VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Entrevistas

CPI da reforma agrária: Ruralistas tentam, de novo, quebrar sigilo de entidades


15/06/2010 - 13h24

Publicado em 15 de junho de 2010

do Blog da Reforma Agrária

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) contra a Reforma Agrária realiza uma reunião nesta quarta-feira, às 14h, para votar a aprovação de requerimentos. No total, há 134 requerimentos que aguardam votação na comissão.

Os deputados ruralistas, embora tenham abandonado as últimas sessões da CPMI, voltam à carga para tentar aprovar requerimentos para desmoralizar a reforma agrária, como a quebra do sigilo das entidades da reforma agrária.

Para o deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR), não existe necessidade, uma vez que nas audiências realizadas até agora as entidades mostraram que os convênios assinados com o governo são necessários e esclareceram as acusações de que recursos foram desviados para ocupações de terra.

“Essas entidades já foram investigadas na CPI de 2005. Os ruralistas querem requentar fatos neste momento eleitoral para fazer campanha para os seus candidatos. Não tem porque quebrar sigilo dessas entidades”, afirma o deputado.

Rosinha (PT-PR) apresentou 28 requerimentos à CPMI, como o pedido de quebra de sigilo bancário do Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) nacional e de suas subsidiária nos estados, além da convocação de seus responsáveis.

“Agora, se eles querem quebrar sigilo, porque não passamos a limpo e aprovamos todos os requerimentos que pedem a quebra de sigilo? Será que os ruralistas aceitam quebrar o sigilo da CNA e do Senar?Aí tem muito mais do desvio de dinheiro do que se suspeita. Tem muito desvio de dinheiro, que tem que ser investigado. Se é para investigar, vamos investigar pra valer”, pergunta.

Abaixo, leia a entrevista do deputado federal Dr. Rosinha ao blog da Reforma Agrária.

Qual a sua avaliação do andamento da CPMI contra a Reforma Agrária? Até agora, foram realizadas audiências com as entidades da reforma agrária e com o governo sobre os convênios.

A CPI até agora está cumprindo o seu papel, na medida em que as entidades mostraram que os convênios assinados com o governo são necessários. São audiências necessárias. Quando os ruralistas apresentaram o requerimento, fizeram uma série de acusações e levantaram uma série de denúncias sobre essas entidades e sobre o governo. O relator Jilmar Tatto elencou uma série de entidades que tinham sofrido esses ataques para que pudessem esclarecer. Todas compareceram nas audiência, assim como o governo. Os depoimentos foram claros: mostraram o ótimo trabalho desenvolvido pelas entidades, as dificuldades existentes e se os objetivos foram cumpridos ou não. Quando não foram cumpridos, mostraram também a razão. As audiências comprovaram também que o uso dos recurso públicos foi feito de uma maneira séria e honesta. Inclusive, fizeram a prestação de conta de todos os convênios. Foram muito sinceras quando disseram que algumas prestações ainda estão em fase de esclarecimento, tanto para o ministério como para o Tribunal de Contas.

Os ruralistas criaram a CPI com a tese de que os recursos públicos dos convênios entre entidades que atuam em assentamentos e os ministérios seriam desviados para a ocupação de terras dos movimentos sociais do campo. Eles estão conseguindo comprovar essas acusações?

Essa tese caiu por terra. O objetivo deles era mostrar que havia um conluio entre o governo e MST para desviar recursos públicos. Em nenhum dos depoimentos, isso foi comprovado. Tanto que, na maioria das audiências, os autores dos requerimentos se fizeram presentes para fazer perguntas. E quando fizeram perguntas, foram esclarecidos em todos os pontos levantados.

Nesta quarta-feira, tem sessão da CPMI, que vai deliberar sobre requerimentos. Os ruralistas vão tentar, mais uma vez, quebrar o sigilo bancário das entidades da reforma agrária. Pelo andamento da comissão, existe algum motivo concreto para quebrar o sigilo dessas entidades?

Na minha opinião, não. Essas entidades já foram investigadas na CPI de 2005. Os ruralistas querem requentar fatos neste momento de campanha eleitoral para fazer campanha para os seus candidatos. Não tem porque quebrar sigilo dessas entidades. Agora, se eles querem quebrar sigilo, porque não passamos a limpo e aprovamos todos os requerimentos que pedem a quebra de sigilo? Será que os ruralistas aceitam quebrar o sigilo da CNA e do Senar? Aí tem muito mais do desvio de dinheiro do que se suspeita. Tem muito desvio de dinheiro, que tem que ser investigado. Se é para investigar, vamos investigar pra valer. Os ruralistas são parciais e querem quebrar apenas o sigilo de entidades que já foram investigadas e não há necessidade para fazer de novo.

Qual o papel desses convênios entre ministérios e entidades que atuam em assentamentos para a Reforma Agrária?

Temos no Brasil um território extenso, com uma quantidade enorme de problemas, com realidades diferentes entre as regiões. Com isso, é difícil ter uma programa com padrão nacional para trabalhar, como se essas regiões fossem iguais. O Incra e o Ministério do Desenvolvimento Agrária foram esvaziados em relação aos seus recursos humanos no governo FHC, que não contratou ninguém e só demitiu. Não colocou orçamento à disposição. Com isso, se agravou muito os problemas. Sem recursos humanos, apesar de ter feito concursos públicos, Incra e ministério não têm como atender essas necessidades. Isso só será possível por meio de convênios, que foram realizados em toda a história do Brasil em diversas áreas. O questionamento dos ruralistas é preconceituoso: convênios só podem ser assinados com a entidades deles, com a elite brasileira. Convênios sempre foram assinados com grandes empresas, com entidades ligadas ideologicamente à classe dominante. Por isso, eles queriam provar que não havia necessidade, desvio ou incompetência. Eu acho que eles se deram mal, porque ficou comprovado que os convênios são necessários e estão cumprindo um papel importantíssimo para fazer chegar serviços públicos que não chegavam pela ação direto do governo. Sou favorável que se assine sempre convênios com as entidades da reforma agrária, com um bom sistema de fiscalização.

O deputado apresentou 28 requerimentos nessa CPMI. Por que você requere a convocação de representantes do Senar nos estados e a quebra de sigilo do Senar nacional e estaduais?

Os ruralistas acusam as entidades da reforma agrária de desviar R$ 115 e, para investigar, criaram essa CPMI. Quando fomos analisar o dinheiro destinado ao Senar  e que foi desviado e constado pelo Tribunal de Conta – é uma razão de bilhões de reais. Como a CPMI permite a convocação e a investigação de toda e qualquer entidade e instituição que trabalha com a questão agrária/agrícola, achei por bem convocar e pedir a quebra de sigilo bancário das entidades ruralistas. A suspeita de desvio de dinheiro público é 100 vezes maior do que as entidades da reforma agrária.

Quais as irregularidades das entidades ruralistas?

O Senar é um serviço de educação da questão do campo. E o dinheiro, em vez de ser usado para essa finalidade, foi desviado do seu objeto. Por exemplo, pagando salários para pessoas que não poderiam receber. Tudo que gastou fora do processo educacional é desvio. A prática da CNA é cheia de irregularidades. Por exemplo, cobrar imposto sindical de agricultor familiar é criminoso. A sua presidente, a senhora Kátia Abreu, é acusada e investigada por grilagem de terras no Tocantins. Deveria ser investigado o uso de dinheiro da CNA para campanha eleitoral da senhora Kátia Abreu também. Por isso, eles querem acobertar as suas irregularidades atacando outras instituições da sociedade civil, como o MST e a Via Campesina.

Por que você apresentou requerimentos em relação às empresas de sementes Syngenta e de produção de papel e celulose Stora Enso?

