VIOMUNDO

Diário da Resistência


Eliara Santana: Como no Titanic, ratos começam a abandonar o navio
Desnudando a mídia

Eliara Santana: Como no Titanic, ratos começam a abandonar o navio


14/05/2022 - 19h42

COMO NO TITANIC, RATOS COMEÇAM A ABANDONAR O NAVIO

Por Eliara Santana*

Ontem, em editorial, a Jovem Pan – no rádio e na TV – soltou um editorial em defesa da democracia. É exatamente isso que vocês acabaram de ler.

O editorial começa destacando que se aproxima o período eleitoral e que a Jovem Pan reafirma seu “compromisso com a democracia e com o fortalecimento das instituições”.

O texto não menciona diretamente Jair Bolsonaro, claro, mas refuta todos os tópicos que têm sido os mobilizadores do gabinete do ódio e das ofensivas do presidente contra a democracia e nos ataques ao STF e às urnas eletrônicas.

E mais: afirma que há temas importantes, de “real interesse” do país e que devem ser essas as prioridades no debate público.

É de fato uma guinada bem impressionante – a Jovem Pan sempre apoiou o bolsonarismo, foi âncora e super apoiadora do golpe contra Dilma e mantém em seu time colunistas e “analistas” extremamente virulentos.

A recente TV Jovem Pan reproduzia essa verve que tinha espaço garantido no rádio. No editorial de ontem, parece estar deixando claro que vai saindo do navio bolsonarista antes que Xandão o afunde de vez – lembrando que o ministro assume o TSE em agosto.

É claro que, conhecendo o grupo como conhecemos, esse editorial pode ser tomado também como peça estratégica pra lavar as mãos e fingir que não tem nenhuma responsabilidade com tudo o qeu aconteceu ao Brasil nestes últimos seis anos. Mas ela tem.

No editorial, é até risível ler/ouvir a inusitada preocupação com o funcionamento democrático:

“Não há espaço para cortinas de fumaça que tiram o foco do debate público sobre os temas de real interesse. Não há espaço para descredibilizar o processo eleitoral com falácias.

Acreditamos em nossas Instituições e no respeito entre os Poderes para que cada um cumpra autonomamente com o seu dever constitucional, sem interesses particulares, ou sucumbiremos enquanto nação. E nós não queremos isso. 

O compromisso daqueles que ocupam cargos públicos ou que almejam ocupa-los após as eleições deste ano deve ser o de defender o Estado Democrático de Direito, a independência entre os Poderes e o de respeitar as Instituições. Qualquer manifestação contrária a esses princípios não tem e não terá apoio do Grupo Jovem Pan”.

De fato, todos os recados são dados, e o Grupo cola no mote do respeito às instituições e à democracia.

É oportunismo? Sem dúvida, pois todos conhecemos o que pauta a atuação da Jovem Pan, mas esse editorial mostra talvez um certo temor em relação ao posicionamento firme do STF, com Alexandre de Moraes e, agora, com Edson Fachin, e a certeza de que Bolsonaro não vai se reeleger.

Portanto, é também um golpe no sistema de desinformação bolsonarista, que contava muito com o apoio do Grupo Jovem Pan.

Tentem não dar muitas gargalhadas com o trecho a seguir:

“Ao longo de 80 anos, a Jovem Pan se pautou por esses princípios e tem um compromisso inegociável com os interesses do país, com a defesa da democracia, com as liberdades de expressão e de imprensa.

Somos contra a incitação à violência, porque o caminho para o crescimento econômico precisa de estabilidade, não de turbulências. Temos inimigos reais que precisam ser combatidos com ações efetivas, e não com discursos falaciosos, que incitam grupos políticos e ideológicos, mas que não entregam resultados efetivos para o povo que quer trabalho, saúde, segurança, educação e prosperidade.

Nossos microfones vão continuar mostrando os fatos, ouvindo as versões e ajudando nossa audiência — no rádio, na televisão e na internet — a formar opinião sobre os temas de interesse nacional. Todos aqueles que estão dispostos a discutir os caminhos do país têm espaço em nossos jornais e programas. A premissa para ocupar esse espaço é o respeito.

Nossos jornalistas e comentaristas gozam de total liberdade para emitir opiniões, encontrando na ética profissional e nas leis os limites para que essas opiniões sejam emitidas. Contemplamos os mais diversos espectros políticos e ideológicos, bem como as mais distintas visões de mundo em nossos quadros.

Essa pluralidade revela nosso compromisso com o debate público e com a liberdade de expressão. Mas é preciso reiterar: jornalistas, comentaristas e convidados não refletem a posição do Grupo Jovem Pan enquanto instituição”.

Cabe perguntar ao Grupo onde estava o jornalismo da Jovem Pan nos últimos seis anos, no processo eleitoral de 2018, nas arbitrariedades todas cometidas pela Lava Jato?

Se são esses paladinos da democracia como querem se pintar agora, era de se esperar que tivessem tido um comportamento coerente com princípios democráticos e de respeito às liberdades.

Não foi bem isso que vimos e ouvimos na Jovem Pan. Muitos “analistas” ali e jornalistas também destilavam ódio e disseminavam desinformação.

Por fim, é importante, muito importante ressaltar que todo esse esforço discursivo, toda a guinada espetaculosa da Jovem Pan rumo à democracia não apaga todo o prejuízo que o grupo de comunicação causou a essa mesma democracia brasileira ao insuflar o golpe contra Dilma Rousseff e ao dar guarida para “analistas” e jornalistas que contribuíram muito para esse clima de ódio que se instaurou no Brasil.

De fato, os ratos abandonam os navios, mas deixam lá toda a sujeira que fizeram.

*Eliara Santana é jornalista e doutora em Linguística pela PUC/MG





8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Valdir Rocha de Freitas

16 de maio de 2022 às 19h10

só não acho correto comparar o acidente fatal do Navio Titanic (que milhares de pessoas morreram) com este governo genocida. São situações distintas, no primeiro caso uma fatalidade sem precedentes na História, no segundo caso estamos diante de um presidente fascista, nazista, desumano, racista, cruel, miliciano, etc….

Responder

Sergio Carvalho

16 de maio de 2022 às 18h37

Mais do que demitir o plantel de bolsonaristas que atuam na rádio, espero que por suas convicções, os colaboradores peçam demissão, uma vez que a rádio está abandonando a sua posição e vai lá saber se não vai acabar por apoiar o antigo inimigo.

Responder

sandra rota

15 de maio de 2022 às 17h47

Se a eleição nao valer para o Bolsonaro nao vai valer para ninguém. Daí ele só poderá governar fechando o Congresso. É por isso que está vindo com a hipocrisia que tem pena de quem defende o AI5. A propósito, o senhor já está com o seu AI6 redigido, capitão?
Idiota. Se como o senhor garante as urnas podem ser fraudadas então poderia ser por qualquer candidato e nao apenas os da oposição…
Então a eleição nao vai valer e o senhor fica? É isso mesmo?

Responder

    Maringaense

    16 de maio de 2022 às 07h31

    É Lula no primeiro turno, aqui na minha cidade Maringá Paraná os eleitores do Ciro estão decidindo voto útil no Lula no primeiro turno.
    https://messias-mendes.blogspot.com/

Marcos Cintra

15 de maio de 2022 às 10h42

A verdade é que Bolsonaro e sua trupe fraudaram o processo eleitoral com fake news e pretendem faze-lo novamente. Se as urnas eletrônicas pudessem ser fraudadas seriam eles os fraudadores. Afinal são eles que sao capazes de tudo para vencer uma eleição. É justamente porque as urnas nao são fraudaveis que eles insistem na bravata de fraude para nao aceitarem o resultado apontado pelas pesquisas. É isso aí.

Responder

    Maringaense

    16 de maio de 2022 às 07h33

    O povo acordou e não cai mais nas lorotas do Bozo e seus seguidores, é Lula no primeiro turno.
    https://messias-mendes.blogspot.com/

Wagner Murinelli

15 de maio de 2022 às 00h35

Prezada Eliara gosto muito de seus artigos , mas acreditar nesta falácia da Jovem Pan e como acreditar que um dia a Globo ira assumir que participou do golpe contra Dilma Rousseff esquece para mim a Jovem Pan não faz jornalismo e sim programas de humor da pior qualidade ate uma copia do super homem eles arranjaram não da pra acreditar nesta mudança repentina e um bando de ressentidos e cheio de odio.

Responder

Zé Maria

14 de maio de 2022 às 22h25

Excerto

“A Jovem Pan sempre apoiou o bolsonarismo,
foi âncora e super apoiadora do golpe contra Dilma
e mantém em seu time colunistas e “analistas”
extremamente virulentos.”
.
.
Comentário

O Grupo de Comunicação JP juntou
quase tudo o que não prestava nas
emissoras de Rádio e Televisão.
A esta altura, esse Editorial soa um
tanto Cínico, vez que continua com
[email protected] e “analistas” “virulentos”
[Leia-se: NeoFascistas, Mercenários,
Mal Intencionados].
.
.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding