VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Cláudio da Costa Oliveira: Como a mídia mentiu sobre a “falência” da Petrobras
Você escreve

Cláudio da Costa Oliveira: Como a mídia mentiu sobre a “falência” da Petrobras


16/10/2020 - 21h40

Atestado de total desconhecimento sobre a Petrobras

A imprensa mentiu que a maior empresa brasileira estava quebrada e nunca apresentou números para provar

Por Cláudio da Costa Oliveira, no Monitor Mercantil, via site da Dilma

É impressionante como determinadas pessoas têm a capacidade de distorcer a realidade dos fatos. Ricardo Bergamini, apresentado como professor de economia, em 3 de outubro, dia em que a Petrobras comemorou 67 anos de criação, publicou artigo de duas páginas falando sobre a história da empresa, no qual só aponta problemas, nenhuma qualidade.

Seria necessário muito dom para discorrer sobre a história desta companhia sem encontrar diversos e relevantes aspectos positivos. Mas logo a verdade vem à tona, quando ele revela a fonte das informações que foram utilizadas para escrever o artigo: “Acervo O Globo”. Sendo assim, creio que eu até poderia colaborar para aprimorar seu artigo:

– Em 2008, dois anos após a descoberta de pré-sal, Carlos Alberto Sardenberg publicou artigo afirmando que o pré-sal existia “só na propaganda do governo”.

– Em 2009, Miriam Leitão reconheceu a existência do pré-sal, mas foi categórica ao afirmar que a Petrobras não tinha tecnologia para extrair petróleo em águas tão profundas. Precisaria do apoio de empresas estrangeiras.

– Mas, “estranhamente”, sem apoio de ninguém, a Petrobras começou a extrair petróleo no pré-sal. Mas os “jornalistas” não se deram por vencidos: OK, a Petrobras consegue extrair petróleo, mas o custo é muito alto, o que torna a operação economicamente inviável.

– Neste ponto começaram a ocorrer fatos realmente inesperados pela dupla de “jornalistas”. A empresa começou a ganhar diversos prêmios internacionais na exploração em águas profundas. A consequência foi a extração de petróleo a um custo muito inferior ao obtido pelas demais petroleiras, e o negócio se tornou economicamente viável.

– Nossos intrépidos “jornalistas” se desesperaram. O que fazer para combater este atestado explícito de competência por parte de uma empresa tupiniquim?

Nós já estávamos em 2015, e a sorte sorriu para Miriam e Sardenberg. Neste ano, o câmbio real/dólar, que havia iniciado em R$ 2,65, terminou em quase R$ 4. Com isto, sendo que grande parte da dívida da empresa é contratada em moeda estrangeira, sua dívida em reais teve um súbito crescimento.

Nada de importante, pois as receitas da companhia e sua capacidade de geração de caixa sempre foram compatíveis com o endividamento. Mas nossos “heróis jornalistas”, com o apoio da mídia hegemônica, viram nisto a grande oportunidade de lançar ao que eu chamo “a mãe de todas as mentiras”: a empresa estava com sérios problemas financeiros, à beira da falência.

Eureca!! Nestas condições ela teria de parar de investir e procurar vender ativos para solucionar os problemas.

– No final de abril de 2016, Carlos Alberto Sardenberg, com maestria de picadeiro, retrata a situação: “Quebraram a estatal. Ou ela faz um acordo judicial ou vai precisar de aportes do governo”.

Nunca mostraram um número sequer (mesmo porque eles não existiam), e o Brasil inteiro acreditou (e, incrivelmente, até hoje acredita). A mentira virou verdade.

2016 terminou e não houve acordo judicial e muito menos aportes do governo. Pelo contrário. No final de 2016, a Petrobras adiantou R$ 20 bilhões para o BNDES, para aliviar o caixa do banco. Terminou o ano com um crédito de US$ 5 bilhões junto à Eletrobrás, tratado com camaradagem, sem fortes pressões de cobrança. Tinha ainda US$ 11 bilhões a receber de ativos que tinham sido vendidos. Com tudo isto, ainda terminou o ano com US$ 20 bilhões em caixa e uma Liquidez Corrente de 1,8, igual ao somatório da Liquidez da Chevron (1,0) com o da Exxon (0,8).

E aí Sardenberg?

E o professor Bergamini conclui seu artigo chamando atenção para o prejuízo registrado em 2014, sem informar que foi causado por ajustes contábeis, sem quaisquer efeitos financeiros

É preciso informar ao Ricardo Bergamini que, naquele mesmo ano de 2014, a Petrobras captou no mercado internacional quase US$ 15 bilhões, todos com bancos de primeira linha e com vencimento em torno de 30 anos.

Em 2015, a companhia captou US$ 2 bilhões junto ao J.P.Morgan e ao Deutsche Bank com vencimento em 2115. Isto mesmo, não é erro, decorridos cem anos. O caro leitor se lembraria de algum empréstimo bancário para uma empresa de país fora do primeiro mundo com um século para pagar? Nem mesmo um país da Otan.

Parece que os banqueiros estrangeiros, diferentemente do professor Bergamini, têm toda confiança na situação financeira da Petrobras. Quem vocês acham que está certo? É a verdade que constituí a maior defesa da Petrobras.



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

18 de outubro de 2020 às 07h40

Lucro Líquido Anual da Petrobras
nos anos imediatamente anteriores
ao início da Operação do DD e do Moro:

2008: R$ 32,99 bilhões
2009: R$ 28,98 bilhões
2010: R$ 35,19 bilhões
2011: R$ 33,13 bilhões
2012: R$ 21,18 bilhões
2013: R$ 23,57 bilhões

[Fonte: G1.Globo | 25/02/2014]

Responder

    Zé Maria

    18 de outubro de 2020 às 20h43

    Detalhe

    A própria Reportagem do G1.Globo contrariou
    seus/suas [email protected] que afirmavam
    mentirosamente que a Petrobras havia sido
    quebrada pela ‘corrupissáum do petê’.

    Aliás, @s Jornalistas de destaque da Globo
    foram escalados pelos Herdeiros do Roberto
    Marinho para dizer exatamente isso.

    E até hoje alguns/mas continuam dizendo
    contra os Fatos, Balanços e Documentos.

    Como diz o Nelson, no comentário abaixo:

    “Não é total desconhecimento” …
    “É Má-Fé mesmo. É Entreguismo” …

Nelson

16 de outubro de 2020 às 23h32

Texto irretocável, com apenas um porém. Creio que o Cláudio foi muito ameno no título.

A meu ver não se trata de “total desconhecimento sobre a Petrobras”. É má fé mesmo. É entreguismo e podridão sem limites.

A não ser na propaganda, a mídia hegemônica não tem e nunca teve qualquer compromisso com o país e a grande maioria do povo brasileiro.

Responder

Gilmar Mendes

16 de outubro de 2020 às 23h09

Petróleo é essencial para os EUA e outros países desenvolvidos. Segundo estudiosos o petróleo dura mais ou menos 40 anos no mundo. Enfim, 40, 50 ou 60 anos, ou seja, não dura muito tempo.
Pq será que o Obama espionava a Dilma ? Por uma empresa prestes a falir ?
O problema da mirian leitão é que ela sente falta da anaconda da ditadura.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!