VIOMUNDO

Diário da Resistência


Paulo Nogueira: Joaquim Barbosa impedido de julgar casos da Globo
Denúncias

Paulo Nogueira: Joaquim Barbosa impedido de julgar casos da Globo


05/07/2013 - 18h56

A Globo e Joaquim Barbosa são um caso indefensável de conflito de interesses

PAULO NOGUEIRA 5 DE JULHO DE 2013, no Diário do Centro do Mundo

Com seu filho empregado na Globo, JB fica moralmente impedido de julgar coisas relativas à Globo.

Devem imaginar que nós somos idiotas, a Globo e Joaquim Barbosa.

Não há outra explicação.

Como pode a Globo dar emprego ao filho de JB? E como JB pode deixar que isso ocorra?

Neste exato momento, a Globo enfrenta uma questão multimilionária na Receita Federal. Documentos vazados – demorou para que isso ocorresse – por alguém da Receita contaram uma história escabrosa.

Os documentos revelam, usemos a palavra certa, uma trapaça. Com o uso de um paraíso fiscal, a Globo fingiu que estava fazendo uma coisa quando comprava os direitos de transmissão da Copa de 2002.

A Globo admitiu a multa que recebeu da Receita. E em nota alegou ter quitado a dívida.

Mas a fonte da Receita disse que não é verdade. E pelo blog O Cafezinho, que trouxe o escândalo, desafiou a Globo a mostrar o recibo.

Apenas para constar.

O dinheiro que a Globo não recolheu constrói escolas, hospitais, portos, aeroportos etc etc.

Mas, não pago, ele termina na conta dos acionistas.

Foi, além do mais, usado um paraíso fiscal, coisa que está dando prisão na Europa hoje em dia.

Isto tudo posto, vamos supor que uma questão dessas termine no STF.

Qual a isenção de JB para julgar?

É uma empresa amiga: emprega o filho dele.

Dá para julgar?

E a sociedade, como fica?

Gosto de citar um dos maiores jornalistas da história, Joe Pulitzer. Às equipes que chefiei, citava exaustivamente uma frase que é vital para o exercício do bom jornalismo.

“Jornalista não tem amigo”, escreveu Pulitzer.

O que Pulitzer dizia: se você tem amigos, você não vai tratá-los com a neutralidade devida como repórter ou editor.

A Globo está cheia de amigos, e esta é uma das razões pelas quais seu jornalismo é tão viciado – e seus donos tão ricos.

Mas as amizades de JB são ainda mais preocupantes, dado o cargo que ele ocupa.

A Justiça brasileira é um problema dramático.  Recentemente, os brasileiros souberam das estreitas relações entre o ministro Fux, também do Supremo, e um dos maiores escritórios de advocacia do Rio.

Sua filha, advogada, é empregada deste escritório. Como Fux pode julgar uma causa deste escritório?

Não pode.

Há um claro conflito de interesses.

O mesmo vale para Joaquim Barbosa.

Quem acredita que ele não enxergou o conflito de interesses no emprego dado a seu filho na Globo acredita em tudo.

É um caso tão indefensável que a Globo, inicialmente, negou a informação, obtida pela jornalista Keila Jimenez, da Folha. Procurada, a Globo, diz a Folha, negou a contratação. Disse que o filho de JB fora “apenas fazer uma visita ao Projac”.

Só depois admitiu.

É uma história particularmente revoltante quando se lembra a severidade com que JB comandou o julgamento do Mensalão.

Ele fez pose de Catão com suas catilinárias anticorrupção, e impressionou muitos brasileiros que podem ser catalogados na faixa dos inocentes úteis.

Mas se fosse Catão não permitiria que seu filho trabalhasse na Globo. Não pagaria – como revelou o Diário – com dinheiro público a viagem de uma jornalista do Globo para uma viagem de completa irrelevância para a Costa Rica, apenas para obter cobertura positiva do jornal.

Não usaria, como se soube agora, recursos públicos para ver um jogo do Brasil num camarote de apresentadores – claro – da Globo.

E provavelmente Catão também jamais gastasse o equivalente a 90 000 reais, em dinheiro do contribuinte, para uma reforma.

Joaquim Barbosa não tem autoridade moral para ocupar o cargo que ocupa:  infelizmente os fatos são claros.

Ele é um drama, uma calamidade nacional.

Sêneca dizia que era mais fácil começar uma coisa errada do que depois resolvê-la.

A nomeação de JB por Lula – que procurava um juiz negro para o Supremo — foi um erro monumental.

Resolvê-lo agora é uma enorme, uma trágica dificuldade.

PS do Viomundo: Apenas um reparo: os casos da Globo raramente chegam ao Supremo; morrem em instâncias inferiores, quando chegam lá. A Globo é maior símbolo da impunidade existente no Brasil.

Leia também:

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



83 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

italo

07 de julho de 2013 às 22h15

Demorou para o STF dar uma resposta a sociedade sobre as operacoes da PF. Seria uma bela contribuicao no combate a corrupcao. E nao o que se ve na pauta da globo apos as operacoes.

Responder

Marcio C.

07 de julho de 2013 às 12h13

Esta JB desmoraliza a cota para negros.

Responder

Regina Braga

07 de julho de 2013 às 12h04

E depois dizem que o Judiciário é isento.Barbosa tbém recebe os R$580 mil de beneficios que critica (UOL 07/07).Que exemplo!!!!

Responder

Sagarana

07 de julho de 2013 às 11h24

Justiça seja feita, esse vídeo é mais engraçado que os programas humorísticos da própria Globo. Aquela parte que o manifestante diz que a companheira Dima vai cassar a concessão da emissora é de rolar de rir.
A propósito, o que quer dizer “pivor”?

Responder

anac

07 de julho de 2013 às 08h45

Depois de Joaquim Barbosa fiquei contra o critério cotas.
Os antecedentes de Joaquim Barbosa de violência contra a própria mulher e outros e truculência o condenavam na nomeação, mas infelizmente Lula apenas baseado no critério cotas o nomeou Ministro, erro crucial que estamos todos a pagar caro. Entretanto, gente, devemos entender que Lula é humano e agiu com boas intenções.

Responder

    anac

    07 de julho de 2013 às 08h53

    Lula acertou em cheio com escolha de Dilma impedindo no minimo Serra, o vampiro, de ganhar em 2010 e o retorno do PSDB ao poder, trazendo consigo FMI, arrocho fiscal, dólar a 4 reais, quando a classe mrdia daria bye bye a Miami, New York, Londres, Roma e Paris , arrocho salarial, desemprego, privataria e a quarta quebra (falência) do Brasil, etc.

    Pelo fim do pragmatismo em 2014 que tal uma Chapa pura do PT: DILMA E LULA.

    Hélio Pereira

    07 de julho de 2013 às 14h16

    O Lula não conhecia a Figura e foi apresentado ao Barbosa pelo Frei Beto,amigo há mais de 40 anos de Lula e em quem Lula sempre depositou enorme confiança!
    Eu acho que até o Frei Beto não conhecia 100% esta figura.
    Joaquin Barbosa foi uma decepção pra todo mundo,menos pra Rede Globo.

Jose Mario HRP

07 de julho de 2013 às 08h41 Responder

Teofilo Urbani

06 de julho de 2013 às 21h21

O Lula criou o monstro, agora que o embale! Joaquim Barbosa e Lula se merecem…

Responder

Hélio Pereira

06 de julho de 2013 às 20h15

Atenção pessoal no dia 10/07 as 17:00 horas,hávera uma manifestação de um Grupo de EXTREMA DIREITA,que pretende sair da Estação Paraiso do Metrô e caminhar até o MASP,na Av Paulista.
Este Grupo conta com a simpátia de alguns Padres,membros da TFP,Militares Reformados,”Senhoras de Santana” e Viuvas da Ditadura,que defendem a criação de um Partido Militar no Brasil e vem colocando na Internet,mensagens de apoio a uma suposta candidatura de Joaquin Barbosa a Presidente.
Se você não apoia este absurdo,não compareça e não engrosse esta “Passeata Democratica”,não se torne “Massa de Manobra” da Direita Golpista.

Responder

Marat

06 de julho de 2013 às 20h12

Dizem que a justiça é cega e imparcial, mas no nosso caso ela é malandra, casuística, conservadora, tendenciosa, viciosa, mentirosa, sofista, elitista, embusteira, vil, suja, venal, oportunista e, o pior: viciada em holofotes!

Responder

    Julio Silveira

    07 de julho de 2013 às 11h16

    Sabe a tragédia disso tudo, caro Marat, é que grande parte da cidadania gosta de como ela se comporta e não pretende endireita-la. Apenas querem as mesmas concessões que são feitas a alguns especiais, na hora de enfrentar as consequências de seus atos ilegais.

Hélio Pereira

06 de julho de 2013 às 20h06

Na Globo o Barbozinha,no STF o BARBOZÃO,com esta dupla,quem se FERRA é o POVÃO!

Responder

Bonifa

06 de julho de 2013 às 19h17

“Como pode a Globo dar emprego ao filho de JB? E como JB pode deixar que isso ocorra?” É o sentimento do “Tá tudo dominado” que estimula isso coisas semelhantes. Mas uma coisa une todos estes personagens: A ignorância dos processos históricos, o que os deixa desprotegidos permanentemente às mudanças mais substanciais. Não será a primeira vez que gente e forças como eles serão triturados pelo rolo compressor da História em fatídico andamento. O vácuo de realidade que une todos estes personagens desaparecerá em frações de segundos.

Responder

Edno Lima

06 de julho de 2013 às 15h01

Não lembro de o jornalista Paulo Nogueira sugerir que o juiz Antônio Dias Toffoli estivesse moralmente impedido de julgar, no processo do mensalão petista, Jose Dirceu(a quem absolveu) e de quem foi subordinado durante dois anos na casa civil. Também não lembro de o jornalista ter avaliado que Toffoli estivesse moralmente impedido de atuar no caso do mensalão do PT, partido ao qual prestou serviços durante cinco anos, tendo ainda sido advogado de três campanhas presidencias do mesmo partido. Não lembro de o jornalista ter escrito uma única linha a respeito do aporte de 5 milhões feito por uma concessionária de serviços públicos (Como pode uma empresa altamente dependente de decisões do executivo associar-se ao filho do presidente da república?) á empresa Gamecorp (uma empresa de fundo de quintal, de propriedade do filho do então presidente da República). É verdade, o dinheiro das autuações á Globo daria para construir escolas, hospitais, portos, aeroportos etc etc, mas valor das dívidas da PETROBRAS com a receita daria para construir cerca de dez vezes mais escolas, hospitais, portos, aeroportos, etc etc. É verdade também que JB usou dinheiro público para,. num vôo de carreira, ir á cidade em que reside e aproveitar para ir ao Macarcanã. O jornalista só esqueceu de dizer (ou vai ver que é desinformado e não sabe mesmo) que os 594 congressitas brasileiros recebem mensalmente cinco passagens aéreas ( ida e volta )para para os estados de origem ( Joaquim Barbosa, assim como os outros ministros, recebe mensalmente uma passagem aérea). Há um ditado que diz que pau que dá em Chico dá em Francisco, mas o pau do jornalista(?)em tela só em Chico.

Responder

ricardo silveira

06 de julho de 2013 às 14h54

Cada vez fica mais claro o absurdo que foi o julgamento do “mensalão”. Um julgamento que precisa ser anulado para restabelecer um mínimo de decência ao STF.

Responder

    Julio Silveira

    06 de julho de 2013 às 15h29

    Discordo. O mensalão é apenas uma nomenclatura que o conservadorismo adotou para espiar seus adversários no jogo do poder, mas o ilícito existiu claramente, existiu de fato. Tendo sido admitido pelos “nobres” defensores da ética, no passado, com outra nomenclatura, chamaram de caixa dois. Para ser trabalhada no marketing, com a intenção de verem amenizada ante a cidadania, sua nefasta e traidora situação. Não, não acho que deva ser revisto o processo do chamado mensalão. O que espero, que deva ocorrer, é o enquadramento nos termos da lei, de todos os reles parlamentares indistintamente do partido a que pertençam, sempre que usarem de ilegalidade, ainda que por justificativa amparada no casuístico uso conflagrado. E, se lei não existir para enquadrá-los, que façam existir, por que hoje não há mais espaço para proliferação de hipócritas, como ratos, na Republica brasileira.

Messias Franca de Macedo

06 de julho de 2013 às 14h10

… E a agravante ocorre quando ‘o(a)jornalista é amigo(a) (sic) do [barão] patrão’, o que caracteriza um conflito de interesses irreconciliável e incompatível com o exercício do Jornalismo enquanto ciência e conjunto de princípios inalienáveis, a premissa da absoluta isenção…

… Ao conferir, digamos, ‘plasticidade’ ao substrato dos fatos e das notícias – em funções de interesses políticos, econômicos, ideológicos, mercadológicos… -, aniquila-se a possibilidade de o Jornalismo ser exercido em conformidade com a sua essência e a sua dimensão transcendental…

Responder

Gustavo

06 de julho de 2013 às 13h36

Estamos deixando que se crie um Berluscone tupiniquim, o cara transita numa boa por aí…

Responder

Jayme Vasconcellos Soares

06 de julho de 2013 às 13h25

A escolha dos juízes do STF deve ser feita pelo povo, através eleições diretas.

Responder

DARCY BRASIL RODRIGUES DA SILVA

06 de julho de 2013 às 12h45

kkkkkk!

Responder

J Souza

06 de julho de 2013 às 12h14

Se o governo quer cortar gastos, que tal o ministério da Fazenda pedir para a SECOM diminuir a propaganda na TV, que é muito cara (superfaturada)?

Responder

    J Souza

    06 de julho de 2013 às 12h15

    … Ai eu quero ver a Globo dar a notícia de corte de gastos com tanta alegria…

JOACIL DA SILVA CAMBUIM

06 de julho de 2013 às 12h04

Só mesmo quem acredita em papai-noel, saci-pererê, mula-sem-cabeça e outras lendas acreditaria no discurso hipócrita de Joaquim Barbosa

Responder

Irineu

06 de julho de 2013 às 11h32

Azenha,
Bom dia!
Isso nao pode ficar assim, não temos influencia e nem como ir ate o congresso ou ao STF, porque nao estamos no meio.
Azenha, voce é influente, tem contato com o senador Roberto Requiao e outros.
Azenha, passa isso pra eles.
E que em horario de propaganda eleitoral, eles possam bater nessa tecla várias vezes, o povo nao sabe disso.
Pode observar que o percentual de pessoas que vão atras de informaçoes no Brasil sao poucos.
Abraços Azenha.

Responder

    renato

    06 de julho de 2013 às 14h15

    A Boca dele derruba ele, é só entrevista-lo varias vezes…

Carlos Lima

06 de julho de 2013 às 11h11

A grande mídia brasileira continua a cooptar autoridades ou parentes de autoridades para obterem vantagens de forma escancarada, se legais passam longe de serem éticas. Essas autoridades recebem em troca favores para exposição de suas personalidades num marketing “full time” como se não fosse obrigação como servidor público fazerem o seu trabalho e assim os transformam em celebridades para tirarem proveito político e as vezes até financeiro. Essa história já vimos antes que o digam os Demóstenes da vida.
Que o cachoeira nos presentei com pares de telefones locados nos EUA e ai seremos felizes nos camarotes dos ricos e vibrando com nossa seleção canarinho numa explosão de suspeita alegria…gooooool éééé do BRASIL…Neymar…Neymar….haja plim..plim a sonegar até a inteligência dos brasileiros…haja plim plim

Responder

Luiz Fernando

06 de julho de 2013 às 11h03

Só falta o ministro com o “apoio” da Globo lançar sua candidatura para Presidente da República tendo como partido, um partido de direita

Responder

Álvares de Souza

06 de julho de 2013 às 10h53

Eu fico a pensar se as ações do Ministro Barbosa são atitudes que caracterizam um destrambelhamento, frutos de arroubos impensados, de uma personalidade conturbada, ou, como me parece mais provável,se não são atos muito bem pensados, que reunem, a um só tempo, a necessidade de desafiar, de amesquinhar, de tripudiar, de demonstrar desprezo profundo pelos que não são seus iguais, mas também a de chegar aos que assumem atitude semelhante, que ocupam as altitudes, de onde miram com o mais profundo desdém, verdadeira repulsa, os que se encontram ao rés do chão?

Responder

Silas

06 de julho de 2013 às 10h46

Parafraseando, um ministro do Supremo “Não tem que parecer honesto, tem que ser”.

Responder

Ana Cruzzeli

06 de julho de 2013 às 10h30

TOTALMENTE IMPEDIDO, não é Arnaldo?

Responder

Álvares de Souza

06 de julho de 2013 às 10h28

A reforma mais necessária não é a política, a fiscal, a urbana, é a do sistema judiciário brasileiro. Os políticos, por exemplo, pela sua mobilidade arrivista, começam como vereadores, viram deputados, prefeitos, governadores, e as estrepolias que cometem vão ficando mais difíceis de serem administradas, requerendo, cada vez mais, artimanhas e malabarismos para manter a unidade do conjunto. No caso do judiciário, a coisa é diferente. Seus membros tem, em tese, uns trinta anos para conceber, implantar e consolidar os feudos em que vão imperar. As alianças que celebram para maquinar a obtenção dos benefícios de que irão gozar até a morte, tem o prazo da eternidade. Organizam os concursos para preenchimento dos cargos dos que irão suscedê-los, dos que irão assessorá-los, dos que irão exercer a buracracia e comandá-la, enfim, de todo o aparato que conforma a organicidade do sistema em que reinam como príncipes e imperadores.E manipulam descara e criminosamente esses arranjos de provimento vitalício. Essa trama lhes confere um poder inigualável na República. E eles tem a mais absoluta convicção desse poder e da necessidade de mantê-lo intocável, permitindo-lhes assegurarem-se de que viverão como verdadeiros nababos, e de que sua prole, de filhos, agregados, apadrinhados e outros assemelhados, terão sua existência igualmente garantida economicamente, assegurando-lhes, ademais, o pertencimento à classe dos nobres, superiores, distintas daquelas classes menos favorecidas, das quais muitos vieram, e que lhes despertam verdadeiro horror.

Responder

Isidoro Guedes

06 de julho de 2013 às 10h09

Finalmente a máscara de Joaquim Barbosa caiu, não para nós que nunca enxergamos naquele senhor nenhum “herói” ou “paladino da moralidade”. Pois pessoas sérias e comprometidas com a justiça não se deixam manipular pela mídia, como esse senhor se deixou ao longo do julgamento do “mensalão”, no qual atuou em sintonia com essa mesma mídia (reacionária e de direita) no sentido de condenar (sem provas) o ex-ministro José Dirceu e enxovalhar o Partido dos Trabalhadores (que tem lá sim os seus defeitos, mas no governo agiu sim, gostem ou não, para reduzir as desigualdades sociais neste país).
O respeitado teólogo frei Betto, responsável pela indicação do sr. Barbosa ao STF, nos deve uma explicação até hoje sobre os motivos que o levaram a apresentar esse senhor ao presidente Lula e do porque a insistência para nomeá-lo como ministro do STF, cargo que efetivamente agora ele demonstra cabalmente não estar a altura para exercer.
Uma pessoa negra e de origem humilde, como ele, teria (e tem) todos os méritos para chegar a tal cargo. Mas as atitudes de desapreço a democracia (com seus rompantes autoritários e autocráticos) e sua postura torquemadiana (à serviço “indireto” da mídia direitista) não recomendam sua presença na nossas mais alta corte de Justiça.

Responder

Gerson Carneiro

06 de julho de 2013 às 09h58

“Detalhe: o pai do Luciano Huck, Hermes Marcelo Huck, é advogado bastante conceituado. Ele é advogado de processos no STF. O Joaquim Barbosa era o relator de um processo que o pai do Luciano Huck é advogado de uma das partes. No dia 26/06/2013, três dias úteis antes do jogo Brasil X Espanha, que Joaquim Barbosa foi assistir no camarote do Luciano Huck no Maracanã, ele transferiu a relatoria para o ministro Barroso.” @StanleyBurburin

Responder

    Maria Libia

    06 de julho de 2013 às 14h13

    Gerson, me parece que vc não se dá com alguns blogs sujos, porem esta informação é muitíssimo relevante. Por favor mande para todos os blogs sujo.

Isidoro Guedes

06 de julho de 2013 às 09h58

Finalmente a máscara de Joaquim Barbosa caiu, não para nós que nunca enxergamos naquele senhor nenhum “herói” ou “paladino da moralidade”. Pois pessoas sérias e comprometidas com a justiça não se deixam manipular pela mídia, como esse senhor se deixou ao longo do julgamento do “mensalão”, no qual atuou em sintonia com essa mesma mídia (reacionária e de direita) no sentido de condenar (sem provas) o ex-ministro José Dirceu e enxovalhar o Partido dos Trabalhadores (que tem lá sim os seus defeitos, mas no governo agiu sim, gostem ou não, para reduzir as desigualdades sociais neste país).
O respeitado teólogo frei Betto, responsável pela indicação do sr. Barbosa ao STF, nos deve uma explicação até hoje sobre os motivos que o levaram a apresentar esse senhor ao presidente Lula e do porque a insistência para nomeá-lo como ministro do STF, cargo que efetivamente agora ele demonstra cabalmente não estar a altura para exercer.
Uma pessoa negra e de origem humilde, como ele, teria (e tem) todos os méritos para chegar a tal cargo. Mas as atitudes de desapreço a democracia (com seus rompantes autoritários e autocráticos) e sua postura torquemadiana (à serviço “indireto” da mídia direitista) não recomendam sua presença na nossas mais alta corte de Justiça.

Responder

Murdok

06 de julho de 2013 às 09h18

Se o filho do JB não sabe então seu vou dizer pra ele.
A globo empunhou a bandeira do estereótipo contra o negro. O tal do esquenta, no domingo, é puro estereótipo. Nas novelas as mulheres sempre apareceram como empregadas domésticas, assim como nunca se viu um beijo de um negro em uma mulher branca e vise versa. Essa foi a história das mulheres negras na globo. Nos programas de entrevistas, não se vê negros sendo entrevistados. Fica uma simples pergunta: não existem economistas negros no Brasil, nem que seja nas universidades?
Então se o filho do JB vai trabalhar la, que ele possa pegar essas informações que estou passando, solicitar um encontro com os marinhos, e perguntar por que a globo sempre tratou os negros com menosprezo?.

Responder

hose gaspar chemin

06 de julho de 2013 às 09h13

Esse traidor tá merecendo um escracho

Responder

Rosemary LULA

06 de julho de 2013 às 08h31

Fux não é isento, mas Toffoli é. Volta LULA!

Responder

Uelinton

06 de julho de 2013 às 08h30

Paulo Nogueira trabalha na Globo, e ele tem informações secretas do que se conversa no PIG.

Responder

Dilsom

06 de julho de 2013 às 08h28

Joaquim Barbosa, primeiro negro eleito presidente do Brasil.

Responder

José Ricardo Romero

06 de julho de 2013 às 08h08

A globo pode não pagar impostos , mas paga regiamente aqueles que a servem.

Responder

pereira

06 de julho de 2013 às 07h53

Prezado federico você chegou nesse blog agora, porque as irresponsabilidades do barbosa são faladas a tempo nesse blog, o barbosa mentiu no mensalão, agora a verdade vem.

Responder

pereira

06 de julho de 2013 às 07h50

Só é o início, o barbosa vem mentindo para o povo há muitos anos, agora a verdade começa aparecer.

Responder

Julio Silveira

06 de julho de 2013 às 07h26

Qual força politica indicou o Barbosa ao Lula? Acredito que o Lula seja o grande responsável por isso, por ter sido o presidente que o indicou. Mas a culpa dessa responsabilidade, para ser justo, deve ser compartilhada, pelos políticos que certamente o indicaram, escolhas politicas feitas pelo ex-presidente, para trazer ao seu governo um caráter pragmático, com tudo o que isso pudesse significar de descaracterização dos princípios éticos e programáticos que sempre pregou seu partido. Deveríamos saber é quem foi que o indicou ao Lula, já sabemos, pelo caso tão explicito do Fux, como acontecem as coisas na Republica, ainda que a informação as vezes clara para cidadãos atentos, navegue mais ao gosto de simpatias, para serem exploradas ao gosto do amigo, mas sem sinceridade critica. Quem foi mesmo que indicou o Barbosa ao Lula, a esse anônimo importante, que provavelmente induziu o presidente ao erro, meus pêsames. Também extensivo ao ex-presidente, a quem sempre admirei, por ter ignorado o novo perfil politico que a cidadania queria imprimir quando o elegeu. Moral da historia, ponto por ponto, muitas perdas no vital intangível e alguns ganhos no material, sem garantias, e a cidadania brasileira nas ruas, com pouca gente da insensível politica nacional entendendo o porque, ou eles se fazem de rogados.

Responder

    Maria Rita

    06 de julho de 2013 às 12h38

    Pelo que sei, quem indicou JB foi frei Beto. Mas convenhamos, o cara é um dissimulado, enganou muitos de nós naquele episódio do bate boca com ‘Gilmal’ Mendes Dantas. E ninguém tem bola de cristal, né?

    Julio Silveira

    06 de julho de 2013 às 14h06

    Me desculpe Maria Rita, mas eu é que não tenho obrigação de ter bola de cristal. Mas politico, ainda mais no nível de representatividade de um presidente da Republica tem que ter sim. A bola de cristal de um presidente fica representada em seu staff, seu sistema de informações. Essa turma deve saber fazer um trabalho de bola de cristal e auxiliar o mandatário da nação em suas tomadas de decisões. Se existem órgãos na Republica que servem apenas como sustentáculo de cabide de empregos então estamos ferrados, hoje pode ser uma indicação ruim para muitos amanhã pode ser ainda pior, pode ser a invasão do país com a cidadania como sempre sendo pega com as calças na mão. Politica é coisa séria, começa com a consciência da cidadania, a consequência e a proteção ao estado, mas é preciso ter antes consciência de somos uma Nação. Muitos sequer sabem o que é isso, pensam que o país é extensão do quintal de suas casas.

anderson

06 de julho de 2013 às 00h37

http://www.conversaafiada.com.br/politica/2013/07/05/protogenes-quer-cpi-da-globo/

Protógenes quer CPI para investigar fraude fiscal da Rede Globo

O deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) diz serem graves as informações que recebeu sobre sonegações fiscais cometidas pela Rede Globo. Recentemente, documentos vazados na internet divulgaram que a empresa teria sonegado um total de R$183,14 milhões da Receita Federal. O delegado recebeu os documentos de manifestantes que protestavam contra a emissora no Rio de Janeiro nesta quinta-feira (4) e disse que fará investigação sobre o assunto no Congresso Nacional.

“Pode-se partir até para uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) como outro tipo de investigação. Do meu conhecimento, já existem alguns procedimentos investigativos. Se eles não estiverem tendo seu tratamento a altura da gravidade do que se apura, é evidente que tem de ter uma investigação maior por parte do Parlamento brasileiro”, disse o parlamentar em matéria publicada pelo R7.

Protógenes, que vem acompanhando o assunto, diz que quer integrar em sua investigação a informação de outras esferas que já estariam analisando a Rede Globo. “Eu já estou estruturando para solicitar informações junto à Receita Federal, de procedimentos instaurados, e também junto ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal, indícios de Crime Financeiro. Não há só indícios de sonegação Fiscal. Foram relatados, pelo que acompanho, crimes financeiros e crimes tributários, e há indícios a se apurar nessa direção”, afirmou.

O deputado, que é ex-delegado da Polícia Federal, relata não ver indício de fraudes na documentação apresentada pelos manifestantes. Segundo ele, “as reivindicações são legítimas”.

Na noite desta quarta-feira (3), cerca de mil manifestantes se reuniram na frente da sede da Rede Globo, no Rio de Janeiro. O grupo questionava o não pagamento dos impostos por parte da emissora à Receita Federal entre outros pontos relativos à empresa. Durante o ato, foi entregue uma carta à Rede Globo cobrando explicações sobre a fraude ao fisco, assumida pelo grupo televisivo.

Procurada pela reportagem do Portal R7, a assessoria de imprensa da Rede Globo ainda não havia se manifestado até a publicação desta nota.

Fonte: R7

Responder

    francisco niterói

    06 de julho de 2013 às 09h05

    é a CPI DA SONEGLOBO.

    Vamos divulgar este nome com forca pois possui um simbolismo. Nos tempos atuais, com discursos de 140 caracteres e memes, a luta politica nao pode prescindir de “conceitos publicitarios”. Sei que é triste, mas ate atingirmos uma certa politizacao nao nos resta muitas armas.

    É a linguagem das redes. Vide o caso da ONG change brasil.

Edgaocha

06 de julho de 2013 às 00h17

Está certo. Logo no início das discussões que envolviam o nome do Joaquim Barbosa, muitas vezes, como muitos brasileiros, assumi a posição de prudência em relação aos discursos que o criticavam. Isto por vários motivos: primeiro, quem o escolheu foi o Lula, e esperar que seus critérios para tal escolha fossem éticos e não demagógicos, a ponto de nos fazer crer que o JB assumiria uma posição de neutralidade e retidão durante o julgamento do mensalão, eram expectativas justificáveis. Eu imaginava que sua indicação não teria sido mais por sua representatividade como negro do que por suas posturas presumidamente conhecidas e que apontavam uma conduta séria. Ou seja, confiei mais no Lula do que nele. Segundo, no calor das discussões sobre o mensalão, sempre há margem para maniqueísmos tanto a favor quanto contra qualquer uma das partes. E, terceiro e mais importante: nenhum voto de confiança depositado na figura de JB foi claramente contestado a partir de sua conduta ética por ninguém que se aventurasse discutir ou ou criticar seus trabalhos no julgamento do mensalão. Isto, obviamente, se deu porque nem os mais informados jornalistas detinham informações tão contundentes quanto aos desvios do magistrado e seu vínculo direto com a Globo. Por isto, não dá pra admitir o teor de “eu avisei” do texto acima, quando acusa a todos que apelavam para a prudência de serem “inocentes úteis”. Se fôssemos, os que acusam hoje o JB com tanta veemência já teriam aberto o bico desde sua nomeação e não demonstrariam tanta relutância ao apontá-lo como alguém de padrão ético tão vulgar, como nos revelam os fatos recentes. Se há um culpado nesta história, este é o Lula e seu séquito sensacionalista, incapaz de ver além da superficialidade da imagem de “afrodescendente vitorioso” capaz de impressionar a opinião pública com tanta eficiência (inclusive a opinião dos analistas políticos mais sagazes), sem levar em conta o pacote completo (ou seria a mala sem alça e cheia de pedras) de uma personalidade enevoada que o governo terá de arrastar até a aposentadoria compulsória do dito cujo. Este fato recente de que JB tem um filho trabalhando na Globo não dá o direito a nenhum maniqueísta de plantão cantar hinos de vitória. Hoje eles têm argumentos válidos pra refutar completamente a figura do Joaquim Barbosa. Mas, é muito diferente de simplesmente desqualificá-lo com jargões do tipo “capataz”, “capitão do mato” e outros mimos pouco politizados.

Responder

    Maria Libia

    06 de julho de 2013 às 14h30

    Quem é Joaquim Barbosa:
    – Pagou uma jornalista da globo, com dinheiro público, por uma viagem de
    completa irrelevância, para Costa Rica, apenas para obter cobertura
    positiva do jornal.
    – Gastou o dinheiro público de R$ 90.000,00, para reforma de seus banheiros
    – Usou os recursos públicos para ver o jogo do Brasil, no camarote de Kulk
    e Angélica.
    – Antes de ser juiz do stf, andou em corredores públicos e privados para
    ser indicado pelo Presidente. Você se lembra desse fato? Não foi só o Fux.

    E, sinto muito, MAS EU FALEI. Não me deixei influensiar pela mídia.
    Ele fez a mesma coisa.

Sérgio L

06 de julho de 2013 às 00h10

Bem que Lula disse, anos atrás: “Está na hora de abrirmos a caixa preta do judiciário!”. Também disse, em outra época: “No congresso tem 300 picaretas!”. Parece um profeta!!

Responder

Amaro

05 de julho de 2013 às 23h50

RACISMO, ALI KAMEL, PAULO HENRIQUE AMORIM, UMA MISTURA INDIGESTA

Sobre racismo:

História 1 – Eu morava perto de um mercadinho cuja dona era morena, casada e muito bonita. O mercadinho não dispunha de um serviço pronta entrega, e eu o frequentava uma ou duas vezes por semana à procura de algumas mercadorias que haviam acabado no meio do percurso . Em mais de uma oportunidades eu ouvi a dona do mercadinho dizer o seguinte: “eu sou negra, mas não gosto de negro”.

E eu ficava intrigado com aquela colocação, na espera de uma oportunidade de questioná-la sobre tal frase que eu achava de uma indignidade atroz, mas quando não tivesse outros fregueses por perto . A sorte nunca me propiciou este momento.

Muitos anos mais tarde eu ouvi a expressão “negro de alma branca”. Não me lembro onde a ouvi, mas eu a associei imediatamente à dona do mercadinho. Sim, aquela senhora era uma “negra de alma branca” , porque não aceitava, porque tinha vergonha de sua própria negritude.

História 2 – Eu sou negro? Mas que história é essa?!
Meu avô materno tinha pele negra. Minha avó materna era uma índia. Minha mãe, morena. Meu pai, de pele tão branca, era confundido com um português, embora não tivesse nenhum sotaque lusitano. E eu sou o primogênito dessa miscigenação abençoada e por isso sou um homem “branco” muito inteligente e muito sensível.

Está claro que minha seiva é uma mistura de sangue escravo, indígena e de sangue lusitano de um português que nunca teve o prazer de comer um bacalhau no entorno da praça do Rossil.

Não tenho alma branca porque sou um branco de sangue misto. E porque minha alma é determinada pela circulação do meu sangue, e por uma forte resistência à ignomínia do pensamento único fascista, racista, odioso e inescrupuloso .

Sangue puro? Nem nos cavalos!

História 3 – Estou dançando com uma negra esplendorosa, uma bailarina excepcional, numa festa de Natal, no centro de artes e comunicação da UFPE. E o assunto racismo vem à baila.

E lá para as tantas ela me disse: “eu não gostaria que um branco casasse comigo só para demonstrar que não é racista. Não gostaria de fazer o papel de coitadinha, me envolvendo com um homem que se propusesse a me socorrer da minha solidão, “assumindo” (ela fez o sinal de entre aspas) a cor da minha pele. Sexo é uma coisa muito boa com um parceiro que flutue como estamos flutuando aqui, agora.”

Eu juro que tomei isto como uma cantada. Freud que me perdoe!

Responder

Marat

05 de julho de 2013 às 23h46

Jornalista não tem amigo, Pulitzer – rsrsrsrsrsrsrsrs – se houvesse alma, a dele estaria atormentada… Jornalistas, especialmente aqui, não tem só amigos, como companheiros, amantes, juízes, promotores, vereadores, deputados, prefeitos, governadores, presidentes etc., etc., etc…

Responder

Erico

05 de julho de 2013 às 23h21

Quanto mais se cava mais a cova fica fedorenta. Só a Dilma ter cacife pra comprar a briga e acabar com a palhaçada!

Responder

Abel

05 de julho de 2013 às 23h16

Parafraseando a (in)Veja… “patifaria suprema”!

Responder

Giordano

05 de julho de 2013 às 23h03

Malandro todo, o Quinca!

Responder

Messias Franca de Macedo

05 de julho de 2013 às 22h48

“Todo povo tem o ‘Joaquim Coitado do Ruy Barbosa’ que merece!”

Responder

emanoel

05 de julho de 2013 às 22h23

Gostaria de vê a indignação da Juventude do face. Cadê o gigante? acordem ele novamente deve está dormindo. São todos uns hipócritas.

Responder

José X.

05 de julho de 2013 às 22h06

O maior problema de todos, no entanto, se resume à sua invulnerabilidade perante às leis. Se um juiz “comum” já é praticamente intocável, que dirá o supremo presidente…

Responder

Araújo

05 de julho de 2013 às 22h01

Impressiona esse caso. Parece um ensaio de mal gosto. Onde vamos parar?

Responder

Henrique

05 de julho de 2013 às 21h38

Hoje fazem 15 anos e 1 dia que o “herói da pátria/joaquim” recebeu o relatório do mensalão tucano e…………e…………………………..e…………………………………e. He,he,he,he,he,he,he,

Responder

    Heitor

    05 de julho de 2013 às 21h50

    Ele estava ocupado assistindo jogo do Brasil no camarote da Globo, ao lado do Luciano Huck.

trombeta

05 de julho de 2013 às 21h05

É uma bofetada na cara do povo brasileiro o casamento de interesses entre globo e supremo tribunal federal, neste e em outros episódios.

Só pra lembrar a globo controla boa parte do supremo tribunal federal, controla o futebol brasileiro, controla pedaço considerável do ministério público federal, controla o mercado de publicidade nacional…

Esse câncer precisa ser extirpado.

Responder

FrancoAtirador

05 de julho de 2013 às 20h57

.
.
SONEGAÇÃO FISCAL É PRIVILÉGIO DE QUEM TEM PODER ECONÔMICO

A Quebra do Contrato Social no Brasil

Quando se fala de 500 anos de sonegação, é fundamental contextualizar, historicamente, esta prática.

O alerta é do historiador Ubiratan Castro, professor da Universidade Federal da Bahia.

No Estado moderno e democrático, os tributos são instituídos através de um pacto entre os cidadãos livres, que abrem mão de parte de suas rendas para a gestão de políticas sociais, coletivas.

“Nesse contexto, a sonegação vitima a cidadania. O sonegador subtrai sua participação na gestão da sociedade, quebra um contrato social, furta-se a cumprir um dever”.

É bom lembrar que a contrapartida ao pagamento de impostos, em tese, são direitos políticos, como o de fiscalizar a aplicação dos recursos advindos desses impostos e arbitrar, através do Parlamento, a carga tributária.

No Brasil, entretanto, os sentimentos de compromisso com a gestão da sociedade e do usufruto dessas contrapartidas não se realizam plenamente.

“A nossa transição do absolutismo para o Estado Democrático não se completou, do ponto de vista das elites”, avalia Castro.

Durante a Colônia, Reino e Império a carga tributária caía sobre comerciantes, mineradores e pequenos proprietários, havendo a casta privilegiada dos próximos ao poder que estavam livres de pagar tributos. Estar isento era símbolo de status.

Hoje, as elites mantêm seus privilégios recusando-se a participar com sua quota tributária, como reafirmação de um privilégio secular e de um descompromisso com a gestão da sociedade.

“Esse é um quadro muito específico do Brasil, onde as elites se sentem apartadas, acima do conjunto da sociedade”, diz Castro.

Por outro lado, o cidadão comum, o assalariado, o pequeno proprietário rural ou pequeno empresário, preservam uma memória da “sonegação de resistência” de outros tempos.
E, se não sonega – porque essa prática, já vimos, é privilégio de quem tem poder – paga seus impostos com uma profunda sensação de desconforto.

“Essa é uma imperfeição do nosso sistema democrático, que não garante aos cidadãos a sensação de estar interferindo nas decisões e nas políticas do país ao arbitrar e pagar impostos, ao mesmo tempo em que o faz sentir-se injustiçado por ser mais tributado que a elite, que sempre escapa, via sonegação”, diz Castro.

“Nos Estados Unidos, na Europa, o cidadão paga imposto e se sente sujeito dos processos de decisão. O que está em jogo, no Brasil é a instituição de uma verdadeira democracia fiscal”.

O leão é felino, mas sonegação de imposto é briga de cachorro grande.

As 530 maiores empresas não-financeiras do país faturaram R$ 226 bilhões em 1998.
Metade delas passou em branco pelo Fisco.
A outra metade recolheu R$ 3 bilhões em impostos.

Como se vê, é jogo inacessível a quem ganha salário e encara a alíquota de 27,5%, religiosamente, na fonte.

A jornalista Cláudia Safatle, do Jornal do Brasil, aponta os três grandes artifícios das grandes empresas para não pagar Imposto de Renda:
“dar prejuízo;
recorrer à Justiça;
e usar expedientes bastante sofisticados de planejamento tributário”.

Esses mecanismos sofisticados podem ser empresas no exterior.

“Cada vez que a Receita Federal descobre um artifício e fecha a brecha, constrói-se outro”, diz Safatle.

(http://www2.unafisco.org.br/conexao/01/materia_capa.htm#topo)
.
.
Um exercício para estimar a sonegação e o potencial de arrecadação da economia brasileira foi apresentado por Montoro Filho (1991)*.

A partir da adoção de diversas hipóteses simplificadoras acerca das estruturas de alíquotas e do comportamento dos contribuintes,
ele calculou uma sonegação de cerca de 6% do PIB para o caso do Imposto sobre a Renda,
de 6,3% para os encargos sociais (INSS, FGTS, PIS/PASEP e CSLL),
de 2,4% para o ICMS e o ISS e de 8% para os demais impostos.

Em assim procedendo, concluiu que a soma de todos os itens acarretaria uma receita potencial de 43% do PIB,
o que, perante uma carga tributária de 25%,
indicaria uma sonegação de 18%,
equivalente a 42% da receita potencial
e 72% da arrecadação efetiva.

*MONTORO FILHO, A. F. (1991) “Sonegação – religião nacional”. Folha de S. Paulo, 7 de outubro.

(http://www.senado.gov.br/atividade/materia/getPDF.asp?t=57414)
.
.
Em seu depoimento à ‘CPI dos Bancos’, o Secretário da Receita Federal [do Governo FHC], Everardo Maciel, admitiu que há “um PIB inteiro” transitando pelo sistema financeiro sem ser tributado. O cálculo de Maciel referencia-se na comparação dos tributos arrecadados com os dados de cobrança da CPMF.

(http://www2.senado.gov.br/bdsf/handle/id/82020)
.
.
SONEGAÇÃO É CRIME DE LESA-PÁTRIA E COMO TAL DEVE SER TRATADO,

POIS SONEGADORES SÃO LADRÕES DO DINHEIRO DE TODA A POPULAÇÃO!

O CONGRESSO NACIONAL NÃO PODE COMPACTUAR COM ESSE CRIME HEDIONDO!

PELO IMEDIATO PROCESSAMENTO JUDICIAL DOS CRIMES DE EVASÃO FISCAL

INVESTIGADOS PELA POLÍCIA FEDERAL E PELO MINISTÉRIO PÚBLICO,

E PELA QUEBRA DO SIGILO FISCAL E BANCÁRIO DOS SONEGADORES,

INDEPENDENTEMENTE DO PAGAMENTO DO DÉBITO TRIBUTÁRIO PELOS BANDIDOS!
.
.

Responder

    Maria Libia

    06 de julho de 2013 às 14h42

    Pelo congresso? não me faça rir!! 53% dos deputados são EMPRESÁRIOS.

francisco niterói

05 de julho de 2013 às 20h39

Quanto ao ps do viomundo, so tenho que concordar. É por isso que a decisao do juiz mandando derrubar a casa dos marinhos contruida em area de preservacao ambiental, em parati, sera devidamente derrubada em outras instancias (a decisao, nao a casa que continuara la mostrando o “compromisso” dos marinhos com a ecologia e outros discursos que eles fazem pra enganar trouxas, coma ajuda das marinas da vida, claro):

http://maureliomello.blogspot.com.br/2012/03/ecologia-dos-marinho-e-seus-pares.html

Responder

Luís Carlos

05 de julho de 2013 às 20h38

Quem se envolve com a Globo, perde totalmente a credibilidade, mas só no caso daqueles que tinham credibilidade, o que convenhamos, não era o caso de Barbosa.

Responder

Marat

05 de julho de 2013 às 20h06

Figura curiosa o JB… Leva (com nosso dinheiro) funcionária da Globo a um evento no exterior. No mesmo evento dá uma espinafrada no PIG, e faz o PIG noticiar… Em seguida dá mostras de gostar de um toma-lá-da-cá… Será que a convivência com seus pares abalou de algum modo a sólida reputação do ministro?

Responder

gileno brito

05 de julho de 2013 às 19h55

A coisa tá ficando preta para a Globo.

Responder

Maria Thereza

05 de julho de 2013 às 19h48

Mais um pilar da moral e bons costumes, que atropela tudo, pois é acima de qualquer suspeita.
Quanto à manifestação: Essa foi uma manifestação pacífica, com objetivo claro. Vai passar no jornal nacional e no fantástico, elogiando a participação dos jovens, para mudar o Brasil, começando por mudar a prática das concessões de rádio e tv?

Responder

Rodrigo

05 de julho de 2013 às 19h46

“Diz-me com quem andas e direi quem tu és”

Responder

    Simas Sampaio

    06 de julho de 2013 às 09h04

    Essa não foi dita pelo camarada Lênin?

    Maria Libia

    06 de julho de 2013 às 14h46

    Não, inocente útil, está na Bíblia.

    Mário SF Alves

    07 de julho de 2013 às 01h47

    Ou… uma ainda mais atual: “diz-me o que fazes e dir-te-ei quem és”

gileno brito

05 de julho de 2013 às 19h39

É o fim da picada !! Até quando seremos iludidos pelos falsos donos da moral !! Avisem ao J Barbosa para ter cuidado com a Globo. A Globo poderá macular sua pobre imagem.

Responder

    H. Back™

    05 de julho de 2013 às 21h23

    Coitado do Joaquim. Depois que for usado e não servir mais, vai ser descartado como lixo.

schmidt

05 de julho de 2013 às 19h27

Seria esse o verdadeiro “toma lá, dá cá”?

Responder

    H. Back™

    05 de julho de 2013 às 21h21

    Se isso não for o famoso “toma lá, dá cá”, então eu não sei o que é.

J Souza

05 de julho de 2013 às 19h23

Coisa boa é ter papai ou maridão no STF…
Consegue emprego em bons escritórios de advocacia…
Consegue emprego em conglomerado midiático…
Tem lobby garantido para vaga de desembargador…

E os papais e maridões ainda garantem bons contratos de advocacia quando se aposentam do STF…

É só alegria!

Responder

Fernando

05 de julho de 2013 às 19h19

Hummm….!!! Será que os outros Ministros também têm com filhos na folha de pagamento da Globo???

Responder

Francisco

05 de julho de 2013 às 19h07

Pois é.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!