VIOMUNDO

Diário da Resistência


Silvio Tendler convoca todos a se juntarem numa frente ampla democrática: “Viva as Forças Amadas, a vida acima de tudo!”
Sonhos, por Claudius
Política

Silvio Tendler convoca todos a se juntarem numa frente ampla democrática: “Viva as Forças Amadas, a vida acima de tudo!”


22/05/2022 - 19h08

POR UM MUNDO DE PAZ

Manifesto da Escola Superior de Paz dos Estados Gerais da Cultura

Por Silvio Tendler*

“Quelle connerie la guerre!”
(“Que babaquice a guerra!”)
– Jacques Prévert

Por um mundo sem a existência das Forças Armadas e no seu lugar Forças AMADAS.

Por um mundo em que a Escola Superior de Guerra seja transformada numa ESCOLA SUPERIOR DE PAZ.

Ao longo da pandemia, todos nós que saíssemos vivos tínhamos a promessa de um mundo melhor.

Já passa da hora de a gente atentar para um crescimento centrado nas preocupações sociais humanitárias e voltado para o desenvolvimento sustentável.

O século XXI chegou e as guerras continuam a colocar em risco a vida no planeta. E, ainda pior, com uma potente aliada virtual, a guerra híbrida, que criou o lawfare e envenena lares e mentes das pessoas com conteúdos tóxicos, mentiras e ódio verbal. Só privilegia regimes autoritários e enriquece as mega plataformas das mídias sociais.

Acreditamos na UTOPIA como acreditaram dois jovens, nos anos 60, ao criarem o movimento Provos. Uma iniciativa que provocou grandes transformações na Holanda e inspirou importantes movimentos de contracultura no mundo.

Tudo começou na década 60, na cidade de Haia, Holanda, quando os dois, ainda estudantes, brincavam e viram passar mísseis da Otan.

Ficaram surpresos ao ver o país ser ocupado por aquele arsenal nuclear.  Se o final da Segunda Guerra Mundial e da Guerra da Coréia representavam um mundo de paz, o que era aquilo? Não estávamos a caminho de um mundo sem guerras?

A resposta que receberam a esses questionamentos foi a expulsão da escola. O Provos começou a tomar forma, como provocação, porém pacífica. Diante da difusão de armas nucleares pela Europa e a ameaça à prometida paz, o grupo propunha a construção de uma sociedade alternativa ao mundo bélico.

Para eles, os movimentos anarquistas anteriores defendiam ideias já superadas pelo tempo. Decidiram, então, fazer um jornal e, para comprar uma máquina de escrever, um deles foi trabalhar em uma fábrica de cerveja, em Amsterdã, com a função de colocar chapinhas nas garrafas.

Ao perguntar aos seus colegas operários o que fariam se fossem pagos para escrever, ler, pensar e se dedicar a atividades criativas, ouviu a negativa “nós não podemos abandonar nossa classe, não podemos abandonar o nosso trabalho”.

Foi ali que perceberam que a conservadora classe operária jamais mudaria o mundo, e avançaram a discussão sobre os movimentos sociais, questionando as formas de contestação política tradicionais.

O primeiro ato que promoveram foi pintar uma bicicleta de branco e deixá-la pelas ruas de Amsterdã para uso coletivo, quem precisasse a usava.

Foram acusados de tentar destruir o capitalismo e seus princípios essenciais de propriedade e lucro. O protesto ganhou vida própria e as bicicletas brancas se multiplicaram pela cidade. Publicaram um manifesto, que logo foi proibido pelo prefeito da cidade de ser distribuído.

Os jovens, então, distribuíram rolos de papel higiênico sem palavras, aprofundando o protesto.

Fundaram a “Igreja da Dependência Consciente da Nicotina”, cujo templo era aos pés da estátua Lieverdje, que representa um menino de rua, e havia sido doada para Amsterdã por uma indústria de tabaco responsável por uma quantidade expressiva de pessoas com doenças pulmonares.

Lá, entoavam semanalmente o mantra “cof, cof, cof, cof”, dançavam, cantavam, jogavam e faziam discursos, o que virou a religião do Cof-cof.

Seus protestos, inteligentes e pacíficos, continuamente denunciavam a violência policial.

A popularidade dos Provos chegou ao nível de se tornarem uma atração turística. Com isso, consideraram que suas ações começaram a servir ao capitalismo e decidiram pela dissolução do grupo.

Mas, como uma pedra que se joga num lago de águas plácidas provoca ressonâncias, novas ideias espraiaram mundo afora.

Guy Debord, filósofo e sociólogo, escreveu “A Sociedade do Espetáculo” inspirado nesses movimentos. Também foram a fonte da Internacional Situacionista.

As guerras só se justificam contra as tiranias. Contra a violência dos tiranos, não há paz possível.

Hoje, o mundo observa perplexo o recrudescimento dos movimentos fascistas em todas as partes.

Lutar contra esses movimentos é tarefa essencial de todos os democratas. Na Europa, plantam-se raízes para uma terceira guerra mundial. No conflito entre EUA, Rússia, Ucrânia e Otan, não há mocinhos nem bandidos. Em todos os territórios, quem perde é o povo.

Biden “precisa salvar a economia” instigando mais um conflito de proporções globais.

Incita a guerra entre Rússia e Ucrânia para vender armas da indústria bélica americana e, assim, gerar emprego nos EUA. Ao mesmo tempo em que testa a eficácia de suas armas às custas do sangue alheio, para no futuro ainda serem pagos pelos ucranianos a um “preço justo” pela “gentileza” de terem cedido o armamento.

Putin “precisa provar” algo que o leva a destruir, sem cerimônia, casas e habitantes do país vizinho.

Caso seja derrotado, terá que assumir com os EUA uma dívida de guerra.

Zelensky é o tolo que puxa o saco dos EUA e da Europa às custas da vida de seu povo.

A Otan, instrumento criado durante a Guerra Fria para lutar contra o comunismo, mesmo depois do fim da URSS, continua mobilizada e agressiva, incentivando o ódio e ameaçando nações.

Todos posam de santo em uma guerra que de santa não tem nada.

A “neutra” Suécia vende aviões militares para o Brasil. A “neutra” Finlândia leva água das veredas de nosso sertão sob a forma de eucalipto para fabricar papel, assassinando a natureza através do desequilíbrio ecológico que provoca.

Uma guerra onde toda a população perde e só os governantes, que não estão nas frentes de batalha, têm seus ganhos. Nada disso se justifica em 2022!

Enquanto isso, um “tiranossauro fascista” na presidência do Brasil e seu grupo de devotos aniquilam o país à força, destruindo a natureza, os seres humanos e as fibras da sociedade. Em pleno ano de eleição, ameaçam nosso tão arduamente reconquistado direito ao voto.

Através da truculência como arma de persuasão, ensaiam um golpe de estado que arruinará o pouco de democracia que ainda nos resta.

Junto a ele, as Forças Armadas do Brasil tradicionalmente se posicionam contra os interesses dos brasileiros, com um modelo militar arcaico e de formação antidemocrática.

E, ainda, a cobiça pela Amazônia – menos pelo que ela representa para a natureza e mais pela exploração de seus valiosos recursos – é o que pode fazer do Brasil foco da iminente terceira guerra mundial.

Sejamos inteligentes! Só uma outra sociedade poderá nos salvar de toda a destruição que nos vem sendo imposta.

A política que precisamos é a dissolução das Forças Armadas, transformando-as em Forças AMADAS, em defesa da vida.

Uma academia que, em vez de guerra, promova a paz e resguarde seres humanos, mamíferos, carnívoros, granívoros, minerais, vegetais, líquidos, sólidos, gasosos…

As academias militares convertidas em academias de preservação da vida nos livrarão da política predatória que concentra dinheiro nas mãos de poucos em detrimento de todo um ecossistema.

A Escola Superior de Guerra extinta e a fundação de uma Escola Superior de Paz é o que efetivamente poderá proteger todos e todas que ocupam esse planeta chamado Terra, nesse pedacinho chamado Brasil.

Concentrar nossas forças na valorização da vida é o que de fato nos fará melhores!

A construção de uma nova sociedade, uma sociedade harmônica, focada na civilidade, é o nosso objetivo. Educação e moradia de qualidade, emprego, água limpa, saneamento básico, saúde, arte, cultura e tecnologia a serviço de todos!

Corro o risco de cometer uma heresia, porém, afirmo: o que é ruim não é o agronegócio, mas sim o latifúndio improdutivo, a imensa concentração de propriedades nas mãos de apenas alguns, que impedem que milhões tenham acesso à terra para viver e cultivar.

O que é ruim é o uso de agrotóxicos, que envenena e mata todo tipo de vida sobre a terra.

O que é ruim não é a indústria da construção, mas a destruição inescrupulosa dos ecossistemas, a exploração das terras de nossos povos originários pela mineração absolutamente predatória, que assassina, ceifa vidas, destrói a natureza.

O valor da propriedade urbana deve ser medido pela necessidade de fornecer moradia a todos, e não como produto para uma mera especulação imobiliária.

A todos que trazem dentro de si a certeza sobre a preciosidade de nossas vidas, convido a endossar este manifesto.

A criação de uma frente que una todos em defesa da democracia, que junte todas as forças antifascistas, é fundamental neste momento para evitarmos o pior.

Uma FRENTE AMPLA DEMOCRÁTICA!

Essa chamada, essa frente, é uma convocatória a todos aqueles que querem se juntar em defesa do direito de viver e reconhecem a importância de seguir em frente com nossos princípios: com arte, ciência e paciência mudaremos o mundo!

Escrevo com a certeza de que cabemos todos nesse imenso território chamado Brasil. Vida acima de tudo!

*Silvio Tendler é cineasta.





2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

22 de maio de 2022 às 23h15

O Resultado da Exploração do Trabalho Alheio
e o Produto da Usura dos Bancos é chamado
de “Lucro” pela Burguesia, do Alto da Pirâmide.

Chegou a hora de tomar de volta o que é nosso.

Responder

    Zé Maria

    22 de maio de 2022 às 23h15

    https://pbs.twimg.com/card_img/1528498716163952640/YqYglHQs?format=jpg&name=large


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding