VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Cláudio Arreguy: Como o VAR é uma ameaça ao futebol
Bola bate na mão de Alison dentro da área. Mas, foi pênalti?
Você escreve

Cláudio Arreguy: Como o VAR é uma ameaça ao futebol


25/02/2021 - 14h31

O slow motion está interferindo além da conta

POR CLÁUDIO ARREGUY, no Ultrajano

Quando se vê o lance em velocidade normal, segue o jogo, como o próprio árbitro entendeu antes de ser chamado à casinhola.

Mas, quando se examina a mesma imagem em slow motion, o que era normal ganha dramaticidade, adquire ares da agressão que não houve
Slow Motion ‒ Câmera lenta, no português, é muito usada em filmes de ação para criar tensão, ampliar o clímax, enfatizar gestos, esgares e fenômenos rápidos como o disparo de uma arma ou a queda de uma gota d’água.

No esporte, ajuda-nos, por exemplo, a esclarecer se a bola (ou bolinha) quicou dentro ou fora do gramado ou da quadra, se resvalou no bloqueio, se houve impedimento ou que nadador bateu primeiro a mão na borda da piscina.

No caso, dos filmes, o slow motion reforça a ação, aumenta a carga dramática, casa perfeitamente com a música.

Mas não deixa de ser ficção.

Recursos em auxílio da arte da interpretação e de nossa compreensão da obra exibida. No esportivo, auxilia a precisão.

Aí é que quero chegar ao ponto deste texto.

Tão ou mais discutido do que a possibilidade do Flamengo ou a do Internacional de se sagrar o campeão brasileiro de 2020 nesta quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021, foi o lance que resultou na expulsão do lateral-direito Rodinei, emprestado pelo primeiro ao segundo, no jogo entre os dois times no último domingo, no Maracanã.

Aliás, ainda está rendendo assunto nas redes sociais e resenhas televisivas.
Já adianto meu ponto de vista: não acho que era para expulsão.

O lateral-direito do Inter até pisou no pé do lateral-esquerdo do Fla, Filipe Luís.

Mas acidentalmente, não com o intuito de cometer a falta nem com a intensidade da agressão que o VAR sugeriu ao convocar à cabine o árbitro Rafael Klaus. Jogada para cartão amarelo, se tanto.

Será que esse pessoal nunca jogou pelada na infância?

Quantas pisadas dessas já não terá cometido ou sofrido na disputa de uma bola?

Por perder o tempo dela. Ou mesmo por ruindade.

Pisar no pé do adversário faz parte dos contatos inerentes ao futebol. Ainda mais sem a intenção de agredir.

Foi o caso típico da disputa entre Rodinei e Filipe Luís.

Este mesmo se espantou com o rigor da expulsão, chegou a comentar com o ex-colega e hoje rival que a consulta ao VAR lhe custaria no máximo um amarelo.

O vermelho aplicado pelo Klaus foi mais do que exagero.

Quando se vê o lance em velocidade normal, segue o jogo, como o próprio árbitro entendeu antes de ser chamado à casinhola.

Mas, quando se examina a mesma imagem em slow motion, o que era normal ganha dramaticidade, adquire ares da agressão que não houve.

E o simples lance de jogo parece entrar no terreno da ficção.

O que até antes da entronização do VAR seria impensável.

O recurso cinematográfico virou castigo na vida real do campo de futebol.





9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Marcelo rezende

26 de fevereiro de 2021 às 19h27

Como diz o Washington Rodrigues nos seus comentários sobre o VAR.
Está se criando um monstro que logo será motivo para corrupção por conta de apostas e resultados pré-fabricados.

O futebol tem como raiz as peladas de várzea, lá para ter impedimento a banheira tinha que ser visível- hoje é nanométrica. Para ser penal a bola tinha que bater na mão com intenção de se desviar a trajetória- hoje a bola bate na mão e nas costas do defensor e o juiz e Var punem.
O juiz não vê maldade maior nos lances de contato, mas o slow-motion do Var vê e a maioria dos comentaristas dão razão ao juiz e sugerem que o punido deve ir para um psicanalista.
Os juízes perderam a moral – permitem muitas simulações e paralizações excessivas, que NUNCA são compensadas com mais 3 minutos. Os técnicos também contribuem para o fim do futebol: trocam 2/3 jogadores do seu time quando faltam 5 minutos para o final da partida – falta de respeito !

Não demora muito, o futebol vai ser virtual !

Responder

Ricardo Oliveira

26 de fevereiro de 2021 às 17h12

O futebol é tão corrupto que até o recurso eletrônico é usado para interesses escusos, depende de quem está comandando o equipamento, o correto seria utilizar o critério adotado em todos os lances semelhantes como padrão, se o árbitro no caso deu amarelo em lances anteriores este seria para amarelo também, assim como nos pênaltis, se mão no chão é pênalti este deve ser marcado em todas as situações iguais, mas dependendo do time as coisas mudam, no brasil em tudo se dá um jeitinho.

Responder

Zé Maria

26 de fevereiro de 2021 às 16h51

.
.
Na Última Rodada do Campeonato Brasileiro (Brasileirão) 2020/2021,
a Partida entre Internacional e Corinthians no Gigante da Beira-Rio
pode ser resumida assim:

Três Gols do Inter Anulados pelo VAR e um Pênalti Pró-Inter marcado
pelo Arbitro e Desmarcado pelo VAR.

Com a Derrota do Flamengo para o São Paulo no Morumbi,
o Inter precisava vencer o Jogo para ser Campeão.

O Corinthians, que não almejava mais nada no Campeonato,
“fez cera” do início ao fim do Jogo que terminou Empatado.

O Flamengo, que só conquistou a Liderança na Penúltima
das 38 Rodadas, para felicidade da Globo, da CBF e da Total,
foi o Campeão que fez por merecer o Investimento Milionário
da Petrolífera Francesa.
Afinal, o Futebol, como Negócio que é, foi feito para dar Lucro,
a qualquer custo, ainda que em Prejuízo do Espetáculo que
deveria ser, e já foi.
.
.

Responder

Morvan

26 de fevereiro de 2021 às 16h47

Muito bem explicitado, faz-nos pensar como nós, brasileiros temos o condão de distorcer tudo! A Teoria do Domínio de Fato virou um puxadinho, aqui, para punir os inimigos ideológicos, por exemplo; a delação premiad, um Ex-Machina para lawfare e enriquecimento. no caso do VAR (ou AAV), o jeitinho (via de regra, deletério) brasileiro o torna uma muleta para favorecimento do time que mais traga dividendos à Vêm-nos, Para Ti, Nada. Um verdadeiro VARgabundo!

Responder

Marco

26 de fevereiro de 2021 às 15h47

Não consigo entender esse tipo de opinião. A maioria dos esportes utiliza, há tempos, recursos de imagem para eliminar dúvidas e promover o equilíbrio nas competições. O VAR, no futebol, inexplicavelmente, demorou muito a chegar. E agora que chegou, a imprensa especializada não se cansa de criticar. Pelo amor de Deus, parem com isso! O VAR não atrapalha nada. O que atrapalha, e sempre atrapalhou, é a desonestidade de alguns árbitros, com VAR ou sem VAR.

Responder

Daniel C.ardoso

26 de fevereiro de 2021 às 08h02

Vamos Alterar o Resultado (VAR) no Brasil e, funciona conforme seha o tine a ser beneficiado.

Responder

Zé Maria

25 de fevereiro de 2021 às 19h38

Humano Mecanizado.
Vida Mecanizada.
Futebol Mecanizado.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura