VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Como Bolsonaro, Trump se elegeu prometendo secar o pântano. Corrupto, usou a Casa Branca para enriquecer a família
Você escreve

Como Bolsonaro, Trump se elegeu prometendo secar o pântano. Corrupto, usou a Casa Branca para enriquecer a família


20/10/2020 - 11h06

Na última pesquisa nacional do NY Times, Joe Biden lidera Donald Trump por 50% a 41%

O governo que faz negócios consigo mesmo

POR MICHELLE COTTLE, no New York Times

Para qualquer um que tente entender a presidência de Donald Trump — para realmente compreender sua essência — o lugar para olhar não é a Casa Branca ou as agências federais ou mesmo a Suprema Corte, com sua maioria conservadora expandida.

O coração sombrio do Trumpismo encontra-se dentro de um grande edifício renovado, românico, na esquina da Pennsylvania Avenue com a 12th Street, Northwest: o Trump International Hotel.

Construída no final do século 19, a estrutura servia originalmente como a principal agência dos correios da cidade, um tributo ao serviço público.

Sob o comando de Trump, ele agora é tanto um monumento quanto uma ferramenta para promover o espetáculo infinito de corrupção que passou a definir este presidente, sua família e grande parte de sua administração.

Em qualquer dia, uma multidão de lobistas, legisladores, agentes estrangeiros e outros caçadores de favores passam pelo Trump International, batendo papo com figurões do governo — às vezes com o próprio presidente — e gastando muito dinheiro.

Este ritual não apenas acaricia o ego do presidente — que lugar elegante você tem aqui, senhor! — enriquece o negócio de sua família, propriedade da qual o Sr. Trump se recusou a se desfazer.

Não estamos falando de alguns martinis caros ou reuniões no café da manhã, mas, sim, de uma brincadeira séria e cara.

Nos seis meses encerrados em março de 2017, o governo da Arábia Saudita gastou pelo menos U$ 270 mil no hotel. A National Shooting Sports Foundation gastou pelo menos U$ 62.000 lá em 2018, de acordo com um relatório do Times publicado no fim de semana passado, que também observou que a National Automobile Dealers Association o usou como base para reuniões com legisladores, gastando perto de U$ 80.000.

Os grupos que organizam eventos elegantes vão desde a Embaixada das Filipinas à Associação Evangélica Billy Graham e ao Grupo FLC, um conglomerado vietnamita. (Aqueles que responderam às perguntas do Times negaram motivos inadequados.)

A aparência de impropriedade não se limita ao hotel da família em Washington. Da Escócia a Nova Jersey, Flórida e além, as propriedades de Trump arrecadaram dezenas de milhões de dólares daqueles que procuram obter favores do presidente, ou pelo menos expressar sua gratidão.

“Uma investigação do Times encontrou mais de 200 empresas, grupos de interesses especiais e governos estrangeiros que patrocinavam as propriedades do Sr. Trump enquanto colhiam benefícios dele e de sua administração”, relatou o jornal, concluindo que o presidente “construiu um sistema de presidencialismo com tráfico de influência sem rival na política americana moderna.”

Alguns dos projetos de auto-enriquecimento mais flagrantes de Trump falharam.

Mais notavelmente, seu plano de sediar a reunião do Grupo dos 7 deste ano no resort Trump National Doral, perto de Miami, que deu tanta repercussão que ele rapidamente abandonou a ideia.

Mas, neste estágio, a rotina de auto benefício de seu clã mal levanta uma sobrancelha.

Os contribuintes da campanha do presidente, grandes e pequenos, também fazem sua parte para apoiar a primeira família.

Neste ciclo, as empresas Trump receberam mais de U$ 4 milhões dos comitês relacionados à campanha do presidente e do Partido Republicano, de acordo com os últimos números do Center for Responsive Politics.

Isso inclui U$ 380.000 que a campanha gastou em um “retiro de doadores” em Mar-a Lago, a mansão presidencial.

A campanha também está pagando cerca de U$ 37.500 por mês por espaço na Trump Tower, em Manhattan.

Até mesmo americanos que não apoiam Trump estão enchendo os cofres do presidente.

Cada vez que Trump, um membro de sua família ou certos funcionários da alta administração visitam uma propriedade de Trump, os contribuintes pagam a conta pelas equipes de segurança que devem ser incluídas.

Em uma viagem de 2019 à Irlanda, o vice-presidente Mike Pence se hospedou em um resort Trump localizado no outro lado do país, onde suas reuniões oficiais estavam sendo realizadas. (Além de tudo o que os contribuintes gastaram com hospedagem, o transporte terrestre adicional custou quase U$ 600.000,00)

O Washington Post estimou que os EUA o governo pagou bem mais de U$ 1 milhão à empresa do presidente desde que ele assumiu o cargo em custos associados ao Serviço Secreto.

Isso inclui pelo menos 530 noites de hospedagem em Mar-a-Lago e 950 noites no clube do presidente em Bedminster, N.J.

Os contribuintes também estão pagando parte da conta das viagens de negócios dos filhos de Trump.

Em janeiro de 2017, Eric Trump voou para o Uruguai para verificar um dos projetos de condomínio da Trump Organization, que custou aos americanos cerca de U$ 98.000 em quartos de hotel para o Serviço Secreto e membros da equipe da embaixada.

Duas viagens no mês seguinte, uma de Eric para a República Dominicana e uma de Eric e Don Jr. para Dubai, geraram quase U$ 250.000 em despesas do serviço secreto, como passagem aérea, hospedagem e transporte terrestre.

Em maio de 2018, a China concedeu à filha de ouro de Trump, Ivanka, sete marcas registradas de sua marca de estilo de vida agora extinta, mais ou menos na mesma época que seu pai prometia salvar uma grande empresa de telecomunicações chinesa, a ZTE, da falência. O escritório de Ivanka disse que não houve tratamento especial envolvido.

O que é bom para a família Trump, aparentemente, também é bom para a família do marido da Sra. Trump, Jared Kushner, e seus interesses comerciais.

Em maio de 2017, a irmã do Sr. Kushner defendeu a posição de seu irmão como consultor sênior do presidente ao apresentar alguns dos empreendimentos imobiliários da Kushner Companies para investidores chineses em potencial por meio de um programa federal que fornece vistos rápidos para investidores estrangeiros ricos.

O projeto “significa muito para mim e minha família inteira”, ela disse a eles. A empresa negou qualquer impropriedade.

Também em 2017, tanto o Citigroup quanto a Apollo Global Management, uma das maiores empresas de capital privado do mundo, fizeram grandes empréstimos para a Kushner Companies após reuniões na Casa Branca entre o Sr. Kushner e os principais executivos dessas empresas.

As partes envolvidas insistiram que os empréstimos não tinham nada a ver com a posição do Sr. Kushner — que, na verdade, os negócios de sua família nem mesmo haviam aparecido nas discussões.

O empréstimo de U$ 184 milhões da Apollo foi concedido em novembro.

No mês seguinte, a Securities and Exchange Commission abandonou uma investigação sobre a Apollo que estava em andamento. Embora não houvesse nenhuma indicação de que os dois episódios estivessem relacionados, o momento foi um pouco impróprio.

Entidades estrangeiras reconhecem um alvo fácil quando o veem.

No início de 2018, o Washington Post relatou que funcionários de pelo menos quatro países — China, Israel, México e Emirados Árabes Unidos — “discutiram em particular maneiras de manipular” Kushner “tirando proveito de seus complexos acordos de negócios, financeiros dificuldades e falta de experiência em política externa ”, segundo EUA funcionários familiarizados com relatórios de inteligência.

Na política, como na vida, o peixe apodrece pela cabeça.

E muitos membros da administração parecem ter abraçado a flexibilidade ética da primeira família.

Entre os principais funcionários a deixarem o governo sob alegações de se beneficiar ou por uso indevido do dinheiro do contribuinte estavam o secretário do interior, o chefe da Agência de Proteção Ambiental, o chefe da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências, o secretário de saúde e serviços humanos e o secretário de assuntos dos veteranos.

De forma impressionante, Wilbur Ross continua a ser secretário de comércio, apesar dos relatos de várias transações financeiras suspeitas.

[O cargo de secretário nos EUA equivale ao de ministro no Brasil]

Esqueça a equipe de rivais de Abraham Lincoln. O Sr. Trump será lembrado por montar uma Equipe de Vigaristas de classe mundial.

O mundo da campanha Trump apresenta suas próprias oportunidades de auto-enriquecimento.

Antes de ser destituído do cargo de gerente de campanha neste verão, Brad Parscale enfrentou escrutínio tanto pelos gastos extravagantes da campanha quanto pelo estilo de vida luxuoso que adotou desde que ingressou na Equipe Trump.

Após o rebaixamento de Parscale, a campanha começou uma auditoria dos gastos durante sua gestão, de acordo com a Business Insider. (A campanha nega que o Sr. Parscale esteja sendo alvo de investigação.)

O Sr. Parscale aparece com destaque em recentes alegações de que o esforço de reeleição de Trump violou as leis de financiamento de campanha.

No final de julho, um grupo de vigilância apartidário, o Campaign Legal Center, apresentou uma queixa à Comissão Eleitoral Federal acusando a campanha e um comitê de arrecadação de fundos relacionado de mascarar U$ 170 milhões em gastos com fornecedores e membros da família Trump, canalizando os pagamentos por meio de empresas dirigidas pelo Sr. Parscale e outros criados por advogados da campanha.

Entre as despesas em questão estão os salários gordos da esposa de Eric Trump, Lara, e da namorada de Don Jr., Kimberly Guilfoyle.

A campanha negou qualquer irregularidade.

Mas aposto que você já deve ter adivinhado.

Com tanto atrevimento, corrupção e autoenriquecimento circulando, é divertido — e ainda assim horripilante — lembrar que Trump concorreu em 2016 como um forasteiro independente e duro que traria as “melhores pessoas” para ajudá-lo a limpar a política corrupção.

Hoje, à medida que a noite da eleição se aproxima, a campanha do presidente reservou o Trump International Hotel em D.C. para uma festa da vitória. Quartos esgotados há meses.

Esqueça a drenagem; o presidente colocou seu nome no pântano e começou a cobrar pela entrada.



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!