Mauro Santayana: A aliança que pode mudar o equilíbrio no Oriente

Tempo de leitura: 2 min

Um gosto amargo para Washington e os europeus

02/06/2014

O NEGÓCIO DA CHINA

por Mauro Santayana, em seu blog

Em um momento em que os Estados Unidos tentam, inutilmente, isolar a Rússia, atacando-a com sanções, e enfraquecer a unidade dos BRICS, Putin viajou a Pequim e fecha o que pode ser chamado de o maior acordo comercial da história: o fornecimento, pelos russos, de 400 bilhões de dólares em gás, à China, pelos próximos 30 anos.

Aturdidos, “analistas” e observadores “ocidentais” estão fazendo força, nos diários econômicos internacionais, para ressaltar o caráter comercial do acordo. Esquecem-se, ou fingem esquecer-se, por conveniência, que tudo, ou quase tudo, que a Rússia e a China fazem, neste novo século, têm, em seu âmago, forte conotação geopolítica.

A decadência econômica da União Européia, hoje, um projeto fracassado, que os alemães relutam em continuar bancando; a vassalagem européia, do ponto de vista político e militar, aos interesses norte-americanos a que cada vez mais europeus se opõem; a desorientação estratégica dos EUA, em um mundo em que sua hegemonia se esfarela a cada dia, e suas aventuras perigosas e mal sucedidas em lugares como a Síria e a Ucrânia.

São estes os fatores que estão por trás da assinatura do Negócio da China e que atraem Pequim e Moscou como gigantescos imãs, para um novo projeto euro-asiático que pode mudar o mundo.

Nessa aliança, o gasoduto previsto no contrato – classificado, ontem, por Vladimir Putin, como a maior obra do mundo nos próximos quatro anos – é apenas o primeiro passo para a ocupação e o desenvolvimento da vasta fronteira que se estende entre os dois países, e o imenso território da Mongólia, nação que também se beneficiará com o acordo.

Junto com a Ferrovia Transiberiana, e a Transmongólica, que liga São Petersburgo a Pequim, e as novas obras que estão sendo construídas para a interligação terrestre dos dois países, no que já se está chamando de Nova Rota da Seda, o gasoduto unirá, como gigantesca ponte, os países da CEI – Comunidade dos Estados Independentes, que estão ligados a Moscou pelo passado comum soviético, e os países da OCX – Organização de Cooperação de Xangai, que, junto com a China, já representam o maior mercado do mundo.

Para se desenvolver, o projeto euro-asiático, ao qual poderá se unir, também, depois, a Índia, contará, no coração do maior continente do planeta, com dezenas de milhões de quilômetros quadrados de área e bilhões de habitantes, unindo a maior potência energética do século XXI ao maior consumidor de energia da nossa época.

Historicamente estendida entre o Leste e o Oeste, a Rússia, traz, em seu brasão, uma águia bicéfala dourada sobre campo vermelho.

A partir de agora, uma cabeça vigiará, permanentemente, o Ocidente, enquanto a outra trabalhará, junto com o Urso Chinês, na epopéia da construção da Nova Eurásia, nas vastas estepes do oriente.

Leia também:

John Pilger: EUA caçam guerra mundial no entorno da Rússia


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

pap

Ironias da históra:

Rússia e China, usando de capitalismo, dão mais um e profundo golpe nos eua!

Luís Carlos

EUA sendo derrotado pelos ursos asiáticos. Aiança entre Rússia e China faz EUA perderem sono e seus capachos engasgarem. Arrogância ianque e de sua vassalagem escorre pelo ralo.

Eduardo

Acho estranho que pessoas de ‘esquerda’ comemorem que países tradicionalmente de ‘esquerda’ estejam cada vez mais capitalistas. Parecem que no fundo o que querem é apenas que o império capitalista americano seja substituído pelo império capitalista oriental. Porque de comunista a Rússia não tem mais nada, e a China está a caminho de deixar de sê-lo cada vez mais. Ou seja, existe apenas uma ‘birrinha’ contra o megalomaníaco Tio Sa.

    augusto2

    O mundo se encolhe, se interconecta, não ha outra opçao e nao somos uma andorra ou ilhas palau.
    Ja que assim é, tome sua posiçao. Ja tomei a minha.

Mauro Assis

Só há um probleminha nisso: são as duas maiores ditaduras do planeta.
Quem não conhece minimamente a geopolítica local pode achar que a Índia aderiria a semelhante roubada.

    Hércules

    Ou mauro assis é agente da cia ou é um inimputável ! Senão vejamos: >–> As mãos sujas dos EUA na Venezuela :
    >—>
    http://www.marchaverde.com.br/2014/05/as-maos-sujas-do-ned-na-venezuela.html
    >–>
    Coreia Popular denuncia violações dos direitos humanos nos EUA
    >–>
    http://www.marchaverde.com.br/2014/05/coreia-popular-denuncia-violacoes-dos.html
    >–>
    A presença de navios de guerra, estadunidense, no Mar Negro é uma VERDADEIRA PROVOCAÇÃO !!! Basta olhar no Google Maps: os genocidas dos EUA mandam navios de guerra saírem do Oceano Atlântico, atravessarem o Mar Mediterrâneo, o Mar Egeu, o Mar de Mármara e os estreitos de Dardanelos e Bósforo para enfim, alcançar o Mar Negro !!! Para quem quiser refletir:
    >>>>>>>> ————————————————————————>

    “Contra fatos não há argumentos” – essa afirmação me ensinou a ter a certeza de que algo que vi, li, ouvi ou senti não é falso, mesmo que mil pessoas venham me dizer o contrário. Vou mostrar links que podem até desagradar, mas sou daqueles que seguem esse ensinamento: “Conhecereis a verdade e ela vos libertará”. Por favor, abra cada um destes 9 links sempre que seu tempo permitir:
    >—>
    http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/restos-mortais-de-soldados-dos-eua-foram-enterrados-em-aterro-se/n1597402266490.html
    >—>
    Quem pensa que os EUA são um paraíso, deveria ir passar uns tempos lá, para ver de fato como realmente é. Concorda comigo? Vamos ler dez fatos chocantes que pouca gente sabe, sobre os Estados Unidos da América: >—>
    >—> 01. Entre 1890 e 2012, os EUA invadiram ou bombardearam 149 países.
    >—> 02. 22% das crianças estadunidenses vivem abaixo do limiar da pobreza.
    >—> 03. O preço médio de uma licenciatura numa universidade pública é 80 mil dólares.
    >—> 04. Há mais norte-americanos que acreditam no diabo do que os que acreditam em Darwin.
    >—> 05. O único país que teve a crueldade de destruir outro com bombas atômicas: Estados Unidos.
    >—> 06. Os EUA são o único país da OCDE que não oferece qualquer tipo de subsídio de maternidade.
    >—> 07. País tem a maior população prisional do mundo. Em cada 100 norte-americanos, um está preso.
    >—> 08. 125 estadunidenses morrem todos os dias por não poderem pagar qualquer tipo de plano de saúde.
    >—> 09. Os EUA são o país do mundo com mais armas: para cada dez estadunidenses, há nove armas de fogo.
    >—> 10. Os EUA foram fundados sobre o genocídio de 10 milhões de nativos. Só entre 1940 e 1980, 40% de todas
    as mulheres em reservas índias foram esterilizadas contra sua vontade pelo governo estadunidense.
    >—>
    FONTES:
    >—>
    http://operamundi.uol.com.br/conteudo/opiniao/22466/dez+fatos+chocantes+sobre+os+estados+unidos.shtml
    >—>
    Alguns dos milhões de maus exemplos dos EUA e seus mercenários:

    Na Ucrânia: http://www.marchaverde.com.br/2014/05/a-intencao-de-washington-e-destruir.html
    >—>
    Na Líbia: http://www.youtube.com/watch?v=5MN_dg9ovlY
    >—>
    No Iraque: http://www.youtube.com/watch?v=LZ_Vxoyu8zY
    >—>
    http://alopresidentabr.wordpress.com/2013/08/04/cai-por-terra-a-versao-do-governo-bush-sobre-0911/
    >—>
    http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,conheca-os-acampamentos-da-miseria-nos-eua-pais-mais-rico-do-mundo,836286,0.htm
    >—>
    Genocídio diário perpetrado pelos EUA aos seus cúmplices no Oriente Médio:
    >—>
    http://www.youtube.com/watch?v=14YWtPlKtlI
    >—>
    EUA, Israel e OTAN são os principais responsáveis pela tragédia síria… Vamos usar a racionalidade evitando a parte emocional: >–> a 1ª. e a 2ª. Guerra Mundial não foi tão “mundial” assim, pois além de parte da Europa, EUA e Japão, a maior parte da humanidade não participou delas: Índia, China, parte da Ásia, da África e da América Latina, além de TODO o MUNDO ISLÂMICO, não participaram dessas ignomínias ! A 1ª. matou 17 milhões e a 2ª. matou 30 milhões de pessoas. Vamos pensar mais: os países islâmicos nunca usaram BOMBA ATÔMICA contra cidade nenhuma. Os EUA sim: em Hiroshima e em Nagasaki. Não foram os islâmicos que arrasaram a Coréia, o Vietnã, a Sérvia, o Afeganistão, o Iraque, a Líbia e tentam agora a Ucrânia. Não foram os islâmicos que quase exterminaram os índios das três Américas nem criaram uma entidade poderosa e assassina como é a OTAN. Por que então alguns imbecis insistem em falar que os islâmicos é que são um perigo para as nações deste Planeta ???

    luca brevi

    Égua Hercules,essa foi uma porrada de 10mil focinhos de burro.Confesso que fiquei atordoado ao ver tamanho supapo.

    Urbano

    E mais uma vez ditaduras comunistas enfrentando os fascistas…

    M D

    Pergunte aos americanos do Occupy Wall Street o que eles acham da democracia americana…

    Luís Carlos

    Não Mauro. A maior ditadura do planeta é os EUA. Invadem países todos anos, saqueiam e matam povos, fazem da exportação de armas vasto negócio, usam sua mídia como poder de manipulação mundial, sustentam cultura bélica e de violência em seu território e no mundo, usam armas nucleares como suporte para dominação exterminando cidades inteiras como no Japão, assassinam políticos em todo mundo, beneficiam os conglomerados e especuladores em detrimento de sua própria população como ocorreu em 29 e em 2008, fazendo o povo pagar a conta da jogatina espculativa, apoiam nazistas na Ucrânia, e sempre tiveram presidentes de apenas dois partidos diferentes, ou seja, nunca houve presidente eleito de partido que não fosse Republicano ou Democrata. Isso sim é ditadura! O resto não chega nem perto.

Ana Soares

Mauro Santayana é INDEFECTÍVEL.

Urbano

Se os ianques tiverem forever para enfrentar…

R Godinho

O projeto americano de dividir a Rússia em três partes – a República Russa e algumas outras repúblicas a oeste dos Urais, uma vasta república centro-asiática, ocupando toda Sibéria e ainda boa parte das repúblicas transurais, e uma república oriental, provavelmente a leste do rio Lena, as duas orientais sob domínio de governos vassalos da OTAN acaba de sofrer sua maior derrota.
A Rússia detém tecnologias militares nas quais os chineses ainda estão começando. Claro que nada impede que eles alcancem e ultrapassem russos e americanos, mas partir de um ponto mais próximo facilitaria muito a tarefa de superar o inimigo comum. Os russos sabem que não têm uma economia capaz de sustentar o esforço militar a que estão sendo submetidos pela OTAN. Eles aprenderam a lição da derrota na Guerra Fria e sabem que precisam de duas coisas: aumentar o PIB significativamente, para algo como 40 – 50 mil dólares per capita, e diluir os custos dessa defesa em uma aliança semelhante à OTAN. Eles sabem também que Brasil, África do Sul ou Indonésia, países cotados para serem ricos em poucas décadas, não serão aliados confiáveis numa guerra aberta contra a OTAN; talvez até perfilem ao lado desta.
Para sobreviver, lhes resta a rota asiática. Uma ampla aliança em que consigam trazer para o mesmo lado a China e a Índia (que tem profundas desconfianças em relação aos chineses) atrairia as antigas repúblicas soviéticas centro-asiáticas como um poderoso imã, com força suficiente para juntar também Irã, Iraque, Afeganistão, Síria, Paquistão e, se continuarem as políticas europeias de segregação contra a Turquia, até mesmo esta.
Lamento muito que o desfecho dessa guerra diplomática surda só vá ocorrer dentro de algumas décadas, quando já não estarei mais por aqui para comemorar o início do fim do imperialismo à moda ocidental…

    Trabalhador brasileiro

    Eu também lamento minha ausência futura.

    wendel

    R. Godinho faz uma análise, a meu ver, perfeita deste novo embate geopolítico que em breve estaremos presenciando.
    Ao contrário da afirmação de alguns, espero ainda estar vivo para ver a queda do império, bem como o choro das viúvas brasileiras se rasgando.
    Tomara que não demore muito, e vários que acompanharam as agressões da OTAN e seus vassalos, também possam assistir.

    Julio Silveira

    Faço minha sua palavras.

Deixe seu comentário

Leia também

Política

Berenice Bento: Carta aos que não sepultei

Não sairemos iguais após o horror em Gaza

Política

Paulo Nogueira Batista Jr: Os desafios da esquerda

Emprego, renda, injustiça social, imigração

Política

Jeferson Miola: Impunidades diplomáticas

Simas Magalhães, Eduardo Saboia, Ernesto Araújo…