VIOMUNDO

Diário da Resistência


TV

Consolo


03/07/2010 - 13h47

Já batemos um bolão.





28 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

francisco.latorre

05 de julho de 2010 às 12h28

time incrível.

o melhor.

..

Responder

Roni

04 de julho de 2010 às 16h15

Nem precisava voltar ao passado
http://www.youtube.com/watch?v=LIEQpvt5t6k

Responder

Gerson Carneiro

04 de julho de 2010 às 14h45

"Se a Seleção de 82 não ganhou a Copa do Mundo; azar da Copa do Mundo"

[youtube H3P96j5yRPs&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=H3P96j5yRPs&feature=related youtube]

Responder

    Fabio_Passos

    04 de julho de 2010 às 19h06

    Ganhamos em 1994 e 2002 com méritos. Romário um virtuose. Ronaldo/Rivaldo em ótima fase. Fiquei feliz é claro.

    Mas a seleção que me emocionou de verdade foi a de 82.
    Que futebol belíssimo. A tragédia da derrota. Que orgulho daquele futebol maravilhoso.

    Gerson Carneiro

    04 de julho de 2010 às 19h44

    Três coisas no esporte que vi (pela tv) e que me marcaram (e até hoje me arrepio quando revejo):
    1. Seleção de 82 e o trágico jogo com a Itália.
    2. Chegada emocionante da atleta suiça Gabriele Andersen, na maratona na Olimpíada de Los Angeles em 1984.
    3. Morte do Ayrton Senna em 1994. (e claro, todos os momentos emocioantes das corridas com o Senna).

    Depois de 82 nunca mais consegui torcer com toda aquela paixão e encanto. No final, a imagem desse garoto que aparece traduz todo esse sentimento que estou falando.

    Jairo_Beraldo

    05 de julho de 2010 às 13h31

    Gerson, quem matou a seleção de 82 foi o Zico "global"…tal qual a de 98, como assitente do Zé-gallo…

    Gerson Carneiro

    05 de julho de 2010 às 14h14

    Cumpade Berardo, dexe de blasfêmia. Tome atento.

    Klaus

    05 de julho de 2010 às 20h28

    Desenvolva sua tese.

Gerson Carneiro

04 de julho de 2010 às 14h37

Fabio_Passos,

Se é pra matar de nostalgia, aqui vai esse. (aparece o velho Telê e ate o álbum de figurinhas da época).
Como eu disse: com um selecionado desse o caneco se tornou um mero detalhe.

[youtube BMwylrSw4Zg&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=BMwylrSw4Zg&feature=related youtube]

Responder

Jairo_Beraldo

04 de julho de 2010 às 15h40

Eu nunca acreditei nessa seleção do Dunga. Não por ele, mas pelos atletas convocados. Não tem o menor compromisso com a nação brasileira. Tirando uns 3 ou 4 atletas, tínhamos lá um grupo de mercenários.

Responder

Fabio_Passos

04 de julho de 2010 às 01h18

Futebol-arte

A seleção de 82.
No meu tempo a mais bela seleção que vi jogar.

Uma derrota maravilhosa na copa.

Entre 79-82 seguramente o Brasil tinha o mais belo e encantador futebol do mundo.
E os craques, com raras exceções (Falcão), jogavam no Brasil.
Que saudade.

Olha só que coisa linda:

[youtube zZxvYy5-ekI http://www.youtube.com/watch?v=zZxvYy5-ekI youtube]

Responder

    hernan

    04 de julho de 2010 às 21h02

    É triste pensar que temos no Brasil material para montar uma seleção próxima dessa de 82, mas os negócios falam mais alto e está aí o resultado.

    Leonardo Câmara

    05 de julho de 2010 às 11h36

    Rapaz…, vocês deram um nó na minha garganta.

    Eu sempre fico em dúvida entre esse time e o de 70. Mas quanto mais eu vejo esse time jogar, mais eu me convenço que foi o melhor de todos os tempos.

