VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

“Patrono” de Huck, FHC teria candidato indicado por ele rejeitado por 64% dos eleitores

31 de janeiro de 2018 às 16h45

Da Redação

Procura-se um anti-Lula.

Um “novo”.

E Luciano Huck, embora já tenha escrito que não é candidato, permanece no radar dos políticos profissionais.

De Fernando Henrique Cardoso, por exemplo.

Mesmo sem saber se Huck tem esqueletos escondidos no armário, FHC já mencionou o global como uma possibilidade, causando ciúmes em correligionários como Geraldo Alckmin e João Dória.

FHC se diz amigo da família de Huck, considera o apresentador global “muito cru” para ocupar o Planalto, mas ao mesmo tempo diz que “Luciano não desistiu” e seria uma possibilidade se Alckmin não se firmar.

O governador paulista patinou outra vez no Datafolha — só aparece com 11% quando Marina Silva é sacada da disputa, o que é improvável.

Num dos cenários, sem Lula, empata com Huck em 8%.

Além disso, novas delações podem atingí-lo na Lava Jato.

O apoio de FHC, por sua vez, não é necessariamente bom.

Segundo o Datafolha divulgado nesta quarta-feira, 64% dos entrevistados rejeitariam totalmente qualquer candidato apoiado por FHC.

No caso de Lula, este número cai para 53%.

Considerem, no entanto, que Lula sofre a mais longa, ampla e insistente campanha de destruição midiática, enquanto FHC é bajulado por colunistas, dá amplas entrevistas e escreve artigos copiosos para os jornalões.

O juiz Sérgio Moro, no entanto, está relativamente pior que FHC: ele só faz política no tribunal e, mesmo assim, 50% rejeitariam qualquer candidato indicado por ele.

O ex-presidente Lula, que pode ser preso nos próximos dias, aparece como líder na pesquisa em todos os cenários, mesmo com a condenação em segundo grau pelo TRF-4.

O PT diz que ele será candidato mesmo se for para a cadeia.

Lula alcança seus melhores índices entre os menos escolarizados (47%), os que ganham até dois salários mínimos (47%) e no Nordeste (60%).

E, apesar de não ser “novo”, bate Jair Bolsonaro entre os eleitores mais jovens. Na faixa 16-24 anos, Lula venceria Bolsonaro se a eleição fosse hoje por 38% a 27%.

Bolsonaro se dá melhor entre os jovens de formação universitária e classe média alta. Mas Lula tem mais votos que ele entre os que ganham acima de 10 salários mínimos, por pequena margem.

O PT continua o partido preferido dos brasileiros, segundo a pesquisa: 19%, contra 5% do MDB e 3% do PSDB.

Lula, apesar da alta rejeição (40%, contra 29% de Bolsonaro e 21% de Ciro), conseguiria empurrar qualquer candidato indicado por ele ao segundo turno, se a eleição fosse hoje.

É que 27% dos entrevistados disseram que votariam com certeza num nome endossado pelo ex-presidente.

Abaixo, a íntegra do levantamento:

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

5 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Oliveira

01/02/2018 - 08h31

No bairro onde moro os habitantes chamam o Luciano Huck de VASELINA ESTRAGADA.

VOCÊ USARIA?

Responder

Jucá

01/02/2018 - 08h19

Um outro nome ventilado por FHC: José Serra

Mas leia a seguinte matéria antes de pensar em votar no Serra:

Nem Gilmar segura a roubalheira do Serra!
A Dra. Dodge é muito mais caridosa…

Publicado em 31/01/2018 no Conversa Afiada

O Conversa Afiada prestou inestimável serviço à Democracia ao publicar, sem cortes, as delações premiadas que deveriam colocar José Serra, o maior dos ladrões, na cadeia.

As revelações de ex-executivos da Odebrecht – em especial Arnaldo Cumplido, Carlos Armando Paschoal, Pedro Novis e Benedicto Junior – motivaram a instauração do Inquérito 4428.

Cabe destacar que o inquérito em questão investiga outra imaculada figura da política brasileira: Aloysio Nunes, que foi promovido pela Odebrecht de 300 a 500 mil.

(Clique aqui para ver como Aloysio, o Manaus, era guloso!).

A hipótese da qual parte a investigação é de que, em 2007, Serra, então Governador de São Paulo, decretou uma renegociação nos contratos para a construção do Robanel Tungano.

Em troca de vantagens nessa renegociação, Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto – à época diretor da DERSA (Desenvolvimento Rodoviário) -, teria exigido pagamentos para campanhas tucanas.

A estratégia do Careca foi curiosa: ele pediu ao Supremo Tribunal Federal, no ano passado, “a pronúncia da prescrição da pretensão punitiva em relação a todos o fatos anteriores a 2010”.

Espertinho… Queria, claro, ver as investigações sumariamente encerradas por prescrição.

No dia 15 de dezembro, o Ministro Gilmar Mendes, relator do Inquérito 4428, rejeitou segurar essa bomba:

“(…) Seria prematura a pronúncia da prescrição da pretensão punitiva no presente momento (…) Por todo esse contexto, tenho por relevante aguardar a realização das diligências deferidas antes de avaliar eventual prescrição.”

O despacho mostra que nem o Ministro Gilmar segura a roubalheira do Serra.

Em outra frente de investigação contra o Careca, a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, foi muito mais benevolente.

Em 24 de janeiro, quando o povo assistia ao espetáculo dos desembagrinhos de Porto Alegre, Dodge pediu arquivamento de outro inquérito contra Serra – desta vez, baseado na delação premiada de Joesley Batista e outros executivos da J&F.

Não veio ao caso, por assim dizer…

O motivo alegado para o arquivamento foi, evidentemente, que o prazo de prescrição para o crime já estava esgotado.

Agora, resta saber o que as diligências cobradas pelo Ministro Gilmar Mendes vão mostrar.

Até lá, o Careca pode cobrar do Datafalha que inclua seu nome nas próximas pesquisas de intenção de voto para Presidente (ou para qualquer outro cargo)…

Responder

Batista

31/01/2018 - 18h02

E as respostas as perguntas sobre o julgamento no TRF-4, como por exemplo, ‘Considerando o que foi revelado pela Lava Jato e seus desdobramentos até o momento, na sua opinião Lula deveria ou não deveria ser preso?’ ou ‘Na semana passada a Justiça condenou lula a 12 anos e 1 mês de prisão em regime fechado. Na sua opinião o julgamento a decisão do julgamento de Lula foi justa ou foi injusta?, não divulgaram?

Caso tivessem sido favoráveis obviamente as manchetes UOL e Folha seriam diferentes e esses resultados relativos as nove perguntas constantes no questionário sobre o tema julgamento seriam divulgadas.
Pelo jeito o melhor para nós e pior para eles, ficou para depois, que a pesquisa esfriar ou não?

Responder

robertoAP

31/01/2018 - 17h44

FHC, mais conhecido entre os meliantes como “A ANTA DE HIGIENÓPOLIS”.

Responder

emerson57

31/01/2018 - 17h44

Estou certo que, se eu for candidato com o apoio conjunto do fegacê e do treme, eu não consigo nem meu próprio voto.
Terei votação negativa!

Responder

Deixe uma resposta