VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Afeganistão: Relatórios secretos vazam e revelam conflito brutal


26/07/2010 - 11h15

Afeganistão: quadro sem retoques (1)

25/7/2010, Guardian, UK (editorial)

Tradução Caia Fittipaldi

A névoa da guerra é excepcionalmente densa no Afeganistão. No momento em que se dissipa, como hoje, com a publicação, pelo Guardian, de excertos de relatos secretos de militares dos EUA, revela-se paisagem muito diferente daquela a que nos habituamos. São relatos de guerra escritos no calor da hora e mostram um conflito no qual reinam a mais brutal confusão e todos os desacertos, sem qualquer plano ou projeto. Há muitas diferenças entre o que mostram esses documentos e a guerra organizada, bem embalada, da versão ‘pública’ dos comunicados oficiais e dos flashes necessariamente resumidos de jornalistas incorporados à tropa.

No material agora publicado há mais de 92 mil relatórios de ações dos militares norte-americanos no Afeganistão entre janeiro de 2004 e dezembro de 2009. Os arquivos foram distribuídos por Wikileaks, website que publica material não rastreável de várias fontes. Em colaboração com o New York Times e Der Spiegel, o Guardian trabalhou durante semanas nesse oceano de dados, até extrair deles a textura oculta e as histórias de horror humano que são o dia a dia da guerra.

Esse material teve de ser tratado como o que é: um relato contemporâneo ao conflito. Alguns dos relatórios de inteligência não têm fonte confirmada: alguns dos aspectos da contagem do número de mortes entre civis não parecem confiáveis. São relatos – classificados como secretos – enciclopédicos, mas incompletos. Foram removidas do que adiante se lê todas as informações que ponham em risco a segurança dos soldados, de informantes locais e de agentes colaboradores.

O quadro geral que emerge é extremamente perturbador. Há relatos de cerca de 150 incidentes nos quais as forças da coalizão, inclusive soldados britânicos, mataram e feriram civis, a maioria dos quais jamais divulgados; de centenas de confrontos de fronteira entre soldados afegãos e paquistaneses, de dois exércitos supostamente aliados; da existência de uma unidade de forças especiais cuja única missão é assassinar líderes Talibã e da al-Qaeda; do massacre de civis apanhados em locais onde aconteçam explosões das bombas de fabricação caseira dos Talibã; e uma longa lista de incidentes nos quais os soldados da coalizão atiraram uns contra os outros, também envolvendo soldados afegãos, com mortos e feridos.

Ao ler esses relatos, é fácil suspeitar de que reine por lá o mais absoluto descaso pela vida de inocentes. Um ônibus que não para para uma patrulha a pé é metralhado (4 passageiros mortos e 11 feridos). Os documentos contam como, na caça a um guerrilheiro local, uma unidade das Forças Especiais executou sete crianças. As crianças não eram prioridade. Relato assinalado “Noforn” (ing. not for foreign elements of the coalition, “proibido para elementos estrangeiros [não da coalizão, locais, portanto]”) sugere que a prioridade daquela unidade foi esconder, o mais rapidamente possível, o sistema de mísseis móveis que haviam usado na ação.

Nesses documentos, as agências de inteligência do Irã e do Paquistão organizam manifestações e tumultos. O Serviço Secreto do Paquistão (Inter-Services Intelligence, ISI) tem ligações com os mais conhecidos senhores-da-guerra. Diz-se que o ISI teria entregue 1.000 motocicletas a Jalaluddin Haqqani, um desses senhor-da-guerra, para serem usadas em ataques suicidas nas províncias de Khost e Logar, e que estariam implicados em sequência impressionante de ações, desde atentados contra a vida do presidente Hamid Karzai até o envenenamento dos carregamentos de cerveja para os soldados ocidentais. São relatos que não há como comprovar e é possível que sejam parte de uma barreira de falsa informação distribuída pelo serviço secreto afegão.

Mas a resposta da Casa Branca ontem – que negou que o exército paquistanês seja tão direta e especificamente ligado aos guerrilheiros locais – basta, para que se tenha de definir como inaceitável o status quo na guerra do Afeganistão.

Para a Casa Branca, os “paraísos seguros” para “terroristas” em território paquistanês continuam a ser “ameaça intolerável” às forças dos EUA. Sejam ou não, esse não é um Afeganistão que EUA ou Grã-Bretanha estejam a alguns meses de entregar, embrulhado em papel de presente e fitas cor-de-rosa, a um governo nacional soberano em Cabul. Antes, exatamente o contrário. Depois de nove anos de guerra, o caos, sim, ameaça tornar-se incontrolável. Guerra ostensivamente feita para conquistar corações e mentes afegãs não será vencida do modo como as coisas parecem estar, por lá.

Amanhã:
2 – Dos computadores de militares para um café em Bruxelas: como os documentos chegaram aos ativistas online contra a guerra do Afeganistão (em http://www.guardian.co.uk/world/2010/jul/25/wikileaks-war-logs-back-story)

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



41 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Damastor Gautierre

27 de julho de 2010 às 22h37

E o Uribe rejeitou o plano de paz de Chavez.

Uribe é só um laranja que está fazendo o jogo dos EUA, que estão loucos para realizar uma intervenção armada na Venezuela;

Só que uma coisa eu digo. Vão tomar um cacete.

Os EUA já estão esgotados por conta das intervenções no Oriente Médio.

A esperança dos EUA é que o Serra leve a eleição, pois teriam o Brasil ao seu lado em caso de conflito com a Venezuela.

Mas o problema é que se esse conflito ir para as vias de fato esse ano, as eleições no Brasil ficariam prejudicadas

Responder

Milton Hayek

27 de julho de 2010 às 12h48

Digite o texto aqui![youtube i9E8Kj0FEZs http://www.youtube.com/watch?v=i9E8Kj0FEZs youtube]

Responder

Milton Hayek

27 de julho de 2010 às 09h39

Olha o Coisa Ruim falando de nossa época.Ele tá na crista da onda:

[youtube g-qiVbHuHBs http://www.youtube.com/watch?v=g-qiVbHuHBs youtube]

Responder

Allan Erick

26 de julho de 2010 às 23h07

Quanto pior para os EUA, melhor para o mundo e para a paz.

O Mundo só terá sossego quando so yankees perderem o seu poder. Pelo andar da carruagem, isso não tardará a acontecer.

Responder

kalango Bakunin

26 de julho de 2010 às 23h32

se os governos fantoches da Colombia, Costa Rica, Peru, Holanda, Canadá e outras colônias
continuarem como hoje
em breve viveremos uma agressão gringa para saquear
o petróleo do Pré-Sal, através da IV Frota que tomou a Costa Rica (que em pouco tempo será chamada de bosta pobre)
a água da Amazônia, a partir das bases colombianas,
o Aquífero Guarani com base na mega pista de pouso que os bárbaros construíram no Paraguai

os norteamerikkkanos já tentaram invadir Cuba e saíram com o rabo arrastando na lama e na merda
por que a população cubana estava (e ainda está) armada e bem treinada
e depois os PIGs nacional e internacional dizem que Cuba é uma ditadura, imagina uma ditadura que entrega armas ao povo…

a Venezuela agora é a bola da vez do obama "nobel da paz", pois o Chávez está fazendo o mesmo que Fidel fêz,
reforçando as forças armadas e armando a população com um porrilhão de AK 47 y otras cositas más

vale o velho ditado:
quem vê a casa do vizinho pegar fogo tem que botar as barbas de molho

Responder

MILA

26 de julho de 2010 às 22h46

http://www.tijolaco.com/
Um dos documentos, publicado pelo The Guardian, fala de como foi tratado um incidente envolvendo fuzileiros navais americanos, que depois de serem atacados por um homem-bomba, percorreram a distância de 4km do local do ataque até a base disparando seus fuzis em tudo que estava a frente deles: garotas adolescentes, homens em seus carros, idosos que caminhavam pela estrada. O saldo da carnificina foi a morte de 19 civis desarmados e 50 feridos."

E o PiG preocupado com a FARC e Chaves.

Responder

Helcid

26 de julho de 2010 às 21h30

Dinheiro como Débito: http://www.tijolaco.com/?p=20914

Neste filme de animação, Paul Grignon explica a natureza do dinheiro, dos juros e do sistema bancário, e coloca questões fundamentais como: “Porque é que os governos optam por pedir dinheiro emprestado – com juros associados – aos bancos privados, quando poderiam simplesmente criar todo o dinheiro que necessitassem, sem quaisquer juros?

Por isso, caros amigos, baixei os 5 vídeos e fiz uma fusão com todos eles, gerando um documentário de 47:30 min. eis aqui o link:
http://www.megaupload.com/?d=W95SMWNE

espero poder ter ajudado !!

Responder

    jgnunes

    27 de julho de 2010 às 07h04

    Muito bom!

leonel

26 de julho de 2010 às 18h07

pra ser sincero eu nao li em um livro que seja que EUA tenha mais ganhos do que perdas em suas guerras. eu ja até vi eles vitoriosos, mas nos filmes do estrala longe (rambo) que com sua faca matou todo o execito vietcong. quanto ao iraque e afeganistao os EUA ja perdeu a muito tempo essa guerra.

Responder

Milton Hayek

26 de julho de 2010 às 18h04

Digite o texto aqui![youtube Sv55JusfEC8 http://www.youtube.com/watch?v=Sv55JusfEC8 youtube]

Responder

Milton Hayek

26 de julho de 2010 às 18h02

A MATRIX não vai deixar essa sem resposta.

Responder

balasc

26 de julho de 2010 às 16h40

Leia também sobre o plano do Pentágono para destruir a Wikileaks e a prisão do Soldado Bradley Manning – supostamente quem vazou o vídeo "Assassinato Colateral" para a wikileaks: http://prod.midiaindependente.org/pt/blue/2010/07

Responder

Paulo Roberto

26 de julho de 2010 às 15h36

Em todas as guerras a maior vitima e a verdade. É comum vermos noticias de operações norteamericanas dando conta do sucesso da operação e nota-se que de um lado há 20 mortes e do lado americano nenhuma. Na verdade os americanos investiram contra uma população civil, todos desarmados. Eles apresentam a seguinte noticia: O exercito americano matou 20 supostos insurgentes talibans e por ai a fora. Segundo relato, os soldados americanos dificilmente enfrentam um combatente taliban diretamente. Ganhar uma guerra significa a substituição de um soldado pelo outro e isto é praticamente impossível no Afeganistão. O proximo passo é saber quando os EUA sairá com o rabo entre as pernas do Afeganistão.Em breve teremos esta noticia.

Responder

raero

26 de julho de 2010 às 15h33

O que há de revolucionário no que ocorreu não é o vazamento em si, mas a (genial e audaciosa) idéia de utilizar o potencial de interação e universalização da internet para formar uma plataforma interativa de jornalismo investigativo.

O Wikileaks não é um simples site noticioso que, por acaso, recebeu informações confidenciais. Ele é um projeto de jornalismo colaborativo. O Wikileaks se coloca à disposição para arcar com os custos e os riscos de divulgar informações confidenciais, garantindo o anonimato de suas fontes. O site também coordena ações para divulgar esse material, o que foi muito bem sucedido no caso do diário da guerra do Afeganistão. Ao invés de veicular suas informações apenas na internet, o Wikileaks enviou o material há meses para o The New York Times, o The Guardian e o Der Spiegel, afim de revelar simultaneamente o vazamento.

O Wikileaks tem sua sede na Suécia e é dirigido pelo jornalista australiano Julian Assange. A equipe do site conta com colaboradores de diversos países, e já divulgou, segundo eles próprios, mais de 1,2 milhões de arquivos confidenciais. Em vídeo, os fundadores explicam em uma palestra o que é o Wikileaks e relatam algumas descobertas do site.

[youtube 8zNFe1mQ6Tc http://www.youtube.com/watch?v=8zNFe1mQ6Tc youtube]

Mais em http://recaminho.wordpress.com/

Responder

    Helcid

    26 de julho de 2010 às 20h31

    A Wikileaks até hoje não cometeu erros nos documentos e imagens que divulga e não pode ser tachada de irresponsável. As publicações que receberam os documentos afirmaram que não tiveram contato com a fonte primária do vazamento, mas que passaram semanas checando os dados a ponto de terem confiança em publicá-los.

O Brasileiro

26 de julho de 2010 às 15h12

E precisou o comandante no Afeganistão ofender os membros do governo para ser demitido…
Já devia ter sido demitido há muito tempo!
Pelos relatos da imprensa, os combatentes da OTAN se aglomeram em fortalezas, áreas de segurança. Isso não é guerra!!!
Guerra, como ensinam os bons tratados, é a prevenção dos confrontos sangrentos até o último minuto.
A PM no Brasil nunca funcionou porque sempre usou essas táticas "protege o General" que estão sendo usadas no Afeganistão. Mas a verdade é que a PM só conseguiu um bom resultado quando foi para "dentro das comunidades", como aconteceu no RJ com as UPPs.
E no Afeganistão a OTAN não tem outra saída. Ou instala "microbases" em todo o território afegão, ou não vai ter o controle do país!!!

Responder

Maria Dirce

26 de julho de 2010 às 15h05

Mas quem acreditava que fosse algo diferente?quem acredita que seja algo diferente dos campos de concentração nazistas?embora o cinema americano adore filmar alemães e extermínios.Sâo povos bárbaros que trazem a origem da colonização americana marcada com sangue e destruição.Os brasileiros que fiquem espertos com as bases americanas na Colombia, pq são e estão absolutamente vigiados.Parabéns ao chavez que não permite quitandas americanas e não da vóz aos bárbaros!!!!!!
"O fundador do site 'Wikileaks', Julian Assange, acredita que alguns dos documentos revelados constituem "provas de crimes de guerra" por parte das forças multinacionais.

A Casa Branca condenou já a divulgação do material confidencial, afirmando que constitui uma ameaça à segurança das forças internacionais no terreno"

Responder

monge scéptico

26 de julho de 2010 às 17h51

Esse é o LULA. Não há quem o substitua em sua humanidade democrática. Me conformo
E lá no "paraiso" da "liberdade" um estado policial, onde cada cidadão tem horror de ser investigado,
por que sabe que se o for estará sujeito a perder de vez o que chamam de liberdade, podendo tornar-
-se vítima de perseguições, etc. Os deslumbrados que seguem a "trilha do roteiro turístico, empareda-
-dos por fachadas "piscantes", jamais saberão, o que de real pensa o povo, obrigados a exibir em
suas fachadas, a bandeira "patriótica".Afegãos ALAH os ilumine!!

Responder

Ed.

26 de julho de 2010 às 14h13

Até a Segunda Guerra Mundial e Coréia, as guerras eram feitas por exércitos contra exércitos (miltares, genericamente).
Sim, desde sempre, as populações civis também sofriam eventualmente. Mas de forma clara e contundente.
Bombardeios de Dresden, Londres, Horoxima/Nagasaki, Tokio são exemplos. Assim como Cartago, etc..
A partir do Vietnam, a morte de civis torna-se mais frequente do que entre soldados, já que na verdade, a desproporção de forças aniquila a parte militar mais fraca na ordem de semanas, e o que resta são estas sórdidas ocupações.
Tudo pela "democracia e liberdade", obviamente…

Responder

Leo V

26 de julho de 2010 às 16h56

WikiLeaks sob ataque: suposto informante é preso

26 de Julho de 2010
Categoria: Destaques

Comentar | Imprimir

Prisão de suposto informante de Assassinato Colateral desencadeia campanha contra WikiLeaks. Numa trama de hackers e vazamento de informação, o quebra-cabeça permanece incompleto. Por Passa Palavra

Em 26 de maio de 2010, o Analista de Inteligência do Exército dos Estados Unidos, Bradley Manning, foi preso no Iraque e transferido sob custódia para o Kuwait. Detido sem julgamento ou acusação legal, o militar de 22 anos é suspeito de ser o informante do vídeo Assassinato Colateral, publicado e divulgado mundialmente pelo site WikiLeaks [publicado no Passa Palavra, com legendas em português, aqui]. Suspeita-se que Manning também enviou 150 mil documentos restritos ao site. Procurado por agentes da inteligência dos EUA, o fundador e porta voz do site, Julian Assange nega ter acesso a esses documentos. Numa trama de hackers e vazamentos de informação, o quebra-cabeça permanece incompleto.

(continua)
http://passapalavra.info/?p=26966

Responder

beattrice

26 de julho de 2010 às 16h30

Excelente o serviço prestado pelo WIKILEAKS e deplorável o desserviço à humanidade e a eles próprios que os EU insistem em representar.

Responder

    Maria 1

    28 de julho de 2010 às 14h07

    Nessa divulgação tem algumas coisas que me causaram estranheza. A divulgação foi conjunta com dois jornais (New York Times e The Guardian) e um semanário alemão (Des Spiegel). O New York Times comunicou previamente à Casa Branca que, por seu turno, comunicou aos aliados da OTAN. Informações quentes vazadas: 1) O Paquistão aliou-se aos talibãs. Isso não serve como uma luva para justificar uma guerra que de fato já ocorre, mas não é oficial (os ataques ao Paquistão e o nome AFPAK para o conflito)? 2) o auxílio do Irã à insurgência afegã? Não é mais um motivo para a opção militar no trato com o Irã, além, claro, da "perigosíssima" bomba que eles estão fabricando? 3) Tem tb, claro, o mortandade de civis, com relatos maquiados. Mas isso não pode ser justificado como "maçãs podres"? Sei não. Fiquei cabreira. Cheguei até a pensar que enquadraram o Wikileaks. Mas, certamente, devo estar enganada.

José Sabino

26 de julho de 2010 às 16h19

Continuemos comprando dólares para financiá-los. Senão morrerão de fome, coitados.

Estou falando dos americanos.

Absurdamente pueril
José Sabino

Responder

Roberto Locatelli

26 de julho de 2010 às 16h13

A internet é revolucionária.

Responder

Milton Hayek

26 de julho de 2010 às 16h13

Traduzido para o português,aqui estão os sanguessugas do povo americano e do mundo inteiro.Filme completo.Partes 1 e 2:

Os Mestres Do Dinheiro / The Money Masters – 1/21
http://www.youtube.com/watch?v=Rcbq1dXMS6A

Responder

    Ed.

    27 de julho de 2010 às 19h00

    Aqueles que não aceitam ou não entendem Lula com os bancos e os juros, devem ver este documentário.
    Nem Lincoln, Jackson, Franklin, Lindbergh, Edison e similares conseguiram enfrentá-los… nos EUA!
    E depois deste documentário, já tivemos mais 2 ou 3 crises financeiras mundiais…
    Só faço uma crítica: é voltado aos EUA.
    Vencer os dono$ do mundo não é uma tarefinha qualquer …
    Mas um dia chegaremos lá!…

francisco p neto

26 de julho de 2010 às 15h25

A propalada superioridade militar norte americana cantada em prosa e verso, que vive criando guerras nos mais diversos lugares do mundo, qual delas eles venceram?
No Vietnã sairam correndo como ratos.
Agora, no Iraque e Afganistão está acontecendo a mesma coisa.
Bem, não importa vencer, o que importa é vender armas.

Responder

    beattrice

    26 de julho de 2010 às 16h33

    Excelente filmagem, verídica, a respeito de tais "vitórias" pode ser vista no trabalho de Clint Eastwood como diretor, em "A Conquista da Honra".

    Marat

    26 de julho de 2010 às 14h12

    PAra eles acertarem um alvo, gastam muito armamento, sem contar nos inúmeros bombardeios de casas civis… Eles não valem nada. Se houvesse imprensa, mesmo internacional, os massacres de civis seriam exibidos diariamente!

Milton Hayek

26 de julho de 2010 às 15h20

Quando eu estava imbricado na política,me surpreendia toda vez ao saber que quase todo político é maçom.Será que o poder é satânico???????

[youtube hj6jacw7jBA http://www.youtube.com/watch?v=hj6jacw7jBA youtube]

Responder

    beattrice

    26 de julho de 2010 às 16h32

    Nem todos, muitos como o Al-ckmin são do OPUS DEI.

    Milton Hayek

    26 de julho de 2010 às 20h38

    Você teve tempo de assistir,Beatricce???Eu fiquei chocado quando soube que a mãe de George Bush Junior(Barbara Bush) é filha de Aleister Crowley.Casada e mãe de presidentes dos EUA!

    Ed.

    26 de julho de 2010 às 23h31

    Bush Kid neto de Crowley?! … "Quanta maldade!", Milton!
    Hehe

Milton Hayek

26 de julho de 2010 às 15h04

Um perfeito programa de extermínio da população civil do país,levado a cabo pelos EUA.Quem dera se documentos sobre o uso de urânio empobracido escapasse e veríamos mais fotos das horrendas deformações genéticas que ocorrem no Iraque.Tudo por dinheiro.

Responder

    beattrice

    26 de julho de 2010 às 16h31

    Pelo poder, essa gente é obcecada pelo poder que escorre entre seus dedos e cai nas mãos da China.

mariazinha

26 de julho de 2010 às 14h56

Alguém aí está surpreso com tais revelações? Perguntem aos pais e mães desses países ocupados, aonde estão suas filhas e filhos de 10/14 anos? São profanados, diuturnamente, pela corja de vândalos alienígenas que asssaltou seus países com a desculpa, cafajeste, de melhora-los.
Mais dia, menos dia, o castigo virá para os vândalos crueis e mercenários; a natureza é sábia na questão de equilíbrio das forças.
"Para cada ação corresponde uma reação de mesma intensidade e em sentido oposto"[3a LEI DE NEWTON].

Responder

    José Vitor

    26 de julho de 2010 às 16h21

    "Alguém aí está surpreso com tais revelações?"

    Exatamente.
    Todo mundo sabe, mas finge que não. A hipocrisia grassa…

    Agora, alguém sabe explicar por que 100.000 soldados americanos estão destruindo um país paupérrimo quase do outro lado do mundo ?

    Depois eles não entendem "por que são odiados"…

    orlando mg

    27 de julho de 2010 às 01h21

    José Vitor, circula na Internet uma informação que o território do Afeganistão possui jazidas de muitos minérios, vários muito raros e de grande valor. Estas jazidas teriam sido mapeadas através de satélites quer são usados contin uamente para mapearem todo o mundo, localizando áreas de interesse para o Tio Sam "implantar a democracia". Acho que seria um bom tópico para se investigar.

    simas

    26 de julho de 2010 às 22h33

    Mariazinha, minha paixão…risos Eu não acreditava, não dava a mínima pra essa história… Até q um meu filhote chegou e disse, naquele formato… jovem: "Pai, não esquenta, a natureza é sábia e não erra… dá-lhe tempo, e ela ajusta, tudinho; a própria natureza corrige todos os malefícios contra ela dirigidos… Inclusive, as consequências dos destemperos humanos serão corrigidas, mais dia, nenos dias… " E a internet vai dar essa mão, à natureza, pra q ela apresse essa ação de equilíbrio, tão desejada. E as ações de guerra ja aportaram nos EEUU, desde aquele 11 de setembro… Agora, o povo americano já sente, na pele o q realmente é uma guerra; antes, não sabia; suas cabeças pensantes promoviam suas guerras, longe… e destribuiam as famosas verdinhas, ao gosto. Então, minha cara, vc tem toda a razão.

Marat

26 de julho de 2010 às 11h22

Por aqui, o PIG prefere noticiar sobre o tal notebook de titânio das FARC, que escapou ileso a um bombardeio de precisão…
Agora é sério: creio que o tal "vazamento" foi deliberado, não obstante acreditar na incompetência da OTAN, pois o fracasso no Afeganistão está a cada dia mais claro… nada como "vazar", para picar mula o quanto antes.

Responder

    Ed.

    26 de julho de 2010 às 14h18

    "Normal", Marat … O PIG privilegia ativos materiais em detrimento dos humanos. Corporações em vez de pessoas…


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.