VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Toni Reis: Marina tem bipolaridade ideológica; não dá para confiar nela


30/08/2014 - 22h15

Toni Reis

Toni Reis: Se age assim na política LGTB, imagine nas questões econômicas e nos programas sociais

por Conceição Lemes

Nessa sexta-feira 29, Marina Silva, candidata do PSB à Presidência da República, divulgou o seu programa de governo. Um calhamaço de 245 páginas.

No capítulo LGBT, ela promete, entre outras coisas:

Apoiar no Congresso “propostas em defesa do casamento civil igualitário, com vistas à aprovação dos projetos de lei e da emenda constitucional em tramitação, que garantem o direito ao casamento igualitário”. Uma referência à “aprovação dos projetos de lei e da emenda constitucional em tramitação, que garantem o direito ao casamento igualitário na Constituição e no Código Civil.”

“Articular no Legislativo a votação da PLC 122”. O objetivo desse projeto de lei, que tramita desde 2006, é equiparar o crime de homofobia ao racismo, com a aplicação das mesmas penas previstas em lei.

Em menos de 24 horas após o lançamento oficial do programa, pressionada por lideranças evangélicas, ela recuou.

Alegando “falha processual na editoração do texto” divulgado, Marina emitiu nota oficial para retificar o que havia prometido em relação à defesa dos direitos da comunidade homossexual.

Na proposta modificada, diz que vai “garantir os direitos oriundos da união civil entre pessoas do mesmo sexo”.

Em outras palavras: vai se limitar a cumprir determinações legais já existentes, que surgiram do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que reconhecem a união civil entre pessoas do mesmo sexo e obriga os cartórios a registrar essas uniões. A promessa, portanto, apenas informa que a determinação do Supremo será cumprida.

O que os gays reivindicam é uma lei que garanta o direito à união na Constituição. Isso os deixaria livres de mudanças nas interpretações do STF e do CNJ. Portanto, teriam mais segurança.

“O Malafaia [pastor Silas Malafaia] tuitou umas três ou quatro frases e Marina  sucumbiu ao fundamentalismo”, avalia Toni Reis. “Ela tem bipolaridade ideológica. Num dia, ela fala uma coisa, no dia seguinte faz tudo diferente, de forma extremamente demagógica. Se  em relação a uma questão específica, como os direitos da comunidade LGTB, ela age assim, imagine o que é capaz de fazer nas questões econômicas, nos programas sociais, nos programas do Ministério da Educação.”

silas 2-001 silas 1-001

Toni Reis é secretário de Educação da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis  e Transexuais  (ABGLT). Vive junto com David Harrad em Curitiba (PR) há 25 anos.

Viomundo – Hoje, mais cedo, recebi um texto seu elogiando a candidata do PSB à Presidência da República. Você dizia: “Marina Silva, estou espantado, surpreso e incrédulo com seu Programa de Governo para a comunidade LGBT”.

Toni Reis – Foi isso mesmo. Ontem, quando li essa parte do programa, achei realmente muito bom.  Na hora, pensei  em escrever. Mas, depois, achei melhor fazer hoje. Reuni minha família — meu marido e meus filhos — para comentar isso. Publiquei o meu texto. Umas duas horas depois veio a nota do PSB, desdizendo o que estava no programa. A nota dizia que era uma errata.

Viomundo – A coordenação da campanha disse que houve  “falha processual na editoração do texto” divulgado.

Toni Reis – Errar uma ou outra palavra, tudo bem. Mas mudar pontos vitais para a comunidade LGBT, não é errata. A proposta que estava no programa é a do Partido Socialista Brasileiro. O coletivo LGBT do PSB é muito bom. Eu confio muito neles, trabalho muito bem com eles. Agora, o que a Marina quer mudar a posição do partido sobre essa questão.

Viomundo – O que achou das alterações?

Toni Reis – Estou estarrecido. O Malafaia tuitou três ou quatro frases e  a Marina sucumbiu ao fundamentalismo. Ela tem bipolaridade ideológica. Num dia ela fala uma coisa, no seguinte faz tudo diferente, de forma  extremamente demagógica.

Aí, eu fico imaginando. Se numa questão tão específica, como os direitos da comunidade LGBT, ela está fazendo isso, imagine o que ela pode fazer nas questões econômicas, nos programas sociais, nos programas do Ministério da Educação.

Agora, realmente , não dá para confiar no que a Marina  falar. Ela pode no outro dia fazer uma errata do que falou anteriormente.

Ela não é candidata a síndica de um prédio de quatro andares…Nós estamos entre as maiores economias do mundo!

Viomundo – A que atribui essa mudança?

Toni Reis – Instabilidade, insegurança, incoerência, inconsistência. Para mim, neste momento, a palavra que melhor define a Marina é bipolaridade ideológica. Ela muda de posição conforme o humor das ondas.

Para ser candidata à presidência  é preciso um mínimo de coerência. E coerente por coerente o Aécio é mais coerente que a Marina.

Com este episódio, ela realmente mostrou uma outra cara.

Eu insisto. Se ela pensa dessa forma de um tema tão importante que atinge 10% da população, imagine em questões econômicas. Será que ela vai transferir a sede do Banco Central  para Nova York? Será que ela vai fazer o que está falando? Fica uma insegurança política.

Viomundo – E as demais candidaturas?

Toni Reis — Nós estamos acompanhando todas. Eu apoio o projeto do presidente Lula,  que por sua vez apoia a presidenta Dilma. Ideologicamente a minha candidata é a Dilma.

Mas quando vem uma proposta  bacana a gente tem que elogiar. Foi o caso dessa da Marina.   Mas aí  teve toda essa transformação.  Esperamos que as pessoas percebam que o discurso da Marina é falacioso.

Leia também:

Refém de Malafaia, em menos de 24 horas Marina volta atrás e muda programa de governo



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


46 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Onda Vermelha

04 de setembro de 2014 às 02h25

Bem vindos ao Estado Teocrático do Marinistão! Aqui o líder supremo e espiritual de nosso califado é o Pastor(ou Aiatolá?) Silas Malacheia. Hehehe! Tá bom pra você ou quer mais? Por duas vezes na nossa história o Brasil elegeu Salvadores da Pátria, chefes do Partido do Eu Sozinho! E a gente sabe como isso acabou: deu em impeachment! Sonhar é bom. Mas eleição é hora de botar o pé no chão e voltar à realidade! Sou mais Dilma para o Brasil seguir mudando com segurança, justiça social, distribuição de renda, tolerância religiosa e com RESPEITO aos direitos civis das minorias!

Responder

Oliveira

02 de setembro de 2014 às 12h54

Mais uma errata: onde se lê Marina, leia-se MARIONETE.

Responder

Geraldo

01 de setembro de 2014 às 12h25

Com Neca e Malafaia, necas de votos para Marina Silva!!

Responder

anac

01 de setembro de 2014 às 10h28

No minimo ingênuos. Marina é hospedeira no PSB. Não precisa ser inteligente para saber que ela está no PSB provisoriamente enquanto não cria sua REDE. Aliás ela já declarou isso. O programa politico do PSB nunca foi o dela e ela sempre declarou isso também. Como declarou apoio a Feliciano o homofóbico quando criticando por sua homofobia. Os homossexuais pediram para serem enganados. Nisso Marina nunca os enganou. É evangélica, esperar o que?

Não consigo entender como alguém que não teve competência para criar um partido por falta de adesões, assinaturas suficientes, vai conseguir governar um país. Retornando, Marina é hospedeira black bloc vai sair explodindo o PSB literalmente, levando filiados fisiologistas. O melhor exemplo de Marina como hospedeira, é o do filme Alien 8 passageiro, para nascer o mostro mata literalmente seu hospedeiro rasgando suas entranhas. Dois partidos morrerão nessas eleições tendo o mesmo fim do DEM: PSB e PSDB..

Responder

    anac

    01 de setembro de 2014 às 10h36

    Não há em Marina bipolaridade ideológica. Mais uma vez Toni se engana, principalmente nesse tópico. Ela sempre declarou o que pensava em relação a questão. Tentou ser mais flexível (o que deve ter lhe doído profundamente) por questões puramente eleitorais.E retrocedeu por questões também eleitorais. Com Malafaia, viu que perderia muitos votos- o voto evangélico – muito mais do que ganharia.É a “nova” politica, só se for para os ingênuos e incautos. Mais velha impossível.

Mardones

01 de setembro de 2014 às 09h47

Chamem a Regina Duarte! k k k k k k k k

Responder

FrancoAtirador

01 de setembro de 2014 às 00h06

.
.
!!!Hilário!!!

16 tuítes sobre MariNéca
voltando atrás em questões
‘muito relevantes’

Depois de mudar,
em menos de 24 horas
seu projeto de governo
em relação aos direitos LGBT,
candidata à presidência
Marina Silva vira meme.

(http://abre.ai/marineca_volta_atras)
(http://www.buzzfeed.com/irangiusti/tuites-da-marina-voltando-atras-em-questoes-muito-relevantes)
.
.

Responder

Diego Gutierrez

31 de agosto de 2014 às 21h26

Mais um exemplo de oportunismo e vazio ideológico. Corrompida pelos ressentimentos pelo PT e pelos sedutores e valiosos “agrados” vindos do predador “senhor mercado”. Um engodo, enganosa e dissimulada. A verdade há de triunfar. Ideologia do capital vê o homem e natureza como fatores de produção, visando impiedosamente o lucro. Ideologia de caráter socialista ou progressista, ou trabalhista, não admite que o capital, e seus interesses, de ambição e acumulação, se sobreponham aos interesses públicos. Fácil de comprovar esta realidade.

Responder

Lukas

31 de agosto de 2014 às 20h29

Marina, Marina, Marina, no Brasil, hoje, só se fala de Marina.

A blogosfera progreçista está monotemática.Ma

Responder

    02 de setembro de 2014 às 12h33

    Ao contrário de você, não sou pago pra trolar na rede (ops…internet). A candidatura da Marina deve ser foco dos blog sim, afinal é o futuro do país em jogo. Eu sei porque não preocupa você: o teu tá garantido, né?

Yacov

31 de agosto de 2014 às 17h13

Eu diria que a Marina tem MULTIPOLARIDADE ideológica. Com ‘jeitinho’, cabem tudo e todos dentro do seu grande saco ideológico. Depois é só chacoalhar, fazer um ‘bem bolado’, e ‘riffar’. Ou não… Sei lá … Entende !? Milcoisas …

“ANOS tuKKKânus LEWINSKYânus NUNCA MAIS !!! NO PASSARÁN !! VIVA GENOÍNO !! VIVA ZÉ DIRCEU !! VIVA A LIBERDADE, A DEMOCRACIA E A LEGALIDADE !! VIVA LULA !! VIVA DILMA !! VIVA O PT !! VIVA O BRASIL SOBERANO !! LIBERDADE PARA JULIAN ASSANGE, BRADLEY MANNING E EDWARD SNOWDEN JÁ !! FORA YOANI e MÉDICOS COXINHAS !! ABAIXO A DITADURA DO STF DE 4 PARA A GLOBO !! ABAIXO A GRANDE MÍDIA CORPORATIVA, SEU DEUS ‘MERCADO’ & TODOS OS SEUS LACAIOS & ASSECLAS CORRUPTOS INIMPUTÁVEIS !! CPI DA PRIVATARIA TUCANA, JÁ !! LEI DE MÍDIAS, JÁ !! ******* “O BRASIL PARA TODOS não passa no SISTEMA gloBBBo de SONEGAÇÃO – O que passa SISTEMA gloBBBo de SONEGAÇÃO é um braZil-Zil-Zil para TOLOS”

Responder

Josué

31 de agosto de 2014 às 16h13

Tenho medo.
Os acordos da Marina com os partidos e pessoas que a apoiam vão ruir após ela ser eleita. São acordos espúrios, de conveniência passageira e eleitoreira. Não são acordos duradouros nem feitos com vistas a governança. Ela tem seus ódios, preconceitos e divergências com mais da metade daqueles que hoje estão no palanque dela – e todos eles tem estas mesmas coisas para com ela.
Se eleita, talvez só sobre para Marina o apoio dos evangélicos – e pior, das lideranças evangélicas – tão havidas por dinheiro quanto qualquer político
A Marina é evangélica e pior é pastora, o que faz dela uma pessoa que acredita em deuses, mundos em sete dias, ressurreição, diabos e outras coisas em que um adulto mentalmente sadio e razoavelmente inteligente não acredita ou então ela é uma tremenda duma safada vigarista que faz de conta que acredita nestas coisas à troco de promoção e vantagens – como o fazem a maioria dos pastores.
Mas dá medo.
A pressão dos evangélicos para o exercício das moralidades hipócritas que eles tanto prezam ( e pelas quais tanto cobram…) podem atrasar este em muitos aspectos.
A tal da cura gay indica isso…

Uma parte da população e que aliás me parece mais certa – é aquela que vai votar na Marina só para ser diferente, para sair do verdadeiro bi partidarismo petista – psdbista que substitui a ARENA e o MDB. Ninguem mais tem saco para 16 anos de petistas no poder mas tambem não querem um A(nes)écio da vida. gente que vai votar em qualquer coisa, menos nas mesmas coisas de sempre e que fazem sempre tudo do mesmo jeito. Para esta gente que vai votar na Marina o que importa é mudar, mesmo arriscando ser para pior, o negócio é mudar já que o PT é hoje tudo aquilo que xingava e combatia quando não era o PT que estava no poder.

Responder

    anac

    01 de setembro de 2014 às 10h42

    Marina declarou que iria governar com os homens bons. Mais pastora evangélica impossível. Quem não se encaixar nos seus conceitos será considerado o mal. O resto será o mal. Como um evangélico trata o que ele acha ser o mal? Em priscas eras, eram queimados vivos pelos fundamentalistas. Era das trevas.

    [email protected]!r [email protected]+e5

    01 de setembro de 2014 às 10h45

    A população está certa em trocar um candidato, seja Aécio ou Dilma, que sabe o que quer e tem estrutura para fazer valer o seu programa por uma aventura? Uma brincadeira? A população estava certa quando colocou a vassorinha do Jânio no poder que renunciou em 6 meses? Estava certa quando colocou o caçador de marajás que foi escurraçado pelas revistas “Veja” e “Isto é” em menos de dois anos? Vamos ter que viver outra aventura que vai nos jogar em mais 15 anos de obscurantismo? O povo está certo em fazer isso? Isso é uma escolha lógica?
    Guarde minhas palavras: Se eleita, Marina não governa dois anos! A primeira crise vai ser a explicar quem é o dono do jatinho que caiu. A imprensa vai usar isso como chantagem pra ter tudo o que ela e seus clientes, o mercado financeiro, querem.
    O povo pode até fazer. Direito dele. Mas, na tentativa de sair de um mal, vão entrar em um pior ainda.

Josué

31 de agosto de 2014 às 14h08

Acho engraçado quando usam a palavra “ideologia” como que para definir o caráter de alguém ou estabelecer algum critério de conduta social e econômica.
Ideologias só existem mesmo para os vigaristas que se valem delas para manipularem os otários que acreditam que os vigaristas estão certos.
Vejam a esquerda ( ou a direita tanto faz…)seja daqui da Terra de Vera Cruz seja da China ou dos EUA… Vejam inclusive a aberração chamada “bolivarismo”. Tudo papo furado. Tudo enganação. Os safados à frente de cada agremiação “ideológica” juntam ao redor de sí hordas de manés que acreditam na honestidade e capacidade deles!!!
Marina não tem bipolaridade ideológica. Marina nem ideologia tem. Nem ela nem Aécio nem Dilma. Não se trata de ideologia. É só questão de fazer umas coisinhas aqui e ali pro povo ( nada além do mínimo necessário)e tratar de se arrumar e arrumar pros outros.
A marina agora tem mais é que se garantir.

Responder

    raphael_subversivo

    01 de setembro de 2014 às 11h10

    Bem ,vamos considerar o conceito de ideologia como um conjunto de ideias, e não o conceito critico que alguns filósofos, inclusive Marx, defendia: de ferramenta para controle social.

    Considerando então a visão comum, ainda assim, todo mundo está, se não defendendo, legitimando uma ideologia. A que vemos hj como hegemonica é a capitalista, do Deus Mercado, burguesa, individualista. Muitos acreditam cegamente nisso e não veem o teor ideológico, tanto considerando um ou outro conceito. Negar isso é uma posição pós modernista e falaciosa, pq infelizmente nesse mundo ainda não foi pensada uma terceira via que não caia pra um lado ou pra outro.

    Concordo com sua visão de que muitos são oportunista e distorcem valores pra interesse proprio, ainda assim, TODO humano acredita em algo, e esse algo inevitavelmente cai num espectro ideológico. Até a negação disso, tem esse caráter.

Amaro Doce

31 de agosto de 2014 às 14h01

Do movimento Dilmista “vamos às ruas fazer campanha”

Veja este vídeo publicado no Conversa Afiada, mas encontrado também no You Tube com um título diferente:
http://www.conversaafiada.com.br/tv-afiada/2014/08/31/quando-malafaia-espinafrava-a-blabla/

Otaciel

Responder

Taiguara

31 de agosto de 2014 às 13h48

Se o Malafaia mandar, Marina volta atrás e ENTRA NO AVIÃO.

Responder

José X.

31 de agosto de 2014 às 13h09

Esse “recúo” com acento, no título, está doendo nos olhos…corrijam, por favor.

Quanto ao artigo em si, sobre a candidata que é um saco de vento mas se acha a rainha da cocada preta, nem vou perder meu tempo.

Responder

Amaro Doce

31 de agosto de 2014 às 12h51

TEMOS QUE IR ÀS RUAS

Minha gente, as informações que adquirimos nos blogs e que repassamos para as pessoas são importantes. Mas nós precisamos ir para as ruas. SIM, PARA AS RUAS E FAZER O CORPO A CORPO.

Ontem eu estive fazendo campanha num mercado público perto da minha residência. Mas antes eu passei num dos comitês eleitorais da Dilma para adquirir material. Localize um deles, adquira material e caia em campo. TEMOS QUE IR ÀS RUAS!

Responder

Fabio Passos

31 de agosto de 2014 às 11h54

Que fiasco.
A “nova política” é uma mistura de FMI com malafaia!

Responder

Urbano

31 de agosto de 2014 às 11h32

Uma zorra louca girando a mais de mil RPM, e quando o eixo fininho que é não suportar mais a centrífuga da carga abjeta e vir a partir, então vai ser boston em demasia, que irá tingir completamente a Rosa dos Ventos…

Responder

Amaro Doce

31 de agosto de 2014 às 09h44

A CRISE ESTÁ BRABA

Escrito por Edson Joanni

Eu e Cláudia Stefani passamos hoje por momentos terríveis.
Ela mal se recuperou de tudo que vimos pelas ruas aqui de São Paulo.

Somos obrigados a admitir: A CRISE ESTÁ BRABA!

Pela manhã, saímos para fazer uma caminhada pela Av. Paulista. Um horror! Um trânsito que parecia de horário de pico em sexta-feira, calçadas lotadas de pedestres, ambulantes por toda parte, tentando vender de tudo. E as pessoas comprando, comprando…

Concluímos que a crise está tão feia, a desesperança é tão grande, que os brasileiros todos apertaram a tecla foda-se e saíram pra gastar, para ter seus últimos momentos de felicidade, para gozar alguns minutos de devaneio capitalista. Sim, porque o capitalismo virou as costas para o Brasil, não é? As 10 fábricas de automóveis que chegarão aqui até 2016 estão é blefando. Essa notícia foi só para tentar esmorecer no povo a vontade de mandar tudo à merda e botar fim a suas vidas desgraçadas por este desgoverno.

Mais tarde, fomos à Bienal do livro e confirmamos a tragédia: Anhembi lotado, saindo gente pelo ladrão, filas intermináveis para entrar, centenas de taxis trazendo e levando gente… Um apocalipse literário!

Eu e minha querida Cláudia chegamos à conclusão de que as pessoas estão tão deprimidas que foram todas à bienal em busca de livros de auto-ajuda, algo em que elas possam se apoiar para enfrentar o fim do país.

É… A CRISE TÁ BRABA MESMO!

Melhor ir dormir antes que a Marina anuncie outra errata em seu programa de governo.

Responder

leandro

31 de agosto de 2014 às 09h09

Fala sério, petista falando de bipolaridade ideológica? E o maulf? o sarney? AS privatizações, ops “concessões”?

Responder

    Moura/PE

    31 de agosto de 2014 às 10h48

    E a privataria tucana o rombo do metrô de São paulo, José Arruda apoiado pelo PSDB etc e tal.

    leandro

    31 de agosto de 2014 às 13h05

    Não sou tucano. Só gosto de ver o desespero de quem pregava uma coisa e agora agem como a pior direita. Para cobrar coerencia temos que ser coerentes.

    Rodrigo

    31 de agosto de 2014 às 13h25

    Uma coisa não anula a outra. Depois choram se perguntando por que políticos caíram em total descrédito.

    A culpa deve ser do PIG, não é mesmo?

    anac

    01 de setembro de 2014 às 10h57

    O PT nunca renegou a politica. Tinha sérias restrições a esses políticos. Mas nunca renegou a politica. E fez politica sendo oposição sendo partido. E no governo governou para TODOS. E respeitando o sistema politico vigente, em que é obrigatório a maioria no CN sob pena do golpe, sofrer impeachment como Collor , teve que se aliar a esses políticos. Lula jamais ficou pulando de galho em galho em conflito com todos que não pensavam igual a ele. Aliás Lula sempre foi conciliador, contemporizador, mesmo na ditadura. Brizola rompeu com ele porque cedeu, assinou a tal da Carta aos Brasileiros quando se comprometeu a respeitar a privataria. Nisso discordei veementemente do governo lula. Como Brizola, deveria ter anulado. Aquilo não passou de crime de lesa pátria. E os criminosos deveriam ter sidos presos, como Fujimori foi e se encontra atrás das grades. Menem foi processado. FHC está livre leve e solto e ainda ditando regras até de conduta e moral ahahahaha.
    Marina não é Lula muito menos Dilma. Não tem 1% da capacidade de Lula. Está mais para um Jânio ou Collor de MELLO. Se eleita (Deus nos livre) o tempo (pouco) dirá como seu governo acabará como Collor ou Jânio. Pobre Brasil.

    02 de setembro de 2014 às 12h34

    Nunca vi o PT dizer que ia governar ‘com todos’.

Guillermo

31 de agosto de 2014 às 08h35

Só porque o Malafaia tuitou? Só? Acho pouco, devem ter outras razões. Eu acho que teve telefonema e dinheiro envolvido. Acho.

Responder

    anac

    01 de setembro de 2014 às 11h02

    Pode ser. Mas o dinheiro (banco) não vê credos, gênero, raça, etc.

    O voto evangélico é forte e pesou fundo na “consciência” oportunista de Marina.

Notívago

31 de agosto de 2014 às 08h27

MARINA DESPOLITIZA A CAMPANHA AO PEDIR QUE ELEITORES SAIAM DE COQUE

http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2014/08/marina-pede-que-eleitores-saiam-de.html

Marina pede que eleitores saiam de coque e internauta protesta contra despolitização: “Cadê as propostas?”

Política do coque
O marketing de Marina exagerou na despolitização nas redes sociais. A campanha pediu, no Facebook, que os eleitores publiquem fotos com o cabelo preso em coque para demonstrar apoio à candidata.

E o resto? “O penteado usado por Marina é o look preferido de muita gente”, diz a publicação do comitê. Alguns eleitores reclamaram. “Cadê as propostas?”, questionou a goiana Sara Andrade. A reclamação foi apoiada por outros 200 internautas.(Da coluna Painel da Folha)

Responder

FrancoAtirador

31 de agosto de 2014 às 00h19

.
.
A MariNéca é de tal forma Ambígua

que, tentando agregar, desagrega.

Por essa ‘Bipolaridade Ideológica’,

MariNéca aponta para o ‘Sonhático’

com um dedo indicador Medievalesco:

O Futuro do Pretérito Imperfeito.
.
.
Infelizmente, toda vez que MariNéca entra na Disputa Eleitoral,

temos de retroceder aos termos de um debate que parecia superado:

(https://www.viomundo.com.br/politica/puro-partido-de-marina-nao-e-de-esquerda-nem-de-direita.html)
(https://www.viomundo.com.br/politica/fatima-oliveira-chamar-um-partido-de-rede-e-engabelacao-sim.html)
(https://www.viomundo.com.br/politica/francoatirador-o-partido-apolitico-apartidario.html)
.
.
Ela definitivamente não compreendeu, até hoje,

o significado da expressão em Mt 6:24 e Lc 16:13:

“Não podeis servir a Deus e a Mamom”
.
.
Deus Mamom dá as bênçãos à MariNéca:

BENVINDA AO MERCADO DE CAPITAIS!

A notícia negativa do PIB do segundo trimestre
tornou-se ‘boa notícia’ aos olhos dos operadores
do Mercado Financeiro na Bolsa de Valores.

“Bad News, Good News” [Más Notícias, Boas Notícias],
resumiu um operador.

O ‘Mercado’ também digeriu o programa de governo de Marina Silva,
anunciado nesta tarde.

A atenção ao desenvolvimento do Mercado de Capitais
aparece como uma das prioridades da candidata.

Fonte: Extra/GLOBO, via InfoMoney.
.
.
[email protected] DE MAMOM, O DEUS DO MERCADO FINANCEIRO

(http://www.afnoticias.com.br/noticia-2969-mamom-o-senhor-do-dinheiro.html)
(http://pt.wikipedia.org/wiki/Mamon)
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    31 de agosto de 2014 às 00h43

    FrancoAtirador

    31 de agosto de 2014 às 00h46

    .
    .
    7 MOTIVOS PELOS QUAIS MARINÉCA

    NÃO REPRESENTA A NOVA POLÍTICA

    (http://www.cartacapital.com.br/blogs/carta-nas-eleicoes/marina-silva-nao-representa-a-nova-politica-7849.html)
    .
    .

    FrancoAtirador

    31 de agosto de 2014 às 04h41

    .
    .
    Marina Silva, Vida e Morte da Política

    Por Luciana Ballestrin (*), na Carta Maior

    Entender as razões que levam uma pessoa a votar em outra
    é uma das preocupações mais clássicas da Ciência Política.

    Nas democracias representativas-liberais-ocidentais,
    entender a cabeça do eleitor(a), decifrar os seus anseios
    e jogar com suas intenções de voto
    orientam as máquinas do marketing eleitoral
    e das pesquisas de opinião pública.

    São várias as possibilidades da racionalidade do voto
    e sua conquista pelos partidos políticos
    depende de muitos fatores, circunstâncias e contextos.

    Em tempos de campanha eleitoral, mais do que programas de governo,
    os discursos políticos têm o objetivo de interpelar
    fatias do eleitorado potencial e indeciso,
    criando uma cadeia de equivalência de significados
    capaz de mexer com nossa razão e nossa emoção.

    A campanha de Marina Silva do PSB tem se esforçado
    para equivaler duas noções personificadas pela candidata:
    a “nova” e a “boa” política para o país.

    Esta lógica aposta que a política atual,
    bipolarizada pelo PT e PSDB, é “velha”, “ruim”;
    encurralada, pois, entre duas vias.

    O Argumento da ‘Nova Política’ é Velho.

    No que consiste o ‘novo’ nos discursos
    de campanha de Marina Silva?

    O ‘novo’ adquire aqui
    um Caráter puramente Ideológico

    O ‘velho’ está na Dicotomia ‘ultrapassada’
    entre a Esquerda e a Direita,
    enquanto o ‘novo’ está na ‘terceira via’.

    O argumento da ‘boa política’ é moralista.

    No que consistiria exatamente o bem e o bom
    nos discursos de campanha de Marina Silva?

    O bom e o ruim, o bem e o mal, projeta um antagonismo
    que para o polo da esquerda e da direita estranhamente não funciona.

    Então, existem pessoas boas e más no mundo,
    assim como o bem e o mal:
    os partidos políticos aos quais pertencem,
    bem como suas filiações ideológicas não importam.

    O argumento religioso do bem e do mal
    e o julgamento do que é bom e do que é ruim
    paira acima de todas as ideologias.

    E vejam: é um discurso que não admite rótulos,
    mas que paradoxalmente o faz
    quando se trata da nova e da boa política.
    Acima de todos e de todas,
    acima da História e de suas histórias.

    Para além da velhice e do moralismo
    desse tipo de discurso, no contexto atual do Brasil
    ele reforça o personalismo apartidário e messiânico,
    buscando eliminar a força de toda a disputa política:
    o conflito.

    A campanha de Marina tem procurado estabelecer
    a equivalência discursiva da novidade
    e da bondade em torno do seu nome:
    tenta matar a política,
    porque o conflito é coisa velha e ruim.
    Nada mais velho e moralista.

    A distância entre esse tipo conhecido de discurso
    e a prática concreta remete a experiências que se repetiram
    primeiro como tragédia e depois como farsa.

    É por esta razão que o discurso de Marina Silva
    flutua e flerta mais para a direita do que pela esquerda,
    em uma ambiguidade que até os mais endinheirados
    e elitizados pagam para ver.

    Um discurso muito cauteloso, persuasivo e estratégico,
    incapaz de contrariar as premissas do neoliberalismo econômico
    e do conservadorismo moral.

    Um discurso velho com novas palavras,
    inerte para apontar até agora caminhos
    de mudança à “velha” e à “boa” esquerda.

    Um discurso incontroverso:
    quem quer destruir o meio-ambiente?
    Quem não quer dialogar?

    O neoliberalismo ‘green light’ de Marina Silva
    pouco explica hoje seu passado guerreiro de ontem.

    Contradições e paradoxos discursivos
    e práticos não resistem aos fatos:
    uma mulher que pouco fala dos direitos das mulheres;
    uma ambientalista pró-desenvolvimentismo;
    uma vaidade individual sugadora do coletivo partidário.

    Marina é uma mulher de origem humilde de cercanias distantes,
    com passado lutador que merece todo nosso respeito.

    Mas, o passado não pode ser a anistia do presente.

    O presente de Marina Silva corre para um abraço verde,
    liberal na economia, contido nos valores.

    Não é a morte da política,
    tampouco da velha e da ruim,
    porque é sua mais perfeita perpetuação.

    (*) Luciana Ballestrin é cientista política
    e coordenadora do curso de Relações Internacionais
    da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL).

    (http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Marina-Silva-vida-e-morte-da-politica/4/31705)
    .
    .

Messias Franca de Macedo

30 de agosto de 2014 às 23h46

… Se a [candidata!] Marina [Silva?!] não se entende com a Marina Silva, imagine com o PSB!…

… A candidata Marina [Silva?!] é uma reles arrivista! Um joaquim barbosa de saia justa – e curta!…

Responder

Rodrigo

30 de agosto de 2014 às 23h44

Primeiro que a maioria dos pastores que compram horarios de tv com dinheiro de gente desesperada já deveria estar na cadeia há tempos.

Segundo, será que é só a Marina que é ideologicamente bipolar? O PT atual nos prova que não.

Responder

Paulo Renato

30 de agosto de 2014 às 23h26

Veja que interessante Toni, pra mim os únicos bipolares aqui são vcs. A Marina desde que era do PT sempre teve estas posições . Os únicos que a compreenderam bipolarmente foram aqueles que deram que ela mudaria de opniao agora.
O pessoal do PSB quiseram forçar uma barra perderam. Quanto a Diilma era minha candidata até hoje mas, depois de ler o que a página dela disse de forma discriminatória sobre o fato dela ser “evangelica fervorosa” perdeu meu voto. Depois de 12 anos votando PT mudei. E mudei por não aceitar discriminação religiosa, racial e moral.

Responder

Navarro

30 de agosto de 2014 às 23h20

Não entendo o Toni Reis. Reclama da Marina pois acha que ela não apoia sua causa mas apoia a Dilma. Se em 4 anos Dilma não fez nada pela sua causa porque irá fazer nos próximos 4 anos? E, se Dilma fez algo de significativo e importante, porque o Toni espera algo da Marina?
É bem capaz de eleita, Marina faça o que Dilma não fez em benefício do que pensa o Toni Reis. Seu pensamento é incoerente com o que espera de um presidente no poder em relação à causa LGBT.

Responder

    João Almeida

    31 de agosto de 2014 às 00h41

    ??????

    A incoerente tá fazeno escola.

    Tendi ndk dnda

Onda Vermelha

30 de agosto de 2014 às 23h07

Marina muda diretrizes da política LGBT em menos de 24 horas. Ontem (30) a candidata Marina Silva, do PSB, reuniu a imprensa em São Paulo para lançar seu novo programa de governo. Por parte do movimento LGBT, as reações ao novo plano de governo, no geral, foram positivas. O movimento viu muitas de suas demandas históricas atendidas pelo plano de governo da candidata. Em menos de 24 horas, no entanto, Marina Silva divulgou uma errata e reviu seu programa de governo recém-lançado. A divulgação da errata coincide com uma série de pressões por parte de setores conservadores da sociedade, como é o caso das manifestações do Pastor Silas Malafaia em seu twitter. Vale a pena conferir as principais alterações consequentes da errata, e o que elas significam: 1. CASAMENTO/UNIÃO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO: Antes: Apoiar propostas em defesa do casamento civil igualitário, com vistas à aprovação dos projetos de lei e da emenda constitucional em tramitação, que garantem o direito ao casamento igualitário na Constituição e no Código Civil. Depois: Garantir os direitos oriundos da união civil entre pessoas do mesmo sexo. Observação: Com a errata, retira-se o compromisso com o casamento civil igualitário e com a aprovação dos projetos de lei ou emendas constitucionais em tramitação. O que Lula e Dilma fizeram sobre o assunto: Reconhecimento dos direitos de casais de mesmo sexo no serviço público federal (orientação normativa 14/2013 do MPOG) 2. CRIMINALIZAÇÃO DA HOMOFOBIA (PLC 122/06) Antes: Articular no Legislativo a votação do PLC 122/06, que equipara a discriminação baseada na orientação sexual e na identidade de gênero àquelas já previstas em lei para quem discrimina em razão de cor, etnia, nacionalidade e religião. Depois: Retirado Observação: A nova proposta simplesmente ignora o PLC/122 que, ainda que já tenha sido arquivado foi uma bandeira de luta importante do movimento social organizado LGBT. Com a retirada não há compromisso de seu governo com eventuais legislações semelhantes. Além disso, apesar de o programa de governo falar em “aferir crimes de natureza homofóbica no âmbito da administração pública federal”, os crimes de natureza homofóbica não podem ser aferidos enquanto não houver uma lei que os defina e como o programa tirou o apoio a essa lei, fica difícil saber como cumprirá essa promessa. O que Lula e Dilma fizeram: Assinatura da Convenção contra Todas as Formas de Discriminação e Intolerância da OEA (http://www.oas.org/en/sla/dil/docs/inter_american_treaties_A-69_Convenca…) 3. IDENTIDADE DE GÊNERO: Antes: Comprometer-se com a aprovação do Projeto de Lei da Identidade de Gênero Brasileira − conhecida como Lei João W. Nery −, que regulamenta o direito ao reconhecimento da identidade de gênero das “pessoas trans”, com base no modo como se sentem e se veem, dispensando a morosa autorização judicial, os laudos médicos e psicológicos, as cirurgias e as hormonioterapias. Depois: Aprovado no Congresso Nacional o Projeto de Lei da Identidade de Gênero Brasileira – conhecida como a Lei João W. Nery – que regulamenta o direito ao reconhecimento da identidade de gênero das “pessoas trans”, com base no modo como se sentem e veem, dispensar a morosa autorização judicial, os laudos médicos e psicológicos, as cirurgias e as hormonioterapias. Observação: O texto atual é confuso. Não se compromete com a aprovação, fala em “se aprovado”, em uma redação truncada. Não há qualquer compromisso pela sua aprovação, sanção ou, caso aprovado, regulamentação. O que Lula e Dilma fizeram: Asseguraram o uso do nome social de travestis e transexuais no serviço público federal (Portaria 233/2010-MPOG; Portaria 1612/2011-MEC; Portaria 2803/13-MS), asseguraram o uso do nome social no SUS 4. ADOÇÃO POR CASAIS DO MESMO SEXO: Antes: Eliminar obstáculos à adoção de crianças por casais homoafetivos. Depois: Como nos processos de adoção interessa o bem-estar da criança que será adotada, dar tratamento igual aos casais adotantes, com todas as exigências e cuidados iguais para ambas as modalidades de união, homo ou heterossexual. Observação: Com a errata o programa de governo desconsidera a possibilidade de discriminação ainda que velada a casais homossexuais. Demonstra nitidamente seu recuo ao não enfrentar uma possível discriminação, trabalhando com igualdade formal, o que não alcançaria ou protegeria os casais homossexuais sendo necessária a utilização da igualdade material. (tratando os diferentes de forma diferentes dentro de suas especificidades). O que Lula e Dilma fizeram: o Governo Federal vem fazendo parcerias com o Conselho Nacional de Justiça para ampliação e melhorias no Cadastro Nacional de Adoção que já prevê a possibilidade de adoção por casais homoafetivos. 5. PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DA CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS LGBT: Antes: Dar efetividade ao Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos LGBT. Depois: Considerar as proposições do Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos LGBT na elaboração de políticas públicas específicas para populações LGBT. Observação: A nova proposta reduz a anterior. Há o descomprometimento em sua aplicação. Considerar o Plano, diferentemente do que havia sido proposto anteriormente, não garante a implementação. O que houve para a candidata mudar tanto de ideia em tão pouco tempo? Vale notar que esta não é a primeira vez que candidata volta atrás sobre o que escreveu em seu programa de governo. Dilma e Lula, entretanto, já mostraram que merecem a confiança e o respeito do povo brasileiro e que mesmo sem precisar prometer, muito já fizeram para a população LGBT, como se pode ver no card abaixo: Veja em http://mudamais.com/divulgue-verdade/marina-muda-diretrizes-da-politica-lgbt-em-menos-de-24-horas

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!