VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

A carta de Lúcio Flávio Pinto aos blogueiros


24/08/2010 - 19h26

O jornalista Lúcio Flávio Pinto, de Belém (PA), é ganhador dos principais prêmios de Jornalismo no Brasil. É um exemplo de ética, coragem, competência e dignidade para todos nós que atuamos na imprensa.

Por falar a verdade contra os poderosos do Pará, responde a vários processos. Desde que eles começaram, Lúcio Flávio procurou oito escritórios de advocacia de Belém. Nenhum aceitou defendê-lo.

A sua participação estava prevista no 1º Encontro Nacional de Blogueiros Progressitas. No entanto, não pode comparecer, pois na segunda-feira teve de apresentar agravo a um dos processos.

Para representá-lo, veio o filho Angelim Pinto. Em nome de Lúcio Flávio, leu esta mensagem aos participantes do encontro. Palmas da plateia interromperam-na várias vezes (Conceição Lemes).

O TEXTO, QUE OS PRESENTES CONCORDARAM EM REPRODUZIR EM SEUS ESPAÇOS:

Caros amigos blogueiros Sinto-me muito honrado pelo convite, que devo ao Azenha e à Conceição Lemes, para participar deste encontro. É uma iniciativa generosa e gentil para com um analfabeto digital, como eu. Garanto que sou capaz de ligar e desligar um computador, de enviar e receber mensagens. Não garanto nada a partir daí.

Como, então, estou aqui? Sou – digamos assim – um blogueiro avant la léttre. Não podendo ser um tigre, posto que sou Pinto, fui precursor na condição de blogueiro de papel – e no papel. Às vezes, por necessidade, também um tigre in fólios – e nada mais do que isso.

Em 1987, eu tinha 38 anos de idade e 22 de profissão e me vi diante de um dilema.

Numa vertente, a carreira profissional bem assentada em O Estado de S. Paulo, então com 16 anos de “casa”, e também no grupo Liberal, a maior corporação de comunicação do norte do país, no qual tinha 14 anos, com um rompimento pelo meio, quando tentaram me censurar, logo superado pelo restabelecimento da minha liberdade de expressão.

Na outra vertente, uma matéria pronta, importante, mas que não encontrava quem a quisesse publicar. Era o desvendamento do assassinato do ex-deputado estadual Paulo Fonteles, por morte de encomenda, executada na área metropolitana de Belém, o primeiro crime político em muitos anos na capital do Pará. O Estadão publicara todas as matérias que eu escrevera até então sobre o tema. Mas aquela, que arrematava três meses de dedicação quase exclusiva ao assunto, era, segundo o editor, longa demais.

O Liberal a considerava impublicável porque ela apontava como envolvidos ou coniventes com a organização criminosa alguns dos homens mais poderosos da terra, dois deles listados entre os mais ricos. Eram importantes anunciantes. Ao invés de me submeter, decidi ir em frente.

Aí, há 23 anos nascia o Jornal Pessoal, sem anunciantes, feito unicamente por mim, assemelhando-se aos blogs de hoje. Um blog impresso no papel, que exerceu na plenitude o direito de proclamar a verdade, sobretudo as mais incômodas aos poderosos.

Em janeiro de 2005, depois de muitas ameaças por conta desse compromisso, fui espancado por Ronaldo Maiorana, um dos donos do grupo do grupo Liberal, que na época era simplesmente o presidente da comissão em defesa da liberdade de imprensa da OAB do Pará. Eu estava almoçando ao lado de amigos em restaurante situado num parque público de Belém, quando agressor me atacou pelas costas, contando com a cobertura de dois policiais militares, que usava – e continua a usar – como seus seguranças particulares.

Qual a causa da brutalidade? Um artigo que publiquei dias antes sobre o império de comunicação do agressor. O texto não continha inverdades, não era ofensivo, nem invadia a privacidade dos personagens. Mas desagradava aos senhores da comunicação. Embora tendo a emissora de televisão de maior audiência do Estado, afiliada à Rede Globo, o jornal que ainda era o líder do segmento (já não é mais) e estações de rádio, não usaram seus veículos para me contraditar ou mesmo atacar com o produto que constitui seu negócio, a informação.

O que resultou dessa agressão? Da minha parte, a comunicação do fato à polícia, que enquadrou o criminoso na forma da lei. Mas o agressor fez acordo com o Ministério Público do Estado, entregou cestas básicas a instituições de caridade (uma delas ligada à família Maiorana) e permaneceu solto, com sua primariedade criminal intacta. Já o agressor, com a cumplicidade do irmão mais velho e mais poderoso, ajuizou contra mim 14 ações na justiça, nove delas penais, com base na Lei de Imprensa da ditadura militar, e cinco de indenização.

O objetivo era óbvio: inverter os pólos, fazendo-me passar da condição de vítima para a de réu. Em quatro das ações eu era acusado de ofender os irmãos e sua empresa por ter dito que fui espancado, quando, segundo eles, eu fui “apenas” agredido. Mais um dentre vários absurdos aviltantes, aos quais a justiça paraense se tem prestado – e não apenas aos Maiorana, já que me condenou por ter chamado de pirata fundiário o maior grileiro de terras do Pará e do universo, condição provada pela própria justiça, que demitiu por justa causa todos os funcionários do cartório imobiliário de Altamira, onde a fraude foi consumada, colocando ao alcance do grileiro pretensão sobre “apenas” cinco milhões de hectares.

Os poderosos, que tanto se incomodam com o que publico no Jornal Pessoal, descobriram a maneira de me atingir com eficiência. Já tentaram me desqualificar, já me ameaçaram de morte, já saíram para o debate público e não me abateram nem interromperam a trajetória do meu jornal. Porque em todos os momentos provei a verdade do que escrevi. Todos sabem que só publico o que posso provar. Com documentos, de preferência oficiais ou corporativos. Nunca fui desmentido sobre fatos, o essencial dos temas, inclusive quando os abordo pioneiramente, ou como o único a registrá-los. Não temo a divergência e a contradita. Desde então, os Maiorana já me processaram 19 vezes.

Nenhuma das sentenças que me foram impostas transitou em julgado porque tenho recorrido de todas elas e respondido a todas as movimentações processuais, sem perder prazo, sem deixar passar o recurso cabível, reagindo com peças substanciais. O que significa um trabalho enorme, profundamente desgastante.

Desde 1992, quando a família Maiorana propôs a primeira ação, procurei oito escritórios de advocacia de Belém. Nenhum aceitou. Os motivos apresentados foram vários, mas a razão verdadeira uma só: eles tinham medo de desagradar os poderosos Maiorana. Não queriam entrar no seu índex. Pretendiam continuar a brilhar em suas colunas sociais, merecer seus afagos e ficar à distância da sua eventual vendetta. Contei apenas com dois amigos, que se sucederam na minha defesa até o limite de suas resistências, de um tio, que morreu no exercício do meu patrocínio, e, agora, com uma prima, filha dele.

Apesar de tantas decisões contrárias, ainda sustento minha primariedade. Logo, não posso ser colocado atrás das grades, objeto maior do emprenho dos meus perseguidores. Eles recorrem ao seu cinto de mil utilidades para me isolar e me enfraquecer.

Não posso contar nem mesmo com o compromisso da Ordem dos Advogados do Brasil. Seu atual presidente nacional, o paraense Ophir Cavalcante Júnior, quando presidente estadual da entidade, firmou o entendimento de que sou perseguido e agredido não por exercer a liberdade de imprensa, o direito de dizer o que sei e o que penso, mas por “rixa familiar”.

No entanto, dos sete filhos de Romulo Maiorana, criador do império de comunicações, só três me atacam, com palavras e punhos. Dos meus sete irmãos, só eu estou na arena. Nunca falei da vida privada dos Maiorana. Só me refiro aos que, na família, têm atuação pública. E o que me interessa é o que fazem para a sociedade, inclusive no usufruto de concessão pública de canal de televisão e rádio. E fazem muito mal a ela, como tenho mostrado – e eles nunca contraditam.

Crêem que, me matando em vida, proibindo qualquer referência a mim e meus parentes, e silenciando sobre tudo que fazem contra mim na permissiva e conivente justiça local, a história dessa iniqüidade jamais será escrita porque o que não está nos seus veículos de comunicação não está no mundo. Não chegaria ao mundo porque o controlam, a ponto tal que tem sido vão meu esforço de fazer a Unesco, que tem parceria com a Associação Nacional de Jornais, incluir meu caso na relação nacional de violação da liberdade de imprensa.

O argumento? Não se trata de liberdade de imprensa e sim de “rixa familiar”. O grupo Liberal, por mera coincidência, é um dos seis financiadores do portal Unesco/ANJ.

Após os Maiorana, o dilúvio. A maior glória do Jornal Pessoal é nunca ter sido derrotado no terreno que importa à história: o da verdade. Enquanto for possível, as páginas do Jornal Pessoal continuarão a ser preenchidas com o que o jornalismo é capaz de apurar e divulgar, mesmo que, como um Prometeu de papel, o seu ventre seja todo extirpado pelos abutres.

Eles são fortes, mas, olhando em torno, vejo que há mais gente do outro lado, gente que escreve o que pensa, apura sobre o que vai escrever e não depende de ninguém para se expressar, mesmo em condição de solidão, de individualidade, como os blogueiros, que hoje, generosamente, me acolhem nesta cidade que fiz minha e que tanto amo, como se estivesse na minha querida Amazônia.

Para ir ao Jornal Pessoal, clique aqui

Durante o 1º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, vários participantes solicitaram a conta  para colaborar com o Lúcio Flávio nesta luta . Ficou decidido que forneceríamos depois. Aqui, está. Obrigadíssima a todas e todos pela solidariedade.

BANCO ITAÚ (banco 341)
Conta: 07164-8
Agência: 9208
CPF: 610.646.618-15

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



46 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Graça Veiga

20 de outubro de 2010 às 16h24

Parabéns Lúcio Flávio.
Sou paraense, e prima do ex- deputado Paulo Fonteles. Embora esteja há 42 anos fora de Bélem, sei que as coisas lá, passam exatamente da forma que vc narrou.É uma pena!
Tenho uma grande amiga que é procuradora federal, e o seu filho, é promotor de justiça. ELES dizem SEMPRE: aqui no Pará, é um dos estados da federação, onde a justiça não existe. Pois a corrupção, a omissão, e o NEPOTISMO, são irmãos siameses.
É o estado, onde o TCE, é o mais omisso e corrupto da federação.
Conheço bem aquela terra…. aínda volto la,´porque tenho a minha família.O meu primo Paulo Fonteles, foi morto barbaramente, e ficou por isso mesmo.
Os MAIORANAS??? HA, os maioranas…..!!! são os Marinhos do Norte… E esse, é um Brasil que temos que acabar.
Minha solidariedade, td o meu apoio e respeito. Graça Fonteles.

Responder

Panambi

12 de setembro de 2010 às 11h51

Esperar alguma coisa da OAB, cujo presidente é o Dr. Ophir PSDB Cavalcante??? Isto é uma piada?????

Responder

    Jairo_Beraldo

    12 de setembro de 2010 às 15h36

    Pior que Ophir, é Da. Judite, a honorável presidente da ANJ. A senhora da oposição.

Carlos

25 de agosto de 2010 às 15h15

Lúcio Flávio

Conta no BB ou na CEF facilitará colaborações.
Aguardemos manifestações da OAB, ABI e FENAJ.

Responder

O ilustrador

25 de agosto de 2010 às 12h33

Um blogueiro de Minas teve sua prisão requisitada pelos advogados do Helio Costa, mas aposto que ninguém aqui vai se importar, já que ele não apoia o PT.

Responder

    Carlos

    25 de agosto de 2010 às 12h46

    Esclareça os fatos.

    Leider_Lincoln

    25 de agosto de 2010 às 14h00

    Na verdade é um troll, tucano até o centro da medula, que não está sendo processado por ter dito alguma verdade inconveniente, mas por usar a mentira para injuriar e difamar o Hélio Costa.

    Mario Borges

    26 de agosto de 2010 às 13h59

    O que você chama de mentira é a divulgação de um cartaz da CUT/PT em que estes comparavam Helio Costa a Collor. Quando eram advesários, claro. Mais ou menos uma versão ineira do apoio a Sarney.

    Realmente bastante inconveniente, não?

    Frugalista

    25 de agosto de 2010 às 14h51

    O Nassif ja postou, dias atras. E o Helio Costa ja se manifestou: voltou atras, dizendo ser extrema a medida que seus advogados queriam. Voce esta meio atrasado nas noticias….

    vladimir lacerda

    25 de agosto de 2010 às 16h50

    Se isto vc verdade o teu comentário sequer seria postado.Diferente do Blog do Reinaldo Azevedo o grande liberal e defensor da liberdade de expressão que por exemplo não posta comentários que discordam da sua visão triste de mundo e ainda por cima não divulga agressões a liberdade de imprensa como por exemplo o dos jornalistas da tv cultura demitidos depois de um telefonema de Serra que focou irritado com uma pergunta sobre pedágio.Imagine se os mesmos tivessem feito comentários sobre o fato.

    Klebhert

    25 de agosto de 2010 às 20h48

    Qual blogueiro, onde stá esta notícia, quero saber, posta aí por gentileza. não coaduno com nenhum tipo de censura, venha de onde vier.

Alexandre Figueiredo

25 de agosto de 2010 às 12h31

Também reproduzi este texto, uma grave denúncia sobre os desmandos da grande mídia nortista, que informa para certos desavisados que o poder da grande mídia vai muito além do paulistocentrismo.

Responder

    Ed.

    25 de agosto de 2010 às 18h10

    A grande e velha (ou velhaca?) mídia tem poder em qualquer lugar sim, mas é poder regional.
    A velha mídia que quer controlar o país (de forma nacional), é representada por Veja, Globo, Folha de SP, Estado de SP e portais, TV's, rádios e revistas congêneres, que todo mundo sabe quais…
    O resto é afiliado(a)…

Marcos

25 de agosto de 2010 às 11h51

Dica: não divulguem o CPF dele – apesar das boas intenções, isso pode prejudicá-lo.

Responder

    Conceição Lemes

    25 de agosto de 2010 às 12h31

    Marcos, por quê?É impossível fazer transferência pela internet sem o CPF. E aí, como fica? abs

    Gerson Carneiro

    26 de agosto de 2010 às 10h43

    O CPF dele e de todos nós está na folha de cheque que emitimos, e outros documentos públicos. Está nas atas públicas divulgadas na internet. Está na base de dados do Prodesp em SP…

    A obrigação é toda dos Bancos cuidarem da nossa conta. Os bancos nos cobram caro por esta responsabilidade (deles). Não há perigo algum em divulgar o nº do CPF quando necessário.

    Márcio-SP

    14 de dezembro de 2010 às 03h40

    O CPF já foi divulgado no próprio site do "Jornal Pessoal", conforme link: http://www.lucioflaviopinto.com.br/?page_id=71

Carlos

25 de agosto de 2010 às 11h14

Associação Brasileira de Imprensa: [email protected]

Federação Nacional dos Jornalistas: [email protected]

FENAJ insiste na exigência do diploma ( http://www.fenaj.org.br/materia.php?id=3154 ), uma imposição da ditadutra militar no artigo 4º. do decreto 972 de 17.10.1969 ( http://www3.dataprev.gov.br/sislex/paginas/24/196… ).

Lúcio Flávio é diplomado?

Responder

Morvan

25 de agosto de 2010 às 09h40

Lúcio Flávio, Passageiro da Agonia.
"Todos sabem que só publico o que posso provar. ..". Se a mídia de massa fizesse assim, a "Ficha" da "guerrilheira" Dilma (na verdade, guerreira Dilma) jamais seria publicada nesta tal de Pig-Fôia. O texto, muito bonito, por sinal, mostra claramente quem são os "doutos", "éticos" e a quem servem. Não me causa surpresa. Só existe Advogado do Diabo enquanto o Capiroto puder pagar…

Morvan, Usuário Linux #433640

Responder

Carlos

25 de agosto de 2010 às 09h34

"Não posso contar nem mesmo com o compromisso da Ordem dos Advogados do Brasil. Seu atual presidente nacional, o paraense Ophir Cavalcante Júnior, quando presidente estadual da entidade, …"

E o que diz o Conselho Federal da OAB, acima da opinião pessoal do sr. Ophir?

FENAJ e ABI manifestaram-se?

Sugestão: pra facilitar, conta também no Banco do Brasil.

Responder

A carta de Lúcio Flávio Pinto aos blogueiros « Blogueiros Progressistas do RN

25 de agosto de 2010 às 09h31

[…] Extraído do Vi o mundo. […]

Responder

Roberto Locatelli

25 de agosto de 2010 às 07h58

Já repliquei em meu blog.

Responder

Nilva

25 de agosto de 2010 às 03h21

Lúcio Flávio, conte com minha colaboração na busca pela justiça.
Abs.
Nilva

Responder

ana55

25 de agosto de 2010 às 01h04

Lúcio Flavio
Crie um blog, faça o jornal Pessoal digital e venda assinatura.Estou sempre por Belém , sou sua admiradora.Vamos lá, força que vc vai vencer a luta contra essa corja.

Responder

Ceiça Araújo

25 de agosto de 2010 às 00h14

Ô Carneiro, vc conseguiu me fazer rir numa noite em que eu estava cheia de saudade do meu filho que há 8 meses se foi para a Eternidade… Agradeço a Deus por vc existir.

Responder

A Carta de Lúcio Flávio Pinto aos Blogueiros | Outras Palavras

24 de agosto de 2010 às 23h55

[…] A carta lida por seu filho foi um dos pontos altos do evento e os blogueiros combinaram de reproduzí-la em seus blogs em uma corrente de solidariedade a esse grande jornalista. A carta que segue abaixo foi disponibilizada no Vi O Mundo.  […]

Responder

Gersier

24 de agosto de 2010 às 23h49

AH…quer dizer que o Ophir que num discurso no STF defendeu a liberdade de imprensa,no seu "quintal" age de maneira contrária.É assim que a rede ajuda a desmascarar esses "santinhos éticos de pau ôco".Esses vendelhões odeiam o Lula porque não são capazes de ser sinceros como ele.São os duas caras,demagogos e hipócritas.

Responder

    Aristharco

    25 de agosto de 2010 às 09h48

    Não é por nada não, mas Lúcio Flávio, me diga uma coisa, o Ophir é batista? Sabe-se que é uma denominação evangélica que prima pela verdadeira democracia… não estou entendendo o sujeito…

Horridus Bendegó

24 de agosto de 2010 às 22h24

Blogueiros de todo mundo, uni-vos contra à vilania e a favor dos que lutam heroicamente contra as forças da plutocracia!
Vou dar minha colaboração material!
Parabéns, Lucio Flávio!
Coragem e lute!

Responder

Giovani Montagner

24 de agosto de 2010 às 22h24

parabéns ao lucio flavio. muita paciência e persistência na sua defesa.
é absurdo falar isso, mas muita sorte nas disputas judiciais.

Responder

Helcid

24 de agosto de 2010 às 21h54

É mais um absurdo que acontece com este competente e corajoso jornalista ! É revoltante a tamanha audácia, tamanha injustiça ! Lúcio Flávio Pinto tem coisas muito valiosas e admiráveis e que dele ninguém, absolutamente ninguém, pode tirar! Ele tem o desejo ardente de justiça,ele tem conhecimento e o compartilha maravilhosamente bem !

Responder

Flavio Lima

24 de agosto de 2010 às 21h53

Manifestando meu apoio ao Lucio Flavio.
"Quem tem consciencia para ter CORAGEM.
Quem tem a força de saber que existe.
E envolto em tempestades, decepado, entre os dentes SEGURA A PRIMAVERA!"
(secos e molhados)

Responder

Alexandre Oliveira

24 de agosto de 2010 às 21h29

Lúcio Flávio Pinto é um dos baluartes da imprensa investigativa da Amazônia, incomodando os mandantes de desmandos. Outro que também teve um papel importante na imprensa investigativa foi Walter Rodrigues, paraense como Lúcio Flávio, mas maranhense por adoção. Infelizmente Walter Rodrigues morreu em 18 de maio deste ano e deixou uma lacuna enorme na imprensa maranhense. O seu blogue (http://www.walter-rodrigues.jor.br/) ainda está no ar, mantido por seu filho Vicente Rodrigues.

Responder

Roberto Telles

24 de agosto de 2010 às 21h23

O poder econômico acima da Lei; a imunidade por fazer parte da elite rica e manipuladora pode estar chegando ao fim com eleições mais livres e menos votos de cabresto ou votos comprados. O povo vai tirar o poder político desses bandidos, só falta, ainda votar para os cargos de Juiz e Delegados de Polícia para completar a limpeza.

Responder

A carta de Lúcio Flávio Pinto aos blogueiros « Somos andando

24 de agosto de 2010 às 21h19

[…] aquilo que mandou por escrito através de seu filho, Angelim Pinto. Segundo Conceição Lemes, no Viomundo, é “um exemplo de ética, coragem, competência e dignidade para todos nós que atuamos na […]

Responder

Gerson Carneiro

24 de agosto de 2010 às 21h17

É por essas, e essas, que eu não consigo concluir a porra do curso de Direito que poderia, ou poderá, elevar meu salário. É uma coisa pela qual não consigo ter identificação (o curso, o salário sim).
É como alguém a me dizer que "Jesus vai voltar".
Volta não Jhézus. Pera aí que daqui a pouco eu vou. E tenho muitas piadas pra te contar.

Responder

    Sônia

    24 de agosto de 2010 às 22h13

    Que humor, o do Carneiro!ahahah

    Gerson Carneiro

    24 de agosto de 2010 às 22h46

    Querida Sônia, certamente você já ouviu a expressão "rir da própria desgraça". É o que sempre faço, e talvez por isso sou feliz.

    Paulorg

    25 de agosto de 2010 às 10h39

    Gerson,

    Nós tambem somos felizes, um tanto, por sua participação aqui.

    ABS

    Gerson Carneiro

    25 de agosto de 2010 às 11h38

    Meu medo é eu ir, e Jhézus vir. E a gente se desencontrar no caminho. Mas se por acaso isso acontecer, por favor, dê meu recado. E peça pra ele voltar na primeira condução.

    @marisps

    25 de agosto de 2010 às 20h49

    Grande Gerson! Figura maravilhosa e inesquecível! Abrs!

BloGDoRiLDo

24 de agosto de 2010 às 20h13

Um fora de pauta para comunicar aos amigos blogueiros que a partir do Encontro Nacional de Blogueiros decidi migrar meu blog do blogspot para o wordpress e vai se chamar baixada carioca e terá um novo perfil partindo do local para o nacional.

Responder

BloGDoRiLDo

24 de agosto de 2010 às 20h03

Blogueiros presentes no encontro reclamaram e foram atendidos com o número da conta bancária de Lúcio Flávio para ajudá-lo nessa luta que é de todos nós. Vamos replicar essa carta para dizer ao Lúcio e seus algozes que estamos solidários e não vamos desistir da luta. Onde há injustiça, a blogosfera se fará presente.

Responder

Ed.

24 de agosto de 2010 às 19h53

Conceição, não consegui anotar a conta pra contribuição ao L.Flavio. Dá pra publicar?

Responder

    Conceição Lemes

    24 de agosto de 2010 às 21h43

    Ed., publiquei agora no pé do texto. Dê uma olhada. Obrigadíssima. Abs


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.