VIOMUNDO

Diário da Resistência


Altamiro Borges: Desemprego no Brasil é o dobro da média mundial
Foto: Edson Lopes Jr/A2AD, via Fotos Públicas
Você escreve

Altamiro Borges: Desemprego no Brasil é o dobro da média mundial


23/11/2021 - 12h42

Desemprego no Brasil: dobro da média mundial

Por Altamiro Borges, em seu blog

A dupla Bolsonaro-Guedes está desgraçando a vida dos trabalhadores. Ranking divulgado nesta segunda-feira (22) pela agência de classificação de risco Austin Rating comprova que o desemprego no Brasil, de 13,2% no trimestre encerrado em agosto, é mais que o dobro da média internacional, de 6,5%.

O levantamento compara os países que divulgaram dados de desemprego de agosto. Pelo ranking, a taxa de desocupação brasileira é a quarta maior de uma lista de 43 economias. O Brasil só ficou em uma posição melhor do que a da Costa Rica (15,2%), Espanha (14,6%) e Grécia (13,8%).

E as perspectivas para o futuro são sombrias. Ainda segundo a pesquisa, “vai demorar para que o mercado de trabalho do Brasil se recupere. A última vez em que tivemos uma taxa de desemprego de um dígito foi em 2015. Sempre tivemos um fator internacional ou doméstico adiando a recuperação”, afirma Alexandre Agostini, economista-chefe da Austin.

A volta da destrutiva minirreforma trabalhista

O analista realça que as projeções divulgadas em outubro pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) apontam que o país deve fechar 2021 com o desemprego em 13,8%, “o que colocaria o mercado de trabalho no Brasil entre os 15 piores do mundo”.

Como solução, o serviçal dos rentistas propõe reduzir os tributos das empresas e arrochar os trabalhadores.

Como laranja do “deus-mercado”, Jair Bolsonaro adota a mesma atitude na questão do desemprego.

Na semana passada, a Folha revelou que o governo não desistiu da sua minirreforma trabalhista – que foi derrotada pelo Senado em setembro passado. O objetivo da “deforma” é reduzir ou eliminar direitos como 13º salário e o pagamento do FGTS.

Como lembra o jornal – que em editorial apoiou a minirreforma – a proposta rejeitada incluía o programa Requip (regime de qualificação profissional), voltado aos jovens desempregados.

Eles receberiam um bônus de até R$ 550, sem previsão de 13º pagamento da bolsa nem de Fundo de Garantia.

Outro tipo de contratação era o chamado de Programa Nacional de Prestação de Serviço Social Voluntário.

Ele permitiria que prefeituras contratassem temporariamente pessoas para serviços.

Nesse caso, não havia previsão de férias, nem 13º, nem FGTS.

E ainda havia um terceiro tipo de contratação na deforma: o Programa Primeira Oportunidade e Reinserção no Emprego (Priore), que reduzia o recolhimento das empresas para o FGTS dos trabalhadores.

A minirreforma ainda previa que o acordo de redução da jornada de trabalho e corte do salário – adotado na pandemia – poderia ser permanente, a ser acionado em situações de calamidade pública.

Diante dos dados sobre o desemprego, o governo volta a estudar a edição de uma medida provisória (MP) com o mesmo conteúdo já derrotado – segundo a Folha.





1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Nelson

24 de novembro de 2021 às 22h33

O atual nível de desemprego no Brasil não é conjuntural, mas estrutural. E nada indica que o índice, muito alto, possa retroceder, haja vista que o projeto para o país é intensificar a imposição do ultraliberalismo com medidas que irão arrochando salários, cortando direitos e empobrecendo mais e mais a população.

E, num raciocínio lógico, dentro da lógica capitalista, se as pessoas verem seu salário, sua renda, diminuir, se verão obrigadas a diminuir também o seu consumo. O resultado será mais retração na economia e menor geração de empregos, quando não um aumento do desemprego.

Assim, a solução será reavivar a economia com investimentos públicos ou vê-la estancar ou até retroceder ainda mais. Porém, como o golpe de 2016 foi desfechado para demolir o quanto possível a economia brasileira e o governo Bolsonaro foi eleito para dar continuidade ao golpe, a segunda hipótese é que vai preponderar.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding