VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

A entrevista de Tarso Genro aos blogueiros gaúchos


10/12/2010 - 15h58

por Luiz Carlos Azenha

Esse negócio de blogosfera ainda vai dar o que falar…

Depois de Lula, Tarso Genro.

O futuro governador do Rio Grande do Sul recebeu um grupo de blogueiros para uma entrevista.

Sempre fui fã dos blogueiros gaúchos, a turma mais politizada da internet.

Obviamente que houve, mais uma vez, ciumeira. Mas o que importa, mesmo, é que as “fontes” estão reconhecendo a importância da blogosfera.

A descrição do encontro foi feita pela Cris Rodrigues, do Somos Andando, reproduzida no Dialógico (do Eugênio e da Cláudia):

Ainda sobre a entrevista de Tarso com [email protected] do RS

Tarso Genro se compromete com a democratização da comunicação e deixa a mídia gaúcha de cabelo em pé

Na entrevista coletiva concedida pelo governador eleito Tarso Genro, teve um pouco de tudo. Assuntos diversos foram tratados, com crítica à oposição, à imprensa e à base aliada. Essas menos que aquelas, e identifico dois motivos para isso. Primeiro, o óbvio, de que os blogueiros eram de esquerda e, portanto, mais identificados ideologicamente. E outro fator de peso, o fato de o PT, até agora, ser oposição no RS. É muito mais fácil fazer perguntas críticas a quem é governo e já teve bastante oportunidade de errar do que a quem vai assumir, cheio de propostas para fazer tudo lindo.

A ideia de que a crítica deve orientar as perguntas é lógica, parte do pressuposto de que o fulano entrevistado não vai dizer por livre e espontânea vontade coisas de que não gosta. Cabe a quem está de fora perguntar. Mas acho que a ideia de uma entrevista coletiva não é fazer crítica. Como qualquer entrevista, ela vem com a proposta de obter informações. Assuntos pouco tratados podem ser aprofundados, temas nem tocados durante a campanha podem ser esclarecidos. E informações foram obtidas.

Tarso falou de economia solidária, relações internacionais, movimentos sociais, ambientalismo, economia, comunicação, corrupção, alianças, PPPs, transversalidade, saúde, agricultura, transição, educação, rádios comunitárias.

Tarso já tinha chamado a atenção durante a campanha e essa entrevista confirmou: além de um grande orador, fala com muito conteúdo, preocupado em acertar, com um discurso de fato de esquerda, sem ranço. E mostra, acima de tudo, que aprendeu demais durante seu período como ministro no governo Lula.

E, importante, aproveitou o evento para prestar uma deferência às novas mídias e fazer dos blogueiros o público para o anúncio de sua mais nova secretária, Vera Spolidoro, para a Comunicação e Inclusão Digital, além do jornalista Pedro Osório para a presidência da Fundação Piratini, que agrega TVE e FM Cultura. É um ato simbólico, a informação já tinha vazado, mas é significativo porque mostra que o governador está disposto a prestar atenção ao mundo da internet e, o fundamental, à democratização da comunicação de um modo geral.

Economia Solidária

Disse que economia solidária não é política social, mas política econômica. Usou uma expressão que se repetiu mais adiante com relação a mídia alternativa: não fará políticas paternalistas. Disse que é bem diferente de políticas sociais, que deverá implementar nesse segundo caso, mas que “paternalismo é humilhação”. Economia solidária, apesar de ter sido pouco valorizada no governo Lula, entrou no Pronasci, programa criado e desenvolvido por Tarso no Ministério da Justiça, e que terá atenção especial.

Relações Internacionais

Respondeu que a viagem feita à Europa não significa que os países do Norte serão privilegiados, como questionei, em detrimento da integração regional e do fortalecimento das relações Sul-Sul, mas que a integração regional tem que ser feita através de uma visão universal, e que as relações triangulares incluindo a Europa (principalmente Espanha e Portugal por causa da relação com os países da América do Sul) são fundamentais para o crescimento regional, até porque, com a crise, a relação se inverte e eles se tornam mais dependentes da gente do que a gente deles, segundo Tarso.

Movimentos sociais

Tarso deve ter deixado a imprensa tradicional de cabelo em pé ao afirmar que deve tratar o MST da mesma forma que trata a Farsul, com respeito, diálogo e negociação e que vai valorizar a agricultura familiar em detrimento de grandes empresas exportadoras que não gerem desenvolvimento e renda no estado, sempre respeitando o meio ambiente. Afinal, “o Brasil ainda deve uma reforma agrária”.

Mas deve ter arrepiado principalmente nas questões específicas sobre comunicação. Disse que vai trabalhar pela criação de um conselho de comunicação, embora tenha ficado devendo a especificação da atuação e da composição desse conselho, e pela democratização da comunicação. Classificou nossa imprensa de “mídia uníssona neoliberal, dentro da qual transitam valores que têm sido derrotados” com a eleição de Lula e agora de Dilma. Enfatizou que o conselho não fará controle da opinião ou da informação, mas um passo para a efetiva democratização das fontes de produção e de reprodução, em busca do equilíbrio. E afirmou que temos liberdade de imprensa, que deve ser intocável, mas que não temos o “direito de livre circulação da opinião”.

Tarso criticou a prisão de Assange mostrando a incoerência entre prendê-lo e deixar soltos os donos dos veículos que divulgaram os documentos. Todos fizeram a mesma coisa, divulgação, ou seja, “se foi crime, e eu não acho que foi, foi um concurso criminal”. E o mais incrível para Tarso é a falta de protesto da grande imprensa, “ninguém está reclamando”.

Especificamente sobre uma nota que gerou controvérsia, publicada na coluna de Rosane de Oliveira há alguns dias que dizia “Se for suspensa sem um argumento convincente, a revitalização do Cais Mauá corre o risco de se transformar na Ford de Tarso Genro” e sobre o tratamento que o governo dará à imprensa, Tarso disse que recebe esse tipo de informação “com respeito, mas com certa ironia”, porque a nota foi uma espécie de ameaça, que diz para se cuidar, senão vai ser massacrado como foi o Olívio. Acrescentou que essa é uma informação ideologizada e foi muito feliz ao criticar a postura da imprensa, crente que detém isenção e “pureza”, que fica distante da relação do Estado com a sociedade, como se assistisse de longe e não participasse, não sofresse influência do processo de formação ideológica que cada um sofre com sua vivência cotidiana. Mostrou-se sereno diante da crítica, afirmou respeitá-la, mas não orientar sua ação política por esse tipo de manifestação.

Onde faltou

Senti falta de uma resposta mais firme no questionamento sobre o Cais Mauá. Tarso falou que não é contra as PPPs, com a ressalva de que não podem ser uma atitude do estado para proporcionar acumulação privada, que a do Cais está sendo revista juridicamente, mas não se comprometeu a revisar o mérito da parceria, o projeto em curso. Fará isso apenas se houver algum impedimento jurídico, para não ter que quebrar contrato e trazer prejuízo econômico. Resta saber se o prejuízo ambiental e urbanístico trazido pela realização da obra não será maior que o econômico.

Também deixou a desejar na resposta à questão sobre o código florestal e o gerenciamento dos órgãos do estado voltados ao meio ambiente. Mostrou não ter domínio sobre o tema, afirmou não saber exatamente o conteúdo das mudanças no código florestal, não sabia que ele seria votado já em plenário na próxima terça-feira e ficou de se informar melhor.

Por fim, é importante não confundir, como aconteceu na entrevista com Lula (vide a matéria d’O Globo), blogueiro com jornalista. Pesem algumas ausências e algumas presenças, havia alguns jornalistas formados e que atuam como tal, mas havia pessoas de várias formações, perguntando sobre a área de interesse do seu blog.

(fim do texto da Cris)

Para ler mais, vá ao excelente RS Urgente, do Marco Weissheimer, ou role a barra de amigos do Dialógico para conhecer melhor a blogosfera gáucha.

Foto e vídeo extraídos dos endereços de colegas gaúchos:

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



19 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

V

13 de dezembro de 2010 às 08h46

Buemba! Buemba! A próxima entrevista será o governador eleito de São Paulo com blogueiros, já convidou o reinaldo azevedo e o noblat.

As perguntas já foram previamente combinadas e as repostas estão sendo corrigidas pelos assessores para serem levadas (isto é, repetidas kkkkkk) ao vivo. Como de praxe.

Responder

Fabio_Passos

12 de dezembro de 2010 às 22h02

Tomara que vire regra.
Mais entrevistas a blogueiros independentes e menos servilismo a mídia-lixo-corporativa.

É uma ótima forma de romper com a ditadura do capital.

Responder

Rodrigo aft

12 de dezembro de 2010 às 20h21

pensando bem….

desde a foto até as perguntas, parece o famoso jogo de futebol em q o juiz diz "bola nossa" (em ato falho, ou proposital, tal o nível de descaramento q certas pessoas atingem – o uso do cachimbo faz a boca torta).

desculpem-me os "progressistas", mas isso tem cara de entrevista do serra pro reinaldo ou mainardi.

o papel feito no ministério da justiça feito pelo entrevistado foi esquentar cadeira, botar panos quentes e conduzir tendenciosamente certos episódios.

se um foragido de "esquerda" de outro país tem direito a revisão penal no brasil, os foragidos de "direita" também têm, não? será q algum foragido de "direita" também não poderia ter um julgamento "forjado" no país de origem?
entaum…. se quer dar abrigo para foragidos de outros países, leve pra casa, sustente o(s) cara(s) com seu dinheiro, e pague o advogado dele(s) com dinheiro NÃO PÚBLICO. Só lembrando, o Lollo vive d q mesmo? Na certa trabalha na iniciativa privada… ou tem bolsa "estatal" em alguma ong?

brasileiro é bonzinho… dá anistia, legaliza a situação, e ainda, um empreguinho pago com dinheiro público.

e o delegado Protógenes? As entrevistas desse sr. nunca tinham um lado positivo do delegado; ficou parecendo q Protógenes era um fora da lei. E como aceitou nomear esse tal de correa e botou Lacerda pra escanteio em Lisboa? Nunca ouvi uma palavra de apoio ao De Sanctis. Nunca ouvi uma opinião mais firme à revisão da "anistia", pelo q somos advertidos pelo Tribunal Interamericano e pela Corte Internacional. Nunca ouvi uma crítica aos q conseguiram indenizações milionárias a pretexto da anistia – não q uma indenização justa não seja louvável, principalmente através de um certo advogado com bom trânsito no pt, como se isso não prejudicasse os cofres públicos. Silêncio… né?

Desculpem-me novamente, mas esse cara só foi ministro protocolar, e esses blogueiros não levantaram nenhuma questão "desagradável".

A exemplo de mta gente do pt, q já foi um partido de atitude e opinião, esse cara preocupa-se mais em galgar postos do q se expor, provocar mudanças e mostrar a q veio. Um amorfo administrativo.

Essa conversa de "progressistas" pareceu jogralzinho… não me faça perguntas "cabeludas" e eu sou legal com vc e te convido para aparecer um pouco e, quem sabe, ciscar umas verbinhas depois…

O q tem de progressista nisso?

e, antes de alguém me "malhar" por não compartilhar dessa visão "cor de rosa", eu sou apartidário, iconoclasta e levemente anarquista, e detesto o modus operandi do pmdb e do psdb, mas muita gente do pt está indo pro mesmo esgoto pela vala rasa do oportunismo.

aff, não sei como perder tanto tempo com um não assunto….

Responder

    Ramalho

    13 de dezembro de 2010 às 09h15

    Como é mesmo o nome? Ah, sim, troll.

    Rodrigo aft

    13 de dezembro de 2010 às 11h04

    Como é mesmo o nome? veja no final… rsrs

    eu carregava piano (e ainda carrego) e os companheiros(as) "bons de gogó" só chegavam na hora do discurso e na hora da festa, sempre tomando cuidado de sair um pouco antes de terminar pra não ter o risco de alguém pedir ajuda pra arrumar as coisas.
    Um monte de companheiros "pobres" e sem vocabulário "cabeça", muito menos títulos acadêmicos, ficam trabalhando feito doidos nas eleições, e quando o(a) cabloco(a) ganha (principalmente os com títulos acadêmicos e os bens nascidos), nem volta para olhar nos olhos, dizer obrigado e apertar com firmeza a mão dessa pessoa.
    Peão dá um trabalho… vai q o cara ainda te convida pra tomar um café meio ruinzinho, q é o q ele podia comprar… Nossa, nem suco natural de fruta sem agrotóxico e com gelo de água mineral o cara tem… muito menos um bom vinho…

    Então, diante de vossa tamanha lucidez e sabendo ser eu um troll (mesmo não sendo), como seria feita uma crítica contundente a desvios q saltam aos olhos por companheiros de esquerda a outro companheiro de esquerda pego com a boca na botija?

    Por que nenhuma pergunta "indiscreta" pro genro se até ao Lula duas ou três perguntas "chatinhas" foram feitas? Pergunto novamente: qual a diferenaça dessa entrevista do genro pros blogueiros "progressistas" e uma entrevisa do Fernandinho, "o procriador" ou do Serra, "o mais bem tudo" pro mainardi, azevedo, nêumane e noblablat? Além do verniz de "papo cabeça" pra esquerda e "pseudo competência" pros da direita, NENHUMA DIFERENÇA. Perguntas sem polêmicas! Chapa branca!

    mas tenho q reconhecer: mesmo não concordando com o formato da entrevista e a cooptação dos blogueiros, mil vezes o genro (na falta de outra opção) à yeda (argh).

    Poderia fazer o colega um link com punições ou desligamentos de companheiros de esquerda advertidos e/ou expulsos por desvio de conduta (e que apareça o motivo da advertência/desligamento no link)? Cite pelo menos 1 do "núcleo duro", só um.

    Eu tenho um monte de exemplos de advertências e expulsões de companheiros q criticaram os desvios e aconchavos do "núcleo duro" do pt, bem como a falta de oportunidades a novas e ótimas lideranças de base, para CERTAS pessoas se perpetrarem no poder.
    E os operadores desse pessoal do núcleo duro… Diniz, Sombra, prestadores de serviço, importação de pessoas e loteamento de cargos de confiança de uma cidade para outra sem nenhum critério técnico… quer mesmo continuar o assunto?

    Os links com advertências e expulsões de companheiros pegos com a mão na massa, please!
    (pro pessoal dos partidos "de direita" não precisa de links… eu faço coleção deles… o paulo afrodescendente, então, é divertidíssimos nos seus lampejos de filosofia do "não me abandonem"… rsrs)

    Como é mesmo o nome? Ah, sim, menino de recados ou ingênuo!

ONG Cea

12 de dezembro de 2010 às 19h59

A propósito, somos sujos, mas preferimos a produção de resíduos zero, caso não tenha como fazer, defendemos a coleta seletiva preferencialmente via movimento nacional dos catadores.
;)

Responder

ONG Cea

12 de dezembro de 2010 às 19h57

O blog do CEA também estava presente, através de Cintia Barenho. Para conferir pergunta-resposta é só acessar o link abaixo.
"Tarso Genro afirma compromisso com a Gestão Ambiental do RS, já sobre a legislação…" http://centrodeestudosambientais.wordpress.com/20

Responder

Geysa Guimarães

12 de dezembro de 2010 às 16h07

Rafael J:
Rede de TV eu nem considerei porque atinge todos os Estados. Aqui temos a Globo e afiliadas, o que dá no mesmo. Vou deixar um ex. para corroborar minha tese de que a politização aqui não é tarefa fácil:
– Durante a campanha, antes dela e ainda agora, a oposição e sua carcomídia tentam mostrar uma Dilma guerrilheira-assaltante de altíssima periculosidade. Ora, o subversivo que comprovadamente participou de assaltos é o senador-surpresa Aloysio Nunes, mas nenhum jornal ou blog paulista foi macho para fazer o contraponto.
O único blog que se atreveu a mexer nesse vespeiro foi o Cloaca, gaúcho. Ainda bem que temos a gauchada! Fica claro, pois, que tenho tudo a favor deles e concordo com o Azenha, mas não sei se eles conseguiriam ser tão politizados se vivessem aqui.

Responder

turmadazica

12 de dezembro de 2010 às 13h23

Parabéns aos "sujos" do RS… Mas me permitam fazer uma brincadeira/provocação: Vcs também são da elite separatista de higienópolis (não tão bonita e reaça quanto a nossa, hehehe), mas com a diferença que a gente não conta o hino da revolução de 32 antes dos eventos esportivos aqui em sampa!!!!!! Por favor, leiam o comentário como ele é, uma brincadeira!!!!!!!!!!!!

Responder

tiago tobias

12 de dezembro de 2010 às 05h53

Parabéns ao povo gaúcho que varreu a sujeira chamada Yeda Cruz Credo.

Responder

    Jairo_Beraldo

    12 de dezembro de 2010 às 10h16

    E quando será que os paulistas vão fazer a varrição? Em 2012, certamente Padim Pade Cerra será eleito prefeito….

    Polengo

    12 de dezembro de 2010 às 21h17

    Bem, se ele for eleito prefeito, menos mal…

    Fica dois anos, sai pra concorrer a diretor da sociedade "Amigos do Bairro Higienópolis".

    Ganha, fica um ano e sai pra concorrer a síndico de prédio.

    Ganha, porque tem gente da família que mora no mesmo prédio, aí ele sai pra concorrer a juiz de campeonato de "dois-ou-um".

    A glória será ele apitando a final de "dois-ou-um" no shopping Iguatemi.

ma.rosa

11 de dezembro de 2010 às 22h45

E isso ai blogueiros e blogueiras do meu Brasil, varonil!!! chegou a vez da da blogosfera, sao voces na fita, valeu!!!! o pig vai ficar assim: pequenininho!

Responder

SILOÉ

11 de dezembro de 2010 às 22h37

Sempre fui fã do Tasso agora mais ainda. Parabéns aos gauchos pelo governador que terão.

Responder

    Jairo_Beraldo

    12 de dezembro de 2010 às 10h18

    E por extensão fã do Daniel Dantas, pois foi esse aí que barrou a Operação Satiagraha e botou o Protogenes e o Lacerda pra correr da PF.

    El Cid

    12 de dezembro de 2010 às 12h41

    lamentavelmente, Jairo…

Geysa Guimarães

11 de dezembro de 2010 às 22h07

Preciso descobrir essa gauchada dos blogues, só identifiquei Mr. Cloaca (sr. era antes de ele fazer o maior sucesso no Planalto) e a Zeza.
Ô Azenha, pode interpretar como ciumeira, mas ser politizado no Rio Grande do Sul é mole, lá se respira política e há alternância de poder.
Quero ver é conseguir ser mais ou menos politizado aqui em São Paulo, em décadas de democradura tucana. E ainda por cima, com Folha, Estadão e Veja a reboque.

Responder

    Rafael J

    12 de dezembro de 2010 às 00h28

    É, mas não se esqueça que no RS temos a RBS a fazer o jogo sujo.

Gerson Carneiro

11 de dezembro de 2010 às 21h11

Quanto à ciumeira é normal. É simplesmente porque é novidade.
"Quem nunca comeu melado quando come se lambuza".

Agora…

"Sempre fui fã dos blogueiros gaúchos, a turma mais politizada da internet."

Tem gente na blogosfera que goooosta de provocar ciúme. Ai ai… nem vou falar nada. Hãn…

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!