VIOMUNDO

Diário da Resistência


British Medical Journal: Variante Bolsonaro avança no continente e adoece jovens. Com duas vacinas em teste, Cuba pode ajudar a América do Sul
Os médicos cubanos foram vaiados, mas fizeram falta. Reprodução
Política

British Medical Journal: Variante Bolsonaro avança no continente e adoece jovens. Com duas vacinas em teste, Cuba pode ajudar a América do Sul


21/05/2021 - 09h19

Mortes por milhão de habitantes
Novos casos por milhão de habitantes

Covid-19: Como a variante do Brasil se apoderou da América do Sul

Por Luke Taylor, no British Medical Journal

O Brasil há muito é um pária na pandemia, mas as consequências de seu fracasso em controlar a SARS-CoV-2 estão se manifestando em toda a América Latina, escreve Luke Taylor

Quando a pandemia do Brasil saiu do controle em março de 2021, os líderes da América do Sul se esforçaram para limitar as consequências regionais.

Da Colômbia ao Uruguai, os voos foram paralisados, as fronteiras terrestres foram fechadas e os torneios esportivos regionais foram cancelados em um esforço para impedir a propagação da variante P.1 mais transmissível, que havia levado um dos sistemas de saúde mais fortes da região à beira do colapso.

No entanto, essas ações não impediram a propagação de P.1, com a variante explorando as condições favoráveis ​​criadas pelos recentes relaxamentos das medidas de isolamento.

Países como Chile e Uruguai, antes considerados modelos de como administrar a pandemia com eficácia, perderam o controle sobre ela.

O Uruguai registrou o menor número de casos per capita na América do Sul em 2020 como resultado de testes generalizados, rastreamento rápido de contato e forte adesão do público ao distanciamento social. Mas em 22 de abril de 2021, registrou 22,17 mortes diárias por 100 000 pessoas, o maior índice da região.

Outros, como a Colômbia, onde as unidades de terapia intensiva foram ampliadas durante a pandemia para evitar seu colapso, agora estão vendo seus leitos atingirem sua capacidade máxima.

As principais cidades impuseram bloqueios rígidos à medida que as mortes diárias atingiam níveis recordes.

“A distribuição da vacina não é rápida o suficiente para neutralizar a variante mais contagiosa e aparentemente mortal”, diz Michael Touchton, do Observatório para a Contenção de Covid-19 da Universidade de Miami nas Américas. “Há um caminho muito difícil pela frente para a América Latina.”

Brasil: origem da crise

Cerca de 400.000 brasileiros já morreram de covid-19 — 13% das mortes no mundo e mais do que toda a epidemia de AIDS matou no país.

Epidemiologistas afirmam que a pobreza, a moradia multigeracional e o trabalho informal dificultam a resposta da saúde pública, assim como em toda a América do Sul.

Mas uma grande parte da culpa é colocada diretamente no presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, que continua a minimizar a ameaça do vírus, promover curas não comprovadas e recusar bloqueios nacionais, que ele diz prejudicarem a economia.

Um inquérito parlamentar que poderia levar ao impeachment de Bolsonaro foi aberto em 27 de abril para investigar o papel de seu governo na crise de saúde pública.

“Não podíamos salvar vidas nem a economia… Foi uma derrota dupla e desastrosa para o Brasil”, diz Jesem Orellana, epidemiologista da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Especialistas em saúde pública dizem que a resposta do governo federal permitiu que o vírus se propagasse de forma desenfreada, o que causou mortes desnecessárias e o colapso de hospitais.

Isso, por sua vez, permitiu que novas variantes mais perigosas do coronavírus evoluíssem e se propagassem por todo o país.

“Sabíamos a direção que o Brasil estava tomando, mas nenhum de nós sabia que poderia ficar tão ruim”, diz Natalia Pasternak, microbiologista e presidente do Instituto Question of Science de São Paulo.

Mais da metade das covid-19 mortes do país foram registradas na terceira onda da pandemia, alimentada pela variante P.1, que se acredita ter surgido na cidade amazônica de Manaus, Brasil, em novembro de 2020.

Estudos sugerem que é 1,7 a 2,4 vezes mais transmissível do que as variantes anteriores e melhor para escapar do sistema imunológico.

O presidente venezuelano Nicolas Maduro rotulou o Brasil de “a pior ameaça do mundo em termos do coronavírus” em 21 de março e criticou Bolsonaro por sua “atitude irresponsável” .

O próprio Maduro enfrentou críticas — previa-se que o sistema de saúde da Venezuela cederia rapidamente sob a pressão do pandemia devido ao colapso econômico do país. Mas, ironicamente, isso pode ter ajudado, dizem os especialistas, já que a falta de gasolina reduziu a mobilidade e, portanto, a transmissão do vírus.

O governo da Venezuela relaxou os bloqueios em dezembro, mas novas infecções subsequentemente aumentaram.

Julio Castro, especialista em doenças infecciosas em Caracas, acredita que a flexibilização das restrições foi o principal motor da transmissão.

O governo da Venezuela relaxou os bloqueios em dezembro, mas novas infecções subsequentemente aumentaram.

Julio Castro, especialista em doenças infecciosas em Caracas, acredita que a flexibilização das restrições foi o principal motor da transmissão. Ele hesitou em atribuir aumentos recentes de casos à variante P.1, mas diz que seu impacto ficou mais claro nas últimas semanas: “A maior parte da transmissão parece ser da variante P.1 brasileira e está crescendo”.

Para evitar que o P.1 e mais de 90 outras variantes em circulação no Brasil se propagassem, seus vizinhos tentaram se isolar.

Argentina, Colômbia e Peru proibiram voos do pária regional, e a maioria dos países que ocupam a fronteira terrestre mais longa da região as bloquearam.

As equipes esportivas brasileiras tiveram que se retirar de algumas competições regionais, pois não tinham permissão para pousar na Colômbia.

A Colômbia priorizou sua região amazônica para o escasso fornecimento de vacinas para que pudesse criar o que seu ministério da saúde chamou de “barreira epidemiológica” na fronteira com o Brasil para evitar que o P.1 avance.

Isso pode ter diminuído a transmissão lá, mas não impediu a disseminação da nova linhagem para Bogotá e além.

Impacto variante

“Não há dúvida sobre isso, as novas variantes devem estar desempenhando um papel importante [no aumento recente de casos]”, diz Diego Rosselli, epidemiologista da Universidade Javeriana de Bogotá.

Os pesquisadores sabem que novas variantes estão se espalhando rapidamente, mas não são capazes de quantificar seu impacto devido à falta de sequenciamento genômico, diz Rosselli.

No primeiro ano da pandemia, a Colômbia executou 600 sequências genômicas — o mesmo número feito em Londres em um único dia.

Na capital peruana de Lima, 40% dos vírus sequenciados em 24 de março foram P.1.

Em 5 de abril, foi detectado em quase todas as regiões do país, de acordo com o Ministério da Saúde do Peru.

“É razoável esperar que [P.1] tenha contribuído para a rápida disseminação do vírus”, disse Jean-Baptiste Marion, chefe da missão Médicos Sem Fronteiras no Peru.

Notavelmente, nos últimos meses, os doentes no Peru tornaram-se mais jovens, uma tendência também observada no Brasil e na Colômbia.

Cientistas da América do Sul estão tentando estabelecer o motivo. As teorias variam desde o efeito indireto de distanciamento social relaxado, sistemas de saúde em colapso, vacinação de idosos direcionando infecções para os jovens e, é claro, a P.1.

Outras variantes, como P.2 (também identificada pela primeira vez no Brasil) e B.1.1.7 (a variante “Kent” encontrada pela primeira vez no Reino Unido), foram detectadas na América do Sul.

Especialistas dizem que elas estão se espalhando menos rapidamente do que a P.1, sugerindo que a linhagem amazônica tem uma vantagem competitiva, mas a presença de múltiplas cepas complica a tarefa de entender o impacto de cada uma delas.

Na Bolívia, Paraguai e Uruguai, as regiões próximas à fronteira com o Brasil foram as mais afetadas.

Oitenta por cento das linhagens detectadas em Rivera — uma cidade uruguaia que compartilha uma fronteira seca com o Brasil — são P.1, diz Rodney Colina, chefe do laboratório de virologia molecular do Centro Universitario de la Región Norte.

O conselho consultivo covid-19 do Uruguai recomendou mais vigilância epidemiológica e genômica, bem como medidas de saúde pública reforçadas, como o distanciamento social devido à chegada da “variante brasileira”.

Embora a P.1 possa estar contribuindo para o aumento prolongado e sustentado de casos, Colina acredita que a reabertura é o fator chave. “Isso se explica principalmente pela reabertura de atividades como o início das aulas do ensino fundamental, fundamental e médio”, afirma.

Vacinas sem panaceia

Os primeiros casos de P.1 no Chile foram identificados pelo Ministério da Saúde em março de 2021.

A variante está aumentando a transmissão, afirma Claudia Cortés, especialista em doenças infecciosas da Universidade do Chile, mas também o fez o relaxamento das medidas de saúde pública entre dezembro de 2020 e março de 2021 — verão no hemisfério sul e um período de celebrações de feriados em muitos países.

O mesmo aconteceu com o excesso de confiança do público nas vacinas após uma única dose da vacina CoronaVac.

“O governo não foi suficientemente claro ao explicar a importância da segunda dose”, diz Cortés, e a falsa crença de que as pessoas estavam protegidas resultou em baixar a guarda.

Estudos demonstraram que as vacinas são eficazes contra a P.1. Mas houve consternação em todo o mundo quando surgiu a notícia de que o Chile — que vacinou totalmente uma porcentagem maior de sua população do que qualquer outro país com mais de 10 milhões de habitantes — estava enfrentando seu pior surto, com um recorde de 9151 casos em 9 de abril.

As taxas de vacinação no resto da América do Sul permanecem baixas devido à falta de doses. No momento em que este artigo foi escrito, a Venezuela e o Paraguai haviam atingido apenas 1% de sua população com uma única injeção; Peru e Equador, 3%; Bolívia, 4%; e Colômbia, 6%.

A Covax, iniciativa liderada pela Organização Mundial de Saúde para garantir o acesso equitativo às vacinas para todos os países, espera levar 280 milhões de doses para a América Latina, mas tem sido afetada por atrasos em alguns dos oito fabricantes com os quais fez acordos e não espera para entregá-los até o final de 2021.

Cuba é a única nação latino-americana a desenvolver sua própria vacina. Ela tem duas vacinas em testes de fase III e planeja exportá-las para toda a região, caso sejam eficazes.

Isso fez com que os países sul-americanos procurassem por suprimentos de vacinas na China e na Rússia.

Argentina, Brasil, Chile, México e Peru concordaram em comprar pelo menos 30 milhões de doses das vacinas chinesas CanSino, Sinopharm e Sinovac (CoronaVac), e a vacinação com Sinovac e Sputnik V da Rússia estão em andamento em pelo menos seis países latino-americanos países.

Um estudo da vacina CoronaVac em Manaus, onde a P.1 é dominante, descobriu que ela é 50% eficaz após uma única dose. Touchton diz que os governos devem obter permissão para fabricar mais vacinas localmente, mesmo que sejam menos eficazes.

A Organização Pan-Americana da Saúde tem implorado aos países que não confiem nas medidas de vacinação e dobrem as medidas de saúde pública, como máscaras e distanciamento, para evitar o agravamento da crise.

Os olhos continuam no Brasil. As mortes atingiram o pico em meados de abril, mas alguns modelos prevêem que o total de mortes no país por covid-19 chegará a meio milhão em junho.

A trajetória da pandemia no Brasil pode ser um indicador do que está por vir para seus vizinhos. Como disse o diretor de vigilância sanitária do Paraguai, Guillermo Sequera: “Quando o Brasil espirra, o Paraguai fica resfriado”.





Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding