente, todos na família, todos os seus amigos e todo o edifício serão testados”, disse Crisanti.

Luca Zaia, presidente do Veneto que iniciou o projeto Vò, reforçou na terça-feira a posição de que testes generalizados eram vitais.

“Um portador assintomático pode infectar 10 pessoas”, disse ele a repórteres.

“Cotonetes podem salvar vidas.”

Reportagem adicional de Camilla Hodgson em Londres



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

EDMAR CABRAL LIMA

18 de março de 2020 às 21h58

SE vendermos 10% das reservas em títulos do Tio San à China ou a quem puder nos fornecer kits para teste e equipamentos de UTI, isso permitiria evitar a carnificínia que será essa epidemia no Brasil. U$ 30 bi ou R$ 150 bi. É menos que o BC está queimando para segurar o preço do U$. E salvaríamos centenas de vidas e evitaríamos enorme sofrimento ao nosso povo mais pobre, e induziriam a uma retomada real da economia, se distribuíssemos outros 10% dessas mesmas reservas entre a população mais pobre. Pra que essa grana senão para proteger nossa população mais carente de proteção?

Responder

Zé Maria

18 de março de 2020 às 15h29

Calculando, o Custo-Benefício compensa.

Pressupondo que o Custo é o Dinheiro
e o Benefício é a Vida Humana.

Será que assim os economistas entendem?

Responder

    Valdeci

    18 de março de 2020 às 20h37

    Depois que um dos donos, do Banco Santander morreu em Portugal, os economistas vão olhar pra epidemia de forma diferente. Afinal nem só imigrantes e aposentados , vão morrer de Corona, quem tem dinheiro também pode morrer.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!