VIOMUNDO

Diário da Resistência


Eliara Santana: Quando era conveniente, Globo fingiu não ver o descontrole de Bolsonaro
Reprodução de vídeo
Desnudando a mídia

Eliara Santana: Quando era conveniente, Globo fingiu não ver o descontrole de Bolsonaro


14/08/2019 - 15h39

por Eliara Santana*

O editorial de O Globo de hoje, 14 de agosto, enquadra o presidente Jair Bolsonaro na categoria de indesejável para o país.

Logo no titulo, o vaticínio: “Descontrole de Bolsonaro afeta relações externas”.

Muita atenção à palavra usada para definir o comportamento do presidente Johnny Bravo: descontrole.

Ou seja, está colocado explicitamente o argumento para dizer da incapacidade do presidente eleito para estar à frente do governo.

E prossegue o editorial:

“Uma das marcas registradas do deputado e ex-capitão Jair Bolsonaro sempre foi não medir palavras, dando a entender que não pensava antes de abrir a boca em público”.

Muito interessante essa constatação.

Exatamente por saberem disso e por saberem que o destempero de Jair era um perigo para as aspirações da elite em liquidar Lula e o PT, a tônica editorial das Organizações Globo, Jornal Nacional à frente, foi o silenciamento.

Em relação a Bolsonaro, com um viés positivo, ou seja, silenciando-o e utilizando discurso indireto (o narrador fala por ele) para exatamente evitar que seu discurso bárbaro e torpe influenciasse negativamente o eleitorado.

Por muito tempo, tiveram sucesso.

Ao lado dessa linha, utilizou-se também a estratégia da naturalização, humanização de um candidato que, agora descobrem, era “descontrolado”.

Por isso, e por vários motivos, o editorial cheira a um grande cinismo.

Prossegue a peça indignada:

“Com 28 anos de mandatos em Brasília, lançou-se ao Planalto sem qualquer chance visível. Continuou falastrão na campanha, venceu as eleições e pensou-se que moderaria o discurso, para se adequar à liturgia e à representatividade do cargo que passou a ocupar”.

Acontece que esse traço de “falastrão” foi ocultado durante a campanha.

Nunca houve alarde ou grandes matérias mostrando quão destemperado e quão incontrolável e desrespeitoso era o então candidato.

Nada foi explorado e enfatizado para a grande massa de eleitores, pelo contrário, todo o destempero ficou bem escondido ou foi minimizado.

Vejamos alguns detalhes:

— No dia da votação pelo impeachment de Dilma Rousseff, o deputado Jair Bolsonaro exalta a memória de um torturador, o coronel Brilhante Ustra, agredindo frontalmente a então presidente.

Isso não merece grande destaque (era preciso tirar Dilma e o PT) e não é retomado durante a campanha (a memória discursiva dos eleitores é constantemente alimentada pela mídia, como em relação a temas específicos como corrupção e inflação. Por que não o fizeram nesse flagrante caso de apologia à tortura?)

— No dia 29 de setembro, enquanto o movimento #elenão ganhava as ruas do Brasil inteiro, o Jornal Nacional trouxe um entrevista com um candidato bonzinho, dentro do avião, voltando para casa após longa internação, com saudades da filha.

— Durante a campanha, as duas candidaturas – Haddad e Bolsonaro – foram tratadas como representantes de dois polos num mesmo campo democrático. As diferenças entre o candidato descontrolado e Fernando Haddad não eram gritantes?

— O silêncio como política editorial envolvia a estratégia de não cobrar propostas do candidato descontrolado. Nada era dito. E isso era “normal”.

— Às vésperas do segundo turno, a Folha de São Paulo traz grande reportagem mostrando como funcionava a fábrica de fake news de Bolsonaro. Isso foi absolutamente minimizado. JN ignorou a questão, depois, fez matérias bem superficiais, apenas reproduzindo o material original.

— Durante a campanha, no Jornal Nacional, Bolsonaro falou ao vivo sobre o kit gay, atribuindo a aberração a uma ação de Fernando Haddad, o candidato do PT, quando ainda era ministro. William Bonner não questionou o teor absolutamente desqualificado da fala do candidato Bolsonaro.

— Depois de eleito, Bolsonaro continuou sendo silenciado positivamente — o JN passou a mostrar apenas imagens do presidente, editando suas falas, que eram reproduzidas por um narrador, ou colocando excertos suaves e não comprometedores. Por que silenciá-lo? Para esconder, quando era conveniente, toda sua ignorância, incapacidade e destempero?

A aposta das forças que construíram e apoiaram Bolsonaro — e foram muitas — , com certeza, era de que o “candidato falastrão” iria se submeter ao núcleo duro do governo, então representados por Paulo Guedes, Hamilton Mourão e Sergio Moro (discursivamente, isso se insinua na frase “pensou-se que moderaria o discurso”).

Mas isso não aconteceu, como estamos vendo.

Sobretudo, a normalização do agora “descontrolado” presidente era para garantir que a outra força política encampada pelo PT e pela candidatura Lula, que estava muito à frente na preferência do eleitorado, não obtivesse nova vitória.

Ou seja, a eleição de Bolsonaro era o desfecho desejado do impeachment de Dilma Rousseff.

E assim se naturalizou o descontrole, que agora ameaça setores como o agronegócio — pois o embate nas questões ambientais atinge diretamente esse setor, como Haddad havia alertado durante a campanha — e o sucesso das reformas (privatização da educação, reforma trabalhista, fortalecimento dos bancos privados).

Para fechar com chave de ouro o editorial, o veredito final: “O presidente se torna um risco para o país”.

Resta saber a qual modelo de país se refere O Globo, pois há enormes lacunas e pontos não explorados na fala editorial do jornal — que representa a linha das Organizações Globo.

Do ponto de vista da estruturação do discurso e da produção de sentido, há dois aspectos essenciais que devemos buscar compreender neste editorial:

1. Durante todo o tempo, o ataque é à figura do presidente, sujeito uno, que parece ter sido eleito por obra divina (ou do capeta), sem nenhum apoio, sem conjunção de forças, sem defesas inflamadas, sem estrelinhas oportunistas a dizerem da “necessidade de tirar o PT”.

Portanto, infere-se que o inconveniente para o Brasil é apenas e somente Bolsonaro, ele, sujeito individual. Não o seu governo.

Bolsonaro é tomado como elemento dissonante, não como aquele que congregou forças para fazer frente à subida de Lula na preferência do eleitorado, mesmo estando injustamente encarcerado.

2. Nada em seu (des)governo é questionado. Nenhuma política nefasta, nenhum sucateamento. Nada.

Não há nenhuma menção à recessão, à gravíssima crise econômica que solapa o Brasil, ao desemprego desesperador, aos ataques à educação, aos ataques aos movimentos sociais, aos povos indígenas.

Tudo o que é mencionado como agressivo e prejudicial no presidente “descontrolado” é aquilo que prejudica bancos, agronegócio, o grande capital.

Portanto, repito: querem tirar o descontrolado bode da sala porque ele ATRAPALHA o mercado, ATRAPALHA o agronegócio.

Não é porque ele está levando o país aos caos, disseminado o discurso de ódio, atacando a educação, penalizando os movimentos sociais, dizimando a Amazônia e os povos indígenas.

Nada disso, lembrem-se, interessa ao capital e não vai se tornar pauta da elite com um possível impeachment de Bolsonaro.

Mais do que nunca, “é preciso que tudo mude para que tudo continue como está”.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Manoel

15 de agosto de 2019 às 16h02

A família Marinho e seus jornalistas que são de extrema direita são os escárnio do jornalismo.
Renara Vasconcelos
William bonemer
Leilane neubarth
Sandra annenberg
Merval pereira etc…
O Bolsonaro quando foi entrevistado do JN quando ainda candidato colocou a Renata Vasconcelos e o william bonemer em seus devidos lugar ou seja a lugar algum pois fez com que a Renata Vasconcelos e o william bonemer amarelace diante do pavio curto do capitão.
Não votei no Bolsonaro e não gosto do governo do Bolsonaro porém não posso negar que gooooostei muitooooo quando o Bolsonaro humilhou a Renata Vasconcelos e o william bonemer.
Também gosto quando o capitão ataca a globo lixo e família Marinho.

Responder

João Batista de Abreu

15 de agosto de 2019 às 09h01

Boa análise de Eliara Santana sobre a diferença de tratamento das Organizações Globo em relação a Jair Bolsonaro, mas é preciso lembrar que hoje o alcance da mídia impressa é extremamente menor que a TV. Quando um editorial semelhante for lido no Jornal Nacional, aí sim o governo e as bravatas do capitão terão subido o telhado.

Responder

Luiz Otávio Braga

14 de agosto de 2019 às 16h14

As Organizações Globo, seus jornalistas e editores acanalhados, com “menções” especiais para Merval, Miriam Leitão, Arnaldo Jabor, Noblat ….e o deplorável Boner, são a encarnação de face tupiniquim da contrarrevolução.
Fazem o serviço sujo em benefício do capital Internacional, ao neoliberalismo de tez norte-americana. Hei de viver muito tempo ainda e com saúde para ver essa súcia, aonde se abrigam Moro e seus grumetes, Paulo Guedes e adjacências, incluída a perversidade togada, na cadeia. Por crimes inúmeros e inomináveis contra o país.

Responder

Luiz Otávio Braga

14 de agosto de 2019 às 16h08

As Organizações Globo, seus jornalistas e editores acanalhados, com “menções” especiais para Merval, Miriam Leitão, Arnaldo Jabor, Noblat ….e o deplorável Boner, são a encarnação de face tupiniquim da contrarrevolução.
Fazem o serviço sujo em benefício do capital Internacional, ao neoliberalismo de tez norte-americana. Hei de viver muito tempo ainda e com saúde para ver essa súcia, aonde se abrigam Moro e seus grumetes, Paulo Guedes e adjacências, incluído a perversidade togada, na cadeia. Por crimes inúmeros e inomináveis contra o país.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.