Clemente Ganz: A prioridade agora é preservar salários e empregos

Tempo de leitura: 2 min

sindicato

Para crescer, é preciso preservar empregos e salários

por Clemente Ganz Lúcio, sugestão da Assessoria de Imprensa da CUT 

Em 2014, apesar dos índices de inflação terem ficado mais próximos do teto da meta e do desaquecimento do mercado de trabalho, as negociações feitas pelo movimento sindical foram essenciais para o resultado positivo das campanhas salariais.

A análise dos resultados de acordos e convenções feitas pelo Dieese em 716 negociações de vários setores econômicos, categorias e regiões mostra que  92% das negociações resultaram em aumentos salariais – 6% conseguiram repor a inflação do período entre as datas-base e apenas 2% não conseguiram alcançar a reposição integral da inflação.

A média dos aumentos salariais foi de 1,39%, superior ao observado no ano anterior, quando ficou em 1,22%, e é um dos três melhores resultados da série histórica do levantamento. Cerca de 60% dos aumentos salariais estão na faixa entre 1% e 3%.

O contexto atual é de mais adversidade. Por um lado, porque os choques de oferta, a crise da água e elétrica, a desvalorização cambial, entre outros, pressionam os custos das empresas e a inflação. De outro lado, a performance do mercado de trabalho indica queda na geração de postos de trabalho e desemprego em alguns setores. Neste cenário, a estratégia sindical deverá comportar a indicação de prioridades que combinem a proteção dos empregos e dos salários.

Haverá dificuldades, que podem ser prolongadas, o que exige clareza nas estratégias. Na luta mais ampla e geral, será preciso pressionar por uma política econômica que promova a mais rápida transição possível para uma trajetória de crescimento econômico. Por outro viés, é necessário, deixar muito claro para os empresários que a preservação dos empregos e dos salários significa sustentar a demanda interna, elemento essencial para mobilizar a própria atividade das empresas, bem como sustentar um patamar de crescimento econômico.

Clemente Ganz Lúcio – diretor técnico do DIEESE, membro do CDES – Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.

Leia também: 

Altamiro Borges: 60 mil professores paulistas decidem continuar a greve, criticam manipulação e vaiam Alckmin e Globo 

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Mário SF Alves

“A prioridade agora é:
Preservar salários e empregos.”
E a Petrobras,
E as conquistas sociais,
E as obras e os investimentos de infraestrutura,
E a Constituição Federal,
E a indústria nacional,
E o combate à corrupção em todas as instâncias, inclusive no âmbito da sonegação e da corrupção fiscal.
E, resumindo tudo: … endurecer a luta contra o neo-fascismo neoliberal.

Deixe seu comentário

Leia também