As grande empresas multinacionais cometem muitos crimes em países da América Latina e do chamado Terceiro Mundo. A Syngenta fazia experimentos com transgênicos em uma área na qual não poderia. É uma área de preservação, ao lado da reserva de Foz do Iguaçu, onde se cometia crime ambiental. Além disso, a Syngenta financiou gângsters e bandoleiros para atacar trabalhadores rurais, que resultou no assassinado do Keno no Paraná. O caso da Stora Enso é no Rio Grande do Sul, que planta eucaliptos numa área onde não é permitida a propriedade de empresas estrangerias, em uma área de segurança nacional. A Stora Enso tem uma propriedade em área que fronteira, que não está em nome dela, mas de terceiros. Por outro lado, se criminaliza o movimento social quando faz um protesto nessa párea para denunciar a irregularidade. Apresentei esses requerimentos porque essas empresas não podem passar ilesas em qualquer investigação sobre a questão agrária e agrícola no nosso país.





24 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Francisco Boni

17 de junho de 2010 às 12h09

Os ruralistas mais uma vez atrasando o país. São sociopatas que se colocam no caminho de até de políticas básicas anti-escravismo no campo.

Responder

Hélio Jacinto

17 de junho de 2010 às 07h28

O que a CPI, tem de investigar em minha opinião, seria a atuação da CNA, presidida por Kátia Abreu ou entidades como a SRB, Sociedade Rural Brasileira, verificar o apoio destas entidades a parlamentares como Kátia Abreu, Ronaldo Caiado ou o Direitista Nelson Marquezelli, um Deputado de São Paulo ligado a extrema direita Rural Paulista.
São este tipo de pessoas que impedem o Brasil de realizar uma Reforma Agrária de verdade.

Responder

Robson C.

16 de junho de 2010 às 16h19

As entidades ligadas ao movimento agrário vem recebendo sistematicamente dinheiro público fornecido por ONGs sob o rótulo de "consultoria". Esta é mais uma maneira que o PT encontrou para comprar a opinião de pessoas pouco esclarecidas. É a volta do voto de cabresto , o pias voltou 50 anos na área de política.

Responder

    Christian Schulz

    16 de junho de 2010 às 18h10

    Nêgo, aqui é o Viomundo, não G1.

    Bota a mufa pra funcionar antes de comentar.

    Ed.

    16 de agosto de 2010 às 22h54

    Um "cabrestão" sobre 96% da população brasileira!
    Um raciocínio esclarecedor…
    De como vc pensa…
    E preconceitua sobre as pessoas "pouco esclarecidas"
    E o PIG influi no seu voto, de graça, mesmo que só vc e 4% "pensem"…

william porto

16 de junho de 2010 às 12h45

O partido dos ruralistas e o DEM, Ele esta minguando, os capachos dos latifundiarios vao migrar para o PSDB. Pena e que o governo Lula seja leniente com esses reacionarios, direistas e sabidoes.

Responder

    Robson C.

    17 de junho de 2010 às 07h10

    Amigo William , vc está com um raciocínio um pouco defasado, atualmente é o Lula que tem apoiado muito fortemente os produtores de álcool desde 2003. Coincidentemente este é o grujpo com maior concentração de terras no Brasil. a reforma agrária foi desmontada , os grupos que se diziam "defensores" servem como representantes do governo e recebem verbas para calarem a boca.
    Todos ficam felizes e nada é feito.

Otavio Pontes

16 de junho de 2010 às 10h27

Contrariamente ao informado pelo entrevistado as propriedades da Stora Enso, em zona de fronteira, tem anuëncia do Conselho de Defesa Nacional e estão legalmente registradas.

Responder

Urbano

16 de junho de 2010 às 01h34

Primeiro deve-se quebrar o sigilo bancário, fiscal e telefônico dos ruralistas, de preferência desde que Cabral aportou na baía de Santa Cruz Cabrália. Sei não, são risíveis esses santinhos.

Responder

    Robson C.

    17 de junho de 2010 às 07h14

    Amigo Urbano, se vc realmente acha que há irregularidades em outros grupos, faça com elas sejam mostradas e não encubra o erro atual com desculpas passadas. Na questão pública ; os fins NÃO justificam os meios

Fernando

15 de junho de 2010 às 21h40

Reforma agrária só depende do Executivo.

Espero e torço para que a presidente Dilma tenha huevos para fazê-la.

Responder

dvorak

15 de junho de 2010 às 21h26

Quem não deve não teme.Por que tanto medo da quebra de sigilo???

eheheheheehehe

Responder

    Jairo_Beraldo

    16 de junho de 2010 às 02h37

    Quem tem medo na verdade, são os latifundiários do DEMos, Araque,,,eles estão naquela…me segura senão nós fazemos a CPI…me segura!

    Christian Schulz

    16 de junho de 2010 às 18h12

    Se houver ameaça (veja bem, AMEAÇA) de quebra de sigilo da CNA, no dia seguinte a Folha publica um falso dossiê sobre o assunto.

    Christian Schulz

    16 de junho de 2010 às 18h14

    Pois não, vamos quebrar o sigilo do dvorak.

    Qual o seu NOME, rapaz? Ou moça?

    Robson

    17 de junho de 2010 às 07h17

    Amigo Christian , parece que vc faz parte deste "mensalão agrário" qual o problema de mostrar as contas se as mesmas estão limpas ? ou não estão ?

    Ed.

    16 de agosto de 2010 às 23h10

    Concordo:
    Se eu fosse da bancada ruralista, daria o exemplo primeiro.

Manojo

15 de junho de 2010 às 14h54

No Brasil, diferente do resto do Mundo (até o Japão fez Reforma Agrária), todos são a favor da reforma, talvez por isso não se faça. Lutar contra quem se todos concordam?

Responder

    Jairo_Beraldo

    15 de junho de 2010 às 21h47

    Concordam mesmo, Manojo? Onde voce ve essa concordancia?

    Ed.

    16 de agosto de 2010 às 23h01

    Todos os fazendeiros latifundiários e sua bancada ruralista concordam…
    Até vão doar suas terras para a reforma!
    Némêz?!

    O filhote de Gepeto da Moóca também é a favor da Petrobrás!…
    (bem vendidinha)

Gerson

15 de junho de 2010 às 14h36

Sugestão de Leitura:

Campanha Nacional pelo Limite da Propriedade da Terra
http://www.limitedaterra.org.br

Criada em 2000 pelo Fórum Nacional pela Reforma Agrária e Justiça no Campo (FNRA), a Campanha pelo Limite da Propriedade da Terra: em defesa da reforma agrária e da soberania territorial e alimentar, é uma ação de conscientização e mobilização da sociedade brasileira para incluir na Constituição Federal um novo inciso que limite às propriedades rurais em 35 módulos fiscais. Áreas acima dos 35 módulos seriam automaticamente incorporadas ao patrimônio público.

O módulo fiscal é uma referência, estabelecida pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), que define a área mínima suficiente para prover o sustento de uma família de trabalhadores e trabalhadoras rurais. Ele varia de região para região e é definido para cada município a partir da análise de várias regras, como por exemplo, a situação geográfica, qualidade do solo, o relevo e condições de acesso. A aprovação da emenda afetaria somente pouco mais que 50 mil proprietários de terras.

Responder

    Robson C.

    17 de junho de 2010 às 07h28

    Amigo Gerson, imagine se algo assim fosse incluído na lei ? A agicultura não é feito só para subsistência de famílias. Como produzir para os milhoes que não estão nos campos? com gerar produç`1ao em massa de bio combustíveis ? com fazer o reflorestamento de grandes áres para produção de pelulose? como exportar ?

    Um pouco de bom senco. O extremismo esconde boas idéias !

    Ed.

    16 de agosto de 2010 às 23h08

    Quer dizer que boa idéia é ter um dono só para áreas do tamanho de estados.
    Só assim se consegue plantar e produzir…
    Principalmente alhos e bugalhos…
    Empresas, S.A.s, sociedades, cooperativas e outras soluções são idéias escondidas, de "mau senso", não?!
    Idéia boa é o interesse de um prevalecer sobre o de, por ex: 500…

Jairo_Beraldo

15 de junho de 2010 às 13h43

Os ruralistas, estão empolvorosa sim. Da bancada, que hoje parece ter cerca de 100 deputados, devem ficar fora pelo menos 60. Por que? Porque a grande maioria é filiada ao DEM.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding