VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Franklin Martins ao Tutaméia: ”Existe no PT, Psol, PCdoB, nos movimentos sociais, sindicais, a ideia de que a unidade é possível”; vídeo
Foto: Guilherme Santos/Sul 21
Política

Franklin Martins ao Tutaméia: ”Existe no PT, Psol, PCdoB, nos movimentos sociais, sindicais, a ideia de que a unidade é possível”; vídeo


19/11/2020 - 16h58

https://www.youtube.com/watch?v=CpegjfVKs6U&feature=emb_logo

“UMA NOVA ESQUERDA SURGE EM SÃO PAULO”

Por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, em Tutaméia 

“O eleitor de São Paulo é muito sui generis. Às vezes ele é muito conservador, mas às vezes ele é muito inovador. Elege um progressista, depois um conservador. É uma cidade com uma energia… Condensa os conflitos e as disputas políticas de uma forma muito grande. O que condensou dessa vez foi: uma nova esquerda está surgindo em São Paulo. Não é só o Boulos. É o Boulos com o PT, com todo mundo, com o movimento sindical, com a juventude, com os movimentos sociais. Não são só os partidos; é algo maior do que isso. Isso vai regar o ano que vem. Para 2022, que as lideranças saibam regar, mas saibam colher.”

A avaliação é do jornalista Franklin Martins em entrevista ao TUTAMÉIA. “Vamos assistir nos próximos meses a um fortalecimento da ideia de unidade. Até onde isso vai chegar, eu não sei. Existe no PT, no Psol, no PCdoB e fora dos partidos, nos movimentos sociais, sindicais. Existe a ideia de que a unidade é possível”, afirma.

Para ele, Bolsonaro é o grande derrotado nas eleições municipais, e Boulos, independentemente do resultado no segundo turno, sai muito fortalecido.

“Boulos tem uma vida de militância política que é um exemplo. Mostra estar cheio de gás, de talento, de competência. É uma grande liderança que sai desse processo”, diz.

Ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social no governo Lula, ele examina nesta entrevista a situação do país e os desdobramentos políticos a partir das eleições, da pandemia e do agravamento da crise econômica e social.

“O eleitor construiu uma frente e deu um recado muito forte para os líderes políticos. Apareceram atores novos, lideranças políticas novas e que não estão querendo agredir o PT para crescerem. Estão querendo trabalhar junto, com a sua identidade, com sua capacidade, com a sua história”, diz.

Franklin lamenta as desistências de Haddad e Freixo nas eleições desse ano.

“Mais importante do que a carreira política de um ou de outro era ajudar a organizar o povo nesse momento tão dramático. Não deu. Tem uma novidade que fica simbolizada no Boulos. Pode ter novidade se o Ciro entender que não pode fazer carreira solo; tem que fazer com todo mundo, tem que disputar, fazer política. Não é indo para Paris que você constrói isso. É indo pro povão”.

O jornalista analisa a ascensão das chamadas pautas identitárias nessas eleições, colocando mais luz sobre o racismo, o patriarcado, a questão sexual, a luta dos povos originários.

Constata o avanço dessa esquerda e aponta para a necessidade “juntar a luta pela justiça social com a luta contra aquelas expressões culturais, ideológicas, sexuais, raciais que também tentam afundar os pobres para baixo”.

“Para defender os pobres, tem que defender os negros. Isso é essencial. A nossa elite não entende o Brasil. A nossa esquerda tem que entender o Brasil. Entender o Brasil é: não basta não ser racista; temos que ser antirracistas. Não basta ser a favor da igualdade das mulheres; temos que combater tudo aquilo que é ataque aos direitos das mulheres. A esquerda é renovação, progresso, direitos humanos, igualdade. A direita não convive com a igualdade, ela acha que pobre é pobre porque merece ser pobre. A esquerda acha que pobre é pobre porque não tem oportunidade. Não é só uma disputazinha eleitoral. É uma disputa sobre que país que nós queremos ser”.

Na sua visão, o desgaste de Bolsonaro, que é absolutamente incapaz de enfrentar a situação dramática do país, vai continuar.

“Estamos atravessando momentos terríveis. Na história do Brasil não tivemos momento tão terrível como este. Com o fim do auxilio emergencial, como grande parte da população vai sobreviver, no momento do maior desemprego da nossa história, sem nenhuma possibilidade de recuperação econômica significativa no curto prazo, com crescimento da carestia dos gêneros de primeira necessidade e com uma sensação de desgoverno no país? As pessoas ficam perplexas, confusas, às vezes apavoradas e podem ficar muito raivosas também”.

Para o ex-ministro, são três as tarefas essenciais para a oposição a Bolsonaro. “A primeira é continuar defendendo o povo da pandemia. A segunda, defender o auxílio emergencial. O povo não pode ser jogado de qualquer jeito. Alguém tem que pagar, só que não pode ser o povo, os pobres, os desempregados. Quem tem que pagar são os grandes ricos, banqueiros, grandes grupos que ganharam dinheiro esse tempo todo. É taxar grandes fortunas. Terceiro, é o Fora Bolsonaro. O povo precisa voltar a ter vez no Brasil. Pobre não é peso, estorvo. É um patrimônio, ativo, riqueza”.

E segue:

“Vamos dar a volta por cima. O povo é maior do que eles. Eles são pequenos. Nossa elite é medíocre, pequena. Fica o tempo todo prostrada diante do que vem de fora. É incapaz de vibrar com o que é o povo. Vamos dar a volta por cima porque o povo é maior do que eles”.



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

abelardo

20 de novembro de 2020 às 09h45

Quando o PT nascia e começava a encantar a população era definido como uma nova esquerda, diferente de tudo que existia na política e muito parecido com a definição dessa nova esquerda que Franklin Martins definiu. E quer saber? Acho ótimo que esteja se movimentando para somar forças de líderes e militantes da esquerda original, puramente voltada para a política nacional, mas presente nas questões da esquerda internacional. Que venha e seja bem vinda todas as forças que ajude na derrubada da oligarquia dominante e da direita fescista, racista e preconceituosa.

Responder

Henrique Martins

19 de novembro de 2020 às 20h11

Complementando comentário anterior:

O que aconteceu com o paciente de Juiz de Fora?

https://tribunademinas.com.br/noticias/cidade/23-07-2020/laboratorio-de-jf-acompanha-possivel-reinfeccao-por-coronavirus.html

Responder

Henrique Martins

19 de novembro de 2020 às 20h02 Responder

Zé Maria

19 de novembro de 2020 às 18h49

Boulos50 e Manuela65 são o Alvorecer e a Aurora de um Despertar.

Responder

    Zé Maria

    19 de novembro de 2020 às 19h10

    A Esquerda Unida nesta Eleição
    está recuperando uma palavra
    que parecia esquecida do Povo:
    ESPERANÇA !

Zé Maria

19 de novembro de 2020 às 18h41

https://images02.brasildefato.com.br/8bfb51a32596f2a8b3015533ba74bc89.jpeg
Karen (PSOL), Laura (PT), Bruna (PCdoB), Daiana (PCdoB) e Matheus (PSOL)

Parece Pouco, mas é Muito, numa Cidade de Maioria Branca
e culturalmente Machista, notadamente na Política Gaúcha.
https://images01.brasildefato.com.br/fae8b03c2aa735acab65eeb9d94575c0.jpeg

Para Vereadores(as) [email protected] em Porto Alegre,
Eleição foi um Grito Travado na Garganta !

Capital Gaúcha Elegeu sua Primeira Bancada
Negra com Quatro Mulheres e Um Homem:.

Karen Santos (PSOL), Daiana Santos (PCdoB),
Laura Sito (PT) e Bruna Rodrigues (PCdoB)
acompanhadas por Matheus Gomes (PSOL).

| Reportagem: Fabiana Reinholz | Brasil de Fato |

https://www.brasildefato.com.br/2020/11/18/para-vereadores-negros-em-porto-alegre-eleicao-foi-um-grito-travado-na-garganta

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!