VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Consórcio com Exército e apoio “fake” permitem a Bolsonaro trocar chefe da PF em sua base eleitoral
Apesar de todo o barulho nas redes, o apoio de fato é magro. Reprodução.
Opinião do blog Política

Consórcio com Exército e apoio “fake” permitem a Bolsonaro trocar chefe da PF em sua base eleitoral


04/05/2020 - 17h55

Não surpreende que o trabalho sujo e sob encomenda seja feito por um fantoche escolhido justo pra isso. Estamos vendo o Presidente interferir em investigações na PF à luz do dia, sem nenhum pudor! Fabiano Contarato (Rede-ES) , senador da República.


Inacreditável! Primeiro ato do novo diretor da Polícia Federal é trocar o chefe da PF no Rio, que investigava milicianos e o assassinato de Marielle. Família acima de tudo, milícia acima de todos! Guilherme Boulos, candidato do Psol à Prefeitura de São Paulo.

ATENÇÃO! Eu e os demais deputados do PSOL estamos pedindo a convocação do novo comandante da PF na Câmara. Rolando Souza mal assumiu o posto e já trocou a chefia da instituição no RJ. Não deixaremos que a PF seja transformada numa polícia política para proteger o presidente. Marcelo Freixo, deputado federal (Psol-RJ).

A primeira ação do novo diretor-geral da PF foi trocar o comando da Polícia Federal no Rio, lugar de investigações das milícias. Do que será que têm medo? É urgente que Bolsonaro seja investigado sobre possível interferência nas investigações da Polícia Federal. Por isso, hoje assinamos requerimento que pede a instalação de Comissão Parlamentar Mista de Inquérito com esse objetivo. Queremos saber o que o presidente tem a esconder. Talíria Petrone, deputada federal (Psol-RJ).

Da Redação

A primeira decisão do novo indicado por Jair Bolsonaro para diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Alexandre de Souza, foi trocar o superintendente do Rio de Janeiro.

Rolando, na verdade, foi indicado por Alexandre Ramagem, amigo próximo de Carlos Bolsonaro, impedido de assumir por decisão monocrática do ministro Alexandre de Moraes.

A decisão causou algum mal estar no STF. O ministro Marco Aurélio, por exemplo, pediu que decisões da mesma natureza sejam tomadas pelo plenário da Corte.

No vácuo do mal-estar, Jair Bolsonaro avançou — sinalizando com um “basta” e alegando que tem o povo e as Forças Armadas ao lado dele.

Na verdade, o apoio a Bolsonaro segue na margem dos 30%, de acordo com a pesquisa mais recente do Atlas Político.

Pesquisas de opinião feitas durante a pandemia, por telefone, são sujeitas a margem de erro superior às tradicionais, com entrevistas nas ruas.

Bolsonaro, no entanto, “simula” grande apoio popular através das redes sociais, onde uma rede de robôs ajuda a causar um impacto na opinião pública muito superior à verdadeira dimensão do bolsonarismo.

Os bolsonaristas fazem “barulho” através de lives e comportamento esdrúxulo que acabam capturando na mídia — inclusive de esquerda — espaço muito superior à sua representatividade.

Criador do BotSentinel, sentinela dos robôs, o pesquisador Christopher Bouzy demonstrou que contas fake do tweeter ajudaram a levantar a hashtag #Na TrincheiraComBolsonaro nas últimas horas — notem que apoiadores de #Trump2020 usam o mesmo esquema.

A ação dos robôs num determinado dia e horário: lista de hashtags impulsionadas por contas não autênticas.

Carlos Henrique Oliveira, superintendente da PF no Rio, seria convocado para um cargo em Brasília — abrindo espaço para substituição.

Mesmo que o novo superintendente não atue diretamente nos casos envolvendo a família Bolsonaro, ele pode ter acesso a informações privilegiadas de interesse do clã.

Estão em apuração no Rio, pelo Ministério Público Estadual, em parceria com a polícia civil, o assassinato da vereadora Marielle Franco e o esquema de rachadinhas envolvendo Fabrício Queiroz e o possível enriquecimento ilícito e financiamento de campanhas do clã Bolsonaro.

Enfraquecido politicamente e futuro refém do Centrão, Bolsonaro tem apelado às Forças Armadas.

A crescente militarização do governo faz com que o Exército, mesmo que informalmente, tenha se tornado o fiador do governo Bolsonaro, um regime cívico-militar que faz lembrar os estertores da ditadura encerrada em 1985.

As tradicionais bravatas da política brasileira são históricas.

No golpe de 64, um “dispositivo militar” do presidente João Goulart fracassou miseravelmente, quando o mandatário optou pela fuga, em vez de enfrentar os golpistas.

Ciente disso e com uma máquina de assassinar reputações que causa impacto pessoal naqueles que poderiam freá-lo, Bolsonaro avança em seus objetivos: controlar todas as investigações que porventura possam colocá-lo em risco de sofrer impeachment.

A sobrevivência de Bolsonaro interessa àqueles que pretendem polarizar com um presidente enfraquecido em 2022.

Durante a crise do mensalão, o presidente Fernando Henrique Cardoso não endossou a campanha do impeachment do então presidente Lula, acreditando que poderia apeá-lo do poder em 2006 — fracassou.

O comportamento dos presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, e de ministros do STF demonstram que a estratégia de Bolsonaro, aos trancos e barrancos, tem sido bem sucedida — como foi a de Michel Temer para se sustentar no poder apesar de gravíssimas acusações.

Curiosamente, a maior ameaça a Bolsonaro vem de seu grande fiador: o ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

Convertido à antipolítica por uma campanha da mídia, especialmente da TV Globo, que vem desde os primórdios do governo Lula, diuturnamente, o aparato do Judiciário abraçou a Operação Lava Jato e pode engolfar o governo Bolsonaro se ele de fato acabar no colo do Centrão. 

A esquerda assiste em isolamento social o que pode ser a grande disputa de 2022: bolsonarismo versus morismo.

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

04 de maio de 2020 às 19h33

A Ditadura Militar criou um Bando de Milicos Capachos, Inúteis ao Povo Brasileiro.
Aliás, a Milicada que está no desgoverno não passa de um Bando de ex-Generais Serviçais que pregaram as Estrelas na Bandeira dos Estados Unidos da América.

Responder

Zé Oliveira

04 de maio de 2020 às 18h38

3 anos na “planice”, sem vara e sem bic, não vão turbinar o Moro.
O mundo não vai ficar mais simples e sim mais complexo.
Os ruralistas, dentre outros, devem ter aprendido a lição.
A esquerda não se “isolou”, foi isolada. E tem resistido em uma correlação de forças extremamente desfavorável.
A realidade porém, felizmente, se impõe para todos os lados.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.