    Foi o time de futebol mais completo que já houve, quase todo composto por virtuoses e possuia conjunto. Eu cresci vendo esses caras jogarem o fino, então, pra mim, futebol é isso. Esse time atacava com cinco seis, era lindo….

    Agora, copa do mundo se resolve em detalhes. Como todo time este tinha seus pontos fracos, que foram decisivos para o resultado contra a Itália.

    1) O goleiro era um notório frangueiro. Ele poderia ter levado o Raul, ex-Cruzeiro, então Flamengo, ou mesmo escalar o reserva Carlos. Waldir Peres do São Paulo não deveria ter ido a essa Copa. Paolo Rossi fez gol na pequena área, o Waldir Peres tava aonde?

    2) O time se ressentiu de cabeça de área legítimo contra a Itália, com Batista machucado ele improvisou Cerezo, que era meia direita. Não deu certo. Ao invés de levar o Dirceu ou mesmo o Cerezo, ele deveria ter levado o Andrade pra ser titular ou mesmo reserva do Batista. Aliás, pros adoradores de Maradona, é bom lembrar que foi ele quem quebrou o Batista no jogo anterior com uma entrada desleal (desculpe a redundância). Diga-se de passagem, o autoproclamado melhor jogador do mundo foi anulado por Batista nesse jogo. Aliás, tem gente que nem sabe que Maradona jogou esta copa….

    3) O que é que deu na cabeça do Telê de botar Serginho Chulapa para jogar com Roberto Dinamite, do Vasco, no Banco? A imprensa não mostra, prefere crucificar Zico, Sócrates, Falcão, Júnior e Cia, mas o beócio do Serginho toma a frente do Zico (numa jogada pelo lado direito da grande área) e tenta uma jogada bisonha quando o jogo tava 3×2 para Itália. O Zico simplesmente iria fazer o gol, empatar o jogo e levar o Brasil pra próxima fase.

    Desde garoto eu sei disso, que o time errou aí, mas a teimosia do Telê nunca o deixou reconhecer publicamente, creio que ele somatizou isso e foi definhando, coitado. Logo ele que teve a coragem de montar um time que jogava tão bonito.

    Foi um desastre pro futebol, até agora estamos colhendo os frutos amargos através do futebol de resultados, com essa maquininha de formar cabeças de bagre que vemos hoje no futebol mundial.

    Espero que a derrota de 2010 seja a redenção do nosso estilo de jogar bola. Vamos parar de imitar os europeus e jogar o nosso futebol. Meio de campo com um homem de contenção, dois armadores, dois laterais que apoiam e que se revesam no auxilio na marcação e um ataque forte.

    Chega de mediocridade!

Adilson

04 de julho de 2010 às 01h10

Azenha,

Nossa impren$$$a nativa é mesmo dignificante, pois acredito que no mínimo 80% dos jogadores da copa de 70 estão vivos, inclusive, o mais sublime – Pelé, no entanto, o PIG ficava ovacionando o Maradona, ficava, pois agora que a Argentina levou um chocolate da Alemanhã, os comentaristas do PIG começaram a chutar o cachorro morto, digo, o Maradona.
Não seria mais proveitoso, inclusive para a nossa juventude, ovacionar nossos craques do passado?
PS: Comentário do Jairzinho na Rede Brasil: "de fato o Maradona foi o melhor jogador do planeta, mas acontece que o Pelé não é desse planeta".

Responder

Marcos Doniseti

03 de julho de 2010 às 21h10

Os jogadores desta Era de Ouro do Futebol-Arte não tinham acesso aos métodos modernos e atuais de preparação física, alimentação balanceada, da medicina esportiva, de recuperação muscular, fisiologia, fisioterapia, etc. Tudo isso evoluiu de maneira espantosa nas últimas décadas. Até as bolas da época eram de pior qualidade, bem como as chuteiras, os gramados.

Imaginem o que Pelé, Garrincha e cia. não fariam tendo acesso a tudo o que os jogadores tem?

Responder

voxetopinio

04 de julho de 2010 às 00h08

Da série, para mim: os "ensinamentos" que eu não vi, mas a internet agora me deixa ver.

Responder

william porto

03 de julho de 2010 às 23h11

Recordar e viver, consola. Hoje nao ha mais um time como aquele. Detalhe, o time foi escolhido por Saldanha, eram as feras do Saldanha, que foi afastado da seleçao pela ditadura militar,

Responder

    Gerson Carneiro

    03 de julho de 2010 às 23h44

    Depois veio o sacana do Zagalo e ficou com a fama.
    O Zagalo só surfou na onda alheia.

    Ed.

    14 de julho de 2010 às 21h35

    João Saldanha, que não era chegado à frescuras, foi indicado num dia e no dia seguinte chamou a imprensa e disse quem era cada um dos 11 titulares e dos 11 reservas.
    As eliminatórias foram um massacre dos canarinhos, se bem lembram, sobre os pobres adversários…
    O cabra era bão demais!…
    E nos deu (junto com a rapaziada), este presente memorável e inesquecível de 70!
    (e que, ironicamente, ainda virou propaganda da ditabranda que o detonou)…

Gerson Carneiro

03 de julho de 2010 às 20h06

Isso aí foi no tempo em que painho me botou o nome de Gerson.

Responder

    Jairo_Beraldo

    04 de julho de 2010 às 15h41

    Tá explicado porque é esquerda…é xará do "canhota"!

    Gerson Carneiro

    04 de julho de 2010 às 14h12

    "Canhotinha de Ouro" era o nome dele!

    francisco.latorre

    05 de julho de 2010 às 08h51

    craque.

    ..

klaus

03 de julho de 2010 às 18h45

Se naquela época se marcasse como se marca hoje estes craques dariam um jeito de sair da marcação poprque eram craques. Outras equipes também não recebiam marcação e não faziam o que este Brasil fazia.

Responder

Vicente

03 de julho de 2010 às 17h47

Perfeito, lindo!

Só que os italianos marcavam sem chegar junto. Hj não tem isso… no segundo toque no meio, o Gattuso já teria parado a jogada com falta.

Quero ver alguém subir sozinho pela direita hj, sem marcação…

Perdoem-me os que adoram o futebol de toque-de-bola, mas o melhor futebol hj é praticado pela Alemanha com seus bons marcadores e seus volantes polivalentes, aliado ao Klose, centroavante matador, que lembra os melhores tempos de Ronaldo.

Diga-se de passagem… que saudade de Ronaldo! Gordo, fumando, comedor de travesti… nao importa, o cara era matador!!

Responder

    francisco.latorre

    05 de julho de 2010 às 12h32

    foi o quarto gol..

    os italianos já estavam atordoados.

    goleada em final de copa.. disputando a posse definitiva da taça..

    especial. um desfrute. raro prazer.

    ..

Lucas

03 de julho de 2010 às 15h33

O futebol mudou. Evoluiu. Olha que marcação ridícula…

Responder

Julio Silveira

03 de julho de 2010 às 14h46

Isso foi no tempo em que o futebol se resolvia dentro das quatro linhas. Quando não havia tecnico de futebol, mas treinador. Tecnico de futebol foi uma carreira inventada pelos europeus que necessitavam tramar estratégias como na guerra. Lá os jogadores sempre foram cintura dura, e ainda são, e precisavam disso para enfrentar seleções que vinham crescendo pelo talento individual de seus jogadores. Nós é que abdicamos do nosso talento para ficar com os pernas de pau bem treinados, que poderiam ser fundistas da maratona e que enriquecem seus padrinhos. Tem excessões, que em geral ficam apagados pela medicriodade reinante que inverteu o principio de nossas conquistas, passando a tratar talentoso, o tecnico, que sabe driblar, que ousa, como abusado, desrespeitoso, acintoso com o perna de pau colega de profissão. Como já ví até sendo punido por juiz, outro ressentido, que opta por estar lá também por faltar talento para o esporte e que por isso geralmente se solidarizam seus igualmente sem talento mas profissionais do esporte por circuntancias que nos prejudicam.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding