VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Bancada negra da Câmara de Porto Alegre denuncia assassinato brutal no Carrefour; vídeo
Luiza Castro/Sul 21
Você escreve

Bancada negra da Câmara de Porto Alegre denuncia assassinato brutal no Carrefour; vídeo


20/11/2020 - 15h54

Bancada negra eleita em Porto Alegre repudia crime e convoca ato “justiça para Beto”

Para a bancada negra eleita à Câmara de Porto Alegre, crime revela dimensão do racismo estrutural na cidade e no país

Marcelo Ferreira — Brasil de Fato

Na véspera do Dia da Consciência Negra, o Brasil se depara com mais um brutal assassinato de uma pessoa negra.

João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi agredido até a morte em uma unidade do supermercado Carrefour localizado no bairro Passo D’Areia, em Porto Alegre, na noite desta quinta-feira (19)

Os agressores, dois homens brancos, um segurança privado do estabelecimento e um integrante da Brigada Militar, foram presos em flagrante e são investigados por homicídio qualificado.

A bancada negra eleita à Câmara de Vereadores de Porto Alegre concedeu uma coletiva de imprensa onde repudiou o crime.

Bancada negra eleita repudia crime

Na manhã deste Dia da Consciência Negra, a bancada negra eleita para a Câmara de Vereadores de Porto Alegre alterou sua agenda, frente ao ocorrido, e concedeu uma entrevista coletiva a respeito do caso, em frente ao supermercado.

Os cinco vereadores eleitos manifestaram solidariedade à família de Beto e repudiaram o crime, destacando que o caso não é isolado e revela a dimensão do racismo estrutural na cidade e no país.

“Era para ser um dia que a gente se apresentava para a cidade que elegeu cinco jovens negros, a primeira bancada negra da história da Câmara de Vereadores e a gente é pego de surpresa numa noite em que a gente acorda e tem mais um dos nossos corpos atirado no chão”, disse Bruna Rodrigues (PCdoB), ressaltando que o Estado e o Carrefour precisam assumir suas responsabilidades.

Segundo a vereadora eleita, o grupo foi até o local para cobrar respostas e para dizer que todos os dias da bancada serão de luta.

“Enquanto tiver um corpo nosso atirado pela cidade a gente vai estar junto e lutando para que isso se encerre”, afirma.

“Infelizmente esses corpos pretos precisam lutar para existir”, conclui.

“Resolvemos transferir a coletiva para cá e usar essa coletiva como denúncia contra a violência policial contra negros e negras no Brasil”, explica Laura Sito (PT).

Ela também aponta que a morte do Beto não é um caso isolado.

“Nós, inclusive, nesse ano de 2020, testemunhamos vários casos, desde o menino Miguel [assassinado] por um PM até tantos jovens negros assassinados pela força do Estado ou por negligência racista de terceiros. Infelizmente a cena que nós vimos ontem é mais uma dessas”, lamenta.

A vereadora eleita destaca que essa primeira ação foi de denúncia e que os cinco se colocaram à disposição da família para o que precisarem.

“Nossa principal tarefa, que o povo nos designou, é estar nas ruas lutando por dignidade e justiça e nós nos manteremos, não só hoje, mas ao longo do próximo período.”

Matheus Gomes (PSOL) lamenta as cenas horríveis.

“As imagens dele sendo espancado dentro do supermercado estão girando o Brasil e o mundo e está nítido o que aconteceu ali, quem é homem e quem é mulher negra sabe o quão inseguro é andar dentro de um supermercado ou qualquer estabelecimento comercial”, destaca.

“Nós nunca vimos uma cena de tamanha brutalidade e desumanidade acontecer em nosso país com um corpo que não seja o nosso”, reflete.

“Essa é a dinâmica de racismo no Brasil, nenhum dia de sossego, nenhum dia de paz para a população negra da periferia”, afirma o vereador eleito. Para ele, é dever não só da população de Porto Alegre, mas de todo o Brasil, reagir ao caso.

“A gente precisa mostrar que esse tipo de ação não vai ser naturalizada, banalizada, a gente tem que reagir a essa situação. O Carrefour é o primeiro a ser responsabilizado, é reincidente em situações como essa de violência, aconteceu na dependência dessa multinacional que precisa ser responsabilizada.”

A vereadora Karen Santos (PSOL) descreve o caso como horrível, em meio à euforia da eleição da primeira bancada negra.

“Nosso papel lá dentro [da Câmara] é inclusive esse, estar ao lado, dane-se a agenda formal do 20 de novembro, não é um dia de festa, de comemoração. Não é de hoje que a gente marcha por nossos mortos porque isso é cotidiano, a gente sente. Infelizmente, mais um foi assassinado dentro de uma instituição privada, racista, pra gente conseguir mostrar de novo a importância da gente ter política”, afirma.

Para ela, o que aconteceu não pode ser naturalizado como um acidente ou uma morte qualquer.

“É um crime que acontece todos os dias dentro de shopping center, dentro de outros supermercados, é o racismo institucional e a gente precisa ter pauta para que isso não aconteça.”

Por isso, pede que prefeitura e governo do estado se responsabilizem e lancem medidas de criminalização.

“Não dá para colocar só nas costas dos seguranças, isso é algo reincidente dentro da rede Carrefour, então mais do que nunca, pensar o racismo institucional e como a gente vai cobrar como esse tipo de conduta seja tida como um crime e não como um fato isolado ou acidente.”

Para Daiana Santos (PCdoB), o caso demonstra o racismo estrutural da sociedade brasileira.

“É muito simbólico que nesse 20 de novembro, mesma semana que elegemos cinco jovens negros para a Câmara de Vereadores da cidade, tenhamos que estar aqui vendo mais um de nossos corpos tombarem.”

“Isso é muito um retrato do Brasil que nós temos hoje. Acho que no último domingo, de norte a sul do Brasil, nós mostramos que queremos ter voz e queremos denunciar e combater o racismo”, avalia a vereadora eleita.

“Uma agenda antirracista para o Brasil e Porto Alegre é o que nós vamos avançar no próximo período”, conclui.

Justiça por Beto

Um ato pedindo por justiça para Beto está convocado para às 18h desta sexta-feira (20), em frente à unidade do Carrefour Passo D’Areia, onde ocorreu o crime.

O protesto terá transmissão online pelas páginas no Facebook do Brasil de Fato RS e da Rede Soberania.

“Estaremos aqui por empatia e solidariedade, o que aconteceu com George Floyd aconteceu aqui dentro do nosso território, a cidade de Porto Alegre, a mais racista e segregada do Brasil, e cabe a nós também estar aqui na rua prestando solidariedade e mostrando para a sociedade que não vai passar”, afirma a vereadora Karen Santos.

Beto foi espancado na entrada da loja

O caso ganhou rapidamente as rede sociais após clientes filmarem o crime. Os vídeos circulam amplamente nas redes sociais, mostrando Beto, como era conhecido o homem, sendo espancado após ser levado para a entrada da loja.

Os agressores desferiram uma série de socos no rosto e chutes pelo corpo, deixando o homem desacordado.

Beto foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), que tentou reanimá-lo sem sucesso.

O Carrefour emitiu uma nota lamentando o ocorrido e classificando o ato como criminoso.

Diz estar tomando providências para que os responsáveis sejam punidos e anunciou o rompimento do contrato com a empresa terceirizada de segurança.

Entretanto, o supermercado carrega um histórico de violência e descaso envolvendo clientes e os próprios funcionários.

Também em nota, a Brigada Militar informou que prendeu os envolvidos após ser acionada e que o policial envolvido na agressão é “temporário, cuja conduta fora do horário de trabalho será avaliada com todos os rigores da lei”.



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

20 de novembro de 2020 às 19h35

A Brigada Militar (PM-RS) não tem nada a ver com isso,
mas o PM Assassino está preso no Presídio Militar em PoA.
E é a Brigada que faz os treinamentos dos vigilantes no RS.

Responder

Zé Maria

20 de novembro de 2020 às 19h29

https://pbs.twimg.com/media/EnRQ4WRW4AIevgp?format=jpg

“A realidade de negros por aqui é muito diferente da enfrentada por brancos:
enquanto o homicídio de não negros caiu 12% de 2008 a 2018,
o de negros cresceu 11,5% (@forumseguranca)”.

https://twitter.com/isoudapaz/status/1329777034147540998

Responder

Zé Maria

20 de novembro de 2020 às 19h24

A Indignação do Povo Negro é tanta,
que prefere mais morrer de COVID-19
do que apanhando da Polícia Militar.
https://twitter.com/i/status/1329900843961815043

Responder

Henrique Martins

20 de novembro de 2020 às 19h23

https://www.terra.com.br/noticias/eleicoes/marcio-franca-contraria-psb-e-diz-que-ficara-neutro,5cbefdb353aab576b39aff81cd27e8d3pgxtkwdp.html

Mantenha sua posição mesmo meu senhor. Esse tipo de apoio não vai dar sorte para Boulos. Fique longe dele por favor.

Responder

Zé Maria

20 de novembro de 2020 às 19h16

https://twitter.com/i/status/1329899527071993857
Protesto Antirracista em frente ao Carrefour,
em Porto Alegre, onde o Jovem Negro João,
foi assassinado na porta do supermercado.

A manifestação foi convocada por organizações
do movimento negro e demais movimentos sociais.

https://twitter.com/PonteJornalismo/status/1329899527071993857

Responder

Zé Maria

20 de novembro de 2020 às 19h12

Beto foi a Gota D’Água que fez transbordar o Balde.
Os Negros não agüentam mais apanhar da Polícia,
e verem os filhos Assassinados nas Portas de Lojas.

“Após o assassinato de João Freitas no Carrefour de Porto Alegre,
manifestantes ateiam fogo no Carrefour da Pamplona, em São Paulo.

João Freitas foi espancado e assassinado por dois seguranças
na noite de ontem (19), véspera do Dia da Consciência Negra.”

https://twitter.com/J_LIVRES/status/1329906656382160902

Responder

Zé Maria

20 de novembro de 2020 às 19h05

https://twitter.com/i/status/1329895969446637574
“Acontecendo agora um ato no Carrefour da Barra da Tijuca,
no Rio de Janeiro em repúdio ao assassinato de João Alberto
em Porto Alegre. Manifestantes ocuparam e fecharam a loja.”
https://twitter.com/Alma_Preta/status/1329895969446637574

Responder

Zé Maria

20 de novembro de 2020 às 19h03

https://twitter.com/i/status/1329887663122501632
Protesto Antirracista, em frente ao Carrefour,
em Belo Horizonte, Minas Gerais
https://twitter.com/eurenesilva/status/1329887663122501632

Responder

Zé Maria

20 de novembro de 2020 às 18h58

https://twitter.com/i/status/1329884717211119617
“TO AGORA NO CARREFOUR, RIO,
CONTRA A MORTE DE JOÃO ALBERTO
EM PORTO ALEGRE!!!!” #VidasNegrasImportam
#DiadaConscienciaNegra #justicaporbeto

Jandira Feghali
Deputada Federal (PCdoB=RJ)
https://twitter.com/Jandira_Feghali/status/1329884717211119617

“Acontece, neste momento, um ato na Av. Paulista (SP)
para pedir justiça a João Alberto, assassinado na noite
de ontem na porta do Carrefour em Porto Alegre (RS).
A manifestação foi convocada por organizações do
movimento negro, entidades sindicais e os demais
movimentos sociais.”
https://twitter.com/PonteJornalismo/status/1329879925629841417

Responder

Zé Maria

20 de novembro de 2020 às 18h04

Enquanto os Sócios Administradores dessas Empresas
não sentirem ‘na pele’ uma Punição Rigorosa Exemplar, pela
Negligência ao Racismo e Brutalidade de seus Funcionários,
esses Homicídios Dolosos contra Pessoas Negras não param.
Se um Racista é Preso, ‘não dá nada’, contratam tantos outros.

Responder

Zé Maria

20 de novembro de 2020 às 17h54

.
.
Os Projetos de Lei nº 27/1999 (*) e 4842/2001 (Apensado)**,
de Autoria do então Deputado Federal, hoje Senador,
Paulo Rocha (PT=PA) e do Deputado Luiz Alberto (PT=BA),
respectivamente, tramitam na Câmara Federal, para
“acrescentar Artigo à Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989,
instituindo a responsabilidade penal de pessoas jurídicas
cujos funcionários realizem práticas de racismo”.
Referidos Projetos estão parados na CCP, desde 24/08/2015,
aguardando pedido de desarquivamento (RICD, art. 105).

*(https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=14952)
**(https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=29398)

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!