VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Brasil tem tantos famintos quanto a população de Bolívia, Cuba ou Portugal
Ednubia Ghisi e Regis Luís Cardoso, via Fotos Públicas
Você escreve

Brasil tem tantos famintos quanto a população de Bolívia, Cuba ou Portugal


06/04/2021 - 16h58

A fome só é erradicada com política de estado

Por Maister F. da Silva*

Desde o início da pandemia multiplicaram-se ações de solidariedade capitaneadas por ong’s, movimentos sociais, partidos políticos, coletivos e até algumas empresas, destinaram seus recursos de responsabilidade social para ações de combate à fome e a insegurança alimentar.

Esse tem sido o maior alento para milhões de famílias que encontravam-se em situação de extrema pobreza, desde antes de eclodir a crise sanitária.

Segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais (SIS) divulgada pelo IBGE ao final 2018, o país tinha 13,5 milhões pessoas com renda mensal per capita inferior a R$ 145, ou U$S 1,9 por dia, critério adotado pelo Banco Mundial para identificar a condição de extrema pobreza, número equivalente à população de Bolívia, Bélgica, Cuba, Grécia e Portugal.

Esse foi o saldo deixado pelo golpe de 2016 que desestruturou as políticas de combate à pobreza e a política agraria de promoção e incentivo a agricultura familiar e camponesa, responsável pela produção de alimentos no país.

As políticas adotadas pelo Governo Temer, destacando a Emenda Constitucional 95, que estabelece o Teto de Gastos, ceifaram linhas de crédito para os pequenos produtores e paralisaram ainda mais a reforma agrária.

Aliado as flexibilizações no mundo do trabalho, que gerou um contingente crescente de desempregados, precarizados e trabalhadores informais criaram um ambiente de instabilidade que vem deixando a população sem perspectiva.

Desde 2016 o orçamento público deixou de priorizar ações de interesse social, para voltar-se aos interesses do rentismo.

Todas as políticas sociais foram desestruturadas e reformuladas com vistas a atender os interesses do capital.

O Plano Safra, então, foi praticamente capturado pelo agronegócio.

A agricultura familiar e camponesa além de ser a principal produtora de alimentos é responsável por sustentar a economia de aproximadamente 90% dos municípios com até 20 mil habitantes.

Com mais de 4 milhões de estabelecimentos, a agricultura familiar e camponesa, ao mesmo tempo em que representa 77% dos estabelecimentos agrícolas, ocupa apenas 23% da área agricultável do país.

Portanto, é de extrema importância para o desenvolvimento sustentável da nação e é o único setor produtivo do país com capacidade real de sustentar um programa sério de segurança e soberania alimentar, com alimento de qualidade.

A soberania do Brasil passa por uma ação de estado que seja capaz de colocar em perfeita simbiose o mundo rural e o urbano, ou seja, criar políticas de estado que garantam a produção, a comercialização, o estoques públicos e a distribuição de alimentos de forma que se possa proteger os produtores na baixa de preços, controlar a alta nos preços dos alimentos ao trabalhador urbano em períodos de escassez, manter um programa perene de combate à fome e a insegurança alimentar e atuar de maneira célere em períodos de excepcionalidade como agora durante a pandemia da Covid-19.

As campanhas de solidariedade são importantes e devem continuar, pois estão tecendo uma teia de cooperação que vai além dos atos solidários, com articulações locais e nacionais.

A partir delas, estão se organizando as bases do precariado brasileiro.

Combater a fome passa também por questionar o sistema social vigente, desumano e predatório.

A fome apresentada em números já ocupa as principais manchetes, uma delas, trazida pelo Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, desenvolvido pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (Rede PENSSAN), aponta que 19 milhões de brasileiros enfrentam a fome no seu dia a dia e compõem a população em situação de insegurança alimentar grave.

Além disso, que 116,8 milhões de brasileiros não tem acesso pleno e permanente a alimentos.

Esses números demonstram uma realidade que desafia a todos nós!

Mesmo com solidariedade, é preciso ter de volta a estruturação de políticas públicas de combate à fome, que nos coloque novamente fora do mapa da fome.

Mas porque associar a falta de políticas públicas com a fome se vivemos uma pandemia? Porque de 2018 a 2020, como mostra a pesquisa VigiSAN, o aumento da fome foi de 27,6% e enfrentávamos somente a pandemia da fome e da desestruturação da proteção social.

A crise sanitária encontrou o estado brasileiro em frangalhos, sem capacidade de respostas mínimas.

A fome de hoje não tem a mesma face da fome retratada por Guimarães Rosa no clássico “Vidas Secas”.

Não é da miséria esquelética das fotos que estampavam as revistas do passado.

É fome de comida com falta de perspectiva. Depois de erradicada, a fome volta como um grito de socorro por cidadania.

*É militante do Movimento dos Pequenos Agricultores e membro do FRONT – Instituto de Estudos Contemporâneos.





2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Vilmar Cunha

06 de abril de 2021 às 22h13

Tá aí o resultado do golpe de 2016 com todos.
Quem dos mais velhos não se lembra do natal solidário do sociólogo Betinho.
Natal.
O golpe concentrou a renda mais ainda e quem é pobre que segue o neo-liberalismo do PSDB só se ferra.
O teto de gastos foi criado no governo Temer que perdoo a dívida do banco Itaú de 25 ou 50 bilhões de reais. Nem sabemos ao certo. Vai saber !
Ou seja, teto só pra pobre. De gastos, claro. O congresso continua comendo presunto.
O neo-liberalismo é um RETUMBANTE fracasso. Nada mais é que uma bolsa banqueiro.
E no banco Itaú não tem perdão não. Atrasou a prestação já era a casa financiada. Ou seja, até a classe média se lascou de verde e amarelo. Em 3 meses é difícil arrumar emprego para não perder a casa. O cara tem que ser NINJA.
Falam mal do comunismo que nem há no Brasil, nunca houve, mas o neoliberalismo é muito mais ineficiente.
Ineficiente.
O Estado quer o imposto mas não quer saber do povo pobre. Mas sempre cobra o imposto, pois tem imposto indireto tb.
O neoliberalismo NÃO funciona. É bastante ineficaz. É uma maneira do Estado fugir de suas obrigações.
Neoliberalismo é um conto de fadas. Só funciona no livro.

Responder

Zé Maria

06 de abril de 2021 às 21h02

.
.
Só não existem mais Famintos, porque os Pobres (não Ricos)
são Solidários entre si e dividem até o que não possuem.
.
.